Universidade de são paulo instituto de arquitetura e urbanismo de são carlos



Baixar 1.49 Mb.
Página15/67
Encontro30.06.2021
Tamanho1.49 Mb.
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   67
Jogos Infantis e Educativos – Jogos cuja modalidade principal não é desafiar os participantes, mas introduzir mecanismos que permitam seu desenvolvimento físico e mental. Em geral não há disputa entre os participantes.

Jogos Digitais – Utiliza a definição de Schuytema, para o qual “um jogo eletrônico é uma atividade lúdica formada por ações e decisões que resultam numa condição final. Tais ações e decisões são limitadas por um conjunto de regras e por um universo, que no contexto dos jogos digitais, são regidos por um programa de computador.” O universo contextualiza as ações e decisões do jogador, fornecendo a ambientação adequada à narrativa do jogo, enquanto as regras definem o que pode e o que não pode ser realizado, bem como as consequências das ações e decisões do jogador. Além disso, as regras fornecem desafios a fim de dificultar ou impedir o jogador de alcançar os objetivos estabelecidos. Sob uma ótica mais pragmática, “Battaiola [6] afirma que o jogo eletrônico é composto de três partes: enredo, motor e interface interativa. O enredo define o tema, a trama, os objetivos do jogo e a seqüência com a qual os acontecimentos surgem. O motor do jogo é o mecanismo que controla a reação do ambiente às ações e decisões do jogador, efetuando as alterações de estado neste ambiente. Por fim, a interface interativa permite a comunicação entre o jogador e o motor do jogo, fornecendo um caminho de entrada para as ações do jogador e um caminho de saída para as respostas audiovisuais referentes às mudanças do estado do ambiente.” (LUCCHESE e RIBEIRO s/ano)

Ao concluir que esses métodos de classificação podem ser aplicados a todas as formas de jogos, os autores Lucchese e Ribeiro se propõem a identificar quais seriam os elementos presentes nos jogos digitais que “os caracterizam e os distinguem de forma única das demais formas de representação dos jogos”.

Em primeira análise, os autores apontam que os jogos estão intimamente relacionados à mídias computacionais. Contudo, esses jogos não são apenas representações de jogos através de recursos computacionais, embora alguns jogos como os de tabuleiro possam ter tanto representações físicas quanto reais. Os jogos de tabuleiro físicos e digitais, por exemplo, mantém as regras e elementos que podem identificá-los como tais, contudo sua forma de representação se altera. Um tabuleiro físico é composto por peças palpáveis, enquanto o tabuleiro digital é composto por elementos em forma de gráficos interativos em um monitor. Dessa forma, conclui-se que os jogos eletrônicos podem ser diferenciados dos outros jogos pela forma como são representados.

Apontam também que para Juul a existência de mundos fictícios é a principal característica que distingue os jogos digitais dos não-digitais. Nos jogos digitais o mundo fictício é compartilhado e delimitado enquanto nos demais jogos este mundo seria limitado ao imaginário de cada participante do jogo. Outra forma de diferenciar os jogos seria através da rigidez das regras. Nos jogos não-digitais pode-se negociar as regras dos jogos entre os participantes, enquanto nos jogos digitais isso não seria possível pois as regras estariam pré-determinadas pelo programador do jogo.

Assim, os jogos digitais apresentam uma “realidade virtual” mais rica e poderosa tendo em vista a perspectiva sensorial e oferecerem formas de interação mais dinâmicas que as observadas em ambientes não digitais.

A seguir, partindo do entendimento de que a diferenciação entre jogos digitais e não-digitais ocorre através das formas de representação, Lucchese e Ribeiro procuram revisar os principais elementos dos jogos propostos por Crawford.

Crawford, cuja classificação de jogos aparece nos artigos “Conceituação dos Jogos Digitais” e “Jogos Digitais: definições, classificações e avaliação”, semelhante a Caillois procurou encontrar os elementos mais básicos presentes nos jogos identificando-os como: representação, interação, conflito e segurança. Os exemplos fornecidos são meus, através de minha interpretação da definição desses quatro elementos.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   67


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal