Universidade católica de moçambique centro de Ensino à Distância Manual do Curso de Licenciatura em Ensino da Língua Portuguesa Literaturas Africanas em Língua Portuguesa I código: P0208 Módulo único 22 Unidades



Baixar 11.83 Mb.
Pdf preview
Página72/81
Encontro09.07.2022
Tamanho11.83 Mb.
#24191
1   ...   68   69   70   71   72   73   74   75   ...   81
Literatura Africana Em Língua Portuguesa I
 
Exercícios 
1. Diferencie, apresentando os respectivos colaboradores, a 
literatura colonial e nacional da Guiné-Bissau. 


 
Centro de Ensino à Distância 89 
2. Faça um resumo sobre a literatura colonial e nacional da 
Guiné-Bissau. 
 
 


 
Centro de Ensino à Distância 90 
Unidade 21. Afirmação da Literatura Guineesse “anos 70”: 
Antologia (Mantenhas para quem luta!) 
Introdução
Os anos 70 conheceram três outros testemunhos de uma voz 
colectiva, em que se revelaram jovens ainda estudantes do liceu. 
São eles: Mantenhas para quem luta! – a nova poesia da Guiné- 
Bissau (1977), em que se revelaram catorze jovens, tendo seis 
(Armando Salvaterra, António Soares Lopes, Hélder Proença e, 
outros) continuado na Antologia da revolução e a recordação do 
passado recente (s/d. – 1979), esta publicada em Bolama. dentro 
desses testemunhos, vamos nesta unidade, destacar a estética da 
poesia que acompanha a antologia Mantenhas para quem luta! 
Ao completar esta unidade / lição, você será capaz de:. 
 
Descrever os percursos da Literatura crítica da Guiné-
Bissau nos anos 70. 
 Perspepectivar o surgimento de uma literatura nacional
1963 é um ano significativo na literatura guineense. É o ano da 
publicação de Poetas e contistas africanos, de João Alves das 
Neves, em que como representação da literatura guineense, figura 
António Baticã Ferreira, que, em 1972, publicará em poesia e 
ficção e, em 1973, em Poilão. 
A Poesia de Baticã Ferreira revela de uma angustiada tentativa de 
identificação com a terra natal, expressa pela evocação da infância 
e de uma visão idílica da natureza captada através de uma 
imagética sinestésica, de teor telúrico, talvez à dolorosa 
consciência da ruptura decorrente da situação de exílio geográfico 
e cultural do poeta. Num outro “ A fonte”, o sujeito parece 
reivindicar a fonte, configurando-se já uma tímida africanidade, 
circunscrita, não obstante, pelos limites de uma cultura 
espartilhada pelo mito da assimilação. Nesse contexto, é 
significativo o facto de António Baticã Ferreira não ter sido 
incluído numa recente antologia, publicada em 1990. 
Em 1973, é publicado o caderno de poesias de onze autores, 
poilão, pelo grupo Desportivo e Cultural dos Empregados do 
Banco Nacional Ultrmarino, em que participaram quatro 
guineenses: António Baticã Ferreira, Pascoal d’Artagnam 
Aurigemma, Atanásio Miranda e Tavares Moreira. Testemunho da 
primeira voz colectiva guineense, poilão não teve, porém 



Baixar 11.83 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   68   69   70   71   72   73   74   75   ...   81




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal