Questão reserva 21


Questão 9 Com base no texto 7 e no livro Jorge, um brasileiro, de Oswaldo França Júnior, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S)



Baixar 1.04 Mb.
Página11/17
Encontro17.03.2020
Tamanho1.04 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   17
Questão 9

Com base no texto 7 e no livro Jorge, um brasileiro, de Oswaldo França Júnior, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).



01.

A “palavra do senhor Mário dada lá para os homens” (linhas 9 e 10) refere-se ao fato de o patrão de Jorge ter prometido que a carga de milho comprada na Bahia, a despeito das más condições das estradas, chegaria a seu destino trazida pelas carretas antes do dia em que a refinação seria inaugurada.

02.

A história – que começa e termina na sala da casa do patrão – mostra um personagem que passa por uma transformação interior no decorrer da narrativa: Jorge, que age impulsionado pelo sentido do compromisso e da palavra dada, é, no final, duramente confrontado com os reais valores do patrão assentados no interesse pelo lucro.

04.

O texto é contínuo, sem divisão em capítulos, e se caracteriza por um enredo que mescla mudança e permanência: enquanto os companheiros de Jorge vão sendo substituídos a cada viagem, os assuntos que provocam calorosas discussões não se alteram ao longo do livro: as injustiças sociais e o perigo de assaltos.

08.

No livro de Oswaldo França Júnior, o narrador conta, em terceira pessoa, as andanças de Jorge, num relato em que o protagonista costuma “perder o fio da meada” sem conseguir retomar o fluxo da narrativa, o que faz do romance um retrato de uma conversa fragmentada e inacabada.

16.

No texto 7, a passagem “os caminhões presos no barro” (linha 9) refere-se às carretas carregadas de milho que estavam paradas em Caratinga, lugar para onde Jorge – personagem caracterizado por seu espírito de companheirismo, responsabilidade e capacidade de vencer obstáculos – estava viajando com o encargo de buscá-las.


01

02



03

04

05



06

07

08



09

10



TEXTO 8
BONITÃO (Algo interessado): Ele tem um sítio, é?

ROSA: Tinha, agora tem só um pedaço. Dividiu o resto com os lavradores pobres.

BONITÃO: Por quê?

ROSA: Fazia parte da promessa.

BONITÃO: Que é que está esperando? Virar santo?

ROSA: Não brinque. Pelo caminho tinha uma porção de gente querendo que ele fizesse milagre. E não duvide. Ele é capaz de acabar fazendo. Se não fosse a hora, garanto que tinha uma romaria aqui, atrás dele.

BONITÃO: Depois de cumprir a promessa, ele vai voltar pra roça?

ROSA: Vai.


GOMES, Dias. O pagador de promessas. 44. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. p. 41-42.





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   17


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal