Universidade federal da bahia faculdade de medicina da bahia



Baixar 423.99 Kb.
Pdf preview
Página21/37
Encontro17.03.2020
Tamanho423.99 Kb.
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   37
 

 

O seu corpo pode até estar emagrecido pela falta de uma alimentação 

adequada, mas, ao se inserir no universo do acarajé como uma baiana, seu 

corpo se encontra, a partir de então, destinado a ser um corpo obeso.  

Segundo a Teoria dos Miasmas, estudado por muitos pesquisadores 

(Laín Entralgo, 1978; Machado, 1978; Czeresnia, 1997), no século XVIII, 

muitas das enfermidades que assolavam os indivíduos, naquela época, eram 

causadas pelo mau cheiro ou odores. Estes continham os miasmas e eram 

transmitidos pelo ar. Enquanto a teoria do contágio estava relacionada ao tato, 

a teoria miasmática enfatizava o olfato. Eram relatados que as pessoas que 

estivesse em locais com mau cheiro e o aspirassem poderiam ser 

contaminados e desenvolver qualquer tipo de doença. Os miasmas seriam 

todas as emanações nocivas, as quais corrompiam o ar e atacavam o corpo 

humano. A atmosfera podia ser infectada por eflúvios resultantes da alteração 

e da decomposição de substâncias orgânicas, vegetais, animais ou humanas 

(Chernoviz, 1890, p. 421). Para a 'teoria miasmática', tanto o meio físico quanto 

o social seriam produtores de miasmas. Essas emanações eram combatidas 

pela renovação e circulação do ar. Tudo que estivesse parado, estagnado 

poderia ser um elemento perigoso à saúde pública, um produtor de miasmas. 

Inicialmente, supunha-se que a doença estava no ar e que, portanto, era 

necessário fazê-lo circular (Martins, 1997).  

Pode-se realizar uma analogia aos miasmas de proveniência espiritual 

que também são nocivos à saúde incorpórea. Estes seriam todas as sujidades 

associadas ao profano que ficariam “presas” ao corpo imaterial (ou Espírito) 

podendo também ocasionar enfermidades. Segundo Carrel (2005) quando os 



 

46

sinais e sintomas de uma doença se fazem presentes no corpo, indicam que a 



causa desta manifestação já se encontra no Espírito. 

Em ambos os casos deve haver uma “higienização” do corpo ou do 

Espírito em que evitaria certos tipos de enfermidades.  

Em Salvador, nas festas de largo, pode ser percebido, as “limpezas” que 

são realizadas através dos banhos de folhas, banho de pipoca, banho de sal 

grosso, que são preceitos, oriundos do Candomblé, realizados para retirar o 



mau olhado proveniente das relações interpessoais e espirituais.  

Segundo Souza Junior (2003), o equilíbrio que existe entre o fiel e o 

orixá é designado pelo “fechamento do corpo”. Segundo o autor “Fechar o 

corpo é o mesmo que passar por uma série de prescrições rituais capazes de 

garantir a sua proteção. Ter o corpo fechado significa ter axé, ter força, força 

que pode aumentar ou diminuir. É ter poder, sucesso, realizações. Significa 

estar sadio.” Afirma também que o corpo se abre em situações específicas 

quando o axé diminui e o corpo fraqueja, o que se expressa na doença.” 

Há nas falas das baianas uma combinação entre a teoria química da 

mudança de estado (do líquido – azeite de dendê - para o gasoso – 

representado pela fumaça na fritura do bolinho no azeite – e a idéia da teoria 

miasmática de que, pelo olfato, aspirando a fumaça de modo contínuo, a 

quituteira fica obesa (”só esse cheiro... me engorda”, “aquilo ali constante, você 

engorda”). 

As falas acima também expressam uma visão tradicional do adoecer – a 

visão ontológica, onde “doença entra e sai do homem como por uma porta” 

(Canguilhem, 2006, p.19). A herança, os aspectos dinâmicos da pessoa não 

têm importância, ou, pelo menos, não têm tanto importância como os agentes 

externos, em particular a fumaça, relacionada a tantos valores simbólicos pelos 

saberes religiosos. 

 

 



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   37


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal