Sete Ideias Filosóficas: Que Toda a Gente Deveria Conhecer



Baixar 0.78 Mb.
Pdf preview
Página4/56
Encontro14.07.2022
Tamanho0.78 Mb.
#24256
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   56
Sete Ideias Filosóficas que Toda a Gente Deveria Conhecer - Desidério Murcho
1518-Texto do artigo-4511-1-10-20171107
Conhecimento e ilusão
O que está em causa tem a vantagem de ilustrar uma
preocupação filosófica importante. O leitor sabe, ou crê que
sabe, várias coisas. Sabe, por exemplo, ou crê que sabe,
que a Terra é maior do que a Lua. Mas terá talvez
dificuldade em explicar por que razão realmente sabe, em
vez de apenas crer que sabe sem saber. Isto porque, nesse
caso, o leitor depende do que lhe disseram outras pessoas,
oralmente ou por escrito. De modo que temos de perguntar
se essas pessoas sabem realmente o que crêem saber.
Esta pergunta é menos exótica do que parece. Em muitas
circunstâncias o leitor se pergunta se realmente sabe o que
parece que sabe, e toma medidas para eliminar, ou pelo
menos diminuir, a possibilidade de erro. Por exemplo,
lembra-se de ter fechado a porta da sua casa à chave; mas,
como não se lembra muito bem, volta atrás e vai ver se
realmente a fechou. Fazemos coisas destas todos os dias.
Também nas ciências fazemos este género de pergunta:
será que realmente a Terra está parada, como parece?
A diferença é que em filosofia fazemos uma pergunta
mais geral. Perguntamos, por exemplo, se acaso as nossas
memórias serão todas falsas, tendo nós começado a existir
há cinco minutos. Afinal, se algumas memórias são falsas,
por que razão não serão todas elas falsas? E enquanto na
física perguntamos se uma certa informação que julgamos
obter pelos sentidos é ilusória — como a imobilidade
aparente da Terra — em filosofia perguntamos se acaso toda
a informação que julgamos obter pelos sentidos será
ilusória.


Pôr a pergunta em causa
Se o leitor está a pensar que este género de pergunta
filosófica muito geral é algo disparatada, não está sozinho.
Há quem pense que não vale a pena fazer perguntas, a
menos que estejamos já a ver como poderemos responder-
lhes. Ora, quando fazemos perguntas muito gerais, não se
vê como poderíamos responder-lhes. Por isso, conclui o
raciocínio, é algo disparatado fazer essas perguntas.
Este raciocínio antifilosófico, todavia, é curioso. Baseia-se
— ironicamente — na ideia bastante geral de que não vale a
pena fazer perguntas a menos que estejamos já a ver como
podemos responder-lhes. Ora, se este princípio geral fosse
seguido sempre, nunca teria surgido a própria ciência. São
as perguntas a que ainda não sabemos responder que nos
fazem desenvolver a ciência; não é a ciência, depois de
constituída, que detém o monopólio das perguntas
legítimas.
Além disso, o próprio princípio nega a atitude científica,
aproximando-se ironicamente do mesmo género de
obscurantismo de que foram vítimas cientistas como
Galileu. A atitude científica é seguir a nossa curiosidade até
onde nos levar e tentar saber, e voltar a tentar, e voltar a
tentar. A esta atitude opõe-se o caricatural mestre-escola,
que só permite que os seus alunos façam perguntas a que
ele sabe previamente responder, sabendo ele responder
apenas às perguntas cuja resposta esteja no manual escolar
que ele seria incapaz de escrever. Esta atitude é um
formidável obstáculo à descoberta precisamente porque
parece defender a atitude científica, quando na realidade é
incompatível com ela.
Outra maneira de neutralizar as perguntas filosóficas é
apoucar a importância das respostas e cantar cantos líricos
às maravilhas da interrogação interminável e da pergunta


permanente. A sugestão é que as respostas não têm
qualquer interesse: o que verdadeiramente conta é a
pergunta.
Esta não é uma posição particularmente lúcida. Apesar
de podermos estar moderadamente convictos de que não
seremos bem-sucedidos ao tentar algo, temos de ter pelo
menos alguma esperança, por fraca que seja, de que
seremos bem-sucedidos — caso contrário, seria uma tolice
não desistir. Assim, quem tiver a convicção céptica de que
as respostas filosóficas são inalcançáveis, tem de aceitar
também a possibilidade, ainda que remota, de que não são
inalcançáveis, para que a sua procura faça sentido.
Ninguém no seu perfeito juízo desata a saltar para tentar
chegar à Lua se não tiver a mais leve esperança de que é
possível chegar à Lua aos saltos, só porque saltar para
chegar à Lua, parecendo que não, tem a sua graça.
Além disso, que é possível dar resposta às perguntas
filosóficas é algo que está provado historicamente, pois
abundam as respostas dadas por filósofos, ao longo da
história da humanidade. E se cremos que nenhuma dessas
respostas tem valor, ou que são meramente subjectivas, só
porque não sabemos quais delas são verdadeiras, se é que
algumas o são, teremos de mostrar tal coisa, ao invés de
nos limitarmos a pressupô-lo. E a ironia é que ao tentar
mostrá-lo já estaremos a filosofar.



Baixar 0.78 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   56




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal