Ronaldo vainfas



Baixar 0.68 Mb.
Página435/644
Encontro08.10.2019
Tamanho0.68 Mb.
1   ...   431   432   433   434   435   436   437   438   ...   644
As guerras angolanas

Em 1617, nas costumeiras disputas pela sucessão no reino de Ndongo, tornou-se rei ngola Mbandi, que havia assassinado o principal candidato ao trono, o filho de sua irmã Nzinga, que em uma demonstração de oposição ao irmão se refugiou na Matamba, a nordeste de Ndongo, criando um quilombo.

Ainda em 1617, o governador português de Luanda declarou guerra ao reino de Ndongo. O motivo das hostilidades foi a transferência de um presídio para Ambaca, muito próximo à capital de Ndongo, fato considerado uma afronta ao rei ngola.

As guerras se multiplicaram, sempre sem um vencedor definido. Em 1622, o governador português propôs a paz. Mbandi, então, convenceu sua irmã, Nzinga, a servir como embaixadora em Luanda.

Segundo relatos da época, ela foi recebida com pompa em Luanda. Mas, quando viu que só havia uma cadeira no local, ocupada pelo governador português, enquanto para ela havia uma almofada, sentou-se nas costas de uma escrava para não ficar em um plano inferior.

Nas conversações, falando em português, ao invés de se submeter, Nzinga portou-se como a representante de um reino soberano, que deveria ser tratado com igualdade pelos portugueses. Negociou o reconhecimento da independência de Ndongo em troca da autorização para a livre passagem dos negociantes portugueses por suas terras. Não conseguiu, entretanto, que o Forte de Ambaca fosse retirado.

Durante sua estada em Luanda, Nzinga foi batizada, recebendo o nome de Ana de Sousa, forma como assinava sua correspondência com os portugueses.

Em 1624, o rei Mbandi morreu envenenado, supostamente por Nzinga, que ficou como tutora do sobrinho, futuro ngola. Com o apoio de uma facção da realeza, ela tomou o poder, tornando-se rainha.

Boxe complementar:

A História no seu lugar

Na África central, quilombos eram acampamentos militares de guerreiros jagas ou imbangalas, que mudavam constantemente de lugar por um vasto território, vivendo dos ataques que faziam a outros povos. Com base nessa informação, responda:

a) No Brasil, o que a denominação quilombo passou a significar?


b) Por que, atualmente, é importante para algumas comunidades que suas terras sejam consideradas "terras de quilombo" ou "quilombolas"? Para ajudar nessa questão, pesquise sobre o Programa Brasil Quilombola e o Artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) da Constituição Brasileira de 1988.

Fim do complemento.




Catálogo: editoras -> liepem18 -> OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Oficina de história: volume 1
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Gilberto Cotrim Bacharel e licenciado em História pela Universidade de São Paulo Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie Professor de História e advogado Mirna Fernandes
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Geografia Espaço e identidade Levon Boligian, Andressa Alves 3 Componente curricular Geografia
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Manual do professor
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Manual do Professor História Global
HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA -> Ronaldo vainfas
HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA -> Ronaldo vainfas
HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA -> Ronaldo vainfas


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   431   432   433   434   435   436   437   438   ...   644


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal