Scielo books / Scielo livros / Scielo libros



Baixar 323.21 Kb.
Pdf preview
Página1/10
Encontro03.08.2022
Tamanho323.21 Kb.
#24458
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10
História do contato entre línguas no Brasil - lucchesi


SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros 
LUCCHESI, D. História do contato entre línguas no Brasil. In: LUCCHESI, D., BAXTER, A., and 
RIBEIRO, I., orgs. O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009, pp. 41-73. ISBN 978-85-
232-0875-2. Available from SciELO Books <
http://books.scielo.org
>. 
All the contents of this chapter, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons 
Attribution-Non Commercial-ShareAlike 3.0 Unported. 
Todo o conteúdo deste capítulo, exceto quando houver ressalva, é publicado sob a licença Creative 
Commons Atribuição - Uso Não Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não adaptada.
Todo el contenido de este capítulo, excepto donde se indique lo contrario, está bajo licencia de 
la licencia Creative Commons Reconocimento-NoComercial-CompartirIgual 3.0 Unported.
História do contato entre línguas no Brasil 
Dante Lucchesi 


1ª Parte
O contexto sócio-histórico e os
fundamentos teóricos e metodológicos
Português Afro-Brasileiro.pmd
24/8/2009, 15:36
39


Português Afro-Brasileiro.pmd
24/8/2009, 15:36
40


41
1 História do contato entre línguas no Brasil
Dante Lucchesi
A compreensão da realidade sociolinguística brasileira atual, bem como de
sua formação histórica, constitui um amplo campo de pesquisa ainda a ser
devidamente explorado pelos sociolinguistas. As significativas diferenças
estruturais entre as variedades da língua portuguesa no Brasil e em Portugal, que
levaram os linguistas de orientação gerativista a afirmar a existência de gramáticas
distintas de cada lado do Atlântico, têm sido objeto de investigações coletivas
sistemáticas como as levadas a cabo no âmbito do Projeto Análise Contrastiva de
Variedades do Português — VARPORT (BRANDÃO; MOTA, 2003). Em aspectos
importantes da morfossintaxe, como o paradigma da flexão verbal, a cliticização, o
parâmetro do sujeito nulo e o movimento na formação das orações interrogativas,
o português europeu conserva as características assentes entre as línguas românicas,
enquanto o português brasileiro exibe mudanças que afetam esses parâmetros em
função de valores não marcados e que são típicas dos processos de crioulização
(ROBERTS, 1997). Por outro lado, sabe-se que, na virada do século XVIII para o
século XIX, o português europeu passou por um profundo processo de mudanças
fonológicas, com uma violenta redução das suas vogais átonas, que também teve
fortes implicações no plano da morfossintaxe, como a fixação da ênclise como
colocação pronominal praticamente categórica.
A partir daí, descortina-se o campo sócio-histórico, no qual emergem, para
além do plano da análise formal da estrutura linguística, indagações acerca das
condições sociais que desencadearam tais mudanças no Brasil e em Portugal.
Pagotto (1998, p.53) faz referência à ascensão da burguesia como o contexto
histórico que propiciou a difusão do novo padrão fonológico em Portugal. No
Brasil, o contato dos colonizadores portugueses com milhões de aloglotas, falantes
de mais de mil línguas indígenas autóctones e de cerca de duzentas línguas que
vieram na boca de cerca de quatro milhões de africanos trazidos para o país como
escravos, é, sem sombra de dúvida, o principal parâmetro histórico para a
contextualização das mudanças linguísticas que afetaram o português brasileiro.
E processos como esses não devem ser levados em conta apenas para a compreensão
das diferenças entre as variedades linguísticas nacionais. O próprio mapeamento
Português Afro-Brasileiro.pmd
24/8/2009, 15:36
41


42
das variedades linguísticas contemporâneas do português europeu e, sobretudo,
do português brasileiro, tanto no plano diatópico quanto no plano diastrático,
depende crucialmente de uma apurada compreensão do processo histórico de sua
formação.
Quando se pensa a realidade linguística do Brasil em seu conjunto, não se
pode deixar de ter em linha de conta, com a proeminência que lhe deve ser conferida,
o grande abismo que separa uma minoria, que desfruta de bens e serviços do
universo da cidadania, da grande maioria, que pouco ou nenhum acesso tem aos
bens de consumo, aos serviços sociais e aos direitos sociais básicos — uma situação
que coloca o Brasil no rol das nações que elevaram ao paroxismo o exercício da
desigualdade e da exploração social. E se levarmos em conta que esse fosso tem
sido contínua e persistentemente escavado desde quando se inicia a colonização
do Brasil em 1532, temos motivos suficientes para pensar a realidade linguística
brasileira como um sistema polarizado, constituído por dois grandes subsistemas
— uma norma dita culta e uma norma popular —, cada um deles com sua lógica
própria, com suas respectivas tendências de mudança linguística e seu sistema

Baixar 323.21 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal