Sofismas Começo de tudo



Baixar 52.76 Kb.
Página1/3
Encontro10.06.2022
Tamanho52.76 Kb.
#23746
  1   2   3
Sofisma






Sofismas
Começo de tudo...
Todos nós sabemos por experiência própria que, quando raciocinamos, cometemos por vezes alguns erros: às vezes erramos de propósito com a intenção de enganar os outros; outras vezes erramos sem dar conta.
Sofisma
De modo aproximado, sofisma é o enunciado falso que parece verdadeiro numa compreensão superficial. Tradicionalmente, nem todo enunciado que parece verdadeiro é considerado sofisma. O tipo de semelhança que determina o sofisma geralmente é a relacionada com a forma lógica do enunciado. Também é comum considerar como sofisma aqueles enunciados aparentemente verdadeiros, em função de induções malfeitas, provavelmente devido à contigüidade que sempre existiu entre lógica e epistemologia na história do pensamento.
Há outros enunciados que parecem verdadeiros, mas que não costumam ser arrolados como sofisma. Um exemplo disso é a versão de um criminoso tentando se livrar da acusação do crime. A versão pode parecer verdadeira, mas nem por isso vai ser chamada automaticamente de sofisma.
A especificação exata do tipo de semelhança com a verdade que caracteriza o sofisma não é possível nem desejável. É impossível em função da disparidade entre os sofismas tradicionais e indesejável porque fecha o conceito de sofisma a futuras inclusões. O melhor é deixar a definição em aberto ou então recorrer a uma definição extensiva do tipo: sofisma é a petição de princípio, a falsa analogia, a contradição camuflada, etc.
O sofisma nasce do lapso ou da intenção de iludir. O lapso pode ser do emissor ou do receptor.
A caracterização de um sofisma é subjetiva. Para isso, em primeiro lugar, temos que nos restringir à classe das questões que podem ser refutadas pela lógica. Em enunciados que se respaldam em premissas filosóficas a caracterização do sofisma pode ser impossível.
Não há critérios objetivos para definir o que é uma coisa que parece verdadeira. Isso depende da acuidade de cada um. Por exemplo: uma contradição camuflada pode ser encarada como sofisma se quem a avaliar julgá-la sutil. Outro pode considerá-la grosseira e rotulá-la como simples mentira, equívoco, contradição.
Fatores que favorecem o efeito de ilusão do sofisma:

  • Uso de forma de silogismo. A forma do silogismo tem a ela associada uma conotação de credibilidade.

  • Uso de forma elaborada leva a uma conotação de credibilidade.

  • Arredondamentos. Supõe-se, por exemplo, que o improvável é impossível, que quase tudo significa tudo, que ‘se’ significa ‘se e somente se’, etc. Pessoas que não são rigorosas no raciocínio praticam estas operações.

Sofismas formais e materiais
Um sofisma é formal se as premissas que o sustentam são válidas e se sua falsidade derivar do mau uso das regras de inferência lógica, o que pode ser mostrado com os recursos da lógica formal, usando-se uma tabela-verdade, por exemplo.
Um sofisma é material se resultar falso mesmo sendo validado pelos critérios da lógica formal. Sua falsidade vem da falsidade das premissas.
Há casos em que é difícil discernir se um sofisma é formal ou material. Exemplo: ao se confundir um fato improvável com um fato impossível. Nem sempre há como dizer se a confusão ocorre no nível formal, ao tomar o impossível pelo improvável, ou se por uma má indução de fatos da objetividade.
Retirado do site: http://radames.manosso.nom.br/linguagem/retorica/categorias/sofistica/. Acesso em 06/08/2014.


Baixar 52.76 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal