Título do trabalho



Baixar 0.68 Mb.
Página3/6
Encontro08.10.2019
Tamanho0.68 Mb.
1   2   3   4   5   6
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Elegemos "animações infantis" e "a coexistência de homens-príncipes e homens-vilões" como critérios para seleção de nosso corpus de análise devido ao nosso interesse e preocupação com a infância e por entendemos que, assim como as princesas, os príncipes e vilões apresentam modelos com os quais meninos e meninas podem se identificar para construir (e ajustar) seus gêneros. Nossas hipóteses e expectativas são as de que os príncipes, heróis e outras personagens masculinas antagonistas respondam, ainda que assimetricamente, aos comportamentos, caracterizações, falas, sonhos e preferências da masculinidade hegemônica.

Quanto aos monstros, vilões, bruxos e demais personagens masculinas antagonistas da Disney, nossa hipótese é a de que expressam o abjeto, o desvio e que corporificam tudo aquilo que é desqualificado para e entre os meninos e homens. Nessa linha de raciocínio, comportamentos afeminados, delicados e que, de alguma forma, possam ameaçar a soberania e o status da masculinidade hegemônica seriam atribuídos aos vilões, enquanto que a virilidade, a força e a heterossexualidade - cobrados dos indivíduos masculinos desde a infância - seriam projetados nas personagens protagonistas. Com isso, caso nossa hipótese seja constatada, príncipes, vilões e outras personagens masculinas da Disney atuariam na manutenção e em favor da masculinidade hegemônica e dos papéis e poderes que exerce na hierarquia de masculinidades.





Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal