Universidade católica de moçambique centro de Ensino à Distância Manual do Curso de Licenciatura em Ensino da Língua Portuguesa Literaturas Africanas em Língua Portuguesa I código: P0208 Módulo único 22 Unidades



Baixar 4.82 Kb.
Pdf preview
Página65/81
Encontro09.07.2022
Tamanho4.82 Kb.
#24191
1   ...   61   62   63   64   65   66   67   68   ...   81
Literatura Africana Em Língua Portuguesa I
Objectivos 
 Descrever a literatura colonial produzida por metropolitanos e 
cabo-verdianos. 
O romance de Aíto Bonfim é lançado originalmente em 1992, é apresentado 
agora, mais de uma década passada, nesta edição do Instituto Camões – Centro 
Cultural Português em S. Tomé e Príncipe. O autor, nascido na cidade de S. 
Tomé em 1955, tem várias obras publicadas e venceu diversos prémios 
literários, entre os quais se destaca o Primeiro Prémio de Teatro do Concurso da 
União Nacional de Escritores e Artistas Santomenses, em 1990, com a peça O 
Golpe. 
Em 1992, Aíto Bonfim publica a sua primeira (e até agora única) obra de ficção, 
O suicídio cultural, um romance que releva preocupações políticas do autor
também ele o autor da berlização ou da partilha de África (1985) e o Golpe- 
uma autópsia (>996) textos dramáticos que, tal como o seu livro de Poemas 
(1990), denunciam a cumplicidade dos africanos no estado do continente.
Mais do que isso, é uma obra em que o autor pretende encenar o resultado das 
religiões entre os africanos e os europeus, atribuindo aos primeiros a 
«responsabilidade e a culpa» de terem desenvolvido um projecto político e 
cultural conducente á perda da identidade africana. Os africanos e os seus 
ideais, simbolicamente representados pela Kafra e pelo corredor (atleta) etíope, 
vão perdendo a sua identidade histórica e cultural á medida que aceitam os 
valores europeus e negam os seus. 
Grande parte da intriga desenvolve-se através de um diálogo que o protagonista, 
o Velho Kakólo, preso político, mantém com outras duas personagens, Ká e 
Kaké, que mais do que o desdobramento de si próprio em fases anteriores da 
sua personalidade: respectivamente, infância (Ká) e na juventude (Kakó, jovem 
revolucionário). 
Nesta obra, entende-se uma narração em que os africanos depois de se tornarem 
independentes, substituiram as potências coloniais, passaram de dominado ao 



Baixar 4.82 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   61   62   63   64   65   66   67   68   ...   81




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal