Territorio e Sociedade3 pnld18 pr pontualOK. pdf



Baixar 59.14 Mb.
Pdf preview
Página172/520
Encontro29.09.2021
Tamanho59.14 Mb.
1   ...   168   169   170   171   172   173   174   175   ...   520
Figura 13.
 Soldados do exército brasileiro, no 
combate ao mosquito Aedes aegypti, em Recife 
(PE), 2016. Problemas com infraestrutura de 
saneamento básico podem ocasionar a ocorrência 
de doenças e epidemias, como a zika e a dengue.
121
Capítulo 5  –  Urbanização no Brasil 
TS_V3_U2_CAP05_107_129.indd   121
23/05/16   19:05


As dificuldades de abastecimento de água à população das regiões metropolita-
nas são cada vez maiores por causa da poluição das bacias hidrográficas, onde o 
esgoto – muitas vezes sem tratamento – é despejado, e da ocupação das áreas de 
mananciais. Esse problema, associado ao desperdício e a vazamentos, aumenta os 
riscos de racionamento e escassez de água potável nas grandes cidades brasileiras 
(reveja o Capítulo 10 do Volume 1).
Visando rever essa situação foi criado o Plano Municipal de Saneamento Básico 
(PMSB). Essa lei obriga todos os municípios brasileiros a formular políticas públi-
cas que tenham como objetivo levar o saneamento básico a toda sua população, 
incluindo esgotamento sanitário, abastecimento de água, manejo dos resíduos 
sólidos e drenagem urbana. Apesar de sancionada em 2007, a obrigatoriedade 
estava prevista para 2016.
A irregularidade na distribuição de água pelo sistema, com interrupções no 
fornecimento, comuns em vários municípios do Brasil, faz com que muitas pes-
soas armazenem água para consumo em reservatórios destampados que podem 
se tornar um criadouro para o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, 
zika e chikungunya. O Brasil conheceu epidemias de zika e dengue em meados 
da década de 2010. A falta de redes de esgoto é outro fator que contribui para 
ocorrência de epidemias.
•  Poluição do ar
A má qualidade do ar, decorrente da elevada emissão de poluentes, sobretudo 
por veículos, e a falta de áreas verdes são fatores que prejudicam a qualidade de 
vida da população nas grandes cidades brasileiras. Tanto no Brasil como no mundo, 
diversas doenças pulmonares e cardiovasculares são causadas pela péssima qua-
lidade do ar urbano. 
A expansão populacional em ritmo acelerado sobre as áreas limítrofes à man-
cha urbana reduz a quantidade de áreas com remanescentes de vegetação. Além 
disso, as áreas verdes e as árvores das cidades são, muitas vezes, destruídas para 
dar lugar a vias pavimentadas e a construções. Além da piora da qualidade do ar, a 
escassez de vegetação traz outros problemas, como o aumento das temperaturas e 
da sensação de calor (figura 14).


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   168   169   170   171   172   173   174   175   ...   520


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal