Universidade católica de moçambique centro de Ensino à Distância Manual do Curso de Licenciatura em Ensino da Língua Portuguesa Literaturas Africanas em Língua Portuguesa I código: P0208 Módulo único 22 Unidades



Baixar 4.82 Kb.
Pdf preview
Página15/81
Encontro09.07.2022
Tamanho4.82 Kb.
#24191
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   81
Literatura Africana Em Língua Portuguesa I
 
Centro de Ensino à Distância 16 
recorrentes da literatura cabo-verdiana, como os da fome, do vento 
e da terra seca, ou de certa insatisfação e incomodidade, numa 
atmosfera muito próxima do naturalismo. 
O fundamento que leva a que se possa designar tal período como 
Hesperitano ressalta da assunção do antigo mito hesperitano ou 
arsinário. Trata-se do mito, proveniente da Antiguidade Clássica, 
de que, no Atlântico, existiu um imenso continente, a que deram o 
nome de Continente Hespério. As ilhas de Cabo Verde seriam
então, as ilhas arsinárias, de Cabo Arsinário, nome antigo do Cabo 
Verde continental, recuperado da obra de Estrabão. 
Os poetas criaram o mito poético para escaparem idealmente à 
limitação da pátria portuguesa, exterior ao sentimento ou desejo de 
uma pátria interna, íntima, simbolicamente representada pela 
lenda da Atlântida, de que resultou também o nome de atlantismo 
hesperitano, por oposição ao continentalismo africano e europeu.
3.° Período, que principia no ano de 1936 (ano da publicação da 
revista-mater Claridade) e vai até 1957, muito mais tarde do que a 
fase a que Luís Romano chama dos «Regionalistas ou Claridosos» 
(para ele termina com os neo-realistas da revista Certeza, de 
1944). 
Ainda em 1941, sai Ambiente, livro de poemas de Jorge Barbosa. 
António Nunes publica, depois, os Poemas de longe (1945) e 
Manuel Lopes, os Poemas de quem ficou (1949), a que se segue o 
romance fundador Chiquinho (1947), de Baltasar Lopes, passando 
pelo Caderno de um ilhéu (1956), de Jorge Barbosa, e o primeiro 
romance de Manuel Lopes, Chuva braba (1956). Todos sem 
interferência da Negritude, mas, curiosamente, coincidindo no 
tempo as publicações de neo-realistas e claridosos, não sem que, 
entretanto, fossem impressos livros deslocados no tempo, como os 
Lírios e cravos (1951), de Pedro Cardoso, e as Poesias (1952), de 
Januário Leite, poetas do cabo-verdianismo. 

Baixar 4.82 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   81




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal