Protocolos de Suporte Avançado de Vida



Baixar 4.3 Mb.
Pdf preview
Página457/657
Encontro06.05.2021
Tamanho4.3 Mb.
1   ...   453   454   455   456   457   458   459   460   ...   657
Protocolo Samu 192

Protocolos de Emergências Pediátricas

SUPORTE AVANÇADO DE VIDA

Este protocolo foi pautado nas mais recentes evidências científicas disponíveis. 

Adaptações  são  permitidas  de  acordo  com  as  particularidades  dos  serviços.                 

 

Elaboração: Abril/2016



APed 

14

5/7

APed 14 - Reanimação neonatal (recém-nascido que necessita de reanimação)

APed 14 - Reanimação neonatal (recém-nascido que necessita de reanimação)

Observações:

• 

Considerar os 3 “S” (Protocolos PE1, PE2 e PE3)



• 

Atentar para o direito da criança de ter um acompanhante (responsável legal ou outro);

• 

Temperatura ambiente ideal para o nascimento: 23 a 26°C , inclusive na ambulância. Nesse caso, manter 



portas e janelas fechadas, sem corrente de ar e sem ventiladores ou ar condicionado ligados.

• 

Considerar as definições:



• 

RN a termo: idade gestacional entre 37 e 41 semanas;

• 

RN pré-termo (prematuro): idade gestacional < 37 semanas;



• 

RN pré-termo tardio: entre 34 e 36 semanas;

• 

RN pós-termo: idade gestacional ≥ 42 semanas.



• 

ATENÇÃO: em caso de suspeita de descolamento prematuro de placenta, placenta prévia, rotura ou 

prolapso ou nó verdadeiro de cordão, o clampeamento do cordão deve ser imediato.

• 

A temperatura axilar dever ser mantida entre 36,5 e 37,5°C (normotermia) durante os procedimentos de reanimação. 



• 

Lembrar: no RN, o procedimento mais importante para corrigir a bradicardia é a ventilação adequada.

• 

Técnica correta de VPP: o ajuste correto da máscara neonatal à face do RN (a máscara é aplicada 



no sentido do queixo para o nariz e deve cobrir a ponta do queixo, boca e nariz; os dedos indicador 

e polegar, formam a letra “C”, exercendo leve pressão, e os demais dedos formam a letra “E”), com 

manutenção da permeabilidade das vias aéreas (posição da cabeça em leve extensão, aspiração de 

secreções se necessário e manutenção da boca do RN aberta) e pressão adequada no balão; 

• 

O balão autoinflável fornece concentração de oxigênio de 21% (ar ambiente, quando não está conectado 



ao oxigênio e ao reservatório) ou de 90-100% (conectado à fonte de oxigênio a 5L/minuto e ao 

reservatório). Concentrações intermediárias de oxigênio só podem ser administradas se houver o misturador 

de oxigênio e ar comprimido (blender) pronto para uso; 

• 

Cuidado com a pressão (inspiratória) aplicada no balão durante a VPP: ela deve produzir visível 



movimento torácico leve e ausculta da entrada de ar, sem levar à superdistensão, sendo individualizada 

para que o RN alcance e mantenha FC >100bpm.

• 

ATENÇÃO: a verificação contínua da técnica de ventilação, com ênfase no ajuste adequado da máscara 



à face, na permeabilidade das vias aéreas e no uso de pressão adequada (não insuficiente nem excessiva) 

no balão é fundamental para o sucesso da reanimação. O indicador mais importante de que a VPP está 

sendo efetiva é o aumento da FC; depois, o estabelecimento da respiração espontânea. 

SINAL


0

1

2



Frequência cardíaca (bpm)

ausente


lenta (< 100)

maior que 100

Movimentos respiratórios

ausentes


lentos, irregulares

bons, choro

Tônus muscular

flácido


alguma flexão

movimentação ativa

Irritabilidade reflexa (cateter 

nasal)


sem resposta

careta


tosse reflexa, espirros, choro

Cor


azul ou pálido

corpo róseo, extremidades 

azuis

completamente róseo



Escore de Apgar

Avaliar no primeiro e no quinto minuto de vida. Se no quinto minuto for menor do que 7, avaliar a cada 5 

minutos, até o total de 20 minutos. 


1   ...   453   454   455   456   457   458   459   460   ...   657


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal