Ronaldo vainfas



Baixar 0.68 Mb.
Página370/644
Encontro08.10.2019
Tamanho0.68 Mb.
1   ...   366   367   368   369   370   371   372   373   ...   644
Sistemas de escravização

Para recolher os escravos, os negociantes portugueses utilizavam dois sistemas. O primeiro era o da feitoria, no qual os escravos comprados na África eram reunidos aos poucos, até completar a carga dos navios. Era dispendioso, pois implicava conseguir autorização do rei africano local para a instalação da feitoria, além de gastos com a manutenção de administradores para dirigi-la e protegê-la. O segundo sistema funcionava por meio de barcos que navegavam ao longo da costa até completar a carga de escravos, levados aos navios em canoas, sem os gastos com a instalação de fortalezas.

O comércio no interior da África e o deslocamento aos locais de embarque, no litoral, ficavam totalmente por conta dos africanos, sempre empenhados em manter essas rotas sob controle.

O tráfico atlântico de escravos foi intenso até o século XIX. Estima-se que entre 12 e 12,5 milhões de africanos entraram na América, dos quais 40%, aproximadamente, foram para o Brasil, outros 40% para as ilhas do Caribe e menos de 5% para a América do Norte. Os demais foram para outras partes da América.

A preferência foi sempre pela compra de homens já adultos - mais de 60% de todos os escravos vendidos na América. A escassez de mulheres dificultava o crescimento vegetativo da população escrava e, por conseguinte, exigia a manutenção do tráfico para a reprodução da escravidão.

Atenção professor: Sobre a África na Época Moderna, ver capítulo 18. Fim da observação.

240

Em resumo, quanto mais os senhores coloniais precisavam de escravos, mais comerciantes se empenhavam em adquiri-los e mais guerras se travavam na África para atender à demanda. Nesse processo, lucravam os traficantes da Europa, os governantes da África e os intermediários de todos os continentes.



Boxe complementar:

Fique de olho!

· CRETÉ, Liliane. As raízes puritanas. História Viva. Ano II, nº 66. São Paulo: Duetto, 2005.

Reflexão sobre a importância do puritanismo e do presbiterianismo dos colonos da América do Norte inglesa na gestação dos futuros Estados Unidos.

Fim do complemento.


Catálogo: editoras -> liepem18 -> OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Oficina de história: volume 1
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Gilberto Cotrim Bacharel e licenciado em História pela Universidade de São Paulo Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie Professor de História e advogado Mirna Fernandes
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Geografia Espaço e identidade Levon Boligian, Andressa Alves 3 Componente curricular Geografia
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Manual do professor
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Manual do Professor História Global
HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA -> Ronaldo vainfas
HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA -> Ronaldo vainfas
HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA -> Ronaldo vainfas


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   366   367   368   369   370   371   372   373   ...   644


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal