Territorio e Sociedade3 pnld18 pr pontualOK. pdf


   Faça o mesmo em relação ao autor do texto: o que já sabem dele e o que imaginam que seja sua opinião sobre o assunto. 4



Baixar 59.14 Mb.
Pdf preview
Página380/520
Encontro29.09.2021
Tamanho59.14 Mb.
1   ...   376   377   378   379   380   381   382   383   ...   520
3.   Faça o mesmo em relação ao autor do texto: o que já sabem dele e o que imaginam que seja sua opinião sobre o assunto.
4.  Peça aos estudantes que leiam o texto.
A seguir, indicamos alguns questionamentos que 
podem auxiliar na leitura de um texto, seguindo as 
etapas anteriormente descritas.
Antes da leitura:
•  Qual é o título do texto? Sobre o que você acre-
dita que ele irá tratar?
•  O que você já sabe sobre esse assunto?
•  Você conhece o autor e/ou a instituição que ele 
representa? O que sabe sobre ele(s)?
•  A imagem e a legenda (se houver) que acompa-
nham o texto trazem alguma informação sobre 
o provável assunto?
•  Qual é a provável relação desse texto com os 
conteúdos geográficos estudados? 
Durante a leitura:
Depois de levantar esses pontos, que podem ser regis-
trados no quadro de giz, o professor pode prosseguir com 
a leitura do texto pelos estudantes, de forma individual 
ou coletiva (com cada estudante lendo uma parte em 
voz alta), e intervir oportunamente com novas perguntas:
•  O título descreve bem o texto?
•  O que você já sabia sobre o assunto ajudou na 
compreensão?
•  O que o autor defende? Você concorda com 
ele? Por quê?
•  Qual é a tipologia textual (narração, dissertação, 
poesia etc.) usada pelo autor? Você acha que 
ela o ajudou a expressar sua opinião?
•  Que palavras você não compreendeu? Esse 
desconhecimento atrapalhou a leitura? Neste 
caso, que estratégia(s) utilizou para sua com-
preensão?
•  O autor faz indicações de outros textos ou 
materiais?
Após a leitura:
Pode-se propor um exercício coletivo de com-
preensão e análise em grupo direcionado para os 
principais pontos do texto. Essa atividade pode ser 
na forma de debate, resenha crítica ou mesmo rees-
crita do texto com outra tipologia ou linguagem (por 
exemplo: a poesia vira prosa ou vice-versa, o texto 
traduz-se em ilustração etc.).
A seguir, oferecemos um exemplo de proposta de 
atividade baseada em um texto que pode ser usado 
como complemento dos estudos do Capítulo 4 do 
Volume 3 da Coleção.
TS_V3_Manual_ParteComum_281_314.indd   292
30/05/16   14:57


293
Exploração de mapas
A cartografia, linguagem referencial da ciência geo-
gráfica, deve ser explorada tanto para ampliar o enten-
dimento dos assuntos tratados nos textos quanto para 
auxiliar na espacialização de dados e informações. 
Ao longo dos capítulos da Coleção, apresentamos 
mapas temáticos diversos para a visualização dos fenô-
menos geográficos em estudo, que podem ser explora-
dos de diferentes maneiras e em momentos variados do 
processo educativo. Para dar maior ênfase ao estudo 
cartográfico, elaboramos a seção Olho no espaço. 
Nela, os mapas apresentados são acompanhados de 
atividades de leitura, interpretação e/ou análise, que 
podem ser realizadas em dupla ou individualmente. 
Além disso, o professor pode utilizá-las como meio de 
avaliação de conteúdos conceituais – sobre as temá-
ticas desenvolvidas – e procedimentais – de leitura, 
interpretação e análise dos mapas.
Para a leitura e interpretação cartográfica, a iden-
tificação dos elementos fundamentais do mapa é a 
primeira etapa:
•  o título, que informa o assunto tratado no mapa, 
bem como sua localização espacial e temporal;
•  a escala, que informa a relação entre o objeto 
cartografado e a realidade (é importante certifi-
car-se de que os estudantes sabem que, quanto 
maior a escala de um mapa, mais numerosos 
serão os detalhes apresentados por ele);
•  o norte geográfico, que é a orientação da repre-
sentação;
•  as coordenadas geográficas, que indicam a 
localização do fenômeno representado;
•  a fonte, que informa de onde os dados repre-
sentados foram retirados;
•  a legenda, que, apesar de não estar presente 
em todos os mapas, permite entender as infor-
mações e os dados cartografados.
A identificação da técnica utilizada para a repre-
sentação dos dados, visando à leitura e à interpretação 
corretas da representação, é a segunda etapa da 
leitura de mapas. Os diferentes recursos usados nos 
mapas são escolhidos, sobretudo, de acordo com o 
dado que se deseja representar. Alguns mapas utili-
zam mais de um recurso, combinando-os. Os mais uti-
lizados, todos presentes nos mapas da Coleção, são:
•  anamorfose – em que as áreas dos territórios 
cartografados são deformadas, variando propor-
cionalmente conforme a quantidade ou intensi-
ficação dos fenômenos representados;
•  cores de áreas – que podem ir de frias a quentes, 
por exemplo, conforme o fenômeno apresentado 
se intensifica, ou ser aplicadas sem relação com a 
escala de cores, para mostrar dados qualitativos;
• pontos – muito usados para representar 
dados quantitativos e localizar fenômenos 
ao mesmo tempo;
•  círculos proporcionais – que representam dados 
quantitativos, aumentando de tamanho con-
forme o fenômeno se intensifica;
•  linhas – que indicam trajetos e fronteiras;
•  isolinhas – que delimitam as áreas de um dado 
de mesmo valor;
•  setas – que indicam fluxo (quando proporcionais, 
incluem também informações quantitativas);
•  símbolos – que indicam a localização dos fenô-
menos representados por meio de figuras;
•  gráficos de colunas, barras e setores – que 
são aplicados sobre os locais onde ocorrem 
os fenômenos representados, indicando dados 
quantitativos.


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   376   377   378   379   380   381   382   383   ...   520


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal