Reportagem serra leoa acendem-se as luzes dossier



Baixar 2.04 Mb.
Pdf preview
Página40/86
Encontro30.06.2021
Tamanho2.04 Mb.
1   ...   36   37   38   39   40   41   42   43   ...   86
R

eportagem

BARRAGEM 

DEBAIXO DE OLHO

E

m 7 de Janeiro último, o BEI decidiu

conceder um empréstimo de 136 mi-

lhões de dólares (92 milhões de euros)

à sociedade ugandesa Bujagali Energy

Limited (BEL), encarregada da construção e

exploração de uma barragem e de uma central

hidroeléctrica com uma capacidade de 250

MW em Bujagali, no curso superior do Nilo, a

jusante do lago Vitória. Os outros co-investido-

res serão a Sociedade Financeira Internacional

(filial do Banco Mundial que concede emprés-

timos ao sector privado), o Banco Africano de

Desenvolvimento e um grupo de instituições

financeiras europeias, por um montante global

de 462 milhões de euros. Esta decisão pôs

termo às hesitações em torno de um projecto

criticado por uma coligação de organizações da

sociedade civil, tanto internacionais como

ugandesas, em virtude do seu impacto sobre o

ambiente e algumas povoações ribeirinhas. 

Segundo os promotores do projecto, a hidroe-

lectricidade produzida no Nilo será a fonte de

electricidade menos cara num país como o

Uganda, que não tem acesso ao mar e é um dos

mais pobres de África. Na realidade, Bujagali

vai dar um contributo importante a duas outras

barragens: a de Nalubaale, construída no final

dos anos 50 pelos Britânicos, e a de Kiira,

construída nos anos 90 pelas autoridades de

Campala. Actualmente, estas duas barragens,

sublinha o BEI, são insuficientes para respon-

der à procura crescente de electricidade e,

reconhece o Banco, as avarias de corrente em

períodos de caudal de água insuficiente provo-

cam graves perturbações na actividade econó-

mica do país. A construção de uma terceira bar-

ragem a jusante permitirá aumentar a produção

de electricidade. Melhor ainda: Bujagali reuti-

lizará a água que já serviu para produzir elec-

tricidade nas barragens a montante.

>

A saúde do lago Vitória 



ameaçada?

Mas o Fórum ugandês para o desenvolvimen-

to das barragens, que agrupa dez ONG, está

preocupado com a viabilidade ambiental do

projecto. Apoiando-se num relatório da ONG

americana International River Networks

(IRN), o Fórum considera que as barragens

serão parcialmente responsáveis pela baixa do

nível de água do lago Vitória. Preocupam-se

igualmente por não ter sido feito nenhum estu-

do de avaliação do impacto das alterações

climáticas sobre a saúde hidrológica do lago.

Estas preocupações levaram a vários estudos

destinados a determinar as incidências ambi-

entais e sociais do projecto. Incidências que,

estima o BEI, são relativamente limitadas.

Assim, os consultores canadianos Burnside,

incumbidos de um estudo de impacto comple-

to pelo Banco Mundial, consideram que

Bujagali não vai mudar “significativamente” a

hidrologia do lago e do rio. Único aspecto a ter

em conta: as flutuações do nível de água a

jusante, para o qual recomendam a criação de

um plano de gestão. Em todo o caso, promete

o BEI, o projecto é e será constantemente

objecto de acompanhamento e de medidas de

atenuação segundo as rigorosas normas inter-

nacionais, que impõem, nomeadamente, con-

sultas aos habitantes, às colectividades locais e

às associações envolvidas. 





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   36   37   38   39   40   41   42   43   ...   86


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal