Protocolos de Suporte Avançado de Vida



Baixar 4.3 Mb.
Pdf preview
Página354/657
Encontro06.05.2021
Tamanho4.3 Mb.
1   ...   350   351   352   353   354   355   356   357   ...   657
Protocolo Samu 192

Protocolos Especiais

SUPORTE AVANÇADO DE VIDA

• 

Morte evidente ou morte óbvia são situações em que o corpo apresenta sinais que indiretamente 



asseguram a condição de morte encefálica, tais como: rigidez cadavérica (rigor mortis), livores de 

hipóstase (livor mortis), decapitação, esmagamento de crânio com perda de massa encefálica e ausência 

de pulso central, carbonização, segmentação do tronco, ou sinais evidentes de decomposição. 

• 

Rigor mortis ou rigidez cadavérica: geralmente inicia-se entre 1 e 6 horas após a morte, pelos músculos 



da mastigação e avança no sentido crânio-caudal.

• 

Livor mortis: é a estase sanguínea pela ação da gravidade, depende da posição do corpo e 



geralmente inicia-se em 1 hora e 30 minutos a 2 horas, atingindo seu máximo entre 8 e 12 horas.

• 

Resolução 2.110/2014 do Conselho Federal de Medicina: Art. 22. Não é responsabilidade 



da equipe do atendimento pré-hospitalar móvel de urgência e emergência, o encaminhamento ou 

acompanhamento do paciente a outros setores do hospital fora do serviço hospitalar de urgência e 

emergência, para a realização de exames complementares, pareceres, ou outros procedimentos; 

situação de óbito não assistido, deverá obrigatoriamente constatá-lo, mas não atestá-lo. Neste caso, 

deverá comunicar o fato ao médico regulador, que acionará as policias civil, militar ou o Serviço de 

Verifi cação de Óbito para que tomem as providências legais.

• 

Parágrafo único. Paciente com morte natural assistida pelo médico intervencionista deverá ter o 



atestado de óbito fornecido pelo mesmo, desde que tenha a causa mortis defi nida.

• 

As providências legais após o óbito e o fornecimento da Declaração de Óbito pelo médico 



intervencionista do SAMU podem variar de uma localidade a outra ou de uma situação a outra, 

dependendo da existência de médico assistente do paciente, IML, SVO e outros serviços médicos, 

advindo daí a necessidade das rotinas e normas serem estabelecidas por cada serviço.

• 

É recomendável que cada SAMU 192 estabeleça suas rotinas no que concerne ao fornecimento 



ou não do atestado de óbito, sempre atendendo as Resoluções do CFM nº 2.110/2014 e a 

1.779/2005, o Parecer Consulta nº 04/2003 do CFM, o manual “A Declaração de Óbito-2009” 

do Ministério da Saúde e do CFM e quaisquer outros instrumentos legais correlatos. 

• 

Após a identifi cação do óbito, a remoção do corpo do local onde se encontra para outro não deverá 



ser realizada pelo SAMU havendo, entretanto, exceções possíveis, na dependência de diversos 

fatores, mas que deverão ser previamente pactuadas entre o gestor do SAMU local ou regional com os 

gestores de outras instituições públicas, em especial as policiais. 

• 

Declaração de Óbito ou Atestado de Óbito é um documento padronizado pelo Ministério da Saúde 



para todo território nacional, a ser preenchido pelo médico segundo normas vigentes, com descrição 

da causa da morte e outros detalhes do falecido, sendo documento exigido para o sepultamento;

• 

Certidão de Óbito: também conhecido como “óbito defi nitivo” é documento fornecido pelo Cartório de 



Registro Civil do distrito onde ocorreu a morte, tendo diversas fi nalidades legais;

Observações:



2/3

PE26 - Constatação do óbito pelo médico do SAMU 192

Este protocolo foi pautado nas mais recentes evidências científi cas disponíveis. 

Adaptações  são  permitidas  de  acordo  com  as  particularidades  dos  serviços.                 

 

Elaboração: Agosto/2014 



Revisão: 

Abril/2015

PE26

PE26 - Constatação do óbito pelo médico do SAMU 192



SAMU_PE_Avancado.indd   30

30/04/2015   12:54:20



1   ...   350   351   352   353   354   355   356   357   ...   657


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal