Revista da sociedade portuguesa de medicina interna


P27 AVC EM DOENTE JOVEM: A PROPÓSITO DE UM CASO



Baixar 2.41 Mb.
Pdf preview
Página86/155
Encontro20.06.2021
Tamanho2.41 Mb.
1   ...   82   83   84   85   86   87   88   89   ...   155
P27

AVC EM DOENTE JOVEM: A PROPÓSITO DE UM CASO 

CLÍNICO

Ana Rita Alves Lopes, Andrei Gradinaru, Cristiana Batouxas, 

Jorge Poço

Serviço de Medicina Interna, UH Bragança, ULSNE

 

Introdução: O AVC no adulto jovem é uma entidade pouco fre-



quente (5-10% do total de AVC) e portanto, constitui frequen-

temente  um  desafio  clínico.  A  grande  diferença  do  AVC  em 

doente jovem em relação ao idoso assenta, essencialmente, na 

etiologia mais vasta (ter em conta os distúrbios da coagulação, 

doenças autoimunes, bem como o uso de drogas) e no prog-

nóstico, geralmente, mais favorável (baixas taxas de mortalida-

de e recorrência). Implicando uma investigação mais exaustiva, 

sendo possível identificar a etiologia em 55-93% dos doentes.

Caso Clínico: Homem de 32 anos, autónomo, sem hábitos tó-

xicos ou fatores de risco cardiovascular. Recorre ao Serviço 

de Urgência por apresentar cefaleia intensa que o despertou, 

de predomínio occipital com um dia de evolução, associada a 

vários episódios de vómito e com foto e audiofobia. No exame 

neurológico: Consciente, discurso fluente e coerente, pupilas 

isocóricas e normorreativas, com nistagmo horizontal direito, 

sem alterações campimétricas, sem assimetrias faciais, hemi-

paresia esquerda grau 4+, hemipostesia esquerda, sem dis-

metria na prova dedo nariz e calcanhar-joelho, incapaz de se 

sentar por desequilíbrio e portanto, marcha não testada. Rea-

lizou tomografia computorizada cerebral que revelou lesão hi-

podensa no hemisfério cerebeloso direito, estendendo-se à re-

gião peduncular cerebelosa superior, consistente com enfarte 

isquémico em fase subaguda. RMN cerebral confirmou enfarte 

cerebeloso. Eletrocardiograma em ritmo sinusal; carótidas sem 

estenoses com significado hemodinâmico, sem alterações do 

perfil lípidico, estudo protrombótico revelou défice de antitrom-

bina III e Anticorpo anticardiolipina IgM ligeiramente aumenta-

do, sem outras alterações. Doente recuperou totalmente os 

défices, tendo tido alta hipocoagulado com enoxaparina e con-

sulta de reavaliação para repetir estudo protrombótico. 

Discussão e Conclusões: A morbimortalidade causada pelo 

AVC neste grupo etário tem um forte impacto social e econó-

mico. Estados protrombóticos estão mais vezes associados a 

eventos trombóticos em território venoso do que arterial, sen-

do o défice de antitrombina III responsável por apenas 4,5% 

dos casos. Este tipo de patologias assume um papel primordial 

em doentes sem fatores de risco cardiovasculares e, portanto, 

pretende-se chamar atenção para a importância de progredir 

no estudo etiológico neste tipo de doente. Conseguindo, em 

muitos casos, ter implicações diagnósticas secundárias, pre-

ventivas e terapêuticas específicas.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   82   83   84   85   86   87   88   89   ...   155


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal