Territorio e Sociedade3 pnld18 pr pontualOK. pdf


Página159/519
Encontro29.09.2021
Tamanho
1   ...   155   156   157   158   159   160   161   162   ...   519
Florianópolis
Palmas
João
Pessoa
Natal
Fortaleza
Teresina
São Luís
Porto
Velho
Cuiabá
Campo
Grande
Goiânia
Brasília
Manaus
Boa Vista
Macapá
Rio de Janeiro
São Paulo
Porto Alegre
Santa Maria
Caxias do Sul
Passo
Fundo
Chapecó
Joinville
Blumenau
Cascavel
Londrina
Maringá
Campinas
Juiz de Fora
Ribeirão Preto
Montes
Claros
Ilhéus-Itabuna
Vitória da
Conquista
Feira de Santana
Campina Grande
Uberlândia
São José do Rio Preto
Curitiba
Salvador
Maceió
Recife
Aracaju
Belo Horizonte
Vitória
Belém
Rio Branco
N
0
280 km
EQUADOR
 
 
 
 
    
 
TRÓPIC
O
 D
E CAPRICÓ
RNIO 
OCEANO
PACÍFICO
OCEANO
ATLÂNTICO
50º O
0º 
Capital regional A 
Capital regional B
Grande metrópole nacional
Metrópole nacional
Metrópole
Hierarquia dos centros urbanos
Regiões de influência
Manaus
Belém
Fortaleza
Recife
Salvador
Belo Horizonte
Rio de Janeiro
São Paulo
Curitiba
Porto Alegre
Goiânia
Brasília
Entre as metrópoles de São Paulo e Rio de Janeiro estende-se uma longa mancha 
urbana caracterizando a configuração da única megalópole no território brasileiro (veja 
a figura 8, na página seguinte). Num trecho do estado de São Paulo, que engloba as 
regiões metropolitanas de São Paulo, Baixada Santista, Campinas, além dos espa-
ços densamente urbanizados de São José dos Campos e Sorocaba, há a metrópole 
expandida ou macrometrópole, que tem São Paulo como centro.
DACOST
A MAP
AS
Fonte: Atlas Nacional do Brasil Milton 
Santos. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.
113
Capítulo 5  –  Urbanização no Brasil 
TS_V3_U2_CAP05_107_129.indd   113
23/05/16   19:05


Figura 8. Eixo Rio-São Paulo e arredores: megalópole em formação – 2010
OCEANO
ATLÂNTICO
Rio
 Tietê
Ri

Pa
ra
íba
 do 
Sul 
TRÓPICO DE CAPRICÓRNIO
45° O
1.000.000
500.000
100.000
População residente
Rodovia
SÃO PAULO
MINAS GERAIS
RIO DE JANEIRO
B
R
-1
16 
Araras
Mogi Guaçu
Limeira
Americana
Sumaré
Campinas
Bragança Paulista
Indaiatuba
Itu
Sorocaba
Cotia
Osasco
Jundiaí
Atibaia
SÃO PAULO
11.037.593
Resende
Barra Mansa
Petrópolis
Niterói
Itaboraí
São Gonçalo
Magé
Taubaté
São José dos Campos
Jacareí
Mogi das Cruzes
Cubatão
São Vicente
Guarujá
Volta
Redonda
RIO DE JANEIRO
6.186.710
Nova Iguaçu
São
 João de Meriti
I. Grande
Angra dos Reis
I. de São Sebastião
Duque de
Caxias
Guaratinguetá
Pindamonhangaba
Santos
São Bernardo do Campo
Santo André
Mauá
Guarulhos
Teresópolis
N
0
30 km
Fonte: FERREIRA, Graça M. L. Atlas geográfico: espaço mundialSão Paulo: Moderna, 2013. p . 151. 
•  São Paulo e Rio de Janeiro
São Paulo é a principal porta de entrada dos investimentos estrangeiros no 
país. Para essa cidade, e também para o Rio de Janeiro, convergem grandes 
fluxos de turistas internacionais e nelas realizam-se feiras dos mais variados 
tipos (livros, eletrodomésticos, automóveis, informática, têxtil), além de eventos 
esportivos e culturais de projeção internacional e shows de cantores e bandas 
de outros países (figura 9). 
São Paulo é ainda responsável pelo atendimento de aproximadamente 20% dos 
serviços de educação e dos serviços de saúde que os outros municípios do território 
brasileiro demandam das metrópoles do Brasil.
São Paulo e Rio de Janeiro são cidades que de 
fato participam, de forma mais intensa, da econo-
mia informacional e global, comparativamente com 
outros lugares do território brasileiro. 
No entanto, o papel desempenhado por essas 
cidades na economia globalizada, sobretudo o Rio 
de Janeiro, é bem inferior ao de várias metrópoles 
de países desenvolvidos, como Nova York, Lon-
dres, Paris e Tóquio, e outros, como Cingapura, 
Hong Kong e Seul. 
O Rio de Janeiro não aparece como cidade 
global em várias classificações estabelecidas por 
universidades em todo o mundo; já São Paulo 
consta de todas elas, o que demonstra a importân-
cia da metrópole paulistana na economia global.
Apesar de as grandes metrópoles terem impor-
tância econômica e cultural, as cidades médias 
já possuem, atualmente, centros de consumo, 
lazer, cultura e entretenimento que atendem às 
necessidades da população residente e dos muni-
cípios vizinhos. Shopping centers, parques, salas 
de cinema, teatros, centros culturais, bares e res-
taurantes passam a mudar o cotidiano de parte 
dos moradores dessas cidades, principalmente 
nos fins de semana.
Figura 9.
 Feira de videogame, em São Paulo (SP), 2012. De acordo com 
a International Congress and Convention Association (ICCA), a cidade de 
São Paulo sedia cerca de 90 mil eventos por ano. Dentre os turistas que 
se hospedam nos hotéis da cidade, cerca de metade vem a negócios e 
um quarto para participar de eventos.
DACOST
A MAP
AS
LUCAS LIMA/FOLHAPRESS
114
Unidade 2  |  Espaço geográfi co e urbanização 
TS_V3_U2_CAP05_107_129.indd   114
23/05/16   19:05


1.
  Caracterize o processo de urbanização brasileiro.
2.
  Observe a imagem. Relacione-a com alguns aspectos 
do processo de urbanização no Brasil.
Em primeiro plano, favela; ao fundo, prédios residenciais de alto 
padrão, em Recife (PE), 2012.
3.
  O que são regiões metropolitanas e com quais obje-
tivos elas são criadas?
4.
  Entre as cidades é estabelecida uma rede hierar-
quizada, isto é, um sistema de relações econômi-
cas e sociais em que umas se subordinam a outras. 
Comente como se dá a hierarquia urbana no Brasil.
5.
  Tendo em vista o conceito de conurbação, dê um 
exemplo que ocorra no estado onde você mora.
Faça no 
caderno
1.
  (Fuvest-SP 2016) 
 
“O processo de industrialização que se efetivou 
em São Paulo a partir do início do século XX 
foi o indutor do processo de metropolização. A 

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   155   156   157   158   159   160   161   162   ...   519


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal