Sigla: infra



Baixar 314.79 Kb.
Encontro18.03.2020
Tamanho314.79 Kb.

Subprojeto 1:

Sigla:

INFRA

Título:

Infraestrutura de redes locais e distribuição de energia dos campi da UFSCar

Objetivo:

Em função da crescente ampliação da UFSCar, a atual infraestrutura de redes locais de comunicação de dados e de energia da UFSCar tem comprometido os planos de implantação de novas tecnologias e aumento da qualidade de serviços de apoio à pesquisa, tais como: maior e melhor acesso às redes de pesquisa de alta velocidade, difusão de serviços de videoconferência e Voz sobre IP, instalação de novos equipamentos que exigem grande consumo de energia etc. Além disso, recursos humanos e equipamentos servidores poderiam ser otimizados com a aquisição de solução de armazenamento em massa que preserve o conteúdo gerado de forma crescente na UFSCar com confiabilidade e alta disponibilidade. 

Assim, este subprojeto, de caráter de infraestrutura de pesquisa institucional, visa primordialmente melhorar as condições de pesquisa na UFSCar por meio de seis projetos:


A)¦Atualização das redes locais dos campi da UFSCar que além de terem crescido de forma desordenada nos últimos doze anos, com pontos de conexão em número insuficiente e deterioração da qualidade do sinal, ainda possuem tecnologia categoria 5, o que impede a disseminação com qualidade de serviços importantes de apoio à pesquisa tais como videoconferência, acesso a redes de alta velocidade, transferência de dados, Voz sobre IP, dentre outros;
B)¦Ampliação do acesso à rede sem fio nos três campi da UFSCar, que atualmente é insuficiente para atender toda a sua comunidade de pesquisa;
C)¦Renovação da infraestrutura de energia elétrica, com a implantação de trechos de rede subterrânea e rede aérea compacta com cabos isolados (spacer cable), promovendo a redução do número de interrupções causadas por queda de árvores, melhorando a manutenção e preservando as características paisagísticas do campus.
D)¦Implantação de solução de armazenamento em massa que consiste na aquisição de hardware e software compatível, específicos para este fim, com capacidade de expansão acima de 30 Terabytes e alta confiabilidade que supere as limitações existentes de escalabilidade e alto custo de gerenciamento do atual sistema que é descentralizado, oferecendo otimização de recursos (humanos e de equipamentos) e disponibilidade sub-ótima do conteúdo.
E)¦Implantação de um sistema de suporte de energia, tipo conjunto gerador, para manutenção dos equipamentos de transmissão da Rádio UFSCar, importante meio de divulgação das pesquisas desenvolvidas pela Universidade, garantindo a divulgação das atividades de pesquisa da Universidade, suas aplicações e benefícios para a Sociedade, através da garantia da manutenção da outorga desse meio de comunicação com a Sociedade.
F)¦Implantação de sistema de iluminação de emergência do prédio da Biblioteca Comunitária da UFSCar, importante repositório das Teses, Dissertações, Artigos, acesso a base de dados científicas, que necessita de melhorias em seu sistema de segurança.  

Justificativa e Relevância:

Com a crescente ampliação da UFSCar, cada vez mais seus departamentos e unidades requerem a instalação de novas conexões de integração à rede de comunicação interna e externa, o que tem ocasionado congestionamentos de tráfego e baixa qualidade dos serviços de apoio à pesquisa que estão sendo oferecidos atualmente. Mais ainda, em várias unidades, a infraestrutura existente de rede possui mais de doze anos de uso, utilizando tecnologia ultrapassada que impede que novos serviços de apoio à pesquisa sejam amplamente oferecidos na UFSCar. Esses serviços incluem: 
¦Maior e melhor acesso às redes de pesquisa de alta velocidade com pontos de acesso na UFSCar. Vários departamentos da UFSCar (por exemplo, Engenharia Química, Computação e Psicologia) têm acesso à rede Kyatera, uma rede de altíssima velocidade, financiada pela Fapesp, cujo objetivo é reunir competências e recursos laboratoriais necessários para desenvolver ciência, tecnologias e aplicações da Internet do futuro. Outra rede de alta velocidade que terá na UFSCar um ponto de presença é a RedeSanca, Rede Comunitária de Ensino e Pesquisa de São Carlos que é uma iniciativa do MCT, com gerenciamento nacional da Rede Nacional de Pesquisa (RNP), para implantação de redes metropolitanas em cidades do Brasil com objetivo de apoio ao ensino e à pesquisa. A RedeSanca encontra-se no momento em estado de licitação com conclusão de implantação prevista para final de 2009;
¦Vídeo-conferência de qualidade entre pesquisadores dos três campi da UFSCar e de outras Instituições nacionais e internacionais;
¦Voz sobre IP de qualidade para redução de custos e otimização de recursos na comunicação interna e externa;
¦Melhor qualidade na transferência interna de dados.

A implantação de rede sem fio em todos os departamentos e unidades dos três campi da UFSCar é uma necessidade crescente e muito solicitada pela comunidade de pesquisa. No momento, apenas os prédios de Aulas Teóricas (ATs), Biblioteca Comunitária (BCo), área de eventos da BCo, Teatro Florestan Fernandes, Anfiteatros da BCo e da Reitoria oferecem acesso à rede sem fio. O acesso à rede sem fio deverá atender, em especial, pesquisadores, alunos de pós-graduação, professores, visitantes, técnicos e administrativos que utilizam, de forma crescente, dispositivos móveis para comunicação. Grupos de pesquisa que utilizam dispositivos móveis, que recebem muitos visitantes e promovem eventos nos três campi da UFSCar se beneficiarão diretamente de uma infraestrutura de rede sem fio. 

Outro ponto crítico que tem comprometido o atendimento pleno das necessidades crescentes de pesquisa na UFSCar é o sistema de distribuição de energia elétrica do campus São Carlos. Este sistema foi concebido no início da década de 70, quando a ocupação urbana se dava de forma concentrada na sua área sul, próximo ao ponto de entrada de energia. O grande crescimento da área construída e urbanizada do campus ocorrido nos últimos anos, acentuado na área norte, vem orientando as ações da Prefeitura Universitária no sentido de prover a melhoria desse sistema infra-estrutural, tais como: Substituição integral do cabeamento de cobre por cabos de alumínio com alma de aço, na rede de alta tensão; Substituição integral do cabeamento de alta tensão subterrâneo na área sul; Instalação de diversas chaves seccionadoras na rede, permitindo maior manobrabilidade, aumento da setorização, facilidades de manutenção e redução do impacto aos usuários; Manutenção dos postos de transformação e Projeto e construção de uma nova entrada de energia na área norte do campus, que no momento aguarda apenas a sua interligação pela concessionária de energia. Porém, as medidas e investimentos feitos continuamente pela administração são ainda insuficientes em face da demanda que é refletida na adição à rede atual de um número crescente de novos equipamentos de alto consumo de energia. Assim, de modo a melhor atender esta demanda e oferecer melhores condições de pesquisa, as seguintes intervenções são necessárias:
¦Execução de 1500 metros de rede de alta tensão - 12 kV, na Av. Bosque e Rua dos Gaturanos, cf. indicação mapa.
¦Execução de rede aérea de alta tensão isolada - 12 kV - Spacer Cable - na Rua do Parque Esportivo e na Rua dos Bem-Te-Vis.
¦Adequações das redes existentes de baixa tensão nos trechos onde houver a substituição da rede aérea.

A UFSCar tem gerado, de forma crescente, conteúdo de importância, disponível para acesso pela comunidade interna e externa. Exemplos de conteúdo gerado incluem: revistas científicas e relatórios técnicos disseminados na forma digital cujos servidores são hospedados na UFSCar, além de conteúdos de educação a distância (EaD), tais como fóruns, chats, videoconferências, que são de extrema importância para os grupos emergentes de pesquisas em EaD na UFSCar, visto que a UFSCar se destaca atualmente no cenário nacional da EaD com o oferecimento de cinco cursos inovadores de graduação com mais de dois mil alunos. O sistema atual de armazenamento digital da UFSCar é pautado no atendimento à demanda com a adição crescente de novos servidores ao conjunto já existente, o que impede a otimização de recursos de hardware e também humanos (maior tempo de gerenciamento de sistema atual descentralizado), além de disponibilização não ótima dos serviços em função de maior tempo de manutenção. A implantação de uma solução de armazenamento em massa daria as condições necessárias para a escalabilidade, gerenciabilidade e disponibilidade otimizada dos serviços de apoio à pesquisa na UFSCar.

Também se faz necessário o investimento em dois setores da Universidade que atuam como divulgadores das pesquisas desenvolvidas pelo meio acadêmico da UFSCAr: a Biblioteca Comunitária e a Rádio UFSCar. No caso da Biblioteca propomos a implantação de um sistema de iluminação de emergência, como forma de melhorar as condições de segurança de seus usuários e para a Rádio, a implantação de um sistema de suporte energético, que garanta a transmissão, que inclui em SUS programação a divulgação das atividades de pesquisa da Universidade.

A execução dos seis projetos descritos acima será de primordial importância para a melhoria das condições de pesquisa na UFSCar, com a disponibilização de novos serviços e recursos poderosos que deverão potencializar ainda mais o atual ambiente de pesquisa.  



Impactos Previstos:

Dos impactos previstos com a execução dos seis projetos que constituem este subprojeto destacam-se:

Atualização das redes locais dos campi São Carlos e Araras da UFSCar


A atualização de redes locais de departamentos do CCBS, CCET, CECH e CCA, que ainda se encontram no padrão CAT5 (padrão Categoria 5), para CAT6 (padrão categoria 6), e a reestruturação da infra-estrutura das redes internas e de seus pontos de conexão que cresceram desordenadamente permitirá, além da melhoria de qualidade das transmissões de dados, melhor e mais amplo acesso às redes de projetos de alta velocidade e difusão ampla de serviços de videoconferência e de Voz sobre IP aos laboratórios e departamentos contemplados da UFSCar, conforme descrito abaixo:
¦Videoconferência - O serviço de videoconferência (que conta com a aquisição já executada de três equipamentos sendo instalados nos três campi da UFSCar) permitirá que pesquisadores de diferentes departamentos possam se comunicar com outros pesquisadores para fins de reuniões de projetos colaborativos, defesas de dissertações e teses, etc, reduzindo os custos em termos de tempo do pesquisador e recursos de viagens e estadia em muitas das reuniões hoje realizadas presencialmente. 
¦Voz sobre IP - VoIP é um serviço notoriamente conhecido pelo seu potencial de economia nas ligações interurbanas (em especial quando a instituição destino completa chamadas para a rede pública de telefonia), pois permite que o usuário final faça uso da telefonia convencional por meio da Internet. A UFSCar é uma instituição cliente do serviço fone@rnp, uma iniciativa do MCT, executada pela Rede Nacional de Pesquisa (RNP), que permite o encaminhamento de chamadas, isto é, a interconexão das instituições clientes da rede VoIP (Voz sobre IP) da RNP. Com este serviço, todas as instituições clientes, como a UFSCar, conseguem se comunicar por voz via telefone comum, telefone IP ou software, pela Internet. A renovação das redes locais de vários departamentos da UFSCar, que hoje se encontram degradadas, permitirá a ampla adoção do serviço de VoIP com qualidade, isto é sem quedas abruptas (que hoje ocorrem em vários departamentos em função de degradação de suas redes locais) e melhor recepção.
¦Melhor e mais amplo acesso às redes de pesquisa de altíssima velocidade que têm pontos de acesso e de presença na UFSCar, respectivamente, rede Kyatera e RedeSanca.

Ampliação do Acesso à rede sem fio nos campi da UFSCar


A implantação de rede sem fio complementar nos campi da UFSCar em São Carlos (áreas sul, norte e extensão norte), Araras e Sorocaba deverá ampliar o acesso à rede sem fio para todos os departamentos e grupos de pesquisa da UFSCar. No momento, apenas os prédios de Aulas Teóricas (ATs), Biblioteca Comunitária (BCo), área de eventos da BCo, Teatro Florestan Fernandes, Anfiteatros da BCo e da Reitoria oferecem acesso à rede sem fio. Como conseqüência, um serviço amplo de acesso à rede deverá ser oferecido para pesquisadores, alunos de pós-graduação, professores, visitantes, técnicos e administrativos que utilizam, de forma crescente, dispositivos móveis para comunicação. Mais ainda, grupos de pesquisa que utilizam dispositivos móveis, que recebem muitos visitantes e promovem eventos nos três campi da UFSCar se beneficiarão diretamente de uma infraestrutura ampla de rede sem fio. 

Renovação da Rede de Energia Elétrica do campus da UFSCar em São Carlos


O maior impacto da renovação da rede de energia elétrica seria na melhoria do atendimento à comunidade de pesquisa quando da inserção de novos equipamentos elétricos e redução dos riscos causados pela arborização, aumentando a confiabilidade no sistema de distribuição de energia do campus. Outro impacto não menos importante é a preservação dos principais marcos paisagísticos do campus da UFSCar em São Carlos, a saber: Lago; Bosque de pinus; Bosque de eucaliptos; Bosque linear de eucaliptos ao longo da Avenida do Bosque; Áreas de preservação ambiental, abrangendo cerca de 30% da área física do campus; Arborização extensiva da área urbanizada e Áreas de plantio comercial de eucaliptos.

Implantação de solução de armazenamento em massa


A execução de uma solução de armazenamento em massa na UFSCar deverá beneficiar diretamente as seguintes comunidades:
¦Grupos de pesquisa responsáveis por publicações digitais que exigem alta disponibilidade (24x7) de acesso, tais como revistas (várias delas são hospedadas atualmente em servidores na UFSCar), relatórios técnicos, etc.
¦Grupos emergentes de pesquisa em Educação a Distância. Grandes quantidades de conteúdos são gerados diariamente pela Universidade Aberta do Brasil (fóruns, diários de bordo, chats etc), que é programa do MEC em parceria com Universidades e Prefeituras para o provimento de cursos a distância. O armazenamento confiável e a disponibilização ótima desses conteúdos são de extrema importância para os grupos emergentes de pesquisa em EaD da UFSCar que se beneficiariam diretamente em suas pesquisas de novos sistemas de tutoria, novas técnicas e métodos pedagógicos, avaliação mais precisa da evasão, dentre outros.
¦Toda a comunidade da UFSCar. Uma solução de armazenamento em massa proveria a otimização dos recursos de hardware e recursos humanos de TI na manutenção de sistemas de armazenamento que hoje se encontram descentralizados. Uma solução centralizada de armazenamento eliminaria a necessidade de aquisição crescente de novos servidores que acabam não sendo utilizados em todo o seu potencial, já que, muitas vezes, para atender uma demanda de armazenamento de um novo serviço, um novo servidor é adquirido tendo o seu potencial de armazenamento muito utilizado, mas o potencial de processamento sub-utilizado. 
¦
¦Sistema de Suporte de Energia
¦Implantação de um sistema de suporte de energia que garanta as transmissão da Rádio UFSCar garantirá a divulgação das atividades de pesquisa científica desenvolvidas pela comunidade acadêmica, atingindo cerca de 500 mil habitantes da região de São Carlos, que poderão tomar conhecimento desses trabalhos por este meio de comunicação.
Implantação de Sistema de Iluminação de Emergência no prédio da Biblioteca Comunitária
A implantação desta melhoria garantirá o acesso e evacuação com segurança ao prédio da Biblioteca, local onde se encontram disponibilizadas todas as pesquisas desenvolvidas na Universidade, atualmente a Biblioteca é utilizada por cerca de 3000 usuários diariamente, das 8:00 às 22:00 horas.  

Qualificação das Pós-Graduações vinculadas ao subprojeto:

O presente projeto, sendo um do tipo transversal, irá atender todos os programas de pós-graduações da UFSCar, incluindo os docentes pesquisadores e os alunos de mestrado, doutorado. 
Assim, os projetos vinculados são os 31 programas, com 30 cursos de Mestrado, 2 de Mestrado Profissional e 22 de Doutorado, distribuídos em cinco centros acadêmicos (Centro de Ciências Agrárias - CCA, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS, Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia - CCET, e Centro de Educação, Ciências Humanas - CECH e Campus de Sorocaba). 

A seguir, são listados os 31 programas e seus conceitos obtidos no triênio 2004-2006. Entre parênteses o centro a que o programa está vinculado e o ano de início de seu curso de Mestrado/M, Doutorado/D e Mestrado Profissional/MP, se for o caso.

- Agroecologia e Desenvolvimento Rural - 4 (CCA, M/2006)
- Antropologia Social - 3* (4* para D 2008) (CECH, M/2007, D/2008)
- Biotecnologia - 4 (CCET, M/2004, D/2004)
- Ciência da Computação - 4 (CCET, M/1988, D/2008) 
- Ciência dos Materiais - 3* (Campus de Sorocaba, M/2009)
- Ciência e Engenharia de Materiais - 7 (CCET, M/1979, D/1987)
- Ciência Política - 4 *(CECH, M/2008, D/2008)
- Ciência, Tecnologia e Sociedade - 3* (CECH, M/2008)
- Ciências Fisiológicas - 4 (CCBS, M/1994, D/1997)
- Ciências Sociais - 5 (CECH, M/1988, D/2000)
- Construção Civil - 4 (CCET, M/2002)
- Diversidade Biológica e Conservação - 3* (Campus de Sorocaba, M/2009)
- Ecologia e Recursos Naturais - 5 (CCBS, M/1976, D/1976)
- Educação - 4 (CECH, M/1976, D/1991)
- Educação Especial - 5 (CECH, M/1978, D/1997) 
- Enfermagem - 3* (CCBS, M/2008)
- Engenharia de Produção - 4 (CCET, M/1992, D/1999)
- Engenharia Química - 6 (CCET, M/1982, D/1990)
- Engenharia Urbana - 4 (CCET, M/1994, D/2007)
- Ensino de Ciências Exatas - 3* (CCET, MP/2008)
- Estatística - 4 (CCET, M/1997, D/2006)
- Filosofia - 5 (CECH, M/1988, D/2002)
- Física - 5 (CCET, M/1988, D/1991)
- Fisioterapia - 5 (CCBS, M/1997, D/2001)
- Genética e Evolução - 5 (CCBS, M/1991, D/1991)
- Imagem e Som - 3* (CECH, M/2008)
- Lingüística - 3 (CECH, M/2005)
- Matemática - 5 (CCET, M/1987, D/1997)
- Psicologia - 5* (CECH, M/2008, D/2008)
- Química - 7 (4* para MP) (CCET, M/1980, D/1987, MP/2008)
- Sociologia - 5* (CECH, M/2008, D/2008)

* conceito atribuído na aprovação inicial de criação do programa/curso

Em 2008, os 29 programas então existentes tiveram cerca de 2.650 alunos, sendo que 341 deles defenderam suas dissertações de Mestrado e 184 suas teses de Doutorado. Neste início de 2009, existem iniciativas que, se bem-sucedidas, implicarão em continuação da expansão no número de programas/cursos de pós-graduação da UFSCar. Até o final de 2007, 1.719 teses de doutorado e 4.253 dissertações de mestrado foram defendidas em 14 cursos de Doutorado e 20 de Mestrado, respectivamente. Cabe destacar o significativo amadurecimento acadêmico da instituição ocorrido nos últimos 10 anos, indicado pelos seguintes fatos: a) cerca de 80% das 1.719 defesas de tese de Doutorado e cerca de 66% das 4.253 defesas de dissertação de Mestrado ocorreram neste período; b) das 4.186 publicações da UFSCar indexadas na base "Web of Science" até o final de 2006, cerca de 88% foram indexadas após 1996 (no período 2001-2006, a UFSCar foi a 8ª instituição brasileira em número de publicações indexadas nesta base, com 2.709 publicações). Com indicadores muito positivos, a UFSCar tem sido reconhecida nacional e internacionalmente como um centro de excelência em Ciência, Tecnologia e Inovação.

Mais detalhes sobre os 29 programas de pós-graduação da UFSCar existentes em 2008 são fornecidos a seguir, isto é o número de alunos no Mestrado (M) no final de 2008, o número de dissertações defendidas (d) em 2008 / total até o final de 2008, o número de alunos no Doutorado (D) no final de 2008 e o número de teses (t) defendidas em 2008 / total até o final de 2008.

- Agroecologia e Desenvolvimento Rural (M - 53, d - 11/11)
- Antropologia Social (M - 36, d - 1/1)
- Biotecnologia (M - 57, d - 7/10; D - 28; t - 4/4)
- Ciência da Computação (M - 73, d - 26/373;)
- Ciência e Engenharia de Materiais (M - 81, d - 29/513; D - 60, t - 14/229)
- Ciência Política (M - 30; D - 12, t - 2/2)
- Ciência, Tecnologia e Sociedade (M - 14)
- Ciências Fisiológicas (M - 29, d - 16/112; D - 36, t - 11/57)
- Ciências Sociais (M - 05, d - 11/176; D - 08, t - 02 /31) 
- Construção Civil (M - 30, d - 06/57)
- Ecologia e Recursos Naturais (M - 52, d - 13/393; D - 117, t - 17/503)
- Educação (M - 110, d - 38/580; D - 86, t - 23/175)
- Educação Especial (M - 58, d - 22/386; D - 42, t - 09/55)
- Enfermagem (M - 10)
- Engenharia de Produção (M - 92, d - 20/320; D - 78, t - 16/68)
- Engenharia Química (M - 52, d - 14/302; D - 48, t - 16/133)
- Engenharia Urbana (M - 56, d - 21/219; D - 11)
- Ensino de Ciências Exatas (M - 38)
- Estatística (M - 19, d - 12/85; D - 12)
- Filosofia (M - 25, d - 12/89; D - 49, t - 12/34)
- Física (M - 25, d - 08/116; D - 46, t - 12/97)
- Fisioterapia (M - 34, d - 16/118; D - 39, t - 15/176)
- Genética e Evolução (M - 28, d - 14/168; D - 29, t - 5/77)
- Imagem e Som (M - 10)
- Lingüística (M - 83, d - 11/24)
- Matemática (M - 19, d - 6/101; D - 20, t - 2/21)
- Psicologia (M - 9; D - 10)
- Química (M - 70, d - 25/412; D - 116, t - 20/355; MP - 15)
- Sociologia (M - 37, d - 2/2; D - 21, t - 4/4)  


Descrição das Obras e dos Principais Equipamentos:

A.¦Atualização das redes locais dos campi São Carlos e Araras da UFSCar
O projeto de Atualização de Redes é categorizado da seguinte maneira: 

INFRA-ESTRUTURA PRIMARIA: inclui a Instalação de calhas metálicas para encaminhamento dos cabos de dados; 

INFRA-ESTRUTURA SECUNDARIA Instalação de calhas plásticas/ tubulações para encaminhamento dos cabos de dados, além de Conduletes, suportes e derivações.

CABEAMENTO: Inclui Sala de equipamentos (Instalações de Organizadores Horizontais de 19 polegadas, Patch Panels, cabos de Lógica, Patch Cords para Racks para Dados, switches e configurações); Distribuição Horizontal (Instalação de Patch Panel nos Rack, Instalação e conectorização dos Jacks RJ45, Acomodação de Jacks em espelhos); Áreas de trabalho (Instalação de Patch Cords RJ45/RJ45 para interligação entre ponto de cabeamento e placa de rede de Micro-computador); Distribuição vertical (Instalação e lançamento de cabo para interligação de estações ao rack principal, Instalação e lançamento de cabo UTP).


¦
¦SERVIÇO: projeto e execução com certificação Categoria 6. 

A seguinte nomenclatura é aplicada ao tipo de instalação a que cada Unidade descrita será submetida: Reestruturação (Implantação de Infraestrutura Primária, Secundária, Cabeamento categoria 6 e Serviço) e Ampliação (Implantação de Infra-estrutura Secundária, Cabeamento categoria 6 e Serviço).

As intervenções serão executadas nas seguintes Unidades da UFSCar: 
"¦Área Sul 1 (conforme mapa enviado na Proposta na forma impressa) 
o¦Edifícios: CECH (DCI, DEd, PPGEd, parte do DAC), DEME, DPsi, DFMC, DL - Reestruturação
"¦Área Sul 2 (conforme mapa enviado na Proposta na forma impressa)
o¦Edifícios: DAC, DEFMH, LAD/DTO - Reestruturação; Anatomia/DFisio, Neuropediatria/DTO, UENAPES/DTO, LSM/DFisio, LAIOT/DFisio, DFisio/DTO, DMusi - Ampliação
"¦Área Norte 1 (conforme mapa enviado na Proposta na forma impressa)
o¦Edifícios: DB (1 e 2), DMP, CCBS, Laboratórios e Pós graduação, DEBE, DHB, DGE, DCF - Ampliação
"¦Área Norte 2 (conforme mapa enviado na Proposta na forma impressa)
o¦Edifícios: DEst - Ampliação; DEQ - Reestruturação
"¦Centro de Ciências Agrárias
o¦Edifícios: Centro de Ciências Agrárias - Ampliação
A infraestrutura será reestruturada para as Unidades descritas acima em um total de 945 pontos. Haverá também a ampliação das redes locais nas unidades descritas acima em um total de 580 novos pontos. Setenta e quatro switches atenderão a reestruturação e ampliação das redes locais. Setenta e quatro switches (de 24 e 16 portas) deverão ser adquiridos para atendimento dos 1525 pontos. Os mapas com a identificação das unidades que receberão reestruturação/ampliação de suas redes locais seguem na Proposta na forma impressa.

B. Ampliação do Acesso à rede sem fio nos campi da UFSCar

O Projeto de Ampliação do Acesso da à Rede sem fio nos campi da UFSCar é categorizado da seguinte maneira:

PROJETO DE EXECUÇÃO: Inclui "site survey" (identificação por varredura de rádio, no melhor local para instalação do ponto acesso, de modo a obter cobertura de qualidade), projeto e documentação, As built contendo: características do enlace, topologia e resultados dos testes de transmissão e desempenho do enlace. 

INFRA-ESTRUTURA PRIMÁRIA: contempla a instalação de calhas plásticas/tubulações para encaminhamento de cabos de rede lógica e energia elétrica, além de conduletes, suportes e derivações.

INSTALAÇÂO DOS PONTOS DE ACESSO: inclui a instalação de caixa plástica fechadas com trava de segurança, munidas de orifício de ventilação e


acesso ao equipamento; a acomodação do equipamento dentro da caixa, ativação do equipamento, testes de comunicação com clientes e outros equipamentos. Neste projeto todas as Unidades foram contempladas com a instalação de rede sem fio (Campus São Carlos: 49 pontos na área Sul, 75 pontos na área Norte, 16 pontos na área Extensão-Norte; Centro de Ciências Agrárias: 20 pontos; Campus de Sorocaba: 20 pontos). Deverão ser adquiridos 180 pontos de acesso (AP). O mapa com a identificação das unidades que receberão a rede sem fio segue na Proposta na forma impressa. 

C. Renovação da Rede de Energia Elétrica do campus da UFSCar em São Carlos


A renovação da rede elétrica consiste de projeto de execução, aquisição de 1500 metros cabos de alta tensão, instalação e adequação das redes existentes de baixa tensão nos trechos onde houver a substituição da rede aérea. Devido à existência de árvores de grande porte ao lado e abaixo da rede aérea de média tensão com cabos nu de alumínio vamos transformar 1500m desta rede em trecho subterrâneo e 1100m em rede compacta tipo spacer cable. Assim teremos redução do número de interrupções causadas por quedas de árvores, melhorando a manutenção e preservando as características paisagísticas do Campus. A planta de localização das obras a serem realizadas segue na Proposta na forma impressa.

D. Implantação de solução de armazenamento em massa


Aquisição de solução de armazenamento em massa. A descrição xompleta da solução segue na Proposta na forma impressa.

E. Implantação do sistema de suporte de energia


Implantação de um sistema de suporte de energia que garanta as transmissão da Rádio UFSCar.

F. Implantação de iluminação de Emergência no prédio da Biblioteca Comunitária


A implantação desta melhoria garantirá o acesso e evacuação com segurança ao prédio da Biblioteca,.  

Subprojeto 2:

Sigla:

CPCB-DEQ

Título:

Conclusão do Centro de Processos Catalíticos e Biotecnológicos e Adequação de Laboratórios de Controle Ambiental e Sistemas Particulados do DEQ/UFSCar

Objetivo:

O desenvolvimento de novos processos químicos e bioquímicos se constitui atualmente em área estratégica para o Brasil e para o mundo. Hoje já é consenso que novas tecnologias nesse campo são essenciais à própria preservação da bioesfera. E o desenvolvimento sustentável, por sua vez, será em grande medida baseado nesses novos processos de transformação, energeticamente mais eficientes e utilizando tecnologias de menor impacto ambiental. Esse enfoque permeia as atividades dos grupos de pesquisa do Departamento de Engenharia Química (DEQ) da UFSCar: a) Sistemas Particulados, que estuda sistemas sólido-fluido(s), presentes em inúmeras operações unitárias industriais; b) Reatores Químicos Heterogêneos e Catálise, que desenvolve novos catalisadores, visando à sua aplicação em reatores industriais; c) Engenharia Bioquímica, que desenvolve bioprocessos utilizando enzimas, microorganismos ou células para obtenção de diferentes produtos biotecnológicos de interesse, de biocombustíveis a fármacos; d) Controle Ambiental, que atua na quantificação, qualificação e tratamento de agentes poluentes, pesquisando equipamentos para limpeza de gases e depuração de líquidos; e) Simulação e Controle de Processos, que aplica modernas técnicas computacionais ao desenvolvimento, simulação e controle desses processos.
O DEQ/UFSCar vem trabalhando intensamente nessa área, e os frutos desse esforço se consubstanciam no reconhecimento da qualidade de seu Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, nível 6 na avaliação da CAPES. Em 2004, por sua vez, teve início o Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Biotecnologia, integrado por professores de vários Departamentos da UFSCar, e que conta com a participação de docentes do DEQ. Esse Programa, em nível de Mestrado e Doutorado, recebeu conceito inicial 4 da CAPES. 
Um rápido apanhado das linhas de pesquisa do DEQ/UFSCar pode ser feito a partir de seus grupos cadastrados no Diretório de Pesquisa do CNPq, e que integram este projeto: Catálise com Óxidos e Metais Suportados, coordenado pelos Profs. José Maria Corrêa Bueno e José Mansur Assaf. Catálise por Peneiras Moleculares, pelos Profs. Dilson Cardoso e Ernesto Antonio Urquieta Gonzalez. Centro de Secagem de Pastas e Sementes, pelo Prof. José Teixeira Freire. Depuração de Gases e Líquidos, Monitoramento e Caracterização de Aerossóis, pelo Prof. José Renato Coury. Engenharia dos Processos Biológicos, pelos Profs. Carlos Osamu Hokka e Cláudio Alberto Torres Suazo. Engenharia de Processos Enzimáticos, pela Profa. Raquel de Lima Camargo Giordano. Laboratório de Desenvolvimento e Automação de Bioprocessos, pelo Prof. Roberto de Campos Giordano. Constante intercâmbio nacional e internacional ocorre no âmbito desses grupos como, por exemplo, com: Instituto de Catálisis e Petroleoquímica - CSIC, Espanha, Northwestern University, EUA, Universidad Nacional del Litoral, Argentina, Cleveland State University, EUA, etc. No país, há vários projetos inter-institucionais em andamento: um projeto Casadinho e um Pró-Engenharias, em que o PPG-EQ/UFSCar colabora com o PPG-EQ da Universidade Federal do Ceará; um projeto CAPES/PROCAD com a Universidade Federal da Bahia, um segundo PROCAD com as Universidades Federal de Uberlândia e Estadual de Maringá, um terceiro com a Universidade Federal de Goiás e um quarto com a Universidade Federal de Brasília. 
O financiamento dessas atividades se dá por órgãos de fomento governamental, através de inúmeros projetos CNPq, CAPES, FINEP, FAPESP, nos mais variados níveis (FINEP/FNDCT, CNPq-PRONEX, CNPq-Universal, CT-Petro/CNPq, MCT/FINEP/Ação Transversal-Cooperativos, PADCT/CNPq/CTInfra, CAPES-PROCAD, CAPES-Pró Engenharias, FAPESP-Projeto Temático, FAPESP-Auxílio Individual, etc). A interação com o setor industrial através programas de desenvolvimento tecnológico, por sua vez, também é ponto de destaque. Para exemplificar, pode-se citar a implantação do Centro de Materiais para Refino de Petróleo, financiado pela Petrobras, sob coordenação do Prof. Ernesto Urquieta-Gonzalez (da equipe deste projeto), envolvendo vários departamentos da UFSCar - entre eles, há participação expressiva do DEQ. Outras indicações da importância do esforço de desenvolvimento tecnológico articulado junto ao setor industrial são: o credenciamento do PPG-EQ pela Petrobras, para programa de formação de seus pesquisadores, através de pós-graduação stricto sensu; a execução de projeto FINEP - Ação Transversal, co-financiado por indústria farmacêutica nacional; projetos de desenvolvimento realizados junto a empresas como Oxiteno, Vallèe. A colaboração com institutos de pesquisa merece também destaque: com o Instituto Butantan e, recentemente, após aprovação de financiamento FINEP a projeto envolvendo o grupo de cultivo de células animais do DEQ/UFSCar, com a Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto. 
Todos esses grupos de pesquisa têm, no momento atual, 25 docentes-pesquisadores, dos quais 12 bolsistas produtividade CNPq, 23 pós-doutorandos, 50 doutorandos e 54 mestrandos, além de inúmeros alunos de iniciação científica. 
Para a continuidade desse trabalho, este subprojeto vem pleitear recursos para a conclusão do Centro de Processos Catalíticos e Biotecnológicos, CTCB, do Departamento de Engenharia Química (DEQ) da UFSCar. Solicita-se ainda financiamento para reformas e readequação de 278 m2 de laboratórios do DEQ, que terão suas atividades alteradas em função da mudança de alguns grupos para o novo espaço do CTCB, e visando a atender a critérios de segurança e de boas práticas laboratoriais.
No CTCB serão alocados 17 laboratórios de pesquisa: Laboratório de Processos de Produção de Biomoléculas (LPP-BM), de Processos de Produção de Biofármacos (LPP-BF), de Biologia Molecular (LBE), de Tecnologia de Cultivo Celular (LATECC), de Automação, Supervisão e Controle (LASC), de Tecnologia Enzimática (LTE), de Biosseparações (LBS), de Reatores Enzimáticos (LRE), de Simulação de Bioprocessos (LSB), Geral de Preparo de Meios e Esterilização (LGPME), de Reações Especiais (LREs), de Análises Térmicas (LAT), de Caracterização de Catalisadores Nanoestruturados (LCCN), de Tratamento Químico e Digestão (LTQD), de Raios-X (LRX), de Tratamento Térmico (LTT) e de Técnicas Especiais (LTE). 
Esse espaço será ocupado por pesquisadores trabalhando na área de Biotecnologia Industrial e em Nanotecnologia aplicada à catálise heterogênea. Tais laboratórios incluem três áreas de contenção biológica, NB-II, incluindo o LPP-BM, LPP-BF, LBM e LTECC. Além disso, três laboratórios do grupo de catalisadores nanoestruturados utilizam como reagentes gases tóxicos e/ou explosivos em testes de bancada. Desta forma, é necessário dispor de áreas apropriadas para a continuidade das pesquisas nessas linhas, dentro de padrões de segurança física e ambiental compatíveis com a legislação e com as normas da UFSCar. Em função dessas necessidades, foram submetidos projetos às chamadas Pro-Infra/CT-Infra, editais 2004, 2005 e 2006, todos eles aprovados total ou parcialmente. Com os recursos até aqui concedidos pela FINEP, foi possível licitar a primeira etapa das obras do CPCB, que se iniciaram em dezembro de 2008. Os montantes disponíveis, entretanto, não são suficientes para tornar operacionais os laboratórios. De fato, o prédio do CTCB será levantado e coberto, mas apenas até seu contrapiso. Portanto, parte substancial deste subprojeto visa à conclusão desse Centro, tornando operacionais seus laboratórios dentro de padrão compatível com a pesquisa de alto nível a ser neles desenvolvida.
Outra demanda incluída neste subprojeto é a adequação de laboratórios já existentes no DEQ para serem utilizados em outras aplicações. Os pesquisadores que irão se alojar no CPCB ocupam atualmente esse espaço, que passará a ser utilizado pelos grupos de pesquisa em Controle Ambiental e Sistemas Particulados. Essa mudança de função demanda reformas e adequações a critérios de segurança, como se mostra no item "descrição das obras", a seguir.  

Justificativa e Relevância:

A equipe deste subprojeto tem ampla experiência em pesquisa e orientação, em todos os níveis. Alunos de iniciação científica, mestrado, doutorado, pós-doutores e outros pesquisadores utilizarão as instalações, formando-se assim pessoal altamente qualificado, em patamar de excelência compatível com os padrões da UFSCar. Dois programas de pós-graduação, ambos contando com Mestrado e Doutorado, serão diretamente beneficiados: Engenharia Química e Biotecnologia.
Na área de Biotecnologia do CPCB haverá três ambientes de contenção biológica, em nível de segurança 2 (NB-2), com previsão para incremento do nível de pelo menos um deles no futuro, para NB-3. Aí serão cultivados microrganismos e células geneticamente modificados, assim como bactérias selvagens e atenuadas para produção de vacinas. As instalações do CPCB são imprescindíveis para a continuidade dessas pesquisas, pois os atuais laboratórios estão com grande sobrecarga de trabalho (abrigando onze pós-doutorandos, 19 doutorandos, 18 mestrandos, vários alunos de IC). Há hoje falta de espaço físico para instalação de equipamentos já adquiridos. O CPCB também abrigará laboratórios com gases tóxicos e/ou explosivos, da área de Catálise, demandando instalações especiais.
De outra parte, os investimentos já realizados pela FINEP permitiram iniciar a construção do CPCB, mas são suficientes apenas para a edificação básica, sem qualquer acabamento ou utilidades. Os recursos aqui pleiteados permitirão concluir esses laboratórios. É importante destacar que o projeto do CPCB foi concebido visando à racionalização de recursos e espaço, priorizando o compartilhamento de equipamentos e a utilização de recursos já disponíveis no DEQ/UFSCar, como o gerador central de energia elétrica existente, com capacidade de 4 kVA, financiado pela FAPESP.
As possibilidades de interação com o setor industrial serão também ampliadas. Atualmente, vários programas de pesquisa, desenvolvimento e inovação, estão em andamento (Petrobras, Oxiteno, Vallèe) ou se iniciam (Imcopa). Projetos com o Instituto Butantan, IPT, Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto, e com o ICP-CSIC, Espanha, Northwestern University e Cleveland State University, EUA, Universidad Nacional del Litoral, Universidad Nacional del Sur, INCAPE de Santa Fé, Argentina, Instituto de Catálise de Sofia, Bulgária, Universidade Técnica de Torino, Itália, Birmingham University e Nottingham University, Reino Unido, são destaques em cooperações no país e no exterior. 
Este subprojeto prevê o término da construção de laboratórios para as áreas de Engenharia Bioquímica, Reatores Químicos Heterogêneos e Catálise, e Simulação e Controle de Bioprocessos, agrupadas no CPCB. Além disso, solicitam-se recursos para a adaptação, de acordo com normas de segurança, dos laboratórios desocupados por esses três grupos para uso pelos de Controle Ambiental e Sistemas Particulados. Esses grupos são brevemente descritos a seguir.
Cinco docentes-pesquisadores do DEQ/UFSCar atuam na área de pesquisa em Engenharia Bioquímica no âmbito deste subprojeto, sendo três pesquisadores CNPq, juntamente com nove pós-doutorandos, onze doutorandos, dez mestrandos e alunos de IC (bolsistas CNPq, CAPES e FAPESP). Uma das características do referido grupo é a forte interação com o grupo de Simulação e Controle de Bioprocessos, que conta com dois docentes-pesquisadores (um bolsista CNPq) dois pós-doutorandos, seis doutorandos, sete mestrandos e bolsistas de IC. Alguns projetos em andamento, envolvendo docentes de ambos os grupos: "Inovação na produção de antibióticos -lactâmicos com redução de impacto ambiental" (MCT-FINEP Transversal), "Produção e purificação de PGA por microrganismos selvagens e recombinantes" (FAPESP), "Produção de vacinas recombinantes contra erisipela suína" (CNPq), "Produção de ácido clavulânico em biorreatores convencional e airlift" (FAPESP), "Inteligência computacional aplicada à monitoração e controle de biorreatores" (FAPESP), "Desenvolvimento de processos biotecnológicos" (UFSCar-UFBa, CAPES/PROCAD), "Produção e purificação de ácido clavulânico, cefamicina C e outros produtos bioativos de estreptomicetos" (Temático/FAPESP, envolvendo UFSCar, Unesp/Araraquara, Unicamp e IPT), "Expressão de genes heterólogos em células de dípteros" (Temático FAPESP, UFSCar e Instituto Butantan), "Produção de células-tronco mesenquimais de medula óssea e da veia umbilical em larga escala para fins terapêuticos" (FINEP, coordenado pela Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto), "Biocatálise, agente aglutinador na formação de recursos humanos" (UFSCar e UFC, CNPq-Casadinho e CAPES-Pró-Engenharias).
A área de Reatores Químicos Heterogêneos e Catálise conta com quatro docentes do DEQ/UFSCar neste subprojeto, todos pesquisadores CNPq, seis pós-doutorandos, 21 doutorandos, treze mestrandos e alunos de IC. O grupo desenvolve e caracteriza catalisadores com aplicação industrial. Projetos em andamento: "Desenvolvimento de processos alternativos de produção de etilglicol" (FINEP/OXITENO), "Oxidação catalítica aplicada ao desenvolvimento de processos e controle ambiental" (CNPq/PRONEX), "Síntese e propriedades da zeólita beta e seus compósitos mesoporosos" (PETROBRAS), "Conversão de gás natural a HC líquidos por rota tradicional" (PETROBRAS), "Rede de produção de H2 para células combustível" (FINEP), "Peneiras moleculares micro, meso ou micro-mesoestruturadas" (CNPq/CT-Petro), "Desenvolvimento de sistemas combinados de tratamento de águas residuárias visando a remoção de poluentes e recuperação de energia e de produtos do ciclo do C, N e S", (Temático/FAPESP), "Geração de H2 e gás de síntese a partir do gás natural sobre catalisadores de Ni, Pd e Pt suportados" (CNPq), "Consolidação da interação científica entre os PPG- EQ da UFSCar, UFU e UEM" (CAPES/PROCAD), "Colaboração entre PPG-EQ-UFSCar e PPG-IQ-UnB" (CNPq, Casadinho), "Levantamento de dados processo de secagem de gás natural por adsorção em peneiras moleculares" (PETROBRAS), "Remoção de CO de correntes de H2" (CNPq), "Formação de biodiesel etílico por novos processos catalíticos" (CNPq).
A área de Controle Ambiental tem quatro docentes-pesquisadores, sendo 3 bolsistas CNPq, quatro pós-doutorandos, 6 doutorandos, 15 mestrandos e alunos de IC. Esse grupo enfoca a quantificação e tratamento de agentes poluentes lançados ao meio ambiente. Estuda equipamentos de limpeza de gases, classificação e quantificação de material pulverulento na atmosfera. Atua ainda na cristalização e precipitação industriais. Os principais projetos em andamento são: "Captura de Partículas Nanométrica de Aerossóis" (FAPESP), "Investigação do efeito de injeção de líquido por orifícios múltiplos na formação de gotas em um lavador Venturi" (FAPESP), "Desempenho de filtros na remoção de partículas nanométricas de aerossóis" (CNPq), "Processamento e caracterização de filtros cerâmicos para limpeza de gases em altas temperaturas" (CNPq, CT-Energ), "Processamento e caracterização de queimadores cerâmicos para combustão de gás natural" (CNPq, CT-Petro), "Filtração de gases a alta pressão" (CNPq, CT-Petro).
A área de Sistemas Particulados tem quatro docentes envolvidos neste subprojeto, um deles bolsista CNPq nível 1A. Dois pós-doutorandos, sete doutorandos, seis mestrandos e vários alunos de IC completam essa equipe. Suas linhas de pesquisa são desenvolvidas junto ao Centro de Secagem do DEQ/UFSCar, implantado a partir de projeto PRONEX. Entre as aplicações estudadas destacam-se a obtenção de sementes de boa qualidade e a desidratação de produtos típicos sazonais. Projetos em andamento: "Investigação sobre o escoamento gás-sólido ascendente e descendente em uma linha de transporte vertical na presença de curvas" (FAPESP), "Conservação de frutas in-natura: uso de campos elétricos" (CNPq), "Contribuição ao estudo de processos de secagem com fluidodinâmica computacional" (CNPq), "Integração de pesquisa no desenvolvimento e secagem de sementes com revestimento artificial de matriz gel"(CNPq).  

Impactos Previstos:

O grupo envolvido neste subprojeto publicou 50 trabalhos em revistas indexadas em 2008. Esse número certamente aumentará com a melhoria significativa da infraestrutura obtida por meio deste projeto. Particularmente na área de processos biotecnológicos, atualmente há no Departamento de Engenharia Química laboratórios com certificação NB-1, por parte da CTBio/UFSCar. Entretanto, a continuidade de uma série de linhas de pesquisa demanda nível 2 de biossegurança, como ocorrerá com laboratórios do CTCB. É o caso, por exemplo, da produção de vacinas suínas recombinantes de aplicação nasal, que utiliza Salmonella typhimurium atenuada, da produção de biosurfactantes por Pseudomonas aeruginosa, e do cultivo de células de insetos utilizando vetores virais. Da mesma forma, a disponibilidade de laboratórios para testes de catalisadores nanoestruturados dará suporte a pesquisas de impacto. A continuidade dos trabalhos em áreas de ponta como essas - que foram mencionadas apenas a título de exemplo - terá certamente importância estratégica no desenvolvimento científico e tecnológico nacionais.
Abertura e Consolidação de Linhas de Pesquisa:
Como já mencionado, várias linhas de pesquisa se consolidarão uma vez disponível a infraestrutura aqui solicitada. Por exemplo, destacam-se:
"¦Catálise heterogênea. Catalisadores: óxidos simples e mistos, peneiras moleculares, metais suportados. Processos estudados: síntese de biodiesel, alcoolquímica, reações com compostos aromáticos, esterificação parcial de glicerol a monoésteres, química do C1, oxidações em fase gasosa e líquida, redução de NOx com hidrocarbonetos, isomerização de alcanos lineares, hidrogenação seletiva.
"¦Produção de biomoléculas de interesse industrial como antibióticos, vacinas, enzimas, através do cultivo de fungos filamentosos, bactérias, leveduras, células-tronco mesenquimais, outras células animais e de insetos. Produtos enfocados: ácido clavulânico, cefamicina C, penicilinas e precursores de antibióticos semi-sintéticos, moléculas antimetastáticas, antígenos clonados (peptídeos de parede celular de Erysipelothrix rhusiopathiae), moléculas antimetastáticas, células-tronco, patógenos atenuados para vacinas, enzimas recombinantes como penicilina G acilase de Bacillus megaterium, lipase de Bacillus thermocatenulatus, celulases, biossurfactantes, goma xantana, bioetanol de lignocelulósicos (de segunda geração).
"¦Engenharia enzimática, imobilização e estabilização de enzimas e aplicação a biorreatores industriais. Processos: hidrólise controlada de soro de queijo, de proteínas de soja e de lactose, síntese de antibióticos beta-lactâmicos, síntese de biodiesel, hidrólise enzimática de lignocelulósicos, síntese de aminoácidos.
"¦Desenvolvimento de equipamentos de limpeza de gases, classificação e quantificação de material pulverulento na atmosfera.
"¦Processos avançados de secagem de sementes e desidratação de produtos típicos sazonais.
Consolidação de Cursos de Pós-Graduação:
Dois programas de pós-graduação stricto-sensu da UFSCar, ambos contando com Mestrado e Doutorado, serão diretamente beneficiados por este subprojeto: o de Engenharia Química (conceito 6 na CAPES) e o de Biotecnologia (conceito 4). Este último vem se consolidando com rapidez, após cinco anos de sua implantação, e tem caráter interdisciplinar, envolvendo sete Departamentos de dois Centros (CCET e CCBS), com todas suas teses e dissertações em co-orientação por dois docentes de áreas diferentes. A disponibilidade de instalações laboratoriais adequadas irá estimular essas pesquisas interdepartamentais, racionalizando inclusive o uso de equipamentos e de infraestrutura.
Cooperação com outras instituições:
A equipe deste projeto tem já tradição em cooperação com outras instituições no Brasil e no exterior. Destacam-se projetos CNPq-Casadinho, CAPES/PROCAD e Pró-Engenharias com as Universidades Federais do Ceará, Bahia, Brasília, Uberlândia, Goiás, Estadual de Maringá. Várias cooperações internacionais também ocorrem, como já citado anteriormente: Instituto de Catálisis e Petroleoquímica - CSIC, Espanha, Northwestern University e Cleveland State University, EUA, Universidad Nacional del Litoral, Universidad Nacional del Sur, INCAPE de Santa Fé, Argentina, Instituto de Catálise de Sofia, Bulgária, Universidade Técnica de Torino, Itália, Birmingham University e Nottingham University, Reino Unido, dentre outros. Projetos com o Instituto Butantan (produção de diferentes vacinas), com a Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto (cultivo de células-tronco) são destaques em cooperações com institutos de pesquisa. A disponibilidade de laboratórios de alto padrão no CPCB e nos espaços readequados nesse projeto irá permitir uma intensificação importante dessas colaborações.
Extensão:
As possibilidades de interação com o setor industrial, em convênios para pesquisa e desenvolvimento, serão ampliadas com as novas instalações. Atualmente, vários projetos com empresas importantes, com tradição em pesquisa, desenvolvimento e inovação, estão em andamento (Petrobras, Oxiteno, Vallèe, Imcopa, dentre outras). A disponibilidade de laboratórios certificados em nível 2 de biossegurança permitirá ampliar a cooperação com empresas da área farmacêutica e de processos biotecnológicos em geral. Laboratórios para preparação e testes catalíticos, de remoção de partículas nanométricas de efluentes gasosos, inclusive em ambiente de alta pressão, de secagem de produtos de interesse econômico, todos dentro de normas adequadas de segurança, serão importantes nesse contexto.
Graduação:
Há intensa participação de alunos de iniciação científica em todos laboratórios deste projeto. Com efeito, o DEQ/UFSCar tem tradição reconhecida na formação de recursos humanos para pesquisa em nível de graduação, sendo o grupo de Sistemas particulados pioneiro na implantação de congresso de iniciação científica com trabalhos completos, revisados por comitê científico próprio, o COBEQ-IC, em 1995. Estágios e trabalhos de graduação dos alunos de Engenharia Química nesses laboratórios também continuarão a se realizar com intensidade.
Além do curso de graduação em Engenharia Química, outros em áreas correlatas poderão se beneficiar das atividades realizadas nos laboratórios deste subprojeto. Um exemplo é o novo curso de Bacharelado em Biotecnologia, que se iniciou em 2009 no campus de São Carlos da UFSCar, no âmbito do programa REUNI, e cujos alunos poderão realizar estágios, trabalhos de graduação e de iniciação científica no CTCB.
Impactos tecnológicos e econômicos:
Aumento do número de patentes depositadas.
Preparação de mão-de-obra qualificada para empresas trabalhando em campos de alta tecnologia, como as indústrias farmacêutica, de biocombustíveis, de processos biotecnológicos em geral, indústria química e do petróleo, de alimentos, dentre outras relevantes no parque industrial brasileiro.
Outros impactos:
Aumento da capacidade de formação de recursos humanos em pesquisa em áreas estratégicas para o país, como nanotecnologia, biotecnologia, controle ambiental, secagem de produtos agrícolas, dentre outras, em todos os níveis (pós-doutorado, doutorado, mestrado e iniciação científica).
Aumento da oferta de bolsas e da contratação, com recursos de projetos, de recém-doutores com alto potencial.
Desenvolvimento tecnológico em várias áreas: catalisadores para processos limpos, catalisadores mais eficientes e seletivos, produtos biotecnológicos como vacinas, enzimas, antibióticos, biocombustíveis, células-tronco, equipamentos para limpeza de gases, processos avançados para conservação de produtos agrícolas e agroindustriais.  

Qualificação das Pós-Graduações vinculadas ao subprojeto:

Dois programas de pós-graduação stricto-sensu da UFSCar, ambos contando com Mestrado e Doutorado, serão diretamente beneficiados por este subprojeto.
Os 19 docentes da equipe executora (todos doutores) são credenciados junto ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química (PPG-EQ/UFSCar), que iniciou seu curso de Mestrado em 1982 e de Doutorado em 1990. Tem, atualmente, conceito 6 na CAPES. Há 50 alunos de mestrado e 48 de doutorado nesse programa (referência: 2008), e todos eles serão beneficiados por este subprojeto. Sua área de concentração é Desenvolvimento de Processos Químicos, onde atuam as cinco áreas de pesquisa do DEQ/UFSCar, todas integrantes deste subprojeto: Controle Ambiental, Engenharia Bioquímica, Reatores Heterogêneos e Catálise, Simulação e Controle de Processos e Sistemas Particulados.
Cinco docentes da equipe integram o corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia (PPG-Biotec/UFSCar), que iniciou suas atividades em 2004, com participação expressiva desses docentes do DEQ. O coordenador do programa durante o período de implantação, Prof. Cláudio Torres Suazo, é também da equipe do subprojeto. Esse programa recebeu conceito 4 na CAPES, tendo sido autorizado, em função da experiência de seu corpo docente, a oferecer desde sua implantação vagas em nível de Mestrado e de Doutorado. O PPG-Biotec tem caráter interdisciplinar, envolvendo sete Departamentos de dois Centros da UFSCar (CCET e CCBS), com todas suas teses e dissertações em co-orientação por dois docentes de áreas diferentes, de forma a assegurar seu caráter interdisciplinar. O PPG-Biotec vem se consolidando com rapidez, após quatro anos de funcionamento, e a disponibilidade de instalações laboratoriais adequadas no CPCB irá estimular pesquisas em grupos interdepartamentais, racionalizando inclusive o uso de equipamentos e de infraestrutura. Há sete mestrandos e sete doutorandos desse programa envolvidos neste subprojeto.
Além desses pesquisadores, há 23 (vinte e três) pós-doutorandos e pesquisadores-doutores, bolsistas CNPq, FAPESP, Petrobras, supervisionados pelos docentes da equipe deste subprojeto, e envolvidos nas linhas de pesquisa a ele vinculadas.  

Descrição das Obras e dos Principais Equipamentos:

DESCRIÇÃO DE OBRAS

I) Obras a serem executadas no Centro de Processos Catalíticos e Biotecnológicos, CTCB: acabamento de prédio de laboratórios já iniciado, com 1400 m2.


I.1) Instalações a serem compartilhadas pelos Grupos de Pesquisa em Engenharia Bioquímica e Simulação e Controle de Processos Químicos:
- Adequação às condições de acabamento exigidas para nível de biossegurança 2 (de acordo com normas ANVISA) do Laboratório de Processos de Produção de Biomoléculas (LPP-BM), com 51 m2, Laboratório de Processos de Produção de Biofármacos (LPP-BF), com 38 m2e do Laboratório de Biologia Molecular (LBM), com 18 m2: acesso limitado através de antecâmaras, instalação de portas e janelas especiais e de sistema de ventilação mecânico, que permita circulação interna do ar sem recirculação; paredes, tetos, pavimentos devem ser lisos, facilmente laváveis, impermeáveis a líquidos, resistentes a calor moderado e a produtos químicos e desinfetantes normalmente utilizados no laboratório e o piso deve ser em material antiderrapante; paredes devem ter cantos arredondados e a exposição de tubulações deve ser evitada; espaços entre portas, janelas, esquadrias e paredes devem permitir a selagem para facilitar a descontaminação. Outras necessidades: bancadas e armários confeccionados em materiais duráveis, lisos, facilmente laváveis, impermeáveis a líquidos, resistentes a calor moderado e a produtos químicos e desinfetantes normalmente utilizados; instalação de linha de gases especiais (nitrogênio, oxigênio e gás carbônico), em aço inoxidável, além das linhas de GLP e ar comprimido; instalação de uma três câmaras de segurança biológica. Serão cultivados nesses ambientes vários microrganismos geneticamente modificados: E. coli, P. pastoris, B. megaterium, Salmonella typhimurium atenuada. Além disso, microrganismos oportunistas como Pseudomonas aeruginosa e Erysipelothrix rusiopatiae.
- Adequação do Laboratório de Tecnologia de Cultivo de Celular (LCC), com área total de 60 m2, às condições de acabamento exigidas para Nível de Biossegurança 2 (de acordo com normas ANVISA): Obedecendo às mesmas especificações detalhadas no item anterior, neste ambiente serão desenvolvidas as seguintes atividades: culturas de hibridomas; culturas de células CHO recombinantes; culturas de células de inseto; e, futuramente, cultivos envolvendo linhas de células murinas, de insetos e humanas, incluindo células tronco.
- Laboratório: de Reatores Enzimáticos (LRE), de Supervisão e Controle (LASC), de Tecnologia Enzimática (LTE) e de Biosseparações (LBS) devem ser instaladas bancadas e armários, linhas de gases especiais (nitrogênio, oxigênio e gás carbônico), em aço inoxidável, além das linhas de GLP e ar comprimido; e duas capelas (LRE e LBS). Com área total de 190 m2, estes laboratórios serão destinados ao cultivo e à manipulação de microrganismos que não oferecem riscos (como Saccharomyces cerevisiae, para produção de bioetanol) ou reações enzimáticas e, no caso específico do Laboratório Bioseparações, aos estudos de processos de separação de biomoléculas. 

- No Laboratório Geral de Apoio e Esterilização (LGAE), de 60 m2, devem ser instaladas bancadas e armários; linhas de GLP e ar comprimido. Com área total de 130 m2. Este ambiente será utilizado em atividades analíticas e de apoio (limpeza, esterilização, preparação de meio, montagem de biorreatores etc).


- No Laboratório de Simulação (LS), com área total de 34 m2, serão instalados computadores e outros equipamentos para monitoramento dos biorreatores e aquisição de dados on-line, ou ainda, PCs para serem utilizados pelos pesquisadores.

I.2) Instalações a serem ocupadas pelo Grupo de Pesquisa em Reatores Químicos Heterogêneos e Catálise:


- Adequação do "Laboratório de Reações Especiais", com área de 40 m2, às normas de segurança padrão para atividades envolvendo utilização de gases tóxicos/explosivos: No LRE serão conduzidas pesquisas envolvendo reações entre os gases hidrogênio, oxigênio, metano, mistura He/nitrogênio, mistura CO/He e gás carbônico, requerendo acesso limitado, instalação de portas e janelas especiais e de sistema de ventilação mecânico, além de instalação de linhas de gases especiais em aço inoxidável, incluindo ainda linha de ar comprimido e GLP; e a instalação de 3 capelas em aço inox.
- No Laboratório de Tratamento Térmico de Amostras, Laboratório de Análises Térmicas, Laboratório de Caracterização, Laboratório de Técnicas Especiais e Laboratório de Digestão e Tratamento Químico - com área total de 115 m2, serão desenvolvidas atividades de preparação e caracterização de catalisadores, devendo ser instaladas linhas de gases especiais, em aço inoxidável, além das linhas de ar comprimido e GLP; sendo que nos Laboratórios de Tratamento Térmico de Amostras e de Digestão e Tratamento Químico deve ser instalada uma capela em cada.
I.3) Ambientes de uso comum no Centro de Processos Catalíticos e Biotecnológicos: 
Uma área total de 380 m2 abrange os espaços de uso comum, destinados à circulação, banheiros, casa de gases e compressor, sala de seminários etc.
I.4) Outras necessidades do Centro de Processos Catalíticos e Biotecnológicos
- Instalação de rede lógica 1 Gbit, com 2 switches lógicos, com a seguinte distribuição: LPP-BM (1 ponto), LPP-MF e LBM (1 ponto cada), LRE e LTE (2 pontos cada), LGAE (3 pontos), LASC (5 pontos), LATECC (3 pontos), LBS (1 ponto), Sala de Trabalho (6 pontos), Laboratório de Simulação de Bioprocessos, LSB (12 pontos), Laboratório de Reações Especiais (4 pontos), Laboratório de Difração de Raios X (1 ponto), Laboratório de Análises Térmicas (2 pontos), Laboratório de Caracterização (2 pontos), Laboratório de Técnicas Especiais (1 ponto)
II) Complementação da reforma em edifícios existentes no DEQ/UFSCar para adequação às necessidades dos Grupos de Pesquisa em Sistemas Particulados e Controle Ambiental
- Integração da área total de 280 m2 localizada no "Laboratório de Pesquisa do DEQ/UFSCar", resultante da incorporação, pelo Grupo de Pesquisa em Controle Ambiental, dos laboratórios disponibilizados pelos outros Grupos de Pesquisa após a mudança para o CPCB; adequação dos mesmos às normas de segurança: recuperação da rede elétrica para suportar equipamentos de grande potência como sopradores, compressores e ventiladores; instalação de portas de segurança. Instalação de sala escura e de sala para balança de ultraprecisão.
- Integração da área total de 220 m2 localizada no "Laboratório Didático do DEQ/UFSCar", resultante da incorporação, pelo Grupo de Pesquisa em Sistemas Particulados, dos laboratórios disponibilizados pelos outros Grupos de Pesquisa após a mudança para o "CPCB"; adequação dos mesmos às normas de segurança: recuperação da rede elétrica para suportar equipamentos de grande potência como sopradores, compressores e ventiladores; substituição de janelas; instalação de portas de segurança.
Plantas dos laboratórios citados seguem anexas, assim como descrição detalhada das obras e equipamentos.

EQUIPAMENTOS:



Aparelhos de ar condicionado, para todos laboratórios; necessários para controle da temperatura ambiente.
Máquina de gelo multiusuário, para abastecer a todos os laboratórios do CPCB.
Compressor com unidade secadora, para alimentar a rede de ar comprimido do CPCB
Lavador automático de vidraria, equipamento multiusuário.
Sistema de eletrodeionização contínua, equipamento multiusuário para abastecer aos laboratórios do CPCB.
Capelas (oito, em laboratórios do CPCB), necessárias para processar reações em ambiente com exaustão controlada.  

Subprojeto 3:

Sigla:

IRCON

Título:

Pesquisa Integrada em Industrialização e Racionalização de Sistemas Construtivos

Objetivo:

O objetivo geral deste subprojeto é a viabilização das instalações de laboratórios de pesquisa para o Programa de Pós-Graduação em Construção Civil (PPGCiv) da UFSCar, com o propósito de alavancar a pesquisa nas áreas de Industrialização e Racionalização de Sistemas Construtivos. Dada sua recente formação (em 2002), as pesquisas realizadas nestas áreas de concentração no PPGCiv já apresentam um impacto nacional considerável e reconhecimento no exterior e, dado o número de pesquisadores recém contratados, acredita-se que o PPGCiv se apresenta como um centro emergente na área de sistemas construtivos no cenário nacional. Sendo assim, a implantação desta proposta proporcionará a consolidação de centro de pesquisa na área de Industrialização e Racionalização da Construção no Brasil.
Os sistemas construtivos englobam um conjunto de subsistemas, componentes e materiais de construção e correspondentes técnicas de execução que devem ser sistemicamente combinados e integrados, cujo produto final é a Edificação, o qual deve atender a requisitos mínimos de desempenho tanto relacionados ao seu comportamento em uso quanto à sua construtibilidade. Dentro da temática proposta estão sendo considerados os diferentes sistemas construtivos estudados no âmbito do PPGCiv, englobando desde as questões inerentes ao projeto do produto quanto à gestão da produção, abordando tanto a análise de desempenho de sistemas existentes quanto o desenvolvimento e inovação de novos materiais, componentes e subsistemas. Neste contexto, esta proposta promoverá a integração entre as diversas áreas de pesquisa no PPGCiv, mas também entre na integração Pesquisa-Projeto-Produção, onde se busca a interação entre a universidade com empresas do setor de edificações, através dos convênios existentes, de forma a promover a transferência do conhecimento desenvolvido na instituição para a sociedade.
Tal temática já vem sendo explorada pelos pesquisadores e alunos do PPGCiv, contribuindo para o desenvolvimento da engenharia nacional (desenvolvimento tecnológico e normalização), porém ainda de forma não totalmente integrada. O grupo de pesquisadores reúne condições de se tornar uma referência nacional e internacional haja vista a lacuna de conhecimento existente. Para isto, torna-se importante a melhoria da infra-estrutura de pesquisa existente no PPGCiv. Um exemplo desta necessidade se deve ao fato de que embora alguns pesquisadores já desenvolvam pesquisas experimentais sobre materiais e componentes, os mesmos têm sido obrigados a utilizar a infra-estrutura de outras instituições. Paralelamente a esta dificuldade de caráter experimental, o DECiv carece de espaços apropriados para a alocação de seus pesquisadores e respectivos equipamentos para o desenvolvimento de suas pesquisas de forma integrada.
Esta questão foi parcialmente resolvida através de várias ações envolvendo o DECiv, o CCET e a Reitoria da UFSCar, com a construção de um edifício multiusuário, com 9 salas que congregam diferentes grupos de pesquisa dos dois programas de PG do DECiv (PPGCiv e PPGEU), envolvendo alunos de graduação e pós-graduação. Entretanto, para que este edifício possa ser ocupado o mesmo precisa ser finalizado, com a execução das instalações internas. Além disto, existe a necessidade de ampliação deste prédio, onde além de abrigar os demais grupos de pesquisa existentes, pretende-se concentrar as atividades do PPGCiv e do PPGEU, que atualmente ocorrem de forma descentralizada. A instalação das duas secretarias neste edifício, além de uma sala para defesas/reuniões, ainda inexistente no DECiv, promoverá uma maior integração entre funcionários, alunos pesquisadores e docentes. Pretende-se, também neste prédio, a construção de um auditório multiusuário equipado com meios para realização de vídeo-conferência, tradução simultânea e desenvolvimento de atividades de intercâmbio entre pesquisadores, como eventos científicos de pequeno porte. Espera-se que este espaço sirva para promover uma maior interação entre a pós-graduação e alunos de graduação, além de servir como uma facilidade para disseminação do conhecimento científico-tecnológico gerado na UFSCar. 
Além do espaço para os pesquisadores, a proposta contempla a melhoria das instalações físicas dos laboratórios de pesquisa do PPGCiv, as quais estão apresentadas no item referente à "Descrição das Obras" e nos projetos em anexo. Desta forma, pretende-se as seguintes instalações de pesquisa do PPGCiv: 1) REDE DE LÓGICA INTEGRADA E CENTRAL DE DADOS E VOZ DO DECiv (atualização e expansão da rede interna entre os edifícios do departamento); 2) NÚCLEO DE PG EM ENGENHARIA CIVIL - NPEC (conclusão e ampliação do edifício de pesquisa "Segundo Carlos Lopes", com a construção de um novo módulo com 2 pavimentos para atender aos dois programas de pós-graduação, PPGCiv e PPGEU); 3) LAB DE SISTEMAS PRÉ-FABRICADOS - NETPRE (reforma e ampliação do laboratório, com doação de estrutura pré-moldada pela ABCIC - Associação Brasileira de Construção Industrializada de Concreto); 4) LAB DE SISTEMAS ESTRUTURAIS - LSE (ampliação de área do laboratório para ensaios estruturais); 5) LAB DE MATERIAIS E COMPONENTES - LMC (melhoria de instalações e ampliação de área para confecção de materiais para ensaios).
Além das obras citadas, pretende-se a aquisição de um equipamento multiusuário (máquina universal de 1000 kN) que permitirá a caracterização e o desenvolvimento de materiais, componentes e elementos estruturais na própria UFSCar, atendendo a vários grupos de pesquisa do DECiv e da UFSCar. Esta máquina será acoplada a uma prensa de compressão para corpos-de-prova para concreto de 2000 kN, obtido no Edital Pró-Equipamentos 2008 - Capes. Não há equipamento semelhante ao solicitado em todos os campi desta universidade.
Em particular, essa nova infra-estrutura irá permitir um salto de qualidade no PPGCIV, instrumentando o referido programa a habilitar-se para o desejado pedido de programa de doutoramento. Várias pesquisas, relatadas neste projeto, irão imediatamente fazer uso dessa infra-estrutura, algumas delas com parcerias nacionais e internacionais pré-estabelecidas, dependendo apenas da aprovação e efetiva realização da infra-estrutura solicitada.
As áreas e grupos de pesquisa a serem beneficiados diretamente, com a implementação destes laboratórios e aquisição do equipamento multiusuário, são:

Grupo 1: Sistemas Construtivos Pré-fabricados de Concreto


Líder: Marcelo Ferreira - PQ 2 CNPq
Pesquisadores Doutores: Roberto Carvalho; Sheyla Serra; Fernando Filho
Colaboradores Externos: Daniel Araujo (UFG), Mônica Barbosa (UNESP), Libânio Pinheiro (EESC-USP), Prof. Kim Elliott (Univ. Nottingham - UK) e grupos internacionais da FIB (Federação Internacional do Concreto Estrutural - UE) e do PCI (Precast Concrete Institute - USA).
Grupo 2: Sistemas Construtivos em Alvenaria Estrutural
Líder: Guilherme Parsekian
Colaboradores Externos: Humberto Roman (UFSC); Jefferson Camacho (UNESP); Nigel Shrive (Canadá) e grupo internacional de pesquisa em cisalhamento de alvenaria (vários países)
Grupo 3: Sistemas Construtivos Mistos e Híbridos em Aço e Concreto
Líder: Alex Souza
Pesquisadora Doutora: Silvana De Nardin
Grupo 4: Materiais para Sustentabilidade Construtiva e Ambiental
Líder: Almir Sales - PQ 2 CNPq
Grupo 5: Gestão e Racionalização da Produção
Líder: Prof. Dra. Sheyla Serra
Pesquisadores Doutores: Simar Amorim, Itamar Lorenzon; José Paliari; Maria Fontenelle, Alex Souza, Guilherme Parsekian
Colaboradores Externos: Carlos Formoso (UFRGS); José Barros Neto (UFC); Ercília Hirota (UEL); Ubiraci Souza (EPUSP); Márcio Fabrício (EESC-USP); Regina Ruschel (Unicamp)

A implementação da infraestrutura pretendida atenderá não só os pesquisadores envolvidos diretamente neste subprojeto, mas também todos os docentes do DECiv envolvidos com a pós-graduação. Desta forma, acredita-se que esta proposta terá um efeito dinamizador para os PPGs do DECiv.  



Justificativa e Relevância:

O setor da construção civil possui notória importância para o desenvolvimento sócio-econômico do Brasil. Entretanto, este setor ainda não tem conseguido responder, de forma abrangente ou padronizada, aos seus principais desafios em termos de produção, qualidade e produtividade. A evolução tecnológica na indústria da Construção Civil passa pelo desenvolvimento de seus produtos (materiais, componentes e sistemas construtivos) e de seus processos (procedimentos operacionais e organizacionais para o gerenciamento e controle do processo produtivo). Neste contexto, é reconhecido mundialmente que a evolução da construção civil se dirige para industrialização e racionalização da construção.
Nos últimos 10 anos tem havido um aumento crescente pela aplicação de sistemas construtivos industrializados em diferentes tipos de edificações. A cada método construtivo há uma associação do nível de organização dos meios de produção. Assim, os processos construtivos podem ser associados a diferentes níveis de industrialização (no contexto que industrialização pressupõe a organização da produção). Existem diferentes sistemas construtivos com potencial para a industrialização, sendo que cada sistema será mais adequado para uma situação de projeto. Portanto, há necessidade de se explorar as potencialidades de cada solução com base em parâmetros, tais como: uso de materiais eco-eficientes, desempenho durante o uso da edificação, uso otimizado dos recursos físicos e financeiros. 
No Brasil, ainda não existem centros consolidados que abordem de forma sistêmica a pesquisa integrada na área de "Industrialização e Racionalização de Sistemas Construtivos". Por esta razão, esta proposta se justifica plenamente e apresenta-se como relevante para nuclear esta temática em um centro de pesquisa ainda emergente, mas com potencial para se tornar um centro de referência no tema. Isto sem dúvida, servirá para a consolidação dos atuais conceitos de avaliação CAPES, com possibilidade real de melhoria destes conceitos, inclusive com a solicitação de doutorado pelo PPGCiv.
Incluindo as pesquisas que já vêm sendo realizadas dentro deste temário no PPGCiv, a implementação da infraestrutura solicitada permitirá a continuidade e desenvolvimento dos seguintes estudos:

Tema 1: Sistemas Construtivos Pré-fabricados de Concreto


"¦Estudo do comportamento de sistemas estruturais e das ligações em concreto pré-moldado (estudo teórico e ensaios experimentais dos elementos estruturais);
"¦Estudo de materiais e componentes: caracterização e desenvolvimento de concretos especiais para aplicação em pré-moldados de concreto (Concreto Auto-Adensável);
"¦Desenvolvimento de procedimentos e ferramentas para análise e projeto de ligações e elementos pré-moldados (estruturas de múltiplos pavimentos);
"¦Normalização nacional e internacional (coordenação e participação na elaboração de normas da ABNT e participação em comitês internacionais, FIB - Federação Internacional do Concreto Estrutural e PCI - Precast Concrete Institute/USA);
"¦Integração pesquisa-projeto-produção com o setor produtivo, dentro do convênio UFSCar com a ABCIC (Associação Brasileira de Construção Industrializada de Concreto);
"¦Estudo e desenvolvimento de sistemas construtivos pré-fabricados para habitações de interesse social e baixa renda, integrando o Comitê Técnico ABCIC/CDHU.

Tema 2: Sistemas Construtivos em Alvenaria Estrutural


"¦Estudo sobre resistência ao cisalhamento para alvenaria parcialmente grauteada em convênio internacional de pesquisadores de várias universidades, liderados pelo Dr. Nigel Shrive da University of Calgary - Canada;
"¦Estudo sobre especificação, execução e inspeção de alvenarias de blocos cerâmicos grauteados em parceira com a empresa Selecta (Estrutural Blocos e Telhas Ltda);
"¦Estudo sobre paredes de contraventamento ("in-fill walls") em estruturas industrializadas de concreto pré-moldado em parceria com a ABCIC e com participação no comitê de norma norte americano ACI / ASCE / TMS;
"¦Parcerias com várias empresas e instituições (SINDUSCON, ABCP, ANICER) em estudos e divulgação da tecnologia através de ensaios, cursos e palestras e participação em comitê de norma nacional ABNT.

Tema 3: Sistemas Construtivos Mistos e Híbridos em Aço e Concreto


"¦Desenvolver um sistema de piso misto delgado, avaliar seu comportamento frente às ações estáticas e elaborar recomendações práticas de projeto para pisos mistos de aço e concreto;
"¦Especificar, caracterizar e estudar a interação aço-concreto no piso misto delgado, destacando formas alternativas e de baixo custo para promover o comportamento conjunto;
"¦Estudar o comportamento de pilares mistos parcialmente revestidos, submetidos à compressão centrada e à compressão excêntrica, visando avaliar o comportamento conjunto aço-concreto na região de introdução de cargas;
"¦Desenvolver formas racionais de produção e montagem dos pilares mistos parcialmente revestidos;
"¦Propor e estudar detalhes de ligação entre o piso misto e o pilar misto, considerando lajes mistas e elementos pré-fabricados.

Grupo 4: Materiais para Sustentabilidade Construtiva e Ambiental


"¦Avaliar a viabilidade técnica da utilização da cinza do bagaço da cana-de-açúcar (CBC) em substituição ao agregado miúdo na produção de concretos e argamassas;
"¦Estudar e avaliar a composição e as propriedades físico-químicas do resíduo constituído por CBC;
"¦Estabelecer critérios de dosagens para confecção de amostras-ensaio de concreto e argamassa; 
"¦Avaliar as propriedades físicas e mecânicas de argamassas e concretos com a CBC incorporada, comparativamente aos valores de referência utilizando agregados naturais, por meio de ensaios mecânicos e microestruturais;
"¦Analisar algumas propriedades relacionadas à durabilidade dos artefatos confeccionados com a CBC, por meio de ensaios de carbonatação e retração em concretos e argamassas.

Grupo 5: Gestão e Racionalização da Produção


"¦Analise estratégica de empresas, fabricantes e subempreiteiras da construção civil, tendo como referência a realidade de cidades de médio porte como São Carlos e região;
"¦Estudo da gestão da produção de edifícios e racionalização dos processos de trabalho, tendo como referência práticas oriundas de outras indústrias, visando o uso eficiente dos recursos físicos;
"¦Análise da segurança e saúde do trabalho na construção de edifícios, visando o desenvolvimento de diretrizes gerenciais, como o projeto do canteiro e o cronograma de implantação de medidas coletivas;
"¦Estudo do processo de desenvolvimento do projeto de edificações considerando aspectos de construtibilidade, coordenação e compatibilidade entre diferentes especialidades;
"¦Aprofundar conhecimento em todo o processo de projeto e de produção dos sistemas prediais hidráulicos e sanitários, visando a racionalização dos projetos e processos, o uso racional da água e a redução das patologias em edifícios;
"¦Estudo dos procedimentos de certificação da qualidade nas construções em geral e nos pré-fabricados de concreto. 
"¦Continuidade da pesquisa GESTÃO DE OPERAÇÕES NA CONSTRUÇÃO CIVIL: construção de um referencial teórico e desenvolvimento de estratégias de implementação para modernização industrial, apoiada pela CAPES/Pró-Engenharias e que integra UFRGS, UFSCar, UFC e UEL;
"¦Continuidade da pesquisa GESCONMAT - Gestão do Consumo de Materiais nos Canteiros de Obras, que integra USP, UFSCar e UFG, com apoio da FINEP/Habitare e do SINDUSCON-SP, objetivando o desenvolvimento de novos métodos e posturas gerenciais visando a redução dos desperdícios de materiais nos canteiros;
"¦Participação no Programa Comunidade da Construção - em parceria com a ABCP e o SINDUSCON-SP (Regional Campinas) visando a disseminação do conhecimento em gestão da produção e tecnologia de sistemas construtivos e ampliação aos demais pólos regionais do Estado de São Paulo.  

Impactos Previstos:

Impactos Científicos e Tecnológicos
"¦Consolidação das linhas de pesquisa existentes no PPGCiv, visando a consolidação do conceito CAPES e a implantação do Programa de Doutorado em Construção Civil
"¦Fortalecimento das atividades de pesquisa interinstitucionais dos dois programas de Pós-Graduação do DECiv, tanto no plano nacional quanto no internacional
"¦Ampliação do número de projetos integrados multidisciplinares nas áreas de sistemas construtivos, sistemas estruturais, gestão e tecnologia das construções
"¦Ampliação da produção científica na área de pesquisa experimental de sistemas construtivos
"¦Aumento dos alunos de iniciação científica vinculados aos diferentes grupos nos laboratórios de pesquisa, favorecendo a integração do ensino de graduação e pós-graduação
"¦Aumento de pós-doutorandos nos laboratórios de pesquisa do PPGCiv, favorecendo o desenvolvimento da pesquisa avançada
"¦Contribuição para o avanço do desenvolvimento científico e tecnológico na Construção Civil, tanto no âmbito regional quanto nacional
"¦Consolidação de centro de referência em pesquisa de industrialização e racionalização, podendo nuclear outras propostas e receber pesquisadores de outros centros

Impactos Sociais


"¦Aumento da sistematização e disseminação do conhecimento acadêmico para o setor da construção civil, gerando a melhoria da qualidade dos sistemas construtivos para edificações aplicados no Brasil.
"¦O desenvolvimento da industrialização na construção permitirá ao Brasil atender com maior eficiência, menores custos e menor tempo, ao déficit habitacional.
"¦O aumento da racionalização construtiva permitirá o melhor aproveitamento dos recursos físicos e financeiros, com menor desperdício de materiais nas obras, aumentando a sustentabilidade da atividade produtiva
"¦Aumento da formação de recursos humanos para pesquisa e docência nas áreas de construção civil e sistemas estruturais
"¦Melhoria do conhecimento disponível para a atualização e aperfeiçoamento de profissionais atuantes na construção civil
"¦Dada aos convênios existentes envolvendo universidade-empresa, as pesquisas desenvolvidas no PPGCiv também contribuem para a formação de pessoal técnico para atuar no desenvolvimento e na implantação de novas tecnologias no Brasil
"¦A participação ativa dos docentes do PPGCiv na elaboração de normas técnicas da ABNT, onde alguns resultados de pesquisas recentes já foram incorporados nestas normas, constitui-se em uma grande contribuição para a sociedade brasileira

Impactos Econômicos


"¦Os objetivos primários da industrialização e da racionalização da construção civil estão diretamente relacionados com o aumento da produtividade e sustentabilidade, com redução de custos, no ambiente construído. Isto se torna fundamental num país emergente como o Brasil.  

Qualificação das Pós-Graduações vinculadas ao subprojeto:

O Programa de Pós-Graduação em Construção Civil (PPGCiv) da UFSCar iniciou suas atividades de pesquisa em 2002. A presente proposta encontra-se consoante com os temas e disciplinas já tratados no âmbito do PPGCiv, envolvendo as duas linhas de pesquisa: a) Sistemas Construtivos e Sistemas Estruturais e Tecnologia de Sistemas Construtivos; b) Racionalização, Avaliação e Gestão de Processos. Assim, os docentes do PPGCiv estão plenamente qualificados para o desenvolvimento das pesquisas apresentadas como objetivos neste subprojeto. O PPGCiv mantém uma página na internet, com as dissertações defendidas e ementas das disciplinas, onde maiores informações podem ser acessadas (www.ppgciv.ufscar.br).

Na última avaliação trienal pela CAPES teve o conceito melhorado de 3 para 4 refletindo o esforço do corpo docente na busca de qualidade. Vale ressaltar que são poucos os programas de pós-graduação em Construção Civil, sendo o PPGCIV o de melhor conceito CAPES. Até o início de 2009 foram defendidas 60 dissertações, sendo atualmente 42 alunos regularmente matriculados no programa. Uma das dissertações defendidas foi escolhida como Destaque do Ano de 2007 pelo IBRACON e recebeu o Prêmio Melhor Trabalho Técnico de 2007 do Instituto de Engenharia (SP). Vale ressaltar também, como resultado de uma pesquisa de mestrado, o depósito de patente relativo à produção e uso de agregados artificiais produzidos a partir de material de reciclagem. A produção das publicações de artigos em periódicos nacionais e internacionais têm crescido fortemente nos últimos 3 anos. Espera-se que com o aumento da infraestrutura de pesquisa, a produção acadêmica e científica poderá crescer de forma mais acentuada.

O PPGCiv é um programa de Pós-Graduação jovem com projetos/proposta de pesquisas atuais e formado por um corpo docente também jovem com tempo médio de doutorado de 10 anos. Tem incorporado os recém doutores e os recém contratados pela DECiv-UFSCar. Apesar disso tem conseguido êxito na inserção acadêmica regional e nacional e tem buscado uma maior inserção internacional.

O PPGCiv tem recebido alunos de todas as regiões do país, destacando-se a sua inserção acadêmica regional com egressos oriundos de empresas e instituições da região central de São Paulo. Além disso, uma parcela significativa dos egressos do Programa tem iniciado/continuado sua carreira acadêmica e/ou profissional na própria região, o que certamente melhora a qualidade do setor da Construção Civil da região central do Estado de São Paulo, onde está inserida a UFSCar. I

Dada a forte interação da universidade e o setor produtivo, onde se busca direcionar a produção do conhecimento para atender às demandas do setor da construção civil no âmbito nacional e regional, há uma forte tendência do uso da industrialização e racionalização nos sistemas construtivos, levando a uma melhoria da qualidade. Neste sentido vale destacar o convênio entre a UFSCar e a ABCIC (Associação Brasileira de Construção Industrializada de Concreto) que tem permitido o desenvolvimento de pesquisas e gerando novos produtos e processos em construção pré-fabricadas. Dado este convênio, foi possível a construção do primeiro laboratório dedicado ao pré-fabricado no Brasil e a pesquisa no PPGCiv nesta área já se tornou referência para o setor. Além deste convênio com a ABCIC, existem vários outros convênios com outras importantes associações e empresas do setor. 

Demonstrando a inserção nacional no ano de 2008 foi aprovado o Projeto de Rede de Pesquisa em Engenharias da CAPES, envolvendo o PPGCiv e os seguintes programas de pós-graduação:


"¦Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil - UFRGS
"¦Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil - UEL
"¦Programa de Pós-graduação em Estruturas e Construção Civil - UFC.
Este programa é coordenado pela UFRGS (conceito 6), com o compromisso de desenvolver produções científicas e métodos que colaborem para o desenvolvimento dos demais programas. Entre as atividades propostas estão as missões de docentes e de estudantes nas IES parceiras. Para tal, é importante que o PPGCiv tenha condições de infraestruturas para receber os pesquisadores visitantes e participar dos eventos via vídeo-conferência. Entre as contribuições do PPGCiv para os demais programas, destacam-se os temas de Industrialização e Racionalização.

Existe uma forte participação dos docentes do PPGCiv na elaboração de normas técnicas da ABNT e participação em comitês técnicos internacionais: a) Comissão de Estudos CE-02:123.03 (ABNT); b) Comissão de Estudos CE:02.126.10 (ABNT); c) Comissão para Elaboração da NBR-9062:2006; h) Um dos docentes do PPGCiv está presidindo a Comissão de Estudos CE-18:600.19 (ABNT), com aplicação direta de pesquisas teóricas e experimentais realizadas na UFSCar; d) Maison Standards Joint Committee - ACI 530-05/ASCE 5-05/TMS 402-5; e) Maison Standards Joint Committee - ACI 530-05/ASCE 6-05/TMS 602-5; f) Commission on Prefabrication - FIB / C6.2 Hollow Core Slabs; g) Connection Detailing Committee - Precast Concrete Institute (PCI/ACI-USA).

No cenário internacional desde 2005, existe um convênio internacional (tipo guarda-chuva) entre a UFSCar-PPGCiv e a University of Nottingham na Inglaterra. Este convênio foi possível graças à cooperação de pesquisa já existente entre o NETPRE com o Prefabricated Systems Group, liderado pelo Prof. Kim S. Elliott, o qual é um grupo de referência internacional na pesquisa experimental de estruturas pré-moldadas de concreto. Como fruto deste convênio foram realizadas 5 missões de intercâmbio entre as duas instituições, sendo 2 na UFSCar. No ano de 2006 iniciou-se um intercâmbio com a University of Calgary - Canadá. No ano de 2007 o Prof. Guilherme Parsekian desenvolveu seu pós-doutorado na referida Universidade, quando foi consolidada uma proposta de pesquisa conjunta entre as instituições, envolvendo também o PPGEU.

Destaca-se também a participação de professores do PPGCiv na organização de eventos tradicionais da área de construção civil. Em 2003 foi realizado na UFSCar o 3º Simpósio Brasileiro de Gestão e Economia da Construção (SIBRAGEC-ANTAC). Em 2007 foi realizado na UFSCar o 10º Simpósio de Sistemas Prediais na Construção (SISPRED-ANTAC). Em parceria com a EESC-USP, a UFSCar foi responsável pela co-organização do 1º e 2º Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto Pré-Moldado, ambos realizados na cidade de São Carlos, nos anos de 2005 e 2008, respectivamente. No ano de 2009, os docentes do PPGCiv estão coordenando o comitê científico da 6ª edição do SIBRAGEC-ANTAC. O PPGCiv também está participando da co-organização do 15th International Brick and Block Masonry Conference. Trata-se do mais importante evento na área de Sistemas Construtivos em Alvenaria Estrutural. A proposta concorreu com outras de Portugal, Inglaterra e Alemanha e foi vencedor, o que permitirá que o país sedie e se beneficie deste importante evento técnico a ser realizado em 2012. 

De forma geral, os docentes do programa estão sempre buscando parcerias para o desenvolvimento de pesquisas e participando dos diversos editais das agencias de fomento brasileiras. Em 2003 o PPGCiv foi contemplado com um Programa PRODOC da Capes e em 2004 foi aprovado um Programa Especial em Centros Emergentes da FAPESP. Recentemente, o PPGCIV foi contemplado no último edital CAPES Pro-Equipamentos, onde foi adquirida uma prensa para ensaios de corpos-de-prova para concreto. No ano de 2008 foi apresentada proposta para PAPG-IFES - (Programa de Apoio a Pós-Graduação - MEC), com objetivos de incrementar a formação de professores com estágios no exterior e implantar o doutorado. No entanto, a infra-estrutura atual do programa (laboratórios, salas informatizadas, salas de alunos, auditórios) precisa ser melhorada, pois se constitui em um dos principais entraves ao crescimento do programa.  


Descrição das Obras e dos Principais Equipamentos:

O DECiv foi criado em 1978, sendo que seu crescimento, em termos de infra-estrutura física, se deu a partir da década de 90, tendo se intensificado nos últimos anos com a implantação do PPGCiv. Ainda assim, este crescimento por ser considerado aquém dos outros departamentos da UFSCar, principalmente ao se levar em consideração a perspectiva de aumento de alunos de pós-graduação, novos docentes e da consolidação do PPGCiv. Além disto, a aprovação do doutorado no PPGEU não resultou em acréscimo de infraestrutura no DECiv. Com o objetivo de sanar a deficiência de infraestrutura e atender aos objetivos expostos neste subprojeto são pretendidas as seguintes obras:

1 - REDE DE LÓGICA INTEGRADA DO DECiv E CENTRAL DE DADOS E VOZ


Atualmente, não existe um centro unificado de comando da rede do DECiv, com uma área segura que armazene o distribuidor de internet para outros departamentos (que está alocado no Laboratório de Informática dos estudantes da graduação), e os servidores internos e a pilha de "switchs" (que se encontram instalados numa sala de docente). Mais importante é que a infra-estrutura de rede lógica do DECiv é antiga, apresenta picos de não operação, está defasada, e não suportará a demanda atual e futura.
Assim, pretende-se fazer a atualização e expansão da rede interna do DECiv, a qual permitirá a substituição da rede atual para os docentes, e a instalação de redes nos laboratórios de pesquisa, permitindo a integração dos mesmos em um único centro de comando (20 m2) a ser construído. Este centro de comando é designado como "Central de Dados e Voz", será alocado no prédio de laboratórios a ser construído, e atenderá, além do DECiv, diversos departamentos da área norte da UFSCar. 
Com a construção desta infraestrutura espera-se sanar os problemas de comunicação e a descentralização que dificultam a operação, a segurança e a manutenção da rede. 

2- NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL - NPEC


Conforme apresentado, o prédio de pesquisa "Segundo Carlos Lopes" ainda não pode ser ocupado por falta de instalações internas. Pretende-se a finalização do edifício existente com 480m2 e sua ampliação, com a construção de um novo módulo com 2 pavimentos com área total de 567m2 que deverá abrigar: salas de estudo (com informática) para alunos de pós-graduação e de iniciação científica e para pós-doutorandos, sala para pesquisadores, sala de reuniões, auditório de seminários, salas para secretarias da pós-graduação. Também está prevista uma área de circulação que funcionará como um espaço de convivência que poderá ser utilizado para eventos acadêmicos de pequeno e médio porte.

3- LABORATÓRIO DE SISTEMAS PRÉ-FABRICADOS - NETPRE


O Laboratório NETPRE foi construído em 2005, através de um convênio entre o NETPRE/UFSCar e a ABCIC (Associação Brasileira de Construção Industrializada de Concreto), onde foi doada a estrutura pré-fabricada para este prédio, sendo que infraestrutura foi feita pela UFSCar. Os equipamentos e a conclusão do laboratório foram conseguidos com o auxílio do Programa Jovem Pesquisador da FAPESP (2004-2007), com verba de R$ 450.000,00. Neste laboratório são ensaiados elementos pré-moldados em escala real, os quais são doados por empresas fabricantes, sendo que as entregas dos componentes ocorrem em caminhões que adentram no edifício e são retiradas com a ponte rolante existente. Dada a necessidade de alocar os equipamentos e ferramentas, bem como alocar computadores dos alunos do grupo de pesquisa foram feitas paredes de blocos formando 6 de salas internas, ocupando a área destinada para os modelos ensaiados. De fato, esta solução não está adequada pois, para manter a segurança, a ponte rolante foi limitada para operar em apenas metade do laboratório e, dada a necessidade da entrada de caminhões para descarga dos modelos em escala real para ensaios, o espaço útil do laboratório ficou bastante reduzido. Sendo assim, dando seqüência à parceria entre a UFSCar e a ABCIC, existe a disposição por parte desta associação para a doação de mais meio módulo do laboratório com pé-direito de 8 m e mezanino para alocação dos alunos, sendo 157,5 m2 no térreo e 126 m2 no mezanino. Desta forma, o laboratório possui área de reforma de 225 m2 e a área a ser ampliada de 283,5 m2. No piso térreo serão alocadas: 2 áreas de extensão das atividades de ensaios; 1 sala técnica (25 m2) para alocação da instrumentação dos ensaios; 2 sanitários e 1 copa. No piso superior serão alocadas: 2 salas para bolsistas e pesquisadores; 1 sala de reunião e coordenação.

4- LABORATÓRIO DE SISTEMAS ESTRUTURAIS - LSE


O LSE foi construído com recursos próprios do DECiv com vistas à implantação do PPGCiv em 2002 e atender às demandas de pesquisa existentes naquele momento. Foi reformado com a execução da sua vedação e revestimento, execução de câmara climatizada para armazenamento de corpos-de-prova utilizados em pesquisas experimentais. Recentemente , com verbas da UFSCar, foram executados piso, forro e pintura, finalizando uma primeira etapa de ocupação do prédio. 
Pretende-se nesta proposta a ampliação de área do laboratório para ensaios estruturais, produção de concreto e argamassas e local para confecção de protótipos para ensaios. A ampliação contemplará um prolongamento do edifício em 15,0 m, pela largura original de 7,0 m, com pé-direito livre de 6 m, perfazendo uma área de 105 m2. Nesta nova área deverá contemplar dois espaços: um destinado à instalação do equipamento multiusuário, um pórtico de ensaio a compressão com atuador servo controlado e altura útil de 3,0m, e outro destinado laje de reação para montagem de ensaios estruturais. A fundação para o pórtico e laje de reação não estão previstos neste projeto e serão solicitados a outra agência de fomento.
A estrutura de ampliação deve contemplar viga de rolamento para futura instalação de ponte rolante e talha elétrica de 5tf, para transporte das peças ensaiadas.

5 - LABORATÓRIO DE MATERIAIS E COMPONENTES - LMC


O LMC é um dos prédios mais antigos do DECiv e sofreu várias pequenas reformas com verbas deste departamento. Nele são desenvolvidas atividades de caracterização de materiais, ensaios de resistência de corpos-de-prova de concreto, madeira e outros materiais, além de pesquisas com ultra-som. Há uma pequena câmara climatizada, coifa com controle de temperatura e uma prensa antiga para rompimento de concreto, a qual não é adequada para pesquisa. Nesta proposta, pretende-se a adequação de área existente de de 45m2, com melhoria de instalações, e ampliação de área de 15,85 m2 para confecção de materiais para ensaios.
O EDF (Escritório de Desenvolvimento Físico da UFSCar) desenvolveu todo o projeto de infra-estrutura viária para acesso a todos os laboratórios e, em particular, para esta área de uso comum dos laboratórios experimentais existentes, sendo que o custo desta infra-estrutura viária não é objeto desta proposta. Deve ser ressaltado que os laboratórios previstos não vão gerar resíduos contaminantes nem causar significativo impacto ambiental.

6 - EQUIPAMENTO MULTIUSUÁRIO DE PESQUISA


O equipamento solicitado no âmbito deste subprojeto consiste numa Máquina Universal de Ensaio, com controle servo-hidráulico permitindo grande precisão e controle de ensaios a tração e a compressão (até 1.000 kN). A aquisição deste equipamento multiusuário permitirá a caracterização e o desenvolvimento de materiais, componentes e elementos estruturais na própria UFSCar, atendendo a vários grupos de pesquisa do DECiv, podendo sua utilização ser estendida a outros grupos da UFSCar. Esta máquina será acoplada a uma prensa de compressão para corpos-de-prova para concreto de 2000 kN, obtida no Edital Capes Pró-Equipamentos 2008 e será instalada no LSE.  

Subprojeto 4:

Sigla:

CCIELMPMPG

Título:

Criação e Consolidação da Infra-Estrutura de Laboratórios Multidisciplinares de Pesquisa em Matemática dos Programas de Pós-Graduação PPGECE e PPGM

Objetivo:

Os recursos solicitados têm por objetivo a criação dos Laboratórios Multidisciplinares de Pesquisa em Ensino de Matemática do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas - PPGECE, e a consolidação da infra-estrutura dos Laboratórios de Pesquisa Multidisciplinar em Matemática Pura e Aplicada do Programa de Pós-Graduação em Matemática - PPGM. 
Especificamente, serão criados os Laboratórios de Pesquisa em conteúdo e experimentação para o ensino de matemática e de pesquisa em tecnologia da informação e comunicação no ensino de matemática, ambos relativos ao grupo de pesquisa em ensino de matemática do Programa de Pós-Graduação PPGECE. Estes laboratórios terão caráter multidisciplinar e incluirão também as linhas de pesquisas de aplicação da informática no ensino de matemática, currículos específicos para a área de matemática, ensino da matemática através de sua história, ensino de matemática através de modelagem de fenômenos, metodologia de investigação, métodos e técnicas de ensino/aprendizagem em matemática. 
Além disso, serão criados um laboratório de pesquisa multidisciplinar de pós-graduação em matemática e mais três laboratórios, o primeiro de informática para servidores de rede, impressoras e outros equipamentos de pesquisa, o segundo de seminários de pesquisa e vídeo conferência e o último multifuncional para leitura de artigos de pesquisa, consolidando desta forma a infra-estrutura de pesquisa em matemática do Programa de Pós-Graduação PPGM.
Tais laboratórios contribuirão para a adequada instalação das equipes envolvidas nas pesquisas, destacando-se os pós-graduandos, pós-doutorandos e alunos de iniciação científica, além dos pesquisadores visitantes que ambos os programas recebem. Permitirão também a instalação de equipamentos obtidos pelos diferentes grupos de pesquisas do PPGECE e PPGM, junto às agências de fomento (CAPES, CNPq, FAPESP, INCTM-AGIMB, etc.). 
Tal infra-estrutura contribuirá significativamente para o crescimento das pesquisas realizadas no PPGCE e PPGM, incentivando o aumento dos intercâmbios dos diversos grupos de pesquisa do PPGECE e PPGM com grupos de pesquisa de outras instituições nacionais e internacionais, além de levar os programas a serem centros de excelência.
Além disso, a criação de tais laboratórios possibilitará um forte acréscimo na formação de recursos humanos qualificados formados pelos dois programas de pós-graduação. Especificamente, na formação de pesquisadores e professores com mestrado e doutorado em matemática para atuarem nas redes de ensino fundamental e médio do Brasil, contribuindo com a força tarefa do Ministério de Educação - MEC na melhoria dos índices da matemática do Brasil. Esse investimento também proporcionará maior integração entre as atividades de pós-graduação e de graduação, pois permitirá a cada grupo de pesquisa ampliar o número de alunos de iniciação científica nos laboratórios e contar com maior participação de pós-doutorandos e pesquisadores visitantes. Finalmente, permitirão fazer frente ao forte crescimento que ambos os programas vêm tendo. Todos os laboratórios serão criados no Departamento de Matemática da UFSCar

As áreas e grupos de pesquisa a serem beneficiadas com a criação dos 6 laboratórios multidisciplinares de pesquisa descritos acima são os seguintes:


GP-01: Operadores Diferenciais Parciais: Singularidades, Unicidade e Existência de Soluções
Ano de formação: 2000
Líderes: Prof. Dr. Jorge G. Hounie, PQ 1A CNPq
Área de Concentração: Análise
Linhas de Pesquisa: Operadores Diferenciais Parciais: singularidades, unicidade e existência de soluções. Leis de conservação e equações parabólicas. Problemas de existência e regularidade de soluções; Problemas lineares e não lineares; Operadores pseudo-diferenciais.
Equipe de Prof. Drs.: José R. dos Santos Filho, Cezar Kondo, Rafael A. Kapp. Colaboradores externos: Marcelo R. Ebert (USP) e Maurício F. da Silva (UFSM). 

GP-02: Equações Diferenciais Parciais.


Ano de formação: 1986
Líder: Prof. Dr. Adalberto P. Bergamansco, PQ 1B CNPq
Área de Concentração: Análise
Linhas de Pesquisa: Regularidade em problemas de contorno; Hipoeliticidade
global; Unicidade no problema de Cauchy; Sistemas de campos vetoriais.
Equipe de Prof. Drs.: Colaboradores externos: Paulo L. Dattori da Silva (USP), Abdelhamid Meziani (University Park), Alexandre Kirilov (UFPR), Sergio L. Sani e Wagner V. L. Nunes (USP). 

GP-03: Equações Diferenciais Parciais: Regularidade e Resolução


Ano de formação: 1997
Líder: Prof. Dr. Gerson Petronilho, PQ 1C CNPq
Área de Concentração: Análise
Linhas de Pesquisa: Hipoeliticidade de problemas de fronteira; Hipoeliticidade e resolubilidade global. Análise harmônica e Hipoeliticidade global.
Equipe de Prof. Drs.: Luís A. C. dos Santos. Colaboradores externos: Paulo D. Cordaro (USP) e Alex A. Himonas (Univ. of Notre Dame).

GP-04: Física-Matemática


Ano de formação: 1993
Líder: César R. de Oliveira, PQ 1D CNPq
Área de Concentração: Análise
Linhas de Pesquisa: Estabilidade de sistemas qüânticos não-periódicos. Teoria Espectral de operadores de Schrodinger. Sistemas de campos vetoriais.
Equipe de Prof. Drs.: Marcos V. de A. Lima. Colaboradores externos: Túlio de Oliveira de Carvalho (UEL) e Mariza S. Simsen (UNIFEI).

GP-05: Análise Matemática de Modelos de Reação-Difusão e de supercondutividade.


Ano de formação: 1997
Líder: Arnaldo S. do Nascimento
Área de Concentração: Análise 
Linhas de Pesquisa: Estabilidade; Bifurcação e formação de camadas limites em EDP s parabólicas. Equações de evolução governadas por operadores acretivos. Equações Diferenciais Parciais: semi-continuidade superior e inferior de atratores. 
Equipe de Prof. Drs.: Cláudia B. Gentile, Gustavo Madeira, Karina Schiabel Silva, Leynnyngs K. Arruda e Vera L. Carbone. Colaboradores externos: Alexandre C. Gonçalves (USP), João C. Moreira (UFU), Janete Creme (USP) e Renato J. de Moura (UFMG).

GP-06: Geometria Diferencial


Ano de formação: 2000
Líder: Ruy T. de Figueiredo Jr., PQ 1C CNPq
Área de Concentração: Geometria Diferencial
Linhas de Pesquisa: Problemas de classificação de imersões isométricas; Rigidez e deformações isométricas e conformes de subvariedades; Transformações de subvariedades; Subvariedades com curvatura seccional constante; Subvariedades Lagrangianas; Subvariedades de Dupin. Imersões isométricas com curvatura média constante; Subvariedades pseudo-paralelas; Subvariedades em formas espaciais reais, Lorentzianas e complexas. Trivialidades topológicas de germes de funções; Fecho integral de ideais, módulos e poliedros de Newton.
Equipe de Prof. Drs.: Guillermo A. Lobos, João N. Tomazella e Yuriko Y. Baldin. Colaboradores externos: Irene I. Onnis (USP), Valério B. Ramos (UFABC), Marcos Dacjzer (IMPA), Luis Florit (IMPA).

GP-07: Topologia Algébrica e Diferencial


Ano de formação: 1998
Líder: Pedro Luiz Q. Pergher, PQ 1D CNPq
Área de Concentração: Topologia Algébrica
Linhas de Pesquisa: Bordismo equivariante, Homotopia de fribados, Teoria de Pontos fixos e Coincidências de Neilsen.
Equipe de Prof. Drs.: Fábio G. Figueira, Daniel Vendrúscolo, Dirceu Penteado, Sadao Magasso, Edivaldo L. dos Santos, Tomas Edson Barros e Adriana Ramos. Colaboradores externos: Daciberg L. Gonçalves (USP), Aline K. M. Liberdi (UNESP) e Rogério de Oliveira (UFGD)

GP-08: Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Ensino de Matemática


Ano de formação: 2000
Líder: Yuriko Y. Baldin 
Área de Concentração: Ensino de Matemática
Linhas de Pesquisa: Aplicação da informática no ensino de matemática, Currículos específicos para a área de matemática, Ensino da matemática através de sua história, Ensino de matemática através de modelagem de fenômenos, Metodologia de investigação, Métodos e técnicas de ensino/aprendizagem em matemática.
Equipe de Prof. Drs.: Roberto R. Paterlini, Pedro L. A. Malagutti, José A. Salvador, Yolanda K. S. Furuya, Guillermo A.L.Villagra, Paulo A. S. Caetano, Ivo Machado da Costa, João C.V.Sampaio  

Justificativa e Relevância:

Uma das diretrizes descritas no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFSCar é:
"Expandir, diversificar e inovar a oferta de cursos de pós-graduação".
Dentro desta perspectiva se insere o Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas (PPGECE).
O PPGECE iniciou suas atividades em 2008 e oferece Mestrado Profissionalizante aos professores de Física e Matemática em exercício do Ensino Fundamental e Ensino Médio preferencialmente que atuem em escolas públicas. 
O PPGECE - Matemática conta com grupo de docentes que desenvolvem atividades interdisciplinares focadas na formação continuada de professores e na pesquisa relacionada a métodos e práticas pedagógicas para o ensino de Matemática, estudos sobre processos de aprendizagem em Matemática, além de produção, aplicação e avaliação de materiais didáticos para o ensino de Matemática. 
Assim sendo, o PPGECE por ser um programa novo, mas com grande potencial de se tornar um centro de excelência, pelo engajamento, experiência e qualidade de seus docentes, necessita de espaço físico compatível com seus objetivos a fim de possibilitar e promover:
o¦a efetiva indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão centradas na formação do professor;
o¦a ambientação necessária para a formação de alunos de pós-graduação (laboratórios para a troca de vivências e pesquisa e de realização de atividades curriculares e extra-curriculares para a melhoria do ensino); 
o¦o diálogo entre Universidade e os professores de educação básica;
o¦o desenvolvimento de atividades de pesquisa visando incentivar a melhoria didático-pedagógicas dos docentes da própria UFSCar.
A educação atualmente enfrenta desafios gigantescos: a formação de alunos que sejam capazes de aprender a aprender, que tenham participação social ativa, que sejam preparados para resolver problemas em situações novas e complexas e que, por isso, possam manter diálogos com diferentes formas de conhecimento. Isto impõe ao professor, principalmente o de ensino fundamental e médio, a necessidade de criar situações para a aprendizagem significativa dos conteúdos tradicionais abordados, de modo a superar a simples transmissão de informações. Neste contexto, as universidades que mantém cursos de licenciatura devem buscar novas formas de cooperação e relacionamento com a escola básica e este é o principal objetivo do PPGECE. Para que isto seja alcançado é fundamental que as propostas saiam do papel e que efetivamente se criem condições, tanto humanas como as de infra-estrutura, para um tão esperado salto de qualidade na formação de professores em especial de Matemática. Há que se aliar conhecimento específico com os processos de pesquisa acerca da aprendizagem e da prática do docente. O espaço físico adequado é fundamental para que isto ocorra, sendo necessária a construção de ambientes que possibilitem a pesquisa partilhada, a realização de oficinas para a pesquisa de materiais didáticos e inovadores, e o acesso a tecnologia de informação e comunicação.
Os objetivos da demanda de espaço físico para os grupos de pesquisa ligados ao PPGECE podem ser sistematizados nos itens abaixo:
o¦Sustentar e promover as atividades de pesquisa realizadas pelo PPGECE - Matemática.
Desta forma almeja-se a construção de laboratórios equipados e mobiliados que possibilitem:
o¦O desenvolvimento de projetos de pesquisa ou de atividades relacionadas a esses projetos com a participação de alunos e pesquisadores do PPGECE;
o¦A preparação de materiais e planejamento de atividades de pesquisa nas escolas, vinculadas aos trabalhos desenvolvidos pelo PPGECE;
o¦A realização de atividades coletivas com professores do ensino fundamental e médio;
o¦A pesquisa, a organização e a disponibilização do acervo de materiais didáticos dirigidos à educação fundamental e média;
o¦A guarda de materiais de pesquisa vinculados ao trabalho desenvolvido pelos membros do PPGECE;
o¦A realização de reuniões e de discussão sobre formação de professores no âmbito do PPGECE.

Recentemente a UFSCar tem discutido a ampliação, com qualidade, de seus cursos de pós-graduação. No âmbito nacional as entidades de fomento decidiram apoiar os programas de pós-graduação em Matemática do Brasil no Plano Nacional da Pós-Graduação em Matemática que contem ampliação dos programas de pós-graduação em Matemática e da criação de novos programas em regiões estratégicas, com intuito de fazer frente às necessidades do Brasil. O Programa de Pós-Graduação em Matemática (PPGM) se enquadra neste contexto. Devido ao grande número de novos docentes que esta recebendo o Departamento de Matemática da UFSCar (8 docentes em janeiro, mais 5 no final de 2009 e estão previstos mais 6 para 2010), claramente se traduzirá num aumento significativo no porte do PPGM. Também o PPGM vem-se associando com Departamentos de Matemáticas de universidades que não possuem um programa de pós-graduação com o intuito de ajudar na criação dos respectivos Programas de Pós-Graduação em Matemática nestas universidades.


O PPGM tem Cursos de Mestrado implantado em 1987 e de Doutorado implantado em 1996, contando atualmente com áreas de pesquisa em Análise, Geometria, Topologia, Física - Matemática, Singularidades e em breve em Álgebra. O PPGM tem mantido o conceito 5 (cinco) na avaliação pela Capes nos últimos triênios. O PPGM realiza regularmente nos meses de janeiro e fevereiro de cada ano, com auxílio das entidades de fomento, um Programa de Verão que constitui da realização de mini-congressos, mini-cursos e conferências nas diferentes áreas de pesquisa do programa, assim como do oferecimento de disciplinas de mestrado e doutorado, que servem tanto para nivelamento como para obter subsídios para o processo de seleção dos candidatos ao Programa. 
O PPGM tem importante relevância nacional na formação de recursos humanos para a docência e pesquisa na área de Matemática superior, capacitando mestres e doutores, das diferentes regiões do país e de alguns países de America do Sul, os quais se encontram trabalhando nas principais universidades do país e de alguns países do exterior. 
A implantação de quatro novos laboratórios: um multidisciplinar de pesquisa em Matemática; um de informática para servidores de rede, impressoras de grande porte, e outros equipamentos de pesquisa; um de seminários de pesquisa e vídeo conferência; e um último de leitura de artigos de pesquisa, são fundamentais para permitir ao PPGM dar o salto de qualidade, levando ao programa para ser um centro de excelência, consolidando sua infra-estrutura e preparando-o para os desafios que o governo vem cobrando dos programas de pós-graduação em matemática. 
Assim, o PPGM poderá desenvolver suas atividades de pesquisa em ambientes adequados, favorecendo uma maior cooperação com diversos grupos de pesquisa em Matemática do país e do exterior com os quais os pesquisadores do PPGM já têm cooperação científica, além de estimular novas cooperações com outros grupos de pesquisa. Além disso, permitirá que o PPGM consiga absorver o forte crescimento na procura de candidatos que desejam realizar o doutorado e pós-doutorado no PPGM. Neste projeto, todas as áreas e linhas de pesquisa do PPGM serão beneficiadas com a presente proposta.
A relevância das atividades de pesquisa desenvolvidas pelos grupos de pesquisa dos Programas de Pós-Graduação em Matemática PPGECE e PPGM pode ser constatada nos diversos projetos (Pronex, Edital Universal, Temáticos, etc.) financiados por órgãos de fomento, particularmente CNPq, CAPES, FAPESP, Instituto do Milênio e do novo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Matemática. 
Com base no exposto, a construção dos laboratórios previsto neste subprojeto e a conseqüente ampliação da capacidade de pesquisa e formação com qualidade de recursos humanos na área de Matemática tanto pelo PPGECE e PPGM, justificam plenamente esta solicitação, que se enquadra no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFSCar.  

Impactos Previstos:

Impactos Científicos:
¦
- Consolidação das linhas de pesquisa já existentes no PPGECE e PPGM;
- Ampliação da produção científica do PPGECE e PPGM em suas diversas áreas;
- Ampliação do número de mestres e doutores profissionais e acadêmicos a serem formados no PPGECE e PPGM, respectivamente;
- Ampliação do número de projetos multidisciplinares na área de pesquisas de aplicação da informática no ensino de matemática, currículos específicos para a área de matemática, ensino da matemática através de sua história, ensino de matemática através de modelagem de fenômenos, metodologia de investigação, métodos e técnicas de ensino/aprendizagem em matemática e em Matemática pura e aplicada na UFSCar;
- Aumento do número de alunos de iniciação científica vinculados aos diferentes grupos de pesquisa nos laboratórios de pesquisa do PPGECE e PPGM, favorecendo a integração entre o ensino de graduação e de pós-graduação.
- aumento do número de pesquisadores visitantes e pós-doutorandos nos laboratórios de pesquisa do PPGECE e PPGM, favorecendo as atividades de pesquisa e de pós-graduação do Departamento de Matemática da UFSCar.
- Aumento substancial da interação dos grupos de pesquisa de outras instituições nacionais e internacionais com os grupos de pesquisa do PPGECE e PPGM. 
- Avanço no desenvolvimento científico e tecnológico da região.

Impactos Sociais:

- Ampliação das atividades de pesquisa e de pós-graduação das diferentes áreas de Matemática na UFSCar, contribuindo para formação de mão de obra especializada com o intuito de atuarem na melhoria do ensino fundamental, médio e superior do país, além de ampliar as atividades de extensão à comunidade;
- Contribuir com a formação, na Graduação, de matemáticos com qualificação nos mais recentes conhecimentos nas áreas de pesquisa do PPGECE e PPGM; e de licenciados com perfil atualizado e capacitado para atuar com liderança no Ensino Fundamental e Médio de Matemática.
- Contribuição para a divulgação, nos laboratórios, dos resultados de pesquisa mais recentes em Matemática produzidos no PPGECE e PPGM para comunidade.
- Aumento na contribuição da matemática da UFSCar em projetos de extensão.
- Aumento nas parcerias com Institutos de Pesquisa de Matemática Nacionais e Internacionais, em particular com o Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) através da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) a qual atingiu em 2008 em torno de 18,5 milhões de estudantes do Brasil, e cerca de 3,5 milhões no estado de SP.
- Melhoria do conhecimento disponível para a atualização e aperfeiçoamento de professores do Ensino Fundamental e Médio, através de projetos como de Teia do Saber e Pró-Ciências, em mini-cursos, oficinas e da atuação dos docentes do Departamento de Matemática junto ao PPGECE.
- Contribuir com ações efetivas para melhoria dos índices de ensino-aprendizagem da Matemática no Brasil.
- Contribuir com capacitação e nivelamento de estudantes carentes formados em universidades privadas (via ProUni) que pretendam continuar sua formação em Programas de Pós-Graduação em Matemática conceituados do país.

Impactos Econômicos

- Aumento na qualificação dos profissionais das áreas afins (engenheiros, químicos, físicos, etc.) formados pelas universidades brasileiras contribuindo para desenvolvimento científico e inovador tecnológico, sustentado do Brasil.

- QUALIFICAÇÕES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO VINCULADAS AO SUBPROJETO



Os objetivos precípuos do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas (PPGECE) e do Programa de Pós-Graduação em Matemática (PPGM) ambos da UFSCar são a utilização da qualidade de seu corpo docente para a formação de recursos humanos nas atividades de ensino, docência e de pesquisa. 
o¦O Programa de Pós-Graduação em Matemática (PPGM) no Mestrado e Doutorado ambos de caráter Acadêmico, obteve conceito 5 pela avaliação da CAPES em todos os triênios que foi avaliado, incluindo a última avaliação de 2007, e anteriormente recebia da CAPES a avaliação A. 
o¦O PPGECE iniciou suas atividades em 2.008 com conceito inicial 3 da CAPES no Mestrado Profissionalizante em Matemática.
o¦O PPGM formou 80 mestres e 24 doutores nos últimos 10 anos. 
o¦O PPGECE no final de 2009 formará seus primeiros 10 mestres.
o¦Atualmente o PPGM tem 26 alunos de Mestrado, 25 alunos de Doutorado e 01 de Pós-Doutorando todos com bolsa e 10 alunos especiais. Com isto, o PPGM teve um crescimento de 25% na quantidade de alunos relativa ao ano anterior.
o¦O PPGECE tem atualmente 35 alunos de mestrado selecionados entre mais de 300 candidatos entre 2008 e 2009, e tem 15 alunos especiais.
o¦Os docentes do PPGM e PPGECE orientam ainda varias dezenas de alunos de Iniciação Científica, além disso, no projeto da OBMEP, têm 20 alunos de Iniciação Cientifica Júnior e no Projeto de Iniciação Científica e Mestrado - PICME, que iniciou em 2009, têm 05 alunos medalhistas das Olimpíadas Brasileiras de Matemática das Escolas Públicas sendo orientados.
o¦Nos últimos 5 anos, os pesquisadores do PPGM e PPGECE publicaram aproximadamente 227 artigos científicos, em revistas de circulação internacional indexadas, no sua maioria com Qualis A e B, varias centenas de trabalhos publicados em congressos nacionais e internacionais, quase uma dezena de livros e uma infinidade de outros textos e mídias eletrônicas. 38% dos docentes do PPGM e 10% dos docentes do PPGECE são bolsistas de produtividade do CNPq.
o¦O PPGECE atende professores de ensino fundamental e médio, isto se deve à qualidade do seu corpo docente que permitiu inovar esta modalidade de pós-graduação em beneficio do Brasil. 
o¦O PPGM atende aos professores que desejam atuar no Ensino Superior, assim em conjunto os programas atendem todos os níveis de ensino e pesquisa que o Brasil necessita para fazer frente aos desafios atuais do País.
o¦O corpo docente do PPGECE e PPGM tem obtido sucesso nos pedidos de financiamento junto às agências de fomento tanto para a formação de pós-graduandos e pós-doutorandos quanto para aquisição de equipamentos de pesquisa (por exemplo, nos dois últimos Editais do Pró-Equipamentos da CAPES) e livros de pesquisa (obtidos no último FAPI-LIVROS da FAPESP).  

Qualificação das Pós-Graduações vinculadas ao subprojeto:

Categoria dos Quantidade de pesquisadores Quantidade de pesquisadores
pesquisadores que interagem no PPGECE¦ que interagem no PPGM

Titulares¦ 1¦ 2


Associado II¦ 5 6
Associados I¦ 10¦ 11
Adjuntos IV¦ 4¦ 12
Adjuntos III¦ 0¦ 7
Adjuntos II¦¦0¦¦ 2
Adjuntos I¦ 0¦ 8
TOTAL¦ 20¦ 48

Todos os pesquisadores são doutores em regime de dedicação exclusiva.  



Descrição das Obras e dos Principais Equipamentos:

A solicitação dos investimentos em infra-estrutura para pesquisa do presente subprojeto tem por objetivo propiciar a instalação adequada, de laboratórios de pesquisa nas diferentes áreas de Matemática. Assim, pretende-se construir o espaço que será ocupado pelos laboratórios de pesquisa dos grupos de pesquisa dos docentes/pesquisadores em matemática do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas (PPGECE) e do Programa de Pós-Graduação em Matemática (PPGM) ambos da UFSCar. Estes espaços não estão previstos no novo prédio em construção para o Departamento de Matemática que será localizado na Área de Expansão Norte do Campus de São Carlos da UFSCar, em local onde está sendo alocada a área de Ciências Exatas da Universidade.

O espaço de Laboratórios Multidisciplinares de Pesquisa do PPGECE e PPGM a serem construídos com os recursos solicitados neste subprojeto abrigará as atividades de pesquisa nos seguintes laboratórios, com área total de 750 m2:

1.¦Laboratórios Multidisciplinares de Pesquisa em Ensino de Matemática do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas - PPGECE. 
Especificamente serão criados os laboratórios:

"¦Laboratório de Pesquisa em Tecnologia da Informação e Comunicação no Ensino de Matemática.


Que será dividido num laboratório de informática e quatro laboratórios menores de pesquisa que atenderão aos alunos e pesquisadores/docentes do grupo de pesquisa do PPGECE que atuam nas linhas de pesquisa de Tecnologia da Informação e Comunicação no Ensino de Matemática; Aplicação da Informática no Ensino de Matemática; e Ensino de Matemática através da Modelagem de Fenômenos.

"¦Laboratório de Pesquisa em Conteúdo e Experimentação para o Ensino de Matemática.

Que será dividido num Laboratório de Materiais Didáticos para o Ensino de Matemática e dois Laboratórios de Pesquisa que atenderão aos alunos e pesquisadores/docentes do grupo de pesquisado PPGECE que atuam nas linhas de pesquisa de Conteúdo e Experimentação para o Ensino de Matemática; Currículos específicos para a área de Matemática; Ensino de Matemática através de sua História; Métodos e Técnicas de Ensino/Aprendizagem em Matemática.

2.¦Laboratórios de Pesquisa Multidisciplinar em Matemática Pura e Aplicada do Programa de Pós-Graduação em Matemática - PPGM.


Especificamente serão criados os laboratórios:

"¦Laboratório de Pesquisa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Matemática.


Que será dividido em doze laboratórios que atenderão as necessidades de expansão com pesquisadores-docentes do PPGM que atuam nos sete grupos de pesquisa do PPGM.
"¦Laboratório de Informática para Servidores de Rede, Impressoras e outros Equipamentos de Pesquisa.
Que será dividido em oito Laboratórios de Pesquisa que atenderão as necessidades de alunos, pós-doutorandos e pesquisadores visitantes e colaboradores do PPGM que atuam nos sete grupos de pesquisa do PPGM.
"¦Laboratório Multidisciplinar para Seminários de Pesquisa e Vídeo Conferência.
Que consiste em um espaço multidisciplinar para Seminários de Pesquisa e Vídeo Conferência que atenderão as necessidades de comunicação e apresentação de conferências, palestras e defesas de tese entre os sete grupos de pesquisa do PPGM com os grupos de pesquisa do Brasil e do Exterior de forma on-line e off-line.
"¦Laboratórios Multifuncional para Leitura de Artigos de Pesquisa.
Que consiste em um espaço multifuncional para leitura de artigos de pesquisa, com estantes laterais com uma mini-biblioteca de livros de pesquisa. A ser utilizada pelos grupos de pesquisa do PPGM.  

Subprojeto 5:

Sigla:

CINA

Título:

Laboratório Centro de Inferência Aplicada

Objetivo:

O objetivo destra proposta é a viabilização da instalação do Laboratório Centro de Inferência Aplicada (CINA). O CINA será um laboratório de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Estatistica (PPG-Es) da UFSCar, cujo objetivo principal é agregar pesquisadores, pós-doutores, pós-graduandos e alunos de iniciação científica envolvidos no estudo, proposição teórica de procedimentos estatísticos e análise de dados das mais diversas áreas.
O CINA contará com a participação ativa de vários professores do Departamento de Estatística da UFSCar, pesquisadores de outras instituições de ensino superior, tanto nacional quanto internacional, bem com alunos de doutorado, mestrado e iniciação científica. Além disso, vários integrantes dos grupos de pesquisas vinculados ao PPG-Es participarão do CINA, desenvolvendo as suas atividades de pesquisas, incluindo as relacionadas ao desenvolvimento de dissertações e teses, dentro das dependências do CINA. Também, várias pesquisas de pesquisadores do Departamento de Estatística da UFSCar em conjunto com pesquisadores de outras instituições de ensino superior poderão ser desenvolvidas dentro das dependências do CINA.
Desta forma, a construção solicitada por meio do presente projeto será primordial para tornar adequado o espaço físico do CINA para a realização das pesquisas que estão sendo desenvolvidas de forma descentraliza. Além disso, tanto o espaço quanto os equipamentos poderão ser compartilhados entre os grupos de pesquisa que serão vinculados ao CINA de forma natural quando colocados em termos do laboratório, o que propiciará um ambiente favorável a uma maior interação entre os mesmos. Tal infra-estrutura contribuirá de forma significativa para o aumento da produção científica dos grupos de pesquisa vinculados ao CINA, e para o aumento da interação entre a pós-graduação e a graduação uma vez os grupos de pesquisa poderão alocar mais alunos, tanto de graduação quanto de pós-graduação, dentro do laboratório.
Em princípio, o CINA será composto por quatro grupos de pesquisas que serão beneficiados por sua criação: O Grupo de Inferência Estatística (GINE), o Grupo de Inferência Bayesiana (GIB), o Grupo de Inferência Bayesiana de Tamanhos Populacionais (GIB-TP) e o Grupo de Modelagem de Risco (G_Risco). Esclarecemos que a relevância das pesquisas realizadas pelos Grupos de pesquisa acima citados pode ser atestada pela grande quantidade de artigos que tem sido publicada pelos membros dos Grupos de Pesquisa em periódicos internacionais indexados. Como exemplo podemos citar a publicação dos últimos 3 anos que remonta a quantidade de mais de uma centena de artigos publicados, incluindo as publicações dos membros internos e externos ao PPG-Es. 
Estes Grupos são descritos a seguir:

* Grupo de Pesquisa: Inferência Estatística Aplicada (GINE)


Objetivo: O GINE tem por objetivo o desenvolvimento teórico de metodologias de inferência estatísticas direcionadas a diversas áreas do conhecimento. Em particular, processos de avaliação institucional, procedimentos inferenciais para dados econômicos, processos inferenciais para dados de jogos esportivos, processos inferenciais para dados industriais, procedimentos inferenciais para determinação de evento epidemiológicos, entre outros. Em particular, na presença de grandes bancos de dados. Bem como a produção de material didático relacionado aos procedimentos inferenciais estatísticos aplicados às áreas descritas acima.
O GINE é composto pelos seguintes membros: Francisco Louzada Neto (DEs-UFSCar) - Coordenador, Adriano Polpo de Campos (DEs-UFSCar), Carlos Alberto Ribeiro Diniz (DEs-UFSCar), Francisco A. Rojas e Rojas (DEs-UFSCar), Jose Galvão Leite (DEs-UFSCar), Getúlio Amaral (DEs-UFPE), Edson Zangiacomi Martinez (FMRP-USP), Carlos Veliz (PUC - Peru), além de vários alunos de doutorado, mestrado e iniciação científica.

* Grupo de Pesquisa: Inferência Bayesiana (GIB)


Objetivo: Desenvolver procedimentos bayesianos em análise de sobrevivência de longa duração baseados em censuras informativas com priori de Jeffreys e Referência. Verificar a qualidade do procedimento via argumentos frequentistas. Este tipo de pesquisa irá exigir grande demanda computacional e computadores mais velozes. Além disso, estamos propondo um modelo de longa duração bivariado. Assim, pretendemos unificar os modelos de previsão de câncer e teste de vida acelerados via função geradora de probabilidade bivariada. Com esta abordagem pretendemos formular modelos alternativos mais realísticos aos existentes na literatura levando conta uma possível dependência entre dois tipos de fatores de riscos. Conjecturamos que seja possível formular um processo em três estágios através de uma função de composição de três funções.
O GIB é composto pelos seguintes membros: Josemar Rodrigues (DEs-UFSCar) - Coordenador, Mario de Castro (ICMC-USP), Vicente Garibay Cancho¦ (ICMC-USP), Heleno Bolfarine (IME-USP), Professor N. Balakrishnan (University of McMater - USA), Jorge Luis Bazan (PUC - Peru), além de vários alunos de doutorado e mestrado.

* Grupo de Pesquisa: Inferência Bayesiana de Tamanhos Populacionais (GIB-TP)


Objetivo: O tema de pesquisa a ser abordado pelo GIB-TP é a inferência estatística, segundo o paradigma bayesiano, de tamanhos de populações das mais diversas áreas. Mais especificamente trata-se da obtenção de estimativas de Bayes de tamanhos de populações como, por exemplo, de animais ou espécies de um habitat, de portadores de uma doença não transmissível de uma região, de erros de um programa computacional, de toxicômanos de uma sociedade, etc. Neste contexto vamos considerar vários modelos estatísticos e as mais diferentes distribuições a priori para os parâmetros populacionais. Particularmente pretendemos fazer um estudo dos resultados analíticos e assintóticos relativos aos estimadores de Bayes dos tamanhos populacionais obtidos, bem como adotar o método Monte Carlo via Cadeia de Markov (MCMC) na implementação dos modelos.
O GIB-TP é composto pelos seguintes membros: José Galvão Leite (DEs-UFSCar) - Coordenador, Carlos Alberto Ribeiro Diniz (DEs-UFSCar), Francisco Louzada Neto (DEs-UFSCar), Luiz A. Milan (DEs-UFSCar), Heleno Bolfarine (IME-USP), além de vários alunos de doutorado, mestrado e iniciação científica.

* Grupo de Pesquisa: Modelagem de Risco (G_Risco)


Objetivo: Entende-se por risco a exposição a certo evento de interesse, o qual pode trazer conseqüências indesejáveis, possibilidade de perigo e/ou perda de controle. Desta forma, a análise de risco pode ser entendida como um conjunto de técnicas para estudo e determinação do risco a exposição a certo evento de interesse. A análise de risco está presente em várias áreas do conhecimento, dentre as quais podemos citar, análise de sobrevivência, confiabilidade industrial, estudos de impacto ambiental, estudos financeiros de riscos de ativos, estudos de financeiros de inadimplência e abandono, detecção de fraudes, estudos de precificação de seguros, entre outros. 
O G_Risco é composto pelos seguintes membros: Francisco Louzada Neto (DEs-UFSCar), Francisco A. Rojas e Rojas¦ (DEs-UFSCar), José Carlos Fogo (DEs-UFSCar), Tereza Cristina Martins Dias (DEs-UFSCar), Vera D. Tomazella (DEs-UFSCar), Gilbert MacKenzie (Limerick University - Irlanda), Professor Anthony Davison (École Polytechnique Fédérale de Lausanne - Suiça), Giovani Loiola ( Universidade de Lisboa - Portugal), Gleici da Silva Castro Perdoná (FMRP-USP), Enrico Colossimo (DEs-UFMG), Josmar Mazucheli (DEs-UEM), Cynthia Arantes Vieira Tojeiro, aluna de pós-Doutorado PPGEs -UFSCar, além de vários alunos de doutorado, mestrado e iniciação científica.  

Justificativa e Relevância:

O principal objetivo do Programa de Pós-Graduação em Estatística (PPG-Es) da UFSCar é o desenvolvimento de pesquisas teóricas e aplicadas em inferência estatística e a formação de profissionais altamente especializados, capacitados a desenvolver pesquisa teórica e aplicada e também ministrar cursos em nível de graduação e pós-graduação na área de estatística. Quanto aos aspectos de formação e pesquisa o PPG-Es atua nas grandes áreas da estatística. O programa conta com duas linhas de pesquisas - Modelos de Regressão e Inferência Bayesiana, que são completamente contempladas dentro das pesquisas realizadas pelos Grupos de Pesquisa do PPG-Es. 
O PPG-Es tem importância nacional e regional na formação de pesquisadores, profissionais e docentes de instituições de ensino superior na área de Estatística. Temos uma forte demanda. Em 2006, 2007 e 2008, para o mestrado foram 89, 77 e 91 inscritos, enquanto para o doutorado foram 17, 14 e 28 inscritos, respectivamente. E todos os nossos egressos (87 até o momento) estão empregados - 30% docentes em instituições de ensino superior, 50% em instituições privadas e 20% envolvidos em capacitação.
Os Grupos de Pesquisas do PPG-Es tem conseguido manter nível de excelência de sua publicação, que é atestado pela quantidade de artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais indexados, mais de uma centena nos últimos 3 anos. Além disso, os trabalhos de nossos alunos tem sido reconhecidos como de excelência, atestada pela enorme demanda de nossos egressos e por premiações em competições de excelência. Incluímos aqui a informação de que, em 2006 uma dissertação de mestrado do programa foi premiada como o 1º lugar no concurso de dissertações de mestrado promovido pela ABE (Associação Brasileira de Estatística), realizado durante o 17º Simpósio Brasileiro de Probabilidade e Estatística).
Além disso, com o aumento de nosso conceito na CAPES, durante os últimos anos, observamos um crescimento contínuo no fluxo de alunos no programa, bem como no total de defesas e na quantidade de pesquisadores e alunos que compõem nossos Grupos de Pesquisas e conseqüentemente na quantidade de pesquisas desenvolvidas dentro das dependências de nossa pós-graduação.
Por outro lado, do ponto de vista inter-disciplinar, existe atualmente uma grande demanda nas mais diversas áreas do conhecimento pelo desenvolvimento de procedimentos inferenciais estatísticos para solução de problemas complexos. Muitas pesquisas incorporam a necessidade da análise complexa de dados, dente as quais explicitamos as seguintes áreas que são contempladas nas pesquisas dos diferentes grupos de pesquisas que estarão vinculados ao CINA: a ecologia com a determinação de tamanhos populacionais, a área financeira com a determinação de metodologias para previsão de risco de crédito e operacionais, a áreas de seguros com a gestão do risco de sinistro, cancelamento e de ruína, a genética com análise de microarray, a área industrial com procedimentos estatísticos de controle de qualidade e confiabilidade industrial, a área educacional com ao desenvolvimento de procedimentos de avaliação institucional, a área esportiva com o desenvolvimento de metodologias estatísticas para análise de dados de jogos esportivos, a área médica com o desenvolvimento de metodologias de testes diagnósticos e análise de sobrevivência.
A solução dos problemas de inferência estatística relacionados às áreas acima descritas é direcionada pelo desenvolvimento de novas metodologias estatísticas teóricas que têm em sua essência respostas aos questionamentos das mesmas, e é validada de forma numérica, necessitando uma enorme quantidade de pesquisas estatísticas, realizadas por grupos específicos de pesquisadores, de computadores com grande capacidade de processamento, softwares específicos e local adequado para a realização das mesmas.
Em princípio os objetivos centrais das pesquisas desenvolvidas pelos Grupos de Pesquisa são relacionadas à formulação de modelos, estudo de suas propriedades, proposição de metodologias de estimação tanto clássica quanto Bayesiana, investigação da eficiência dos procedimentos de estimação, obtenção de testes e intevalos de confiança/credibilidade, o estudo do efeito de diferentes reparamentrizações na precisão da estimação por intervalo para os parâmetros de interesse, testes de várias características dos modelos via procedimentos de simulação, proposição de técnicas de reamostragem, generalização dos modelos mais comumente utilizados nessas áreas estudadas bem como o estudo e proposição de novas metodologias direcionadas a utilização de modelos ponderados.
Entretanto, o PPG-Es e seus Grupos de Pesquisa não contam atualmente com instalações próprias adequadas para absorver estas demandas de atividades de pós-graduação e pesquisa, que vêm sendo realizadas com qualidade e quantidade, mas em salas improvisadas do Departamento de Estatística da UFSCar, em compartilhamento com outras atividades, dificultando extremamente o desenvolvimento de métodos que exigem cada vez mais um local adequado para o seu desenvolvimento e de computadores com grande capacidade de processamento. Além disso, para o pleno desenvolvimento do pós-graduando em Estatística é necessário um laboratório em que ele possa desenvolver plenamente todas as atividades do programa, particularmente relacionadas às suas pesquisas de dissertação ou doutorado.
Inclusive, o PPG-Es não tem um espaço físico adequado para instalação dos equipamentos que estão sendo adquiridos por meio de auxílios de financiamento de projetos de seus membros, solicitados com sucesso às agências de fomento. Como é o caso de recentes Pró-Equipamentos da CAPES.
Assim, a criação do CINA, ditada pela necessidade da centralização das pesquisas em inferência estatística que vêm sendo desenvolvidas para as demandas apresentadas acima, individual ou em co-autoria, pelos pesquisadores que serão agora agregados no laboratório, é justificada e é de extrema relevância para o desenvolvimento do nosso Programa de Pós-Graduação. Propiciará a existência de instalações adequadas à profícua realização das pesquisas teóricas realizadas pelos Grupos de Pesquisas que comporão o CINA, e trará a possibilidade de temos um laboratório computacional de alta capacidade, com o objetivo de desenvolver pesquisas estatísticas voltadas às diversas áreas do conhecimento. Também, trará oportunidade para o engajamento de novos grupos de pesquisas ao laboratório e a utilização do mesmo por pós-doutores, pós-graduandos e alunos de iniciação científica para realização de suas pesquisas. Esclarecemos que a aquisição de equipamentos e instalações de dados e voz, indispensáveis para o seu pleno funcionamento, serão objeto principal de projetos individuais e temáticos, apresentados aos órgãos de fomento CNPq, CAPES e FAPESP, pelos pesquisadores que desenvolverão suas pesquisas no CINA. Inclusive no momento temos disponíveis, com apresentado acima, os valores de auxílios Pró-Equipamentos da CAPES.
Conseqüentemente, do exposto acima, a construção solicitada no presente subprojeto proporcionará aumento significativo na nossa capacidade de pesquisa e formação de nossos recursos humanos com qualidade ainda maior, o que é corroborado pelo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFSCar.  

Impactos Previstos:

Vários são os impactos científicos e socioeconômicos previstos com a instalação do CINA. 

Quanto aos impactos científicos teremos:

"¦Consolidação dos Grupos de Pesquisa existentes no PPG-Es e que comporão o CINA;
"¦Aumento do número de Grupos de Pesquisa formados por pesquisadores do PPG-Es;
"¦Aumento da produção científica do PPG-Es;
"¦Aumento da interação entre os pesquisadores dos diferentes Grupos de Pesquisa;
"¦Aumento do numero de pesquisadores dentro dos Grupos de Pesquisas;
"¦Aumento da quantidade de pós-doutores e pós-graduados nas instalações do CINA;
"¦Aumento da quantidade de pesquisadores visitantes do PPG-Es;
"¦Fortalecimento da interação entre a nossa pós-graduação e o Bacharelado em Estatística uma vez que os alunos de iniciação científica terão acesso direto ao CINA;
"¦Fortalecimento das parcerias da PPG-Es da UFSCar com outros programas de pós-graduação em estatística e áreas a fins (atualmente interagimos com os pesquisadores de várias universidades do país).
"¦Fortalecimento das parcerias da PPG-Es da UFSCar com instituições internacionais de pesquisa (atualmente, interagimos com pesquisadores de algumas universidades estrangeiras e estamos em contato com o Center of Biostatistics da Universidade de Limerick da Irlanda e o Departamento de Ciências da PUC do Peru).

Quanto aos impactos socioeconômicos teremos:



"¦Aumento das atividades de pesquisa e de pós-graduação entre várias áreas do conhecimento da UFSCar com a Estatística que necessitam de novas metodologias. Em particular, com as engenharias, genética, biologia, medicina, fisioterapia, entre outras;
"¦Melhoria na formação de profissionais altamente especializados, capacitados a desenvolver pesquisa teórica e aplicada em Estatística;
"¦Melhoria na formação de mão de obra especializada em Estatística para suprir de forma adequada as necessidades de docentes em Estatística em instituições de ensino superior do país;
"¦Melhoria na formação de mão de obra especializada em Estatística para suprir de forma adequada as necessidades de profissionais em instituições particulares do país;
"¦Contribuir com a formação dos alunos de graduação em Estatística quanto a qualificação em procedimentos estatísticos estado-da-arte nas áreas de pesquisa dos Grupos de Pesquisa que comporão o CINA;
"¦Incrementar o desenvolvimento de um trabalho de formação de profissionais e de pesquisa de alto nível, direcionado à promoção da ciência estatística;
"¦Aumento da contribuição da Estatística da UFSCar em projetos de extensão;
"¦Aumento da divulgação dos resultados Estatísticos obtidos dentro do laboratório CINA.  

Qualificação das Pós-Graduações vinculadas ao subprojeto:

O Programa de Pós-Graduação em Estatística (PPG-Es) é credenciado pela CAPES com nível 4 e oferece cursos de mestrado e doutorado, sendo que o doutorado foi iniciado em 2006. Atualmente temos 34 alunos de mestrado, 12 alunos de doutorado e uma estagiária de pós-doutorado.
Nas últimas avaliações da CAPES, a proposta do programa foi avaliada como adequada. O corpo docente foi considerado muito bom, bem como a qualidade das dissertações de mestrado concluídas. Em 2006 uma dissertação de mestrado do programa foi premiada como o 1º lugar no concurso de dissertações de mestrado promovido pela ABE (Associação Brasileira de Estatística), realizado durante o 17º SINAPE (Simpósio Brasileiro de Probabilidade e Estatística).
Nos últimos 3 anos, os docentes credenciados no programa, publicaram 50 artigos em periódicos internacionais e nacionais, aproximadamente 60% dos quais são publicações em periódicos Qualis A e B. Também enfatizamos que o corpo docente do PPG-Es tem, até o momento, 17 artigos aceitos para serem publicados em 2009. Além disso, temos participado de vários os congressos nacionais e internacionais da área.
Os docentes do PPG-Es orientaram nos últimos 3 anos, 40 dissertações de mestrado.
Quanto à procedência dos alunos ingressantes no PPG-Es, os cursos de mestrado e doutorado do PPG-Es recebem alunos oriundos da própria UFSCar, de universidades e faculdades públicas e particulares do estado de São Paulo e outros estados, e uma pequena parcela de outros países da América Latina, o que é um indicativo do importante papel desempenhado pelo programa na formação de pessoal qualificado de todo o país.  

Descrição das Obras e dos Principais Equipamentos:

Esta solicitação de infra-estrutura para pesquisa, relacionada ao presente subprojeto, consiste na construção do Laboratório de Pesquisa CINA (Centro de Inferência Aplicada). Pretendemos construir um espaço que será ocupado pelo Laboratório dos Grupos de pesquisa dos docentes e pesquisadores do PPG-Es da UFSCar. 

O CINA, com uma área total de 634 m², a ser construído com os recursos solicitados no presente subprojeto abrigará as atividades de pesquisa dos 4 Grupos de Pesquisa que compõem o CINA em 4 sub-laboratórios. Um para cada um dos Grupos:


"¦Grupo de Inferência Estatística (GINE)
"¦Grupo de Inferência Bayesiana (GIB)
"¦Grupo de Inferência Bayesiana de Tamanhos Populacionais (GIB-TP)
"¦Grupo de Modelagem de Risco (G_Risco). 

Também está previsto dentro do projeto de obras a construção de instalações de banheiros, uma sala de coordenação, uma sala de manutenção de equipamentos e um hall comum.  



Subprojeto 6:

Sigla:

COLMEA1

Título:

Complexo de Laboratórios Multidisciplinares e de Estudos Estratégicos e Avançados - Etapa 1

Objetivo:

O Complexo de Laboratórios Multidisciplinares e de Estudos Estratégicos e Avançados da UFSCar (COLMEA) deverá constituir um conjunto de laboratórios e institutos com o embrião de um instituto com ampla abrangência acadêmica que, de maneira articulada em torno da MULTIDISCIPLINARIDADE e TEMÁTICAS ESTRATÉGICAS E AVANÇADAS desenvolverá trabalhos voltado à geração, proposição, sistematização, difusão, mobilização e implementação de conhecimento - e de tecnologias - que promovam o desenvolvimento de nosso país e de países considerados emergentes ou em desenvolvimento. 
O COLMEA terá como propósito fundamental a realização de pesquisas multidisciplinares que busquem a compreensão e a solução de problemas que afligem as populações desses países, envolvendo a proposição de medidas de políticas públicas, bem como o desenvolvimento e a difusão de tecnologias que promovam seu desenvolvimento econômico e social. 
Dentre as áreas estratégicas a serem abrigadas pelo instituto estão as chamadas "novas tecnologias" ou "tecnologia de ponta", com amplo potencial de promover desenvolvimento, tais como biotecnologia, bioenergia, nanomateriais, informática etc..., e aquelas áreas que abordam os problemas relacionados à educação, saúde, inclusão social pela geração de trabalho e renda, infraestrutura, ambiente e , ainda, as relacionadas à minimização da exclusão ou que favoreçam o exercício pleno da cidadania. Assim, além de abarcar pesquisas que visem à inovação em produtos e processos, com a aplicação de tecnologias de ponta multidisciplinares e com potencial para alavancar o desenvolvimento, a atuação do instituto demanda a contribuição, também multidisciplinar das ciências humanas e da saúde para a compreensão dos problemas nos diversos segmentos da sociedade e para a proposição e implementação de políticas públicas e de novas práticas apropriadas ao exercício pleno da cidadania. 
A escolha das áreas a serem abarcadas pelo instituto será norteada, além de pelos critérios já mencionados, multidisciplinaridade e potencial de contribuição ao desenvolvimento, pela competência já acumulada, na área ou sobre o objeto de estudo, em pesquisa e extensão na UFSCar. 

Como a primeira etapa da implantação da COLMEA, está sendo apresentado o presente subprojeto que tem como objetivo estabelecer uma estrutura laboratorial multiusuários que atenda às demandas de diferentes grupos da Universidade Federal de São Carlos que desenvolvem trabalhos em Biotecnologia e Cultivo de Células. A Universidade Federal de São Carlos possui um grande número de pesquisadores que desenvolvem pesquisas nestas áreas. Os estudos contemplam biotransformações; estrutura e função de macromoléculas de interesse biotecnológico; fotobiotecnologia; produção, separação e análise de fármacos; produção de proteínas recombinantes; engenharia de proteínas; imobilização de enzimas; biossensores; bioprospecção de genes de interesse biotecnológico; genômica; proteômica etc. Estes estudos são realizados por grupos individuais e em colaboração entre grupos da própria universidade e externos a ela. Desta forma, pretendemos utilizar os laboratórios multiusuários não apenas para atender as demandas crescentes de todos os grupos, mas também para que funcionem como um pólo integrador dos vários grupos, que poderão, desta forma, desenvolver trabalhos colaborativos de alta qualidade, contribuindo para o crescimento da Biotecnologia no Brasil. Finalmente, estes laboratórios multiusuários contribuirão também para uma maior integração entre os programas de pós-graduação, e em particular, uma maior sinergia entre a pós-graduação em Biotecnologia e o recém criado Curso de Bacharelado em Biotecnologia da UFSCar, São Carlos.  



Justificativa e Relevância:

A proposta do COLMEA é o de abrigar projetos que tenham como perspectiva a resolução de problemas reais da sociedade. Tais projetos poderão envolver desde a identificação e compreensão de tais problemas até a formulação de medidas de políticas públicas ou o desenvolvimento e difusão de tecnologias (processos, produtos e práticas) visando a sua solução. 

Propõe-se a constituição de duas estruturas multidisciplinares associadas, que seriam expandidas em momentos distintos, mas que compartilham uma área comum (espaços de anfiteatros, salas, administração, banheiros, etc. Núcleo de Pesquisas Avançadas e Centro de Desenvolvimento e Estudos Avançados. Na parte do Nucleo de Pesquisas Avançadas, nesse momento, está sendo proposto a implantação de laboratórios multiusuários da Biotecnologia, área de pesquisa já madura em desenvolvimento de modo descentralizado em diversos grupos do centro de Ciëncias Exatas e de Tecnologia, do de Ciências Biológicas e da Ciências Agrárias. Estão ainda em construção propostas nas áreas de nanomaterias dentre outros. 



O desenvolvimento de novos processos industriais de base biotecnológica se constitui atualmente em setor estratégico para o Brasil e para o mundo, abrangendo produtos de interesse em inúmeras áreas, como a indústria farmacêutica e veterinária, de biocombustíveis, indústrias de alimentos, agroindústrias, dentre outros inúmeros exemplos. Neste sentido, tanto os avanços das técnicas de DNA recombinante como os conhecimentos da Engenharia Química aplicados aos bioprocessos desempenham papel fundamental para que uma nova geração de produtos da Biotecnologia possa chegar para resolver problemas sociais e dar autonomia ao país em áreas nas quais ainda somos dependentes de paises desenvolvidos. Neste sentido, propomos a construção de dois laboratórios (Laboratório Multiusuário de Biotecnologia Molecular e um Laboratório Multiusuário de Cultivo de Células, Tecidos e OGMs) em dois blocos com toda a infra-estrutura adequada, para alojar equipamentos relacionados com o desenvolvimento de trabalhos em Biotecnologia Molecular, assim como de cultivo de células, tecidos e OGMs. Isto permitirá o desenvolvimento a contento e com maior eficiência das atividades dos docentes dos diferentes departamentos envolvidos com projetos de caráter biotecnológico, sanando assim deficiências e saturação dos atuais laboratórios, além da falta de espaço físico para alocar os equipamentos já existentes e também aqueles que estão sendo adquiridos com recursos do CNPq, FAPESP e indústrias diversas. Como exemplo de equipamento já existente, e que poderá ser alocado no laboratório multiusuário citamos um Robot Multipipetador Biomek FX, muito utilizado em trabalhos de larga-escala em biologia molecular. 
Atualmente há um grande incentivo dos governos estaduais e federal no sentido da realização e mais estudos na área de Biotecnologia, principalmente aqueles voltados à Bioenergia. A razão é bastante óbvia, considerando o aumento da demanda por combustíveis em todo o mundo. Por outro lado, há uma necessidade de obtenção de combustíveis "limpos" ou cuja produção e utilização, causem menor impacto ambiental. Neste sentido o Brasil ocupa lugar de destaque em todo o mundo. Nosso país possui uma tecnologia avançada para a produção de álcool derivado da cana-de-açúcar. O agronegócio de cana-de-açúcar movimenta R$ 40 bilhões por ano no país. A safra de 2007/2008 gerou por volta de 500 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, o que representou 15% a mais do que a safra anterior. Metade da safra é destinada à fabricação de etanol, o que faz do Brasil o segundo maior produtor do combustível no mundo, só perdendo para os Estados Unidos, o qual produz etanol de milho, utilizando para tanto altos subsídios. 
Os grupos de pesquisa envolvidos neste subprojeto proposto já desenvolvem pesquisas na área de Biotecnologia, entretanto, há uma crescente demanda quanto a laboratórios de Biotecnologia Molecular e de Cultura de Células e OGMs para as finalidades a que se destinam. Assim, os recursos ora pleiteados, ao resolver este sério gargalo, proporcionarão a ampliação da capacidade de pesquisa e de formação de recursos humanos. Os laboratórios serão compartilhados por diferentes grupos que têm várias linhas de pesquisa de ponta, sendo também utilizados na realização de vários trabalhos interdisciplinares, conduzidos em parceria com pesquisadores do de diferentes departamentos da UFSCar e de outras universidades. No caso específico do Laboratório Multiusuário de Biotecnologia Molecular, a utilização será ampla e intimamente relacionada com o Laboratório de Cultivo de Células e OGMs (LAMCTO). Um exemplo é a caracterização de células cultivadas, assim como OGMs, através de técnicas de biologia molecular, ou então, a realização de processos "downstream" como a purificação de proteínas recombinantes expressas nos diferentes sistemas de expressão, produzidas em pequena escala ou em larga escala através de processos fermentativos. Um outro aspecto importante é a possibilidade de maior controle no cultivo dos mais diferentes tipos celulares, sem que as estruturas necessárias para tais cultivos sejam instaladas separadamente nos diferentes grupos que realizam pesquisa com o tema. Ainda com relação ao LAMCTO, ele contempla espaço para instalação de "Biorreatores Temporários de Imersão" (sigla em inglês "TIBs"). Esta é uma tecnologia automatizada para a propagação de plantas que se baseia na exploração mais eficiente dos processos fisiológicos das plantas. A tecnologia se caracteriza por altas taxas de multiplicação obtidas (até 1:80 em cana-de-açúcar) e sua padronização depende do genótipo da planta. Além disso, os TIBs podem ser utilizados para produção controlada de metabólitos secundários, o que é de grande interesse, principalmente para os grupos do Departamento de Química que estudam produtos naturais. A utilização de TIBs é um objetivo do Laboratório de Biologia Molecular (LBM/UFSCar), coordenado pelo Prof. Flávio Henrique Silva, que pretende utilizar a cana-de-açúcar como sistema de produção heteróloga. Além disso, é um procedimento que permite a análise de transgênicos sem a necessidade de grandes áreas. O LAMCTO prevê uma área para a geração e análises iniciais de plantas transgênicas sob contenção. Neste sentido, a UFSCar receberá a visita nestes próximos 3 meses de um pesquisador cubano especialista não apenas nos TIBs, mas também em estabelecimento de canas-de-açúcar transgênicas por meio de transformação mediada por Agrobacterium tumefaciens. Acreditamos que esta visita será muito importante não apenas para a implementação destas tecnologias em nossa Universidade, mas também para estabelecer uma parceria importante com um país que domina vários aspectos relacionados à biotecnologia de uma planta de interesse estratégico nacional. Assim, a instalação dos laboratórios propostos deve contribuir de forma decisiva também nestes aspectos. Finalmente, faz-se necessário destacar que a cidade de São Carlos está recebendo investimentos significativos para desenvolvimento de pesquisa básica e aplicada na área de bioenergia. A cidade está instalando Parques Tecnológicos que contemplam pesquisas em Biotecnologia e vai também abrigar a chamada "Cidade da Bioenergia", já contando, para tanto, com área própria e financiamento do Governo Federal. Acreditamos que a estrutura montada com os dois laboratórios propostos será importante para intercâmbio científico com a "Cidade da Bionergia", visando pesquisa básica e aplicada na área.  

Impactos Previstos:

Impactos Científicos 

- Aumento na capacidade de formação de recursos humanos especializados em Biotecnologia, desde estudantes de iniciação científica, até mestres e doutores, bem como estagiários de pós-doutorado. Este fato decorre da natureza das linhas de pesquisa, que necessitam de um espaço adequado de laboratório, o que se espera conseguir com a concessão dos recursos pleiteados; 


- Aumento do número de artigos publicados em revistas especializadas, de trabalhos apresentados em congressos e de patentes registradas; 
- Intensificação e/ou estabelecimento de projetos de cooperação científica com grupos de pesquisa que atuam em biotecnologia, no país e no exterior; 
- Melhoria da inserção do Brasil na comunidade acadêmica internacional, na área escolhida; 
- Aumento da interação com grupos de pesquisa no Brasil e no Exterior; 
- Ampliação do oferecimento de bolsas e/ou da contratação, por projetos, de recém-doutores de grande potencial; 
- Intensificação das atividades de extensão junto a setores industriais como o farmacêutico, agro-industrial, biotecnológico etc., contribuindo para o desenvolvimento tecnológico do país. 

Impactos tecnológicos: 

- Aumento do número de patentes depositadas e transferência de tecnologias na área de Biotecnologia; 
- Preparação de mão de obra qualificada para trabalhar em empresas desenvolvendo produtos gerados pela Biotecnologia; 
- Disponibilização de técnicas especializadas para caracterização e certificação de produtos da Biotecnologia. 

Impactos econômicos: 

- Transferência de tecnologias para produção de produtos biotecnológicos e ligados ao desenvolvimento da bioenergia, visando assim ampliar os recursos de pesquisas e também do mercado. 

Impactos sociais: 

- Aumento da competitividade dos produtos nacionais, com aumento de produtividade e lançamento de novos produtos, contribuindo também para a diminuição do desemprego; 
-Formação de pessoal qualificado para manuseio de equipamentos e produtos resultantes da Biotecnologia; 
- Colocação no mercado de novos produtos baseados em Biotecnologia. 

Impactos ambientais: 



- Contribuições para a solução de problemas vinculados à utilização de resíduos e biomassa; 
- Desenvolvimento de tecnologias que contribuam para a preservação do meio ambiente pelo uso de tecnologias limpas nos processos produtivos.  

Qualificação das Pós-Graduações vinculadas ao subprojeto:

Vários programas de pós-graduação serão beneficiados com a instalação dos laboratórios propostos. A seguir citamos alguns exemplos. 
O Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia, da Universidade Federal de São Carlos, iniciou suas atividades em 2004 oferecendo cursos de Mestrado e Doutorado. Atualmente possui o conceito 4 da CAPES. Como o primeiro Programa de caráter multidisciplinar na UFSCar, tem como objetivo formar pesquisadores para induzir e participar do desenvolvimento da Biotecnologia no país, paralelamente à implantação e consolidação de Pesquisa Científica e Tecnológica Interdisciplinar em Biotecnologia. O Programa se propõe a promover um salto qualitativo nas atividades relacionadas à Biotecnologia já em desenvolvimento em vários departamentos da UFSCar e entrar em contato com outros Departamentos, Universidades e Centros de Pesquisa, que agregam experiência e competência, de forma a oferecer uma ampla gama de disciplinas e áreas para o desenvolvimento de novas atividades interdisciplinares. O programa desenvolve pesquisas em Desenvolvimento de processos de transformação de biomoléculas; Produção de biomoléculas de alto valor agregado com OGMs ou enzimas obtidas por técnicas de DNA recombinante; Bioprocessos visando proteção ambiental; Identificação, expressão e purificação de biomoléculas; Projeto de equipamentos e instrumentação para análise; Desenvolvimento de serviços em biotecnologia, Dispositivos de diagnóstico de doenças, Análise de expressão gênica; Mineração e gerenciamento de informações; Técnicas de inteligência artificial; Processamento de imagens; Reconhecimento de padrões; Computação de alto desempenho; Automação e controle de bioprocessos; Supercondutividade e magnetismo em materiais cerâmicos; Simulação computacional de propriedades fundamentais; Magnetismo em sistemas orgânicos; Desenvolvimento de bio-dispositivos (sensores, detectores e atuadores) multifunção, dentre outros. Desta forma, é um programa que possui interesse direto na proposta apresentada, além de obviamente, contribuir para que ela seja bem sucedida após a implementação. 
O Programa de Pós-Graduação em Genética e Evolução (PPGGEv) da UFSCar, também envolvido com a proposta, iniciou suas atividades em 1991, possui conceito 5 da CAPES e oferece o Curso de Mestrado e Doutorado em Genética e Evolução, ambos credenciados pelo Conselho Federal de Educação. O programa possui pesquisadores que desenvolvem pesquisas em Biotecnologia, desde a bioprospecção de genes de interesse biotecnológico até a expressão de proteínas recombinantes, engenharia de proteínas e desenvolvimento de plantas de cana-de-açúcar transgênicas mais resistentes ao ataque de insetos. Além disso, está recentemente envolvido em estudos de enzimas celulolíticas com o objetivo de aplicá-las na utilização de biomassa para produção de bioetanol. 
O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química está a cargo do Departamento de Engenharia Química, e tem desenvolvido trabalhos científicos e tecnológicos de interesse do nosso país, através de projetos entre áreas básicas e aplicadas da Engenharia Química, como o desenvolvimento e utilização de fontes de energia e aproveitamento de matérias-primas nacionais. Pesquisadores do programa têm larga experiência em produção de antibióticos; produção de enzimas em processos fermentativos; desenvolvimento de equipamentos; controle de bioprocessos, imobilização de enzimas etc. O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química obteve conceito 6 nas três últimas avaliações da CAPES, o que o eleva à categoria de "Programa de Excelência" . 
O Programa de Pós-Graduação em Química (PPGQ), cujas atividades de pesquisa são desenvolvidas em sua maioria no Departamento de Química (DQ), tem sido avaliado com conceito 7 pela CAPES, nos últimos triênios. Esta unidade, portanto, tem conseguido desenvolver pesquisas de alto nível, formando pessoal em todos os níveis (graduação - IC; pós-graduação - Mestrado e Doutorado; estágios de pós-doutoramento; estágios de formação de técnicos), que têm sido absorvidos tanto na área comercial/industrial quanto na de ensino. Os resultados das pesquisas têm sido publicados em revistas especializadas de grande impacto, patenteados e utilizados pelo setor produtivo. A manutenção deste nível de atividade depende de espaço físico adequado para abrigar tanto os equipamentos quanto os laboratórios certificados, além de contribuir para o desenvolvimento de novas tecnologias e estabelecimentos de novas colaborações. Assim, a construção dos laboratórios de pesquisa solicitada neste subprojeto e a conseqüente ampliação da capacidade de pesquisa e formação de recursos humanos justificam plenamente esta solicitação que se enquadra no plano estratégico da UFSCar. 
Vários pesquisadores dos programas supracitados, assim como de outros programas de pós-graduação da UFSCar, têm realizado pesquisas biotecnológicas no campo da Bioenergia (proespecção e estudos de organimos celulolíticos; estudos fermentativos para produção de etanol; prospecção enzimas hidrolíticas capazes de utilizar biomassa; engenharia de enzimas celulolíticas; imobilização de enzimas etc). Desta forma, há uma grande demanda por laboratórios de Biotecnologia Molecular, assim como de cultivo de organismos, que possam agregar os diferentes grupos e promover a interdisciplinaridade inerente à Biotecnologia. Embora existam laboratórios na Universidade que dispõem de excelente infra-estrutura, eles há algum tempo já não estão atendendo a demanda crescente de todos os grupos que realizam (e que pretendem realizar) pesquisas nos campos da Biotecnologia e Bioenergia  

Descrição das Obras e dos Principais Equipamentos:

Este subprojeto envolve a construção de dois laboratórios, sendo um o Laboratório Multiusuário de Biotecnologia Molecular e outro o Laboratório Multiusuário de Cultivo de Células, Tecidos e OGMs com área total de 700 m2 (incluindo áreas comuns e de utilidades). 

LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO DE BIOTECNOLOGIA MOLECULAR (LAMBIOTEC): 


Área comum e de apoio: 162 m2 
Área laboratorial (experimental) de 188 m2 contendo: 
Área central com área de 98m2 possuindo 5 bancadas com tampo em granito e acomodação para 4 pessoas cada, além de bancada lateral para acomodação de equipamentos de eletroforese, centrifugas, termocicladores, agitadores, fluorímetros, banhos-maria, termoblocos, agitadores orbitais, etc. Paredes livres para acomodação de freezers e geladeiras e equipamentos maiores (ex.centrifuga de chão) 
Sala escura com área de 9 m2 para revelação de filmes e utilização de transiluminadores 
Sala de lavagem de material com área de 15 m2 para acomodação de máquina de lavar vidrarias (já existente), autoclaves e purificadores de água 
Sala de 9 m2 para estoque de vidrarias e meios de cultura 
Sala de 15 m2 para acomodação de robot Biomek FX (já existente) utilizado para micropipetagem e preparação de DNA 
Sala de 9 m2 para transformação de DNA e acomodação de fluxo laminar e estufas 
Sala de 15 m2 para acomodação de seqüenciador de DNA 
Sala para extração de DNA com área de 9 m2 
Sala para extração de RNA com área de 9 m2 

LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO DE CULTIVO DE CÉLULAS, TECIDOS E OGMS (LAMCTO) 

Unidade de cultura de tecidos de plantas com área de 100 m2 contendo uma sala para transformação (20 m2), uma sala de preparação de células embrionárias (20 m2), uma sala para explante (20 m2), uma sala para manutenção de plântulas (20 m2) e uma sala para manutenção de plantas jovens em vasos (30 m2) 
Sala de cultivo de células de mamíferos com área de 10 m2 para acomodação de estufas de CO2, fluxo laminar e microscópios. 
Sala de cultivo de leveduras com área de 10 m2 para acomodação de fluxo laminar, estufas e shakers 
Sala de cultivo de bactérias com área de 10 m2 para acomodação de fluxo laminar, estufas e shakers 
Sala de cultivo de insetos com área de 10 m2 para acomodação de fluxo laminar, estufas e shakers 
Sala para Biorreatores Temporários de Imersão (TIBS) com 34 m2 para acomodação de de Biorreatores para cultivo de cana-de-açúcar e outras plantas em regime de contenção e estudos de metabólitos secundários 
Sala de lavagem de material com área de 15 m2 
Sala para extração de DNA/RNA e Proteína com área de 9 m2 

Observação: As análises moleculares dos organismos cultivados neste laboratório serão realizadas no Laboratório Multiusuário de Biotecnologia Molecular 

Estes laboratórios estarão localizados em dois edifícios, os quais estarão localizados na Área Norte do campus de São Carlos da UFSCar, em área xxxxxxxxxxxxxx............ Tanto o projeto como as obras estão dentro dos padrões construtivos da UFSCar, a qual segue as normas legais vigentes 

Equipamentos 



8 equipamentos de fluxo laminar para as salas de cultura e transformação (R$10.000,00 cada) - Total R$80.000,00 
2 equipamentos para purificação de água (deionizada) (R$7.500,00 cada) - Total 15.000,00  

Subprojeto 7:

Sigla:

BIOTROP

Título:

Centro de Pesquisa Integrada da Biodiversidade Tropical

Objetivo:

Este subprojeto tem como objetivo a implantação de uma estrutura física planejada e organizada para promover a integração da pesquisa e do ensino de pós-graduação da área biológica do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS) da UFSCar, abarcando todos os níveis hierárquicos da biodiversidade tropical: gene, espécie e habitat. Pretende-se, assim, congregar os pesquisadores que detêm e geram as informações científicas e técnicas de alta qualidade sobre biodiversidade, otimizar a utilização de equipamentos multi-usuários e facilitar o desenvolvimento de projetos integrados de pesquisa que incorporem os aspectos estruturais e funcionais da biodiversidade, a distribuição espacial e temporal dos organismos e as relações entre seus componentes nos diversos níveis hierárquicos (gene, espécie e habitat).
Pretende-se acoplar a estes espaços multi-usuários duas ferramentas que são essenciais tanto para a preservação da biodiversidade quanto para os estudos ecológicos e biotecnológicos: as coleções científicas de referência e os centros de cultivo / bancos de germoplasma. 
As coleções de referência são fundamentais para o conhecimento da biodiversidade. Elas servem de base para as comparações entre os espécimes coletados, propiciando a identificação acurada no caso das espécies já descritas, mas principalmente permitem concluir quando se trata de uma nova espécie, até então desconhecida. As coleções de referência são importantes por promover o desenvolvimento do conhecimento científico acerca da diversidade e distribuição geográfica das espécies, o qual é uma condição indispensável para a preservação das espécies; por serem depositárias do testemunho da biodiversidade de uma região (passado e presente); por abrigarem espécies que não existem mais ou que correm risco de deixar de existir e finalmente pelo fato do conhecimento sobre as riquezas naturais de um habitat ou região, registradas nas coleções de referência, poder auxiliar no desenvolvimento social e econômico do país.
Os pesquisadores da área biológica do CCBS estão lotados em cinco departamentos acadêmicos (Botânica, Ciências Fisiológicas, Ecologia e Biologia Evolutiva, Hidrobiologia, e Genética e Evolução), constituindo um total de 29 grupos de pesquisa consolidados e fortemente atuantes na pós-graduação e na pesquisa de diferentes aspectos relacionados à biodiversidade. Os laboratórios desses grupos de pesquisa integrarão a estrutura do Centro de Pesquisa Integrada da Biodiversidade Tropical (BIOTROP), na forma de laboratórios associados, dando suporte específico aos programas integrados do BIOTROP, que está concebido para criar um ambiente facilitador e promotor da integração desses grupos de pesquisa e impulsionar a produção científica e o conhecimento gerado pelos atuais três programas de pós-graduação da área biológica do CCBS: Ciências Fisiológicas; Ecologia e Recursos Naturais; Genética e Evolução.  

Justificativa e Relevância:

A biodiversidade no Planeta Terra ainda é muito mal conhecida, particularmente nas regiões tropicais, onde se concentra a maior parte da biodiversidade de todo o mundo. Ainda não se sabe quantas espécies existem e tampouco se conhecem todas as variações que podem ocorrer dentro de uma mesma espécie.
A situação da biodiversidade neste início do século XXI pode ser caracterizada pela combinação de processos acelerados de destruição dos ecossistemas, associados aos esforços para a conservação da biodiversidade e o uso sustentável dos recursos naturais, e de grandes avanços em tecnologia da informação e comunicação.

Apesar dos avanços decorrentes da implementação da Convenção sobre a Diversidade Biológica e dos esforços de governos e sociedade civil, a base de conhecimento sobre a diversidade biológica é incipiente e desagregada. Os registros de observações, como os gerados por levantamentos de fauna e flora e estudos de impacto ambiental, representam uma valiosa fonte de dados. Do mesmo modo, estudos interdisciplinares que possibilitem maior compreensão da estrutura e funcionamento de ecossistemas são necessários para ações efetivas de conservação e uso sustentável dos recursos. Segundo informação recente disponibilizada na mídia (Folha de São Paulo, 27/02/2008), o Brasil não foi incluído na primeira fase do Catálogo da Vida, uma lista mundial das espécies que pretende reunir grande parte do conhecimento científico taxonômico e ecológico sobre as espécies que compõem a biodiversidade do Planeta. Para participar do projeto nas próximas fases serão necessários grandes esforços tanto para ampliar os inventários quanto para sua catalogação sistemática e acurada.

Nesse contexto, os três programas de pós-graduação da área biológica do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da UFSCar se unem para trabalhar em conjunto em um ambiente único, a fim de aglutinar esforços na pesquisa dos três níveis de organização que compõem a biodiversidade tropical: o molecular (gene), o individual (espécie) e o de comunidades (habitat).

A implantação do BIOTROP tem como fundamento a obtenção de um ambiente multidisciplinar importante para a nucleação de programas de pesquisas que abordem a biodiversidade em seus três níveis constitutivos. Tal processo dar-se-á de maneira integrada e articulada com grandes questões que atualmente desafiam os pesquisadores, de maneira a contribuir para mudanças de paradigmas relacionados ao desenvolvimento social e à posição e responsabilidade do Homem na conservação ambiental e da biodiversidade.  



Impactos Previstos:

O BIOTROP atuará sobre a ampliação da base de conhecimento da biodiversidade tropical e irá disponibilizar informações científicas de qualidade para tomadas de decisões nas políticas públicas de conservação, além de contribuir para o conhecimento prospectivo de nossa biodiversidade. Conseqüentemente, dele proverão dados e informações ao uso sustentável dos recursos biológicos brasileiros e ao desenvolvimento de novas tecnologias. Da maneira como foi concebido, o BIOTROP também permitirá ampliação da produção científica dos pesquisadores a ele associados e melhoria da qualidade de formação dos alunos dos programas de pós-graduação envolvidos, uma vez que tem como fundamento a multidisciplinaridade em ambientes agregados. Isso possibilitará a interação próxima de alunos e professores das diversas áreas envolvidas, levando ao engrandecimento na formação holística dos pós-graduandos.

Pretende-se também agregar experiências para promover um avanço significativo nos programas de pós-graduação, uma vez que já contamos com corpo docente altamente qualificado. Estaremos somando a isto uma infra-estrutura adequada que permitirá a alocação de equipamentos multiusuários de grande porte e uma ação integrada entre os pesquisadores para este salto na qualidade da pesquisa produzida na UFSCar.  



Qualificação das Pós-Graduações vinculadas ao subprojeto:

O BIOTROP congregará três programas de pós-graduação do Centro de Ciências Biológicas da UFSCar, que irão manter atividades de pesquisa compartilhando a infra-estrutura oferecida pelo Centro de Pesquisa Integrada. Isso consolida a multidisciplinaridade, assim como os esforços dirigidos à pesquisa dos três níveis de organização que compõem a biodiversidade tropical (gene, espécie e hábitat).

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E RECURSOS NATURAIS (PPGERN)

O PPGERN, criado em 1976 com cursos de Mestrado e Doutorado, foi o primeiro do Brasil em Ecologia. Nessa época, a Limnologia destacou-se como modelo para uma abordagem holística dos ecossistemas e o programa atuou como núcleo nacional, a partir do qual grupos de pesquisa formaram-se e instalaram-se pelo Brasil. As linhas de pesquisa desenvolvidas no programa são Ecologia de Ecossistemas Aquáticos, Ecologia Animal, Vegetal e Humana, Ecologia Aplicada, Gestão e Planejamento Ambiental, Etnoecologia, e Educação Ambiental. Com tal diversidade contempla a multidimensionalidade da Ecologia e forma recursos humanos qualificados para atividades de ensino, pesquisa e extensão, incorporando os aspectos econômicos, sociais, políticos e culturais relacionados à Ecologia e Meio Ambiente.

Com 30 anos de atividades (março/2006), o PPGERN consolida-se nos níveis mestrado e doutorado, desempenhando papel significativo na produção científica do País. O reconhecimento nacional e internacional do Programa deve-se à diversidade de especialidades do quadro docente, o que se reflete qualitativa e quantitativamente nas dissertações e teses. Historicamente, o PPGERN recebe conceitos A ou nota 5 nas avaliações Capes, correspondentes à nota máxima na comparação com outros programas brasileiros. Como o maior programa e um dos mais reconhecidos em sua área no Brasil, o PPGERN visa à meta da excelência, para a qual reajustes estruturais estão sendo aplicados.

O PPGERN é atualmente responsável pela formação de um número expressivo de mestres e doutores em Ecologia, tendo totalizado em 31 anos de atividades 869 defesas, sendo 383 mestrados e 486 doutorados. Para tanto, contou com apoio das agências de fomento CAPES, CNPq e FAPESP. Dados recentes mostram que dos egressos do mestrado, 45% são docentes de universidades (maioria públicas); 20% cursam doutorado (maioria no PPGERN) e 12% atuam em instituições de pesquisa. Quanto aos egressos do doutorado, cerca de 70% são docentes de universidades (maioria públicas), 15% atuam em instituições nacionais de pesquisa ou em órgãos governamentais, e 9% são bolsistas de pós-doutorado. Salienta-se que 94% dos egressos atuam em atividades de pesquisa ou em órgãos governamentais e têm inserção no mercado de trabalho. Quanto à localização geográfica dos egressos, há uma concentração na região Sudeste (60%), seguida de difusão nas outras regiões do país: Sul (19%), Nordeste (9%), Centro-Oeste (9%) e Norte (5%). Portanto, o PPGERN cumpre com êxito seu objetivo de formar recursos humanos qualificados, de maneira que os profissionais possam atuar na reversão da atual tendência de perda do patrimônio natural deste País.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E EVOLUÇÃO (PPGGEv)

O PPGGEv oferece cursos de Mestrado e Doutorado desde 1991; de natureza interdisciplinar, proporciona ao estudante o entendimento da biodiversidade e teoria evolutiva moderna, integrando os aspectos relacionados à variabilidade genética, biologia geral e à sistemática. Com 17 anos, o Programa consolidou linhas de pesquisa nas áreas de Bioquímica Adaptativa, Biologia Molecular e Estrutural, Genética Evolutiva, Genética Aplicada à Produção e Melhoramento Animal, e Genética da Conservação. Os docentes têm experiência na formação de recursos humanos e reconhecimento nacional e internacional, com financiamentos através de instituições de fomento. Oferece aos alunos excelentes laboratórios e condições de pesquisa. A capacitação de seu corpo docente, dos quais mais de 90% são pesquisadores do CNPq, é documentada pela elevada produção. Como resultado, ascendeu ao conceito 5 na última avaliação CAPES (triênio 2004-2006).

Ao longo de sua existência, ressalta-se a participação de pesquisadores externos à UFSCar: Instituto de Física de São Carlos/USP; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP; Embrapa Pecuária Sudeste e Fundação Universidade do Amazonas (FUA). Destaca-se ainda a experiência nucleadora vivenciada pelo PPGGEv: em abril de 1995, o PPGGEv estendeu suas funções à FUA através de convênio de cooperação (apoio CAPES e reitorias das duas Instituições). Em razão de seu sucesso, o convênio foi renovado, de modo que de 1997 a 2004, o PPGGEV concedeu título de Mestre a 4 professores de Genética da FUA e a 20 alunos daquela instituição, além de 2 títulos de Doutor. Esta importante contribuição para a qualificação de profissionais da Região Norte em tão curto espaço de tempo certamente facilitou a criação do Centro de Biotecnologia da Amazônia, cuja estrutura física e laboratorial é das mais completas e bem equipadas do mundo.

Em contato com alunos egressos, o Programa estabelece grupos de pesquisa com diversas instituições e observa que a maioria dos profissionais formados tem obtido posições em instituições, sejam elas privadas ou públicas. Hoje, alunos egressos do PPGGEv são docentes e pesquisadores de universidades federais (AM, ES, MT, PR, RS, RN, MG), estaduais (UNESP/Botucatu, Cascavel, Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Mato Grosso, Santa Cruz), privada (UNIMAR), institutos de pesquisa e empresas de Biotecnologia (Alellix). Este quadro leva à perseguição de metas mais ambiciosas pelos docentes e alunos do PPGGEv, aspirando-se frutos que engrandecerão mais ainda o Programa e a UFSCar.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS (PPGCF)

O PPGCF iniciou suas atividades em 1993, com curso de Mestrado, sendo que o de Doutorado foi implantado em 1998. Com docentes experientes, aliadas às condições laboratoriais e de infra-estrutura, são formados profissionais qualificados para atuar em universidades e instituições de pesquisa. Tendo em vista a interdisciplinaridade do Programa (Fisiologia, Farmacologia, Bioquímica, Biologia Molecular e Morfologia Funcional e as áreas de apoio Matemática Aplicada e Estatística), atende-se profissionais da Biologia, Fisioterapia, Enfermagem, Educação Física, Psicologia, Farmácia e Bioquímica, Odontologia, Medicina, Agronomia e Veterinária.

Através de convênio com a UNESP (campus de Araraquara), o Programa conta com 18 docentes e um crescente número de orientações. Ao todo, o PPGCF formou 96 mestres e 46 doutores. Desses, cerca de 80% dos doutores atuam no ensino e pesquisa em universidades e dos mestres, 50% cursam o doutorado, enquanto 25% são profissionais de ensino e pesquisa. Analisando a situação dos egressos, os profissionais formados pelo PPGCF são hoje docentes e pesquisadores de universidades federais (PR, RN, SP, TO), estaduais (MA, BA, SP) e de instituições privadas (PR, SP, GO, MG). Esses dados são um indicador da qualidade que o Programa proporciona aos alunos e sua contribuição à nucleação de outros grupos de ensino e pesquisa no país.

Em avaliação realizada em 1998, o Mestrado do PPGCF recebeu conceito 4. No triênio 2001-2003, o Programa obteve conceito 5, indicando crescimento no período. Embora tenha recentemente recebido conceito 4, essa é uma situação pontual que será revertida.

O PPGCF incentiva colaborações bilaterais e estabelece importantes interações com universidades e institutos estrangeiros: Bonn (Alemanha); Aarhus (Dinamarca); British Columbia (Canadá); Birmingham e Leeds (Reino Unido); Towson, Texas, Wyoming, Tufts, Havaí, San Antonio, Iowa e National Institute of Drug Abuse (EUA); Haifa (Israel); Melbourne (Austrália), Henri Poincare (França); Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Zurique e Instituto de Investigación Médica Mercedes y Martín Ferreira (Argentina).  



Descrição das Obras e dos Principais Equipamentos:

O BIOTROP abrigará cinco módulos com laboratórios multiusuários, interligados por módulo central de laboratórios multidisciplinares (parcialmente contemplados no Pró-Infra 2007), de modo a integraras pesquisas nos três níveis organizacionais da biodiversidade (gene, espécie e hábitat), além de contemplar espaços para a manutenção de bancos de culturas e de germoplasma in vivo e in vitro, e acoplados ainda a coleções científicas e de referência.

I. Módulo Multiusuário: Módulo Centro de Cultivo e Biotecnologia: 300,0 m2


Cultivo de microrganismos para pesquisas ecológicas e bioquímicas voltadas para aplicações biotecnológicas e de prospecção de produtos de interesse econômico, 
1-Laboratório de Manutenção das Espécies Isoladas - Banco de Cultivos/ germoplasma): 70 m2 -Área asséptica destinada à manutenção das espécies isoladas. destinada ao isolamento dos microrganismos em cultivos uniespecíficos e axênicos ;
2- Laboratório de Isolamento de Cepas: 30 m2 - Área asséptica destinada ao isolamento; 3- Laboratório de Cultivo em Larga Escala (Escala Piloto): 60 m2 : Área destinada à experimentação em várias escalas - até 50 litros.
4- Laboratórios de Preparação, Bioquímica e Análises químicas: 60 m2 ;
5- Laboratório de Cromatografia: 50m2: Área destinada a análises envolvendo análises cromatográficas de gás, HPLC e por cromatografia em gel;
6- Cabines para Gases, Autoclaves e Compressores: 30m2

II. Módulo Multiusuário de Pesquisas em Biodiversidade Genética - Módulo GENE 300 m2


Análises de material genético, desde o processamento amostral até a geração de informações da variabilidade genética. Ambientes para manutenção, processamento de material, extração ácidos nucleicos, PCR, eletroforese, genotipagem e seqüenciamento.
1.Laboratório de Cultivo e Manutenção de Organismos Vivos - 50 m2: Organismos unicelulares, Metazoários e Metáfitas de diversos outros grupos; 
2- Banco de Germoplasma - 50 m2: Os bancos de germoplasma possibilitam aplicações em biotecnologia e bioengenharia Equipamentos: câmaras dessecadoras, liofilizadores, crio-preservação). 
3- Laboratório de Extração de DNA - 50 m2: Espaço destinado à extração de DNA: sangue, tecidos sólidos, secos e fezes. Equipamentos: capela exaustão, cabine fluxo laminar, centrífugas, geladeira.
4. Laboratório de Cultivo e Processamento de Organismos Geneticamente Modificados 50 m2: Em conformidade com normas de biossegurança para transformação de bactérias e clonagem de fragmentos de DNA, cultivo e replicação de bactérias modificadas, e armazenamento de clones portadores DNA alvo: cabine com fluxo laminar, deep-freezer (-80 oC), incubadoras, shakers, estação de descontaminação de material.
5. Laboratório Preparação, PCR e Eletroforese - 50 m2: Preparação de amostras para amplificação de fragmentos de DNA; 
6. Laboratório para Sequenciamento e Análise - 50 m2: Preparação das reações de sequenciamento de DNA, de genotipagem de microssatélites, SNPs e AFLPs: Sequenciadores automáticos e computadores de análise de dados moleculares, centrífuga refrigerada de placas, geladeira.

III. Módulo Multiusuário para Pesquisas da Biodiversidade Específica - Módulo ESPÉCIE 300 m2


Pesquisas relativas aos aspectos estruturais e funcionais da biodiversidade. 
1. Laboratório Triagem e Preparação Material - 30 m2: Três unidades destinadas à recepção e preparação do material biológico/não biológico para análise: sistemas de filtragem e destiladores, capela, centrífuga, armários. cabine fluxo laminar, pH-metro.
2. Laboratórios Climatizados - 15 m2: Espaços para experimentos com organismos vivos em condições controladas: Controladores centrais de temperatura, luz e umidade. com 1 microscópio e 1 lupa. 
3. Laboratório de Radioisótopos- 15 m2: Com proteção especial para radioisótopos. preparação de materiais com radioisótopos (carbono 12; fósforo 32, trítio); Sala de cintilação: Cintilador, computador. Depósito de resíduos radioativos.
4. Laboratório Multidisciplinar de Microscopia - 40 m2
Laboratório para produção de lâminas, aquisição e processamento de imagens microscopia ótica e eletrônica de varredura: câmeras fotográficas e de vídeo, computadores, lupas e microscópios, micrótomo, microscópio eletrônico de varredura.
5. Laboratório de Bioacústica - 50 m2 Gravação e análise de sons animais (vertebrados e invertebrados). Equipamentos: gravadores de alta potência, parábolas, computadores.
6. Laboratório de Aquicultura - 50 m2: Espaço para experimentos de eco-fisiologia com cultivo de organismos vivos sob condições controladas: tanques fibra; tanques cultivo estanque, bombas peristálticas, sistemas fluxo contínuo e controle de temperatura 
7. Laboratório Biotecnologia Vegetal e Microorganismos - 100 m2: experimentos com bactérias e algas, tecidos vegetais; controle de temperatura, luz e esterilização: pH-metro, ultra-som, centrífuga, incubadoras e geladeiras.

IV. Módulo Multiusuário para Pesquisas de Caracterização, Monitoramento e Restauração Ambiental - HABITAT - 300 m2


1. Laboratório Monitoramento Químico - 60 m2
Processamento amostral e determinação de elementos químicos inorgânicos/orgânicos: a) Unidade de Amostras Corrosivas: pH-metro, polarógrafos, absorção atômica, Cromatografia líquida de alta performance (HPLC) e cromatografia gasosa.; b) Unidade de Amostras Não Corrosivas: espectrofotômetros, cromatógrafos, balanças analíticas; 
2. Laboratório Esterilização e Secagem - 20 m2: Espaço destinado ao processamento amostral, incluindo esterilização e secagem de materiais. Equipamentos: autoclaves, muflas e estufas. 
3. Laboratório Monitoramento Biológico - 80 m2: Espaço para bioensaios com organismos vivos de diferentes níveis tróficos. Equipamentos: incubadoras, calorímetro, bombas peristálticas.
4- Laboratório de Ecotecnologia -100 m2: Instalação de microcosmos e mesocosmos para simulações de ecossistemas impactados e degradados e realização de testes de restauração e tratamento (fitotron, aquatron). 
5-Infraestrutura Externa 40 m2: Área para alocar equipamentos de suporte ao BIOTROP: compressor de ar, cilindros gases, substâncias tóxicas, gerador, casa de cultivo externo.

V- Módulo das Coleções de Referência e Coleções científicas - 300 m2


Coleções de referência e coleções científicas relativas a ambas biodiversidade atual e passada. Conterá a maior coleção de icnofósseis de vertebrados e invertebrados do Brasil, e uma das mais representativas da América Latina. 
1- Laboratório de Processamento dos espécimes 40 m2 : Preparar de espécimes (fixação, clarificação, dissecação, montagem em lâminas microscópicas).
2- Coleções de Referência de organismos aquáticos 60 m2 : Espécimes identificados de invertebrados aquáticos, e de peixes. 
3- Coleção dos Invertebrados terrestres - 50 m2: Inclui a Coleção dos Hymenoptera Parasítica Tropicais, dos Aphididae (pulgões) e os Coccoidea (cochonilhas).
4 - Laboratório de Preparação de Icnofósseis - 30m2 : Triagem, extração, limpeza, e catalogação de acervo para as coleções científicas:percursores manuais, exaustor, desumidificador, estereomicroscópios, lupas de mão.
5- Laboratório Geo e Paleobiodiversidade - 60m2 : Espaço para caracterização física das amostras preparadas, confecção de lâminas e interpretação palinológica. Equipamentos: 2 computadores, impressoras, Microscópio, armários.
6. Laboratório Paleoecologia - 60m2: Espaço destinado ao desenvolvimento de pesquisa em comportamento animal, vinculada à geração e preservação dos registros de vida no tempo geológico. Espaço para bioensaios e simulações etológicas. Espaço para reserva técnica. Equipamentos: 4 computadores, impressoras e scanner, Mesas, bancadas de alvenaria, pias e torneiras com água corrente, armários, terrários.  

Subprojeto 8:

Sigla:

NAP/CECH

Título:

Núcleo de Apoio à Pesquisa do Centro de Educação e Ciências Humanas

Objetivo:

Este sub-projeto vem retomar o sub-projeto NAP/CECH, parcialmente contemplado no último PROINFRA, ampliando-o; correspondentemente, seu objetivo retoma e amplia o do projeto anterior. O seu objetivo primeiro (cuja caracterização retomamos a seguir, para concluir pela descrição da ampliação dos objetivos) continua ser o de prover os programas de pós-graduação (PPG) consolidados do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH) de uma infra-estrutura adequada para a implementação, consolidação ou expansão das linhas e grupos de pesquisa a eles vinculados, com reflexos positivos esperados também para os programas em processo de consolidação. De fato, o CECH foi palco de notável crescimento no campo da pós-graduação, tanto do ponto de vista quantitativo, quanto do ponto de vista qualitativo, com sete Programas criados nos últimos dois anos, que se somam aos quatro existentes anteriormente. Com isso o CECH tornou-se o segundo Centro da UFSCar com maior número de cursos de Pós-Graduação. Destes, dois Programas foram avaliados com nota cinco pela CAPES no último triênio: Educação Especial e Filosofia. Dois, Psicologia e Sociologia, foram aprovados para funcionar em 2008 já com nota cinco, atestando a qualidade da proposta e de seu corpo docente (o de Psicologia constituiu-se num desdobramento do Programa de Educação Especial, agora como dois Programas independentes, e o de Sociologia como um dos desdobramentos do Programa de Ciências Sociais). Estes resultados apontam a continua expansão da UFSCar, a diversificação e aprimoramento das suas áreas de conhecimento e o permanente investimento em ensino, pesquisa e extensão. 
A proposta de constituição do Núcleo de Apoio a Pesquisa (NAP) do Centro de Educação e Ciências Humanas, visa, em primeiro lugar, fortalecer esse processo, proporcionando um espaço multi-uso para as atividades de pesquisa, dos diversos grupos que compõem os Programas proponentes.
¦O NAP/CECH consistirá num espaço constituído por um conjunto de laboratórios e instalações destinadas à pesquisa, a ser primariamente compartilhado por quatro PPGs (Educação Especial - PPGEEs, Filosofia - PPGFil, Sociologia - PPGS e Psicologia - PPGPsi): a) um auditório com equipamento multi-midia (equipamento para tradução simultânea, video-conferência, filmagem), com laboratórios multi-uso a ele anexos (também com equipamento para video-conferência e filmagem); b) um arquivo de 400 m2 (cuja utilização deve ser progressivamente otimizada por meio de estantes deslizantes, de maneira a comportar o aumento progressivo de material armazenado) com, a ele anexo, salas para consulta e laboratórios de pesquisa vinculados ao material do arquivo.
¦(A) Tanto o auditório quanto os laboratórios multi-midia visam responder à crescente atividade inter-institucional dos PPGs, ampliando o espectro dos beneficiados pela vinda de professores estrangeiros e facilitando os encontros internacionais (equipamento de tradução simultânea), reforçando a interação nos acordos inter-institucionais, tanto nacionais quanto internacionais (pelo mecanismo da video-conferência, que complementaria as atividades realizadas por meio de visitas e missões), e, finalmente, possibilitando que diversas atividades de pesquisa (seminários, workshops, mini-cursos, conferências) sejam registrados de forma mais perene (equipamento de filmagem, gravação, tradução e transcrição) levando à otimização das atividades. A respeito desse último ponto, é importante ressaltar uma característica peculiar das ciências humanas: se, como ocorre em outras áreas, tais eventos freqüentemente se tornam pontos de referência importantes para o desenvolvimento da pesquisa na área, no caso das ciências humanas uma parte substancial da informação veiculada ou produzida num debate, numa conferência ou num curso corre o risco de ser perdida para os que não presenciaram o evento.
¦(B) O arquivo e os laboratórios a ele anexos visam propiciar um ambiente adequado para as pesquisas vinculadas tanto aos arquivos já disponíveis no CECH quanto àqueles em fase de constituição (como o arquivo Bento Prado Jr, a Unidade Especial de Informação e Memória - UEIM - e o Núcleo de Pesquisa e Documentação - NPD) - garantindo a preservação dos acervos e sua utilização de maneira mais eficiente. O arquivo centralizará o armazenamento tanto de documentos tradicionais (papel), quanto de registros em outros tipos de mídia (não só os já disponíveis, mas dispersos pelos CECH, como também os produzidos no NAP-CECH), além de constituir um espaço de compartilhamento e publicização desses registros. O espaço reservado ao armazenamento físico dos documentos tradicionais, contará com uma sala destinada à digitalização/editoração do material (conforme a modalidade de pesquisa), uma sala para consulta e laboratórios para os grupos de pesquisa estruturados em torno do material do acervo.
¦Como último (mas fundamental) elemento para caracterizar o NAP-CECH deve-se notar que se projeta um uso flexível dos laboratórios (tanto aqueles vinculados ao arquivo quanto aqueles vinculados ao auditório), não apenas naquilo que se pode chamar de eixo sincrônico como também no que se pode chamar de eixo diacrônico: 
i) no eixo sincrônico, um mesmo laboratório poderá receber distintas modalidades de uso, por um mesmo grupo ou por diferentes grupos, maximizando a utilização do espaço, salvo, evidentemente, nos casos em que as características do projeto ali desenvolvido o impossibilitem.
ii) no eixo diacrônico, isto é, ao longo das alterações da configuração dos grupos de pesquisa vinculados aos PPGs, a fixação da utilização dos laboratórios, assim como a sua estrutura física básica poderá ser remodelada, por meio do reposicionamento das paredes móveis acústicas que delimitarão os diversos laboratórios de pesquisa.
A construção desse espaço terá, em primeiro lugar, um efeito dinamizador para os Programas da área de humanidades, disponibilizando uma infra-estrutura adequada para a o desenvolvimento simultâneo de eventos e atividades de pesquisa, dando suporte na busca constante de excelência acadêmica na UFSCar. 
O projeto inicial consistia no auditório anexo a um prédio de três andares (cerca de 500m2 cada), o primeiro ocupado pelo arquivo e os dois outros pelos laboratórios. O novo projeto acrescenta agora um quarto andar de laboratórios. Para além da disponibilização de uma infra-estrutura que incorpora técnicas mais atualizadas de registro e comunicação (fomentando a crescente inserção internacional dos grupos de pesquisa do CECH), a retomada e a ampliação (um andar suplementar de laboratórios para os grupos de pesquisa) do sub-projeto NAP/CECH veio a se impor, em detrimento da proposição de um novo projeto, por encarnar um alvo duplo, absolutamente central para o nosso centro: i) imprimir à pesquisa em ciências humanas uma maior permeabilidade e capilaridade entre as diferentes linhas/áreas (reforçando uma vocação histórica desse centro) pela constituição de um espaço integrado de pesquisa, ao invés de fomentar a instalação de espaços independentes e fechados de pesquisa; ii) permitir um gerenciamento compartilhado dos espaços de pesquisa, racionalizando e otimizando o aproveitamento das instalações. O novo projeto não implica apenas uma alteração quantitativa na persecução desses alvos, mas lhes confere uma nova característica: a execução desse novo projeto teria como efeito imprimir uma nova direção tanto à política de pesquisa do CECH quanto à do planejamento de sua infra-estrutura, orientando a elaboração dos novos espaços (ampliação e realocação dos espaços de pesquisa - inevitável, dado o forte crescimento da UFSCar pelo REUNI, que terá como efeito a incorporação de dezenas de doutores aos quadros do CECH) no sentido da gestão compartilhada, da capilarização entre os grupos de pesquisa e afastando-a da concepção da "mancha departamental" e do isolamento dos grupos.  

Justificativa e Relevância:

Retomamos, a seguir, a fundamentação (que permanece) do projeto antigo, para, em seguida, nos determos naquilo que justifica a ampliação do escopo do projeto. A pós-graduação no CECH vem-se ampliando continuamente, quantitativa e qualitativamente, com uma multiplicação de grupos e linhas de pesquisa e o fortalecimento dos já existentes, com significativa inserção nacional e internacional de seus pesquisadores. Os PPGs diretamente vinculados a este subprojeto mantêm acordos de intercâmbio e/ou parcerias com inúmeras instituições nacionais e internacionais, financiados por organismos nacionais e internacionais. 
A criação do NAP-CECH permitiria, em primeiro lugar, consolidar e aprofundar a crescente atividade interinstitucional dos PPGs do CECH. De fato, os laboratórios multimídia propiciariam a infra-estrutura adequada a esses diversos programas de cooperação, acrescentando à sua concretização tradicional por meio da visita de pesquisadores professores e estudantes - decerto importante, mas necessariamente restrita (por razões orçamentárias e de regime institucional) -, outras modalidades de realização, como a videoconferência , o compartilhamento do registro de eventos e cursos, e espaços de trabalho com equipamentos adequados. Além disso, a disponibilidade de um auditório equipado para a tradução simultânea facilitaria e ampliaria o desenvolvimento de atividades de intercâmbio entre pesquisadores possibilitando a organização de eventos nacionais e internacionais organizados no âmbito do CECH. 
Um segundo aspecto deste subprojeto (atinente tanto ao auditório e laboratórios multimídias quanto ao arquivo do NAP-CECH) que merece ser observado diz respeito ao registro dos diversos tipos de eventos, ampliando o seu impacto direto para além do momento de sua efetiva realização. Os PPGs do CECH já possuem há muito tempo registros deste tipo, e a criação do NAP-CECH permitiria (i) ampliar essa prática em condições tecnológicas mais adequadas; (ii) sistematizar e organizar a produção desses registros (filmagem e degravação); (iii) ampliar a sua acessibilidade (o arquivo e os laboratórios a ele anexos teriam como função a preservação e manipulação também dessas outras formas de documentação). De fato, hoje, as condições de acesso ao material desse tipo já disponível no CECH são restritas, não apenas pela dispersão de seu armazenamento pelas diversas PPGs (ou mesmo pelos diferentes programas de pesquisa), como também pela ausência de uma divulgação para além desses quadros, não havendo um registro geral desse material. 
¦Um terceiro aspecto deve ser ressaltado, relativo à organização do espaço destinado aos diferentes laboratórios de pesquisa das PPGs envolvidas. O gerenciamento comum do espaço de pesquisa, associado às características físicas desse espaço (paredes acústicas removíveis) permitirá o seu aproveitamento maximal: (i) utilizando um mesmo local para diversas funções e diferentes grupos em horários complementares (eliminando a ociosidade que resulta de sua fixação numa função ou num grupo); (ii) readaptando oportunamente a geometria da distribuição dos subespaços conforme a dinâmica da estruturação da pós-graduação no CECH.
¦Um quarto aspecto diz respeito à possibilidade de concentração dos trabalhos de pesquisa dos quatro PPGs num espaço comum. Esse espaço ensejaria (i) um elemento de racionalização da organização física do trabalho de pesquisa ao conjugar o local de armazenamento e processamento de documentos tradicionais e de documentos em novas mídias ao espaço dos laboratórios de pesquisa dos PPGs; (ii) mais importante, esse espaço fomentaria, sob diversos aspectos, a interação entre os diversos grupos de pesquisa e, mesmo, entre os diversos PPGs: (a) por constituir um espaço de trabalho de gerenciamento compartilhado pelos diferentes PPGs, é inevitável um aumento da visibilidade, para cada grupo de pesquisa, da existência e do andamento dos outros grupos de pesquisa (a dispersão física acentua os efeitos de isolamento que a estrutura departamental já propicia); (b) a contiguidade dos laboratórios dos diferentes grupos de pesquisa facilita formas de cooperação e atividades conjuntas; (c) a centralização e organização conjunta dos registros de pesquisa no arquivo favorece a acessibilidade dos resultados produzidos por um determinado grupo de pesquisa aos demais. Deve-se destacar que a pós-graduação no CECH sempre se destacou pela cooperação entre os diversos PPGs, como o ilustra, p.ex., a parceria antiga entre docentes vinculados ao PPGPsi e ao PPGEEs, e docentes vinculados ao PPGFil, que resultou numa linha de pesquisa que é hoje referência nacional, em Filosofia da Psicologia. Também cabe destacar os vínculos entre o PPGPsi e o PPGEEs (do qual o primeiro é um desdobramento) e entre o PPGS e os demais PPGs que se originaram do PPGCSo (PPGAS e PPGCP); (iii) finalmente, tal concentração também teria reflexos positivos na aproximação entre os diversos níveis da pesquisa em termos metodológicos, com a compra de programas de tratamento de dados (de custo proibitivo para PPGs isolados), da oferta de cursos de treinamento em novas metodologias e novos instrumentais para a pesquisa, que juntariam docentes e discentes dos diversos programas. 
¦Um quinto aspecto deve ser destacado, estreitamente vinculado ao último. Este conjunto de laboratórios, destinado a responder ao crescimento quantitativo e qualitativo da pós-graduação no CECH e a fortalecer os PPGs já consolidados, também fomentaria a consolidação dos outros sete PPGs de ciência humanas, dada a teia de inter-relações que se dá naturalmente entre os diversos grupos de pesquisa, e à qual a UFSCar sempre foi particularmente atenta.
¦Por fim, cumpre explicitar as razões que levaram à retomada e ampliação do projeto parcialmente contemplado no ano passado. Em 2008, o já previsto crescimento das atividades de pesquisa nas pós-graduações do CECH se acelerou fortemente. Podemos citar, p. ex., o acordo com o "Erasmus Mundus" (PPGFil), a criação do "Instituto de Estudos sobre Comportamento, Cognição e Ensino" (PPGPsi), a constituição de um grupo de estudos reunindo pesquisadores e pós-graduandos dos PPGPsi, PPGFil e PPGAS em torno do tema do conceito de comportamento, o convênio entre o PPGS e a Universidade John Hopkins- EUA; exemplos que ilustram o crescimento, em 2008, no plano internacional, no plano interinstitucional e no plano da colaboração entre os diversos PPGs do CECH, consolidados e não consolidados. Essa aceleração do crescimento da pesquisa no CECH deve ser alavancada pela inserção de dezenas de novos pesquisadores-doutores (devido às contratações voltadas ao REUNI) nos diversos PPGs (mesmo sendo jovens pesquisadores, têm um grande impacto nos PPGs; exemplo disso é a criação, em 2009, de duas novas linhas de pesquisa no PPGFil, decorrente da contratação recente de jovens pesquisadores).
¦Tal aceleração do crescimento da pesquisa no CECH justifica do ponto de vista quantitativo a retomada e ampliação do NAP-CECH. Mas, sobretudo, do ponto de vista qualitativo, essa retomada e ampliação tem um duplo alvo: imprimir à pesquisa e ao planejamento de sua infra-estrutura no CECH uma política geral de intercomunicação entre os grupos e de gestão compartilhada e racional. O primeiro alvo impõe-se pela vocação histórica desse centro à colaboração entre diferentes áreas e pela riqueza intrínseca dessa intercomunicação; e o segundo, pela conjunção entre o forte crescimento da UFSCar, já mencionado, e o espaço fortemente limitado de crescimento disponível para o CECH; nesse cenário, são imprescindíveis tanto um processo de verticalização das edificações quanto de maximização de sua utilização. Neste último sentido, a consecução do projeto apenas com as verbas já concedidas ou a proposição de um novo projeto independente (nos dois casos, com pequena verticalização) estreitaria o gargalo de espaço no CECH ao passo que sua complementação racionaliza, em termos espaciais, sua resolução.  

Impactos Previstos:

O principal impacto previsto consiste no fortalecimento das crescentes atividades de pesquisa interinstitucionais dos quatro PPGs (Filosofia, Psicologia, Educação Especial e Sociologia), tanto no plano nacional quanto no internacional. O conjunto de laboratórios vinculados ao auditório do NAP-CECH permitiria não apenas: (i) pelas razões já aventadas (cf. item "justificativa e relevância" - primeiro aspecto), complementar e reforçar os intercâmbios e/ou parcerias com instituições brasileiras e estrangeiras presentemente em curso (como, por exemplo, no caso do PPGFil, o acordo "Erasmus Mundus"), mas também (ii) alavancar novos acordos já desencadeados, e (iii) poderia nuclear propostas de outros acordos, por facilitar a comunicação entre os grupos de pesquisa do CECH e grupos de outras instituições. Outros exemplos a destacar são as nucleações solidárias com programas das regiões norte e nordeste do país, o que já ocorre, no PPGS, com a Univ. Federal do Ceará, Univ. Regional do Vale do Cariri-CE, Univ. Federal do Amazonas e Univ. Federal do Acre, e, no PPGPsi, com a Univ. Federal do Pará; além do acordo PROCAD do PPGFil com os PPGs em filosofia da PUC-Paraná e Univ. Federal do Espírito Santo.
¦Um segundo impacto previsto diz respeito ao aumento do espectro de alcance, já no plano interno, dos resultados das pesquisas produzida pelos PPGs, através das novas formas de registro das atividades de pesquisa, que (i) maximizaria o aproveitamento dos resultados pelos pesquisadores presentes nessas atividades, ao dar uma forma estável a esses produtos, que enseja um trabalho mais detido de pesquisa com base nesses produtos, e (ii) ao propiciar um contato quase direto com essas atividades por parte de novos pesquisadores que não as presenciaram, fortaleceria a sua formação, tanto por aumentar o seu leque de material de pesquisa quanto por inseri-los melhor no contexto do grupo de pesquisa de que venham a participar (por poderem compartilhar do conjunto dos resultados daquelas atividades que vierem a se constituir em pontos de referência para as pesquisas do grupo) - cf. item "justificativa e relevância", segundo aspecto. Este último aspecto mencionado, cumpre ressaltá-lo, permitiria integrar mais fortemente o trabalho de pesquisa e o trabalho de formação no âmbito dos PPGs participantes do NAP-CECH.
¦Um terceiro impacto previsto diz respeito ao fortalecimento da integração entre os grupos de pesquisa dos programas de Filosofia, Psicologia, Educação Especial e Sociologia. De fato, a vocação desses programas para tal integração tem raízes históricas (não só pelo fato de todos eles se originarem, em última instância de um único departamento, como também pelo fato da constituição desses programas ter sido, via de regra, resultado de um trabalho de pesquisa que englobava docentes das outras áreas). No entanto, por razões óbvias, essa integração teve de dar lugar, no período de consolidação dos PPGs, a uma maior concentração desses programas em si mesmos. Findo esse processo de consolidação, a existência de um centro de pesquisa integrado fomentaria, pelas razões já aventadas, a integração entre os grupos de pesquisa dos diferentes PPGs. Tal fortalecimento da integração (nunca inteiramente perdida) contribuiria para o incremento da pesquisa de cada um dos PPGs envolvidos. Deve-se mencionar, por vir a corroborar o diagnóstico acima (explicitado já no projeto anterior) a constituição, no final do ano passado, de um grupo de pesquisa, a ser formalizado no presente ano, envolvendo pesquisadores e alunos de pós do PPGPsi, do PPFil e do PPGAS, sobre o conceito de comportamento, central na psicologia, na antropologia, na filosofia política e na filosofia da linguagem; cumpre mencionar as dificuldades que esse grupo enfrentou, pela falta de instalações adequadas, assim como notar que ele aponta (pela participação do PPGAS) na direção do quarto impacto - item (ii) -, abaixo descrito. 
¦Um quarto impacto previsto, estreitamente ligado ao precedente, consiste (i) na nucleação de novos grupos de pesquisa (ou reativação de antigos, como o LEP - Laboratório de Epistemologia da Psicologia -, que esteve na origem do PPGEEs, do PPGPsi e do PPGFil, ou o SECS - Seminário de Epistemologia das Ciências Sociais -, para citar dois exemplos vinculados ao PPGFil) integrados por docentes de diferentes PPGs, não necessariamente apenas dos de Filosofia, Sociologia, Educação Especial e Psicologia, diretamente vinculados ao projeto, mas também daqueles em fase de consolidação e (ii) ipso facto, na contribuição para a consolidação dos demais PPGs, através do enriquecimento e fortalecimento de seus grupos.
¦Um quinto impacto previsto, também já brevemente evocado, diz respeito à integração entre os diferentes níveis de pesquisa e ensino. O NAP-CECH permitiria não apenas uma integração maior dos novos pesquisadores (em nível de mestrado e doutorado) aos grupos de pesquisa em que irão se inserir, mas também aproximaria os alunos de graduação da pesquisa realizada pelos PPGs mais vinculados ao seu curso, e isso de duas formas: (i) a tradução simultânea de conferências proferidas por professores estrangeiros ampliaria o espectro dos alunos de graduação beneficiados diretamente por esses eventos, ou o grau em que podem sê-lo (não se espera que alunos de graduação sejam fluentes em inglês, francês, etc); (ii) os novos modos de registro das atividades de pesquisa possibilitaria incluir alunos de graduação no processo de degravação/edição dos registros, fazendo esses alunos entrarem diretamente em contato com as pesquisas realizadas nas áreas atinentes aos seus cursos, e, por seu intermédio, a disseminação desse conhecimento junto aos seus colegas de curso.Além disso, possibilitaria a esses alunos o domínio de novas tecnologias de pesquisa propiciadas pelo Núcleo. A existência de espaço adequado permitiria uma ampliação da incorporação desses alunos aos diversos projetos, com impacto esperado de aumento das bolsas de Iniciação Científica.
¦Um sexto impacto previsto diz respeito à divulgação/compartilhamento dos produtos de pesquisa realizados nos quadros do CECH, tanto para a comunidade interna (através da centralização dos registros), quanto para a comunidade externa, seja disponibilizando para os parceiros nacionais/internacionais cópias desses registros, seja também, na forma de publicações, para a comunidade acadêmica mais ampla.
¦A retomada e ampliação do projeto NAP/CECH potencializaria esses impactos, não apenas pelo aspecto quantitativo de sua complementação e ampliação, mas sobretudo por imprimir no CECH uma política que vai na direção desses resultados almejados. É por isso que a consecução do NAP/CECH apenas com as verbas já concedidas teria um triplo impacto negativo que não se resume a uma diminuição de intensidade (decorrente da restrição quantitativa do projeto): (i) caminharia na direção contrária à desse almejado movimento de integração (nos mais diferentes níveis) da pesquisa em ciências humanas na UFSCar, levando a soluções de infra-estrutura de adequação do espaço pulverizadas pelos diferentes PPGs, uma vez que só teria capacidade para albergar poucos grupos de pesquisa, e, consequentemente, (ii) reforçaria o insulamento dos grupos de pesquisa, não só com relação aos outros PPGs, mas também com relação a grupos de um mesmo programa; finalmente, (iii) restringiria a expansão da pesquisa no CECH, não apenas por não oferecer as instalações a cada dia mais necessárias, mas também porque ocuparia com uma edificação de menor proporção um espaço que poderia ser melhor aproveitado, racionalizando sua expansão com a verticalização. De fato, a maioria das edificações do CECH (já antigas) são térreas, e ocupam já boa parte da área disponível; o crescimento físico do centro (inevitável, pelo crescimento decorrente do REUNI, que também acelera o dos PPGs) deverá, daqui em diante, ser efetuado pela substituição dessas edificações térreas por outras mais verticalizadas.  

Qualificação das Pós-Graduações vinculadas ao subprojeto:

Programa de Pós-graduação em Filosofia (PPGFil)

1. Caracterização do Programa

O curso de Mestrado em Filosofia teve início em 1988, desembocando na criação, em 2001, do curso de Doutorado em Filosofia. Desde a sua origem, o programa se caracterizou por sua abrangência nacional, recebendo candidatos de diversas regiões do país, abrangência vinculada ao fato de se constituir de imediato como um centro de referência dos estudos em sua área de concentração, definida hoje como "Estrutura e gênese do conceito de subjetividade", com impacto importante em todas as áreas da Psicologia e correlatas. Mais recentemente, em 2007, veio acrescentar-se o curso de graduação em Filosofia na UFSCar, que virá reforçar a formação em Pós-Graduação com alunos já integrados (através das múltiplas interfaces entre os diferentes níveis de pesquisa) às atividades do programa. O programa conta com 16 docentes permanentes, e 3 colaboradores.
A área de concentração abrangia, até 2008, duas linhas: i) A circunscrição conceitual da subjetividade na psicologia, na psicanálise e nas ciências cognitivas; ii) A gênese do conceito de subjetividade nas filosofias moderna e contemporânea; a elas vêm agora somar-se duas novas linhas : iii) Linguagem, sujeito e representação; iv) ética e filosofia política. 

2.Indicadores.

Os docentes do programa participam de 15 grupos de pesquisa, sendo dois projetos temáticos financiados pela Fapesp e um pelo CNPq.
Em 2008, o programa contou com 12 defesas de dissertações e 12 defesas de doutorado.
Dissertações de mestrado em andamento: 25
Tese de doutorado em andamento em: 48
Bolsas de mestrado: 12 - Fapesp (3), Capes (7), CNPq (2)
Bolsas de doutorado: 21 - Fapesp (13), Capes (7), CNPq (1)
Publicação docente em 2007: 11 artigos, 14 capítulos de livro, 6 livros.

Programa de Pós Graduação em Sociologia (PPGS)


1. Caracterização do Programa

O Programa de Pós Graduação em Sociologia da UFSCar é um desdobramento do Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais, que foi aprovado pela CAPES em 1987 tendo sua primeira turma de mestrado iniciado suas atividades em 1988. Em 1999, foi aprovada a criação do Doutorado em Ciências Sociais, e partir de então, o Programa cresceu em termos quantitativos e qualitativos. Exigências do mercado de trabalho com titulações específicas e especificidade de formação, implicou, em 2006, numa discussão, no âmbito do PPGCSo, da separação das três áreas e constituição de Programas disciplinares, seguindo tendência nacional. Com isso, a Sociologia decidiu propor um Programa próprio, uma vez que se trata de área consolidada e com professores-pesquisadores com reconhecida experiência docente, de pesquisa e de orientação, tendo demanda justificada pelas necessidades de profissionalização, segundo campos do saber e também pelo aprofundamento desse conhecimento científico disciplinar.
O PPGS foi aprovado pela CAPES em 2007, tendo a sua primeira turma de mestrado e doutorado iniciado no primeiro semestre de 2008. Prioriza a análise das relações sociais que caracterizam a vida em sociedade, os conflitos e as interações que dela fazem parte. A partir do olhar sociológico, focaliza as rupturas e as continuidades entre modernidade e contemporaneidade, entre ação e estrutura social, entre igualdade e diferença,entre o rural e urbano, o desenvolvimento sustentável e suas possibilidades, recorrendo às metodologias apropriadas.
Possui 16 docentes, 12 permanentes e 03 colaboradores. Desenvolve três linhas de pesquisa: "Cultura, Diferenças e Desigualdades"; "Estrutura Social, Poder e Mobilidades" e "Urbanização, ruralidades, desenvolvimento e sustentabilidade ambiental".

2.Indicadores.

Em 2008, primeiro ano de funcionamento autônomo do Programa, foram publicados 05 artigos em periódicos classificados como internacional, dois artigos em periódicos classificados como Nacional A, 01 livro, 20 capítulos de livros e 35 trabalhos publicados em Anais. Além de uma extensa produção técnica extensa baseada em organização de eventos, apresentação de trabalhos em congressos, assessorias etc.

Neste mesmo ano, foram defendidas 02 dissertações e 04 teses. O número total de alunos é de 39 no mestrado e no 25 no doutorado, considerando as transferências do PPGCSo e os selecionados para a primeira turma. São 17 bolsas de mestrado (07 CAPES; 10 FAPESP) e 11 bolsas de doutorado (04 CAPES; 03 CNPq e 04 FAPESP). O PPGS possui 11 grupos de pesquisa certificados pelo CNPq.


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

1. Caracterização do Programa:

O PPGEES iniciou suas atividades em 1978, tendo seu doutorado aprovado em 1999. O Programa organiza-se em uma área de concentração: "Educação do Indivíduo Especial" e em 5 linhas de pesquisa:"Aprendizagem e Cognição de Indivíduos com Necessidades Especiais de Ensino"; "Atenção Primária e Secundária em Educação Especial: Prevenção de Deficiências"; "Currículo Funcional: Implementação e Avaliação de Programas Alternativos de Ensino Especial"; "Práticas Educativas: Processos e Problemas" e "Produção Científica e Formação de Recursos Humanos em Educação Especial". Mais recentemente, em 2009, veio acrescentar-se o curso de graduação em Educação Especial na UFSCar, que virá reforçar a formação em Pós-Graduação com alunos já integrados (através das múltiplas interfaces entre os diferentes níveis de pesquisa) às atividades do programa. Possui 24 docentes, 22 permanentes e 02 colaboradores.

2. Indicadores:

Em 2007 os docentes publicaram 26 artigos, 30 capítulos de livros, 2 livros, além de extensa produção técnica de relatórios de pesquisa, apresentação de trabalhos, assessorias, consultorias, etc.

Foram defendidas em 2008, 22 dissertações e 9 teses. Em dezembro de 2008 o total de alunos matriculados era de 58 no mestrado e 43 no doutorado. São 32 bolsas de mestrado (9 CNPq; 9 FAPESP; 14 CAPES) e 26 bolsas de doutorado (6 CNPq; 10 FAPESP; 10 CAPES).

Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGPsi)

1. Caracterização do programa

O Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGPsi), com cursos de mestrado e doutorado, foi implementado no Centro de Educação e Ciências Humanas da UFSCar, no ano passado, sustentado principalmente pelo Depto. de Psicologia, com 12 docentes (10 permanentes e 2 colaboradores), e contando, eventualmente, com a participação de docentes de outros departamentos, que podem contribuir para essa área de conhecimento. As pesquisa conduzidas pelos docentes orientadores do PPGPsi se agrupam em torno de duas linhas de pesquisa: i) análise comportamental da cognição; ii) comportamento social e processos cognitivos. Quatro dos docentes são pesquisadores CNPq nível 1, e 2 de nível 2. Todos os docentes apresentam alta taxa de publicação, extensa experiência em orientação de mestrado e doutorado, e mantêm vínculos com grupos de pesquisa de diversas universidades no exterior.

2. Indicadores:

Em 2008 os docentes publicaram 26 artigos em periódicos nacionais e internacionais, 03 capítulos de livros, e 01 reedição de livro, além de extensa produção técnica de relatórios de pesquisa, apresentação de trabalhos, assessorias, consultorias, etc.

Como o programa iniciou em 2007, ainda não há defesas de dissertações ou teses. Em dezembro de 2008 o total de alunos matriculados era de 09 no mestrado e 10 no doutorado. São 9 bolsas de mestrado (5 FAPESP; 4 CAPES) e 09 bolsas de doutorado (4 FAPESP; 5 CAPES).  


Descrição das Obras e dos Principais Equipamentos:

Descrição das obras e dos principais equipamentos

O edifício proposto, cuja forma final será resultante do investimento dos recursos ora solicitados agregados aos concedidos no PROINFRA 01/2007, estará localizado na área sul da UFSCar/Campus São Carlos, em área contígua ao Departamento de Artes e Comunicação, Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos.

A área total do edifício é de aproximadamente 2000 m2, em quatro pavimentos. No primeiro pavimento, temos o auditório multi-mídia (equipamento de tradução simultânea, vídeo-conferência e filmagem) com capacidade para cerca de 150 pessoas, destinado primariamente aos eventos ligados aos convênios interinstitucionais, nacionais e internacionais, mantidos pelos 4 programas de pós-graduação do subprojeto. Nesse mesmo pavimento, temos o espaço de arquivo (incluindo não apenas o espaço de armazenamento físico de documentos tradicionais e em novas mídias, mas também um espaço para consulta, uma secretaria para gerenciamento do arquivo e divulgação e uma sala para processamento de material), que deverá receber o acervo da UEIM e abrigar os novos arquivos, como o Bento Prado Jr, de documentação da filosofia no Brasil. À medida que o acervo aumentar, esse espaço será otimizado com a introdução de estantes deslizantes (não incluídas no subprojeto). Nos três pisos seguintes, estão concentrados os laboratórios de pesquisa multi-uso, a serem compartilhados pelos diferentes grupos de pesquisa dos PPGs envolvidos, como anteriormente descrito. 
Dos equipamentos pedidos neste subprojeto, o auditório deverá receber metade dos aparelhos de ar condicionado, o equipamento de filmagem fixo e um servidor de suporte para webconferência; o arquivo receberá, de início, apenas a outra metade dos aparelhos de ar condicionado; aos laboratórios multi-uso serão destinados, de início, apenas os equipamentos de vídeo-conferência; esse pedido deverá ser complementado, num primeiro momento, com equipamentos já disponíveis no CECH (computadores, data-shows e equipamento de filmagem transportável), e, posteriormente, com novos equipamentos (por ex., um scanner para digitalização de documentos e as estantes deslizantes para otimização da ocupação do espaço de arquivo). 

Considerando que o edifício já se encontra em construção com recursos do PROINFRA 01/2007, no presente projeto se propõe

Pavimento Térreo - Fechamento, Acabamento e Instalações

1º. Pavimento - Fechamento, Acabamento e Instalações

2º. Pavimento - Estrutura, Fechamento, Acabamento e Instalações

3º. Pavimento - Estrutura, Cobertura, Fechamento, Acabamento e Instalações


Tanto o projeto como as obras estão dentro dos padrões construtivos da UFSCar, a qual segue as normas impostas pelo estado.  





Compartilhe com seus amigos:


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal