Se o número de casos incidentes de uma doença foi de em anos de estudo, e trata-se de



Baixar 401.05 Kb.
Pdf preview
Encontro17.06.2022
Tamanho401.05 Kb.
#23877
lista de exercício com gabarito incidência e prevalência 2020


1) Se o número de casos incidentes de uma doença foi de 8 em 8 anos de estudo, e trata-se de 
uma coorte fechada de 3000 pessoas e todos os casos ocorreram quando o estudo fez 
aniversário de quatro anos, ao final de oito anos (não houve óbitos no período do estudo), 
qual a taxa de incidência da doença ao ano? Supondo que a doença é crônica e não tem cura, 
qual a prevalência ao final do estudo? 
2) Se o Bairro 'Maria da Paz' e o bairro 'Maria da Fé' tem respectivamente, 34 e 200 casos 
novos de uma doença e, respectivamente, a população exposta no início de cada ano era de 
50000 e 294118 pessoas, qual o local onde há maior risco de se adoecer? Sabe-se que não 
houve imigração ou emigração no período. 
3) Em 01/07/1980 havia 2000 casos de tuberculose em tratamento no município de Boa Sorte. 
Se, na data, a população era de 1.176.935 habitantes, calcule a medida apropriada e cite qual a 
medida calculada. 
4) Suponha que você inicie a observação de um grupo de 1000 pessoas com 65 anos ou mais 
por três anos. No início do período de observação, 100 delas apresentavam câncer de pulmão, 
sendo que 40 evoluíram para o óbito durante o período de observação. Adicionalmente, 15 
pessoas desenvolveram câncer de pulmão durante o período de seguimento, sendo que 10 
delas faleceram. Das 885 restantes, que não apresentaram câncer de pulmão ao longo dos três 
anos de seguimento, 150 morreram por outras causas. Responda:
a) Calcule e interprete o risco (incidência acumulada) de câncer de pulmão nos três anos de 
seguimento. 
b) Houve perda de 150 indivíduos ao longo do seguimento por óbito por outras causas. Caso 
houvesse informação sobre quando esses óbitos ocorreram. Que outra medida de incidência 
de doença poderia ser calculada e como?
c) Calcule o risco de mortalidade por câncer de pulmão no período de observação.
d) Calcule a letalidade do câncer de pulmão nessa população.
5) Em 1º de janeiro de 2002, havia 100 casos de hanseníase em uma cidade no interior do 
estado de Mato Grosso, sendo a estimativa populacional da cidade igual a 100.000 habitantes. 
Dentre estes pacientes ocorreram 20 óbitos durante o ano 2002 e dez pacientes receberam 
alta durante o ano. Em 31 de dezembro de 2002, havia 170 casos de hanseníase nessa mesma 
cidade. Sabe-se que essa cidade apresentava uma população estável, com emigração e 
imigração irrisórias. 


Considerando os dados acima, calcule:
a) A taxa de incidência de hanseníase na cidade em 2002.
b) A prevalência da doença em 31 de dezembro de 2002.
c) Qual o significado medidas de frequências calculadas nos itens A e B. 
Gabarito: 
1)Taxa de incidência: 
Cálculo de pessoas tempo de exposição: (3000 X 4 + 2992 X 4) 
Numerador ao longo de oito anos: 8 casos 
Taxa de incidência = 8/(12000+11968) = 8/23968 = 0,33 caso por 1000 pessoas-anos de 
exposição 
Prevalência:
8/3000 = 0,27% 
2) Taxa de incidência acumulada em 'Maria da Paz': 34/50000=0,00068 caso ao ano; 6,8 casos 
ao ano por 10.000 pessoas. 
Taxa de incidência acumulada em 'Maria da Fé': 200/294118=0,00068 caso ao ano; 6,8 casos 
ao ano por 10.000 pessoas. 
As taxas de incidência foram iguais. 
 
3) Trata-se da medida de prevalência pontual, pois estamos calculando para o ano de 1980 
(veja que a população é do meio do ano - estimativa do número de pessoas-anos para 1980, 
então) estamos com casos novos e antigos e não sabemos se todos os casos são de 1980. A 
medida é a seguinte: 2000/1.176.935 = 0,000169 caso prevalente por habitante-ano, ou seja, 
em Boa Sorte houve 1,69 caso prevalente por 1000 habitantes-ano, medido para 01/07/1980. 
4) a) 1000 – 100= 900 (pessoas livres de câncer de pulmão no inicio do período de observação) 
15/900= 0,017 ou 1,7%. O risco de desenvolver câncer de pulmão no período de três anos é de 
1,7%.
b) Taxa de incidência. Número de óbitos/somatório do tempo de observação de cada indivíduo 
c) Risco de óbito por câncer de pulmão = (40+10)/1000= 0,05 ou 5% d) Letalidade= (40 + 
10)/(100+15)= 43,5% 
5) a) 100 casos iniciais – (20 óbitos – 10 curas)= 70 170 casos ao final do período, logo 100 
casos novos foram identificados Taxa de incidência = 100/100.000 -> 1 por 1000 hab.ano 


b) 170/100.000 – 1.7 por 1000 hab 
c) A taxa de incidência indica a força de morbidade na população, i.e., a força que faz pessoas 
sem a doença serem deslocadas para o compartimento das pessoas doentes (mede a 
ocorrência de casos novos). Idealmente o denominador deveria conter apenas pessoas livres 
de doença. Ao nível populacional, entretanto, e considerando-se a população estável, pode se 
usar a estimativa populacional para o meio do ano. Já a prevalência indica o número de casos 
existentes (mistura de casos novos e antigos) em uma população no período de tempo 
estudado. Assumindo-se, mais uma vez, que se trata de população estável, pode se usar a 
estimativa populacional como denominador. 

Baixar 401.05 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal