V universidade de São Paulo



Baixar 422.13 Kb.
Pdf preview
Página7/19
Encontro23.11.2022
Tamanho422.13 Kb.
#26063
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   19
fuvest 2022 primeira fase tipo V
Nun´Álvares Pereira 
Que auréola te cerca? 
É a espada que, volteando,
Faz que o ar alto perca 
Seu azul negro e brando.
Mas que espada é que, erguida,
Faz esse halo no céu? 
É Excalibur, a ungida,
Que o Rei Artur te deu. 
´Sperança consumada,
S. Portugal em ser,
Ergue a luz da tua espada 
Para a estrada se ver! 
Fernando Pessoa. In: “A Coroa”, Parte I, Mensagem
A primeira parte de Mensagem, organizada como um 
correlativo poético do Brasão das Armas de Portugal, perfila 
uma série de figuras míticas e históricas que teriam sido 
responsáveis pela formação nacional portuguesa. A seleção 
de Nun´Álvares Pereira para ocupar o lugar da Coroa 
(A) sugere, pela imagem do halo de luz, que a verdadeira 
nobreza é de espírito.
(B) destaca, através da referência ao mito arturiano, o seu 
sangue bretão.
(C) distingue, por meio do substantivo “´sperança”, um 
regente digno de seu posto. 
(D) enaltece, pela repetição da palavra espada, a guerra como 
estrada para o futuro. 
(E) indica, associada ao adjetivo “consumada”, uma visão 
desenganada da história. 
TEXTO PARA AS QUESTÕES 25 E 26 
A taxação de livros tem um efeito cascata que acaba 
custando caro não apenas ao leitor, como também ao mercado 
editorial – que há anos não anda bem das pernas – e, em última 
instância, ao desenvolvimento econômico do país. A gente 
explica. Taxar um produto significa, quase sempre, um aumento 
no valor do produto final. Isso porque ao menos uma parte desse 
imposto será repassada ao consumidor, especialmente se 
considerarmos que as editoras e livrarias enfrentam há anos uma 
crise que agora está intensificada pela pandemia e não poderiam 
retirar o valor desse imposto de seu já apertado lucro. Livros mais 
caros também resultam em queda de vendas, que, por sua vez, 
enfraquece ainda mais editoras e as impede de investir em novas 
publicações – especialmente aquelas de menor apelo comercial, 
mas igualmente importantes para a pluralidade de ideias. Já deu 
para perceber a confusão, não é? Mas, além disso, qual seria o 
custo de uma sociedade com menos leitores e menos livros? 
Taís Ilhéu. “Por que taxar os livros pode gerar retrocesso social e econômico 
no país”. Guia do Estudante. Setembro/2020. Adaptado. 


Concurso Vestibular FUVEST 
− 2022 

25 
De acordo com o texto, os eventos sequenciais aos quais 
alude a expressão “efeito cascata” são: 
(A) livros mais caros, decréscimo de vendas, estímulo às editoras, 
supressão de investimento em novas publicações. 
(B) aumento do valor do produto final, queda de vendas
encolhimento das editoras, aumento do investimento em 
novas obras. 
(C) livros 
mais 
caros, 
instabilidade 
nas 
vendas, 
enfraquecimento das editoras, expansão das publicações. 
(D) aumento do valor do produto final, contração nas vendas, 
esgotamento das editoras, falta de investimento em novas 
publicações. 
(E) livros mais caros, equilíbrio nas vendas, diminuição das 
editoras, carência de investimento em novas publicações. 
26 
No 
texto, 
os 
pronomes 
em 
negrito 
referem-se, 
respectivamente, a:
(A) taxação de livros, mercado editorial, crise, queda de vendas. 
(B) taxação de livros, leitor, crise, queda de vendas. 
(C) efeito cascata, mercado editorial, crise, queda de vendas. 
(D) efeito cascata, mercado editorial, livrarias, livros. 
(E) efeito cascata, leitor, crise, livros. 
27 

Baixar 422.13 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   19




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal