Questão reserva 21


Questão 2 Considerando a variedade padrão escrita da língua portuguesa, marque a(s) proposição(ões) CORRETA(S)



Baixar 1.04 Mb.
Página3/17
Encontro17.03.2020
Tamanho1.04 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17
Questão 2
Considerando a variedade padrão escrita da língua portuguesa, marque a(s) proposição(ões) CORRETA(S) relativamente aos textos 1 e 2.


01.

O advérbio “acerca” (texto 1, linha 3) também pode ser usado para indicar tempo decorrido, como em “Ele saiu acerca de duas horas”.

02.

A forma verbal “haveria” (texto 1, linha 8) está no futuro do pretérito, mas não se refere efetivamente a um evento posterior a um tempo de referência passado, e sim a algo sobre o qual não se tem certeza.

04.

No trecho “E eram de madeira, e das ilhargas de tábuas, e cobertas de palha, de razoável altura; e todas de um só espaço, sem repartição alguma” (texto 1, linhas 9-11), ocorre um polissíndeto, que é o emprego repetido de uma conjunção coordenativa.

08.

No trecho “e outras sementes que na terra dá” (texto 1, linhas 15-16), segundo as regras gramaticais atuais, há um problema de concordância verbal. Esse problema poderia ser resolvido alternando-se a redação para: a) e outras sementes que a terra dá; ou b) e outras sementes que na terra dão.

16.

No trecho “um grande número de pessoas se reuniu e, com parelhas de bois, arrastaram e mudaram de lugar nada menos que a casa inteira de um morador” (texto 2, linhas 11-13), todos os verbos poderiam ser conjugados na terceira pessoa do singular ou na terceira pessoa do plural, sem que isso implicasse desobediência às regras de concordância verbal.

32.

Os períodos “As construções não ultrapassam três andares. São todas de madeira e ganharam uma suave pátina produzida pelo tempo” (texto 2, linhas 1-3) poderiam ser reunidos em apenas um com a seguinte redação: “As construções, que são todas de madeira não ultrapassam três andares, os quais ganharam uma suave pátina produzida pelo tempo”.


01

02



03

04

05



06

07

08



09

10

11



12

13

14



15

16

17



18

19

20





TEXTO 3
Fora Leonardo algibebe em Lisboa, sua pátria; aborrecera-se porém do negócio, e viera ao Brasil. Aqui chegando, não se sabe por proteção de quem, alcançou o emprego de que o vemos empossado, e que exercia [...] desde tempos remotos. Mas viera com ele no mesmo navio, não sei fazer o quê, uma certa Maria da hortaliça, quitandeira das praças de Lisboa, saloia rechonchuda e bonitona. [...] Ao sair do Tejo, estando a Maria encostada à borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distraído por junto dela, e com o ferrado sapatão assentou-lhe uma valente pisadela no pé direito. A Maria, como se já esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe também em ar de disfarce um tremendo beliscão nas costas da mão esquerda. Era isto uma declaração em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e beliscão, com a diferença de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantes tão extremosos e familiares, que pareciam sê-lo de muitos anos.

Quando saltaram em terra começou a Maria a sentir certos enojos: foram os dois morar juntos; e daí a um mês manifestaram-se claramente os efeitos da pisadela e do beliscão; sete meses depois teve a Maria um filho, formidável menino de quase três palmos de comprido, gordo e vermelho, cabeludo, esperneador e chorão; o qual, logo depois que nasceu, mamou duas horas seguidas sem largar o peito. E este nascimento é certamente de tudo o que temos dito o que mais nos interessa, porque o menino de quem falamos é o herói desta história.


ALMEIDA, M. A. Memórias de um Sargento de Milícias. 3. ed. São Paulo: FTD, 1996. p. 16-17.





Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal