Se liga na língua: literatura, produção de texto, linguagem


A oração “Queremos o poder!” tem dois sentidos na charge. Explique-os



Baixar 11.7 Mb.
Página428/665
Encontro29.07.2021
Tamanho11.7 Mb.
1   ...   424   425   426   427   428   429   430   431   ...   665
4 A oração “Queremos o poder!” tem dois sentidos na charge. Explique-os.

Poder pode se referir tanto ao governo, ao qual a luta democrática visava recuperar, como à própria capacidade ou direito de agir, de decidir.

5 Que efeito é obtido pelo recurso de iniciar e finalizar a charge com o mesmo balão de fala?

A repetição reforça a ideia de continuidade, persistência, necessária à luta.

Um dos recursos expressivos dessa charge é o emprego de orações que, em conjunto, remetem aos paradigmas (modelos) de conjugação verbal que associam pronomes pessoais a formas verbais correspondentes. Retomando esse padrão, Henfil destacou a necessidade de uma consciência coletiva para que o Brasil pudesse superar a ditadura e iniciar a abertura política.

A observação das formas flexionadas do verbo poder chama a atenção para a estrutura das palavras dessa classe gramatical. Elas são compostas de um radical, uma vogal temática e desinências verbais, responsáveis por indicar quatro tipos de flexão, conforme descrito a seguir.

Flexão de pessoa: refere-se às três pessoas do discurso: a que fala (1ª), a com quem se fala (2ª) e a de quem se fala (3ª).

Flexão de número: indica o número de participantes do processo verbal, podendo ser singular ou plural.

Flexão de modo: define a maneira como o enunciador encara o processo verbal – se é dado como real e certo (indicativo), como possível ou hipotético (subjuntivo) ou como uma exigência imposta ao agente (imperativo).

Flexão de tempo: situa o processo verbal em relação ao momento da enunciação, indicando se ocorreu antes dela, ao mesmo tempo que ela ou depois dela.

processo anterior à enunciação


pretérito perfeito
pretérito imperfeito
pretérito mais-que-perfeito

processo simultâneo à enunciação → presente

processo posterior à enunciação
futuro do presente
futuro do pretérito

Com esse mecanismo, os verbos formam um sistema muito econômico, porque, a partir da base de significado contida no radical, a que se acrescentam morfemas específicos, eles podem transmitir informações relativas ao participante do processo verbal, ao tempo da ação e à atitude do falante diante do conteúdo enunciado.

Observe como isso acontece comparando alguns grupos de verbos:

A última parte deste capítulo é dedicada à apresentação detalhada dos modos e tempos verbais. Portanto, esta explicação introdutória será breve, pois sua função é apenas esclarecer aspectos morfológicos dos verbos.

Tu podes
Tu podias
Tu poderás
Tu pudesses


Eu podia
Tu podias
Ele podia
Nós podíamos
Vós podíeis
Eles podiam


Nós podemos
Nós podíamos
Nós poderemos
Nós pudéssemos


Eu pudesse
Tu pudesses
Ele pudesse
Nós pudéssemos
Vós pudésseis
Eles pudessem

Alguns morfemas se repetem sempre que o verbo está conjugado em certa pessoa do discurso. São chamados desinências verbais número-pessoais.

Alguns morfemas se repetem, com mínimas variações, em todas as pessoas de um determinado tempo. São chamados desinências verbais modo-temporais.
Página 294

Você deve ter observado que, na maior parte dos exemplos, a vogal e apareceu antes das desinências verbais. É a mesma que aparece antes do -r que marca o infinitivo do verbo (poder). Trata-se da vogal temática, que forma, junto com o radical, o tema(pode). Em língua portuguesa, as vogais temáticas marcam a conjugação dos verbos, isto é, o modelo que eles seguem ao se conjugar. Veja:





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   424   425   426   427   428   429   430   431   ...   665


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal