Scielo books / Scielo livros / Scielo libros



Baixar 323.21 Kb.
Pdf preview
Página4/10
Encontro03.08.2022
Tamanho323.21 Kb.
#24458
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10
História do contato entre línguas no Brasil - lucchesi
de nação (o escravo africano) do escravo crioulo (nascido no Brasil). Com o fim do tráfico negreiro
e o progressivo desaparecimento dos africanos, criaram-se as condições para o processo de
evolução semântica, através do qual o termo crioulo passou a designar genericamente no Brasil os
indivíduos de cor negra.
Português Afro-Brasileiro.pmd
24/8/2009, 15:36
58


59
1.2.1 A proporção de africanos na formação da sociedade brasileira
As estimativas do número de escravos africanos trazidos para o Brasil durante
cerca de três séculos de tráfico negreiro variam enormemente. Na ausência de
fontes diretas, só é possível chegar a alguma cifra através de processos quantitativos
indiretos.
37
Pandiá Calógeras (1927 [1957]) partiu de dados de recenseamentos da
escravidão no início do século XIX, para chegar a uma média anual de cinquenta e
cinco mil escravos importados. Desse modo, apresentou o número impressionante
de treze milhões e quinhentos mil escravos importados, que a maioria dos estudiosos
considera exagerado. Roberto Simonsen (1937), baseando-se na produtividade e
na vida média do escravo, chegou a um número bem menor: três milhões e trezentos
mil. Já Maurício Goulart (1949 [1975]), que adotou um método direto, com base
nas poucas informações remanescentes sobre o tráfico, chegou a um número
semelhante, que oscilaria entre três milhões e quinhentos mil e três milhões e
seiscentos mil. Essa é a cifra que normalmente é tomada por base nos estudos
sobre a escravidão no Brasil.
38
Assim, os números aqui apresentados já indicam um forte impacto dessa
população africana na constituição da sociedade brasileira; com suas inevitáveis
consequências no plano linguístico. Porém, mais importante do que determinar
as dimensões desse impacto em termos absolutos é determinar o peso relativo do
segmento de origem africana na composição étnica da sociedade brasileira.
O recenseamento feito pelo padre Anchieta em 1583, quando a importação
de escravos africanos ainda estava em seu início, revela a composição étnica da
sociedade colonial brasileira apresentada no Quadro 1.
No cômputo geral, os brancos portugueses perfazem cerca de 40% da
população integrada na sociedade colonial, no final do século XVI; sendo os
restantes 60% distribuídos entre negros e índios.
39
Os índios são mais repre-
sentativos nas regiões laterais da Colônia, na época: São Vicente, Rio de Janeiro e
Espírito Santo. Nos centros econômicos mais dinâmicos e progressistas —
Pernambuco e Bahia —, a presença de portugueses, bem como de seus escravos
africanos, é mais forte. Os colonizadores brancos constituíam a metade da população
37
A ausência de fontes diretas se deve sobretudo à Circular nº 29 do Ministério da Fazenda, de 13
de maio de 1891, que determinou a queima de todos os arquivos e documentos históricos
relativos à escravidão.
38
Cf. Mattoso (2003, p.53): "Entre a segunda metade do século XVI e 1850, data que assinala a
abolição definitiva do tráfico brasileiro, o número de cativos importados é avaliado entre 3.500.000
e 3.600.000. Essas cifras baseiam-se em dados incompletos, mas têm unanimidade entre os que
atualmente se voltam para o problema. O Brasil teria, pois, importado 38% dos escravos trazidos
da África para o Novo Mundo".
39
Obviamente, não se leva em conta aqui os índios não aldeados.
Português Afro-Brasileiro.pmd
24/8/2009, 15:36
59


60
na Bahia, sede do Governo-Geral; e 40%, em Pernambuco. Já os escravos africanos
somavam quase 20% da população baiana, e constituíam a metade da população
em Pernambuco (o número de escravos nascidos no Brasil, os crioulos, seria então
irrelevante). Essa proporção iria aumentar muito ainda no século XVI (ou já seria
mesmo bem maior), pois há os que estimam uma importação de escravos até 1600,
na ordem de cem mil pessoas; situação que iria se acentuar no século XVII, com a
vinda de seiscentos mil escravos africanos para o Brasil (TAUNAY, 1941, p.256
apud SILVA NETO, 1951 [1963, p.80]).
BRANCOS
NEGROS
ÍNDIOS
TOTAL
Bahia
12.000
4.000
8.000
24.000
Pernambuco
8.000
10.000
2.000
20.000
São Vicente
1.500
-
1.000
2.500
Rio de Janeiro
750
100
3.000
3.850
Espírito Santo
750
-
4.500
5.250
Porto Seguro
750
-
-
750
Ilhéus
750
-
-
750
Itamaracá
250
-
-
250
Total
24.750
14.100
18.500
57.350

Baixar 323.21 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10




©historiapt.info 2023
enviar mensagem

    Página principal