Universidade federal da bahia faculdade de medicina da bahia


IV - Gordura sadia x gordura doentia: o corpo das baianas e o trabalho



Baixar 423.99 Kb.
Pdf preview
Página22/37
Encontro17.03.2020
Tamanho423.99 Kb.
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   ...   37
IV - Gordura sadia x gordura doentia: o corpo das baianas e o trabalho 

 

 

Diante das narrativas, foi identificada uma diferença entre o corpo para o 



trabalho de baiana e o corpo para a vida social. O corpo para estas mulheres é 

mais do que um instrumento de execução do trabalho.  Ele faz parte de um 




 

47

campo estético em que este corpo volumoso adicionado às suas roupas, suas 



vestimentas, seus adereços se apresentam como uma condição para suas 

vendas. É como se o encontro do freguês com um corpo gordo e caracterizado 

se apresentasse de forma positiva, trazendo a idéia defendida há tempos atrás 

em que gordura seria significado de poder e ostentação. “Porque o corpo da 



gente representa mais a baiana, a gente meio magrinha fica meio estranha. A 

gente fortizinha já sai mais, a baiana sai mais, representa mais um pouco a 

baiana” (Baiana Ana, grifo nosso).

 

           Segundo  Meurer & Gesser (2008), existe um elo entre a beleza e o 



poder retratados pelos corpos esculpidos da sociedade contemporânea, 

sugerindo a idéia de que pessoa obesa, que um dia inspirou obras de arte, é 

hoje condenada pelo contexto sócio-cultural e pela medicina e responsável por 

sua obesidade,

 

devido à falta de vontade de se exercitar/disciplinar e de 



autocontrole. No entanto, neste estudo, a mulher enquanto trabalhadora, esse 

elo se apresenta situado em seu corpo volumoso, centrado na baiana de 



acarajé como um cartão postal da cidade do Salvador. 

Este fato pode ser observado na baiana Cecília. Seu ponto é localizado 

no coração do Pelourinho, onde há muita passagem de turistas. Porém a 

mesma não permite que lhe tirem uma foto sem que lhe paguem uma quantia 

de R$10,00 ou comprem o seu acarajé. A partir daí corpo e beleza passam a 

ser atributos do mercado como um objeto de consumo. 

Em estudo de Ferreira (2006), realizado no Rio de Janeiro, com 

mulheres obesas, a autora identificou um corpo obeso apto para o trabalho. 

Entre um corpo magro e ágil e um magro e doente este último parecia ser 

ameaçador para o trabalho. Particularmente neste grupo, o uso do corpo pode 

compreender uma visão mais utilitária, fruto da importância da força física nas 

ocupações desempenhadas (trabalhos informais). 

No século XIX, um pouco de adiposidade era sinal de status e riqueza e 

conseqüentemente prestígio social. Em contraponto a essa idéia do século 

retrasado, hoje o mínimo sinal de gordura  é rechaçado. Além disso, os 

referenciais de obesidade e magreza podem mudar com o tempo. No passado, 

era “preciso ser bem mais gordo para ser julgado obeso e bem menos magro 

para ser considerado magro”. (Fischler, 1995, p 79). Porém este referencial 

pode também mudar com o lugar, o ambiente que ele está alocado. “Ser gordo 

em Salvador, não necessariamente implica o mesmo em outras localidades 




 

48

(Santos, 2008 p, 98). O termo obeso é para o doente, portador de uma 



patologia, mas o termo gordo não necessariamente se refere a uma doença. 

Há em Salvador, com sede no Pelourinho, uma “Associação dos Gordos e 

Obesos de Salvador (ASGOBS)”. Distinção não é separação e, não por acaso, 

ela foi adotada para nomear esta organização da sociedade civil. 

Segundo Tonial (2001) o corpo magro está relacionado entre as classes 

mais populares enquanto corpo fraco, inapto para enfrentar as tarefas diárias 

de trabalho. Porém nas classes mais altas, o corpo magro representa um 

padrão utilizado como forma de ascensão ou promoção social, como requisito 

de inserção no mercado de trabalho e como símbolo de status social. 

No Brasil, o estudo de Zaluar (1985) revelou que para as mulheres das 

classes populares, a obesidade era por vezes valorizada como elemento de 

força. Silva (1995) verificou em seu estudo com mulheres obesas de baixa 

renda que a obesidade era um atributo sexual importante no grupo. Freitas 

(2002) realizou um estudo em um bairro popular de Salvador, onde a 

obesidade, nesta comunidade, não é considerada uma doença, mas antes uma 

escolha de ser, em que a estética corporal representa saúde e atrativo sexual. 

Em outros momentos históricos ser obeso significava beleza, grandiosidade e 

feminilidade (Meurer & Gesser, 2008). O corpo erótico e sensual era 

representado pelas formas arredondadas. 

Neste sentido há um paradoxo existente nos discursos destas mulheres 

que elegem um corpo obeso para o trabalho de baiana e um corpo mais magro 

para a vida cotidiana.  

 

 

Que as baianas magras me perdoem, mas a gordura em si, eu tô falando 



aquela gordura sadia, que você fica bem na roupa. Aquela gordura doentia 

não, não serve, nem pra mim nem pra ninguém. Pelo menos a minha ela é 

sadia (Baiana Helena). 

 



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   ...   37


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal