Ronaldo vainfas


- O colapso do Império Romano do Ocidente



Baixar 0.68 Mb.
Página118/644
Encontro08.10.2019
Tamanho0.68 Mb.
1   ...   114   115   116   117   118   119   120   121   ...   644
1 - O colapso do Império Romano do Ocidente

Bárbaros. Assim os romanos chamavam os que viviam além das fronteiras do Império e não compartilhavam seu idioma, o latim, nem seus costumes e instituições. Entre esses povos chamados de bárbaros estavam os germânicos, habitantes da planície entre os rios Reno e Vístula, na Europa.

Em geral, os povos germânicos estavam organizados em comunidades formadas por clãs, cada um composto de famílias que partilhavam ancestrais comuns. Uma vez por ano, reuniam-se em assembleias, em um local considerado sagrado, para eleger o chefe, julgar os conflitos e decidir sobre as ações militares.

Eram guerreiros, mas também camponeses. Viviam, sobretudo, da agricultura e do pastoreio. Quando os solos se esgotavam, partiam em busca de novas terras. Por isso, os terrenos férteis dos domínios romanos atraíram os germanos.

Com o fim da política de expansão romana (pax romana) e a necessidade de abastecer as tropas nas fronteiras do Império (limes), Roma se aproximou dos povos germânicos. Em um primeiro momento, os germanos trocavam com os soldados madeira, trigo e peles por produtos feitos pelos romanos, como vinho, metais preciosos e tecidos.

A dificuldade em obter mão de obra escrava para o trabalho agrícola, devido ao término das guerras de conquista, levou Roma a arrendar aos germanos pequenos lotes. A medida provocou uma infiltração dos "bárbaros" na região entre os rios Reno e Danúbio, onde os germanos passaram a cultivar os campos em troca de um dízimo pago ao governo imperial. Porém, de tempos em tempos, as fronteiras romanas voltavam a ser alvos de outros povos, como os alamanos, francos, saxões e godos.

Os romanos conseguiram conter a investida dos germanos, mas tiveram de reorganizar o seu sistema defensivo para deter futuros ataques. Roma reduziu o número de soldados nas legiões de 6 mil para apenas mil combatentes e incorporou cavaleiros de origem germânica.

A adoção das novas medidas restabeleceu o equilíbrio entre as forças romanas e os povos invasores, mas abriu o caminho para a entrada pacífica de populações germânicas em muitas regiões do Império.

LEGENDA: Detalhe de cena de batalha entre germanos e romanos, no painel do sarcófago Ludovisi. Os soldados de Roma - representados de pé, portando elmo e escudo - esmagam os "bárbaros" - com barbas longas e vestes rudimentares. Baixo relevo do século III. Museu Nacional Romano, Roma, Itália.

FONTE: OTHER IMAGES

76


Catálogo: editoras -> liepem18 -> OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Oficina de história: volume 1
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Gilberto Cotrim Bacharel e licenciado em História pela Universidade de São Paulo Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie Professor de História e advogado Mirna Fernandes
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Geografia Espaço e identidade Levon Boligian, Andressa Alves 3 Componente curricular Geografia
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Manual do professor
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Manual do Professor História Global
HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA -> Ronaldo vainfas
HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA -> Ronaldo vainfas
HISTORIA%20VAINFAS%201%20AO%203º%20ANO%20-%20EDITORA%20SARAIVA -> Ronaldo vainfas


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   114   115   116   117   118   119   120   121   ...   644


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal