Um legado de liberdade assim como eu não seria escravo, tampouco seria



Baixar 0.54 Mb.
Pdf preview
Página28/46
Encontro17.03.2020
Tamanho0.54 Mb.
1   ...   24   25   26   27   28   29   30   31   ...   46
Lincoln, o  

Emancipador

MICHAEL JAY FRIEDMAN


ABRAHAM LINCOLN

: UM LEGADO DE LIBERDADE

 

 

47



O que foi ele? Uma resposta justa 

requer que avaliemos Lincoln no 

contexto de sua época e do papel que 

exerceu na vida pública.

“Sempre odiei a escravidão tanto 

quanto qualquer abolicionista”, 

disse Lincoln em 1858. Mas quando 

o adversário político Stephen A. 

Douglas o acusou de promover a 

igualdade racial, ele respondeu: “Não 

sou, e nunca fui, a favor de promover 

a igualdade social e política entre 

a raça branca e a negra.” Lincoln 

também atacou “a falsa lógica que 

presume que, porque não desejo 

uma mulher negra como escrava

devo necessariamente desejá-la como 

esposa”. E pouco antes de assinar 

a Proclamação da Emancipação, 

libertando escravos da Confederação 

Sulista, o presidente Lincoln 

convidou uma delegação visitante de 

negros livres a levar em consideração 

emigrar para o Haiti ou a América 

Central, sugerindo: “É melhor para 

os dois lados ... estar separados.”

Entende-se melhor muitas das 

ações de Lincoln se nos lembrarmos 

que ele não escolheu a carreira de 

profeta moral, mas como escreveu 

o importante historiador James M. 

McPherson,



a de político, um praticante da 

arte do possível, um pragmático 

que subscreveu aos princípios 

[abolicionistas], mas reconhecia 

que os mesmos só poderiam ser 

alcançados de forma gradual, passo 

a passo, como fruto de compromisso 

O presidente Lincoln no Escritório dos Telégrafos do Departamento de Guerra, 

redigindo a Proclamação da Emancipação

 Quase todos 

os homens 

são capazes 

de suportar 

adversidades, 

mas se quiser 

por à prova o 

caráter de um 

homem, dê-lhe 

poder.

 

P



 

ara alguns americanos, Abraham Lincoln continua a ser o Grande Emancipador, 

o homem que libertou os escravos afro-americanos. Para outros, Lincoln foi 

um oportunista que aderiu tarde ao movimento abolicionista, um defensor da 

emigração voluntária dos negros americanos e até mesmo da supremacia branca.



48

 

 

ABRAHAM LINCOLN: UM LEGADO DE LIBERDADE



e negociação, acompanhando o 

ritmo das mudanças progressivas 

da opinião pública e das realidades 

políticas.

Embora Lincoln respeitasse 

bastante a opinião pública, ele 

sempre se ateve à crença básica de 

que, nos termos da Declaração de 

Independência, todos os homens 

têm direitos iguais e inalienáveis 

à vida, à liberdade e à busca 

da felicidade. Para um homem 

do início e meio do século 19, 

Lincoln conservou-se livre de 

preconceitos sociais. Frederick 

Douglass, o grande pensador, editor 

e abolicionista afro-americano, 

encontrou-se com Lincoln na Casa 

Branca em 1864 e relatou que 

“em sua companhia não me senti 

de forma alguma constrangido 

devido à minha origem humilde ou 

à impopularidade de minha cor”. 

O presidente recebeu Douglass 

“exatamente como você vê um 

cavalheiro receber outro”. Lincoln 

era “um dos raros americanos que 

podia entreter um negro e conversar 

com ele sem nunca lembrá-lo da 

impopularidade de sua cor”, concluiu 

Douglass.






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   24   25   26   27   28   29   30   31   ...   46


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal