Potencialidades Estudo de Viabilidade Econômica Vol. Açaí


PROJETO POTENCIALIDADES REGIONAIS



Baixar 306.32 Kb.
Pdf preview
Página2/4
Encontro12.01.2021
Tamanho306.32 Kb.
1   2   3   4
PROJETO POTENCIALIDADES REGIONAIS

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA

AÇAÍ

JULHO/2003




i

Ficha Técnica

Plantio Comercial de Açaí

 Tipo de negócio: plantio comercial de açaí

 Produto: frutos de açaí

 Área de plantio: 22 ha

 Produtividade: (kg de frutos/ha)

Ano 1: 2.250

Ano 2: 3.600

Ano 3: 5.400

Ano 4: 6.750

Ano: 5 e seguintes: 9.000

 Mercado Consumidor: Agroindústria Local

 Investimento (custo de implantação):

Amazonas: R$ 144.519,96

Rondônia: R$ 143.292,40

Acre: R$ 146.439,96

 Receita Total Média (todos os Estados): R$ 85.140,00

 Custo Total Médio:

Amazonas: R$ 44.021,01

Rondônia: R$ 44.842,35

Acre: R$ 45.421,01

 Lucro líquido Médio (Receita Total Média-Custo Total Médio):

Amazonas: R$ 41.118,99

Rondônia: R$ 40.297,65

Acre: R$  39.718,99




ii

 

Margem de Lucro Médio (Lucro Líquido Médio/Receita Total Média):



Amazonas: 48,30%

Rondônia: 47,33%

Acre: 46,65%

 

Rentabilidade (Lucro Líquido Médio/Investimento Total):



Amazonas: 28,45%

Rondônia: 28,12%

Acre: 27,12%

 

Ponto de Nivelamento (quantidade mínima que a empresa pode produzir para a receita



igualar-se à despesa):

Amazonas: 39,98%

Rondônia: 40,46%

Acre: 40,81%

 

Tempo de Retorno de Capital:



Amazonas: 5,75 anos

Rondônia: 5,82 anos

Acre: 5,97 anos

 

Taxa Interna de Retorno (custo de oportunidade do capital comparado a qualquer outra



aplicação financeira):

Amazonas: 18,86%

Rondônia: 18,59%

Acre: 18,03

 

Valor Presente Líquido (considerando um custo de oportunidade do mercado financei-



ro de 19% ao ano):

Amazonas: R$ 1.189,08

Rondônia: R$ 3.441,00

Acre: R$ 8.399,36

F

ICHA


 T

ÉCNICA



iii

 Tipo de negócio: agroindústria de polpa de açaí e de outras frutas tropicais

 Produto: polpas pasteurizadas e congeladas de açaí e de outras frutas tropicais

 Capacidade de produção: 413,3 t de polpa de açaí/ano

 Número de Funcionários: 12

 Produção anual: 167,4 t de polpa de outras frutas

 Área de plantio necessária para o abastecimento da indústria: 60 ha

 Mercado consumidor: local, regional e nacional com possibilidades de acesso ao mer-

cado internacional

Situação no Amazonas

 Custo Variável Médio: R$ 634.498,48

 Custo Fixo Médio: R$ 131.333,44

 Custo Total Médio: R$ 765.831,93

 Investimento Total:  R$ 426.323,72

 Receita Total Média: R$ 1.037.095,79

 Lucro Líquido Médio (Receita Total Média – Custo Total Médio): R$ 262.041,87

 Margem de Lucro Média (Lucro Líquido Médio/Receita Total Média):25,78%

 Rentabilidade Média (Lucro Líquido Médio/Investimento Total): 61,47%

 Ponto de Nivelamento (quantidade mínima que a empresa deve produzir para a

receita igualar-se à despesa): 33,34%

 Taxa Interna de Retorno (custo de oportunidade do capital comparado a qualquer

outra aplicação financeira): 60,87%

 Tempo de Retorno do Capital: 1,92 ano

 Valor Presente Líquido (considerando um custo de oportunidade do mercado finan-

ceiro de 19% ao ano): R$ 925.370,90

 Áreas Propícias para Investimentos: Itacoatiara, Manacapuru, Anamã, Anori, Codajás,

Coari, Rio Preto da Eva, Presidente Figueiredo.

Ficha Técnica

Agroindústria de Polpa do Açaí



iv

Situação em Rondônia

 Custo Variável Médio: R$ 627.554,31

 Custo Fixo Médio:  R$ 133.971,42

 Custo Total Médio: R$ 761.525,73

 Investimento Total: R$ 428.865,33

 Receita Total Média: R$ 1.037.095,79

 Lucro Líquido c (Receita Total Média - Custo Total Médio): R$ 266.209,18

 Margem de Lucro Média (Lucro Líquido Médio/Receita Total Média): 26,19%

 Rentabilidade (Lucro Líquido Médio/Investimento Total): 62,07%

 Ponto de Nivelamento (quantidade mínima que a empresa deve produzir para a

receita igualar-se à despesa): 33,44%

 Taxa Interna de Retorno (custo de oportunidade do capital comparado a qualquer

outra aplicação financeira): 61,80%

 Tempo de retorno do capital: 1,88 ano

 Valor Presente Líquido (considerando um custo de oportunidade do mercado finan-

ceiro de 19% ao ano): R$ 951.974,64

 Áreas Propícias para Investimentos: Porto Velho.

Situação no Acre

 Custo Variável Médio: R$ 629.438,53

 Custo Fixo Médio:  R$ 135.781,38

 Investimento Total: R$ 436.966,07

 Custo Total: R$ 765.219,91

 Receita Total Média: R$ 1.037.095,79

 Lucro líquido Médio (Receita Total – Custo Total): R$ 262.552,69

 Margem de Lucro Média (Lucro Líquido Médio/Receita Total Média): 25,83%

 Rentabilidade (Lucro Líquido Médio/Investimento Total): 60,09%

 Ponto de Nivelamento (quantidade mínima que a empresa deve produzir para a

receita igualar-se à despesa): 34,05%

 Taxa Interna de Retorno (custo de oportunidade do capital comparado a qualquer

outra aplicação financeira): 60,68%

 Tempo de retorno do capital: 1,92 anos

 Valor Presente Líquido (considerando um custo de oportunidade do mercado finan-

ceiro de 19% ao ano): R$ 942.280,69

 Áreas Propícias para Investimentos: Rio Branco, Senador Guiomard, Plácido de Castro,

Porto Acre, Acrelândia, Brasiléia.

F

ICHA


 T

ÉCNICA



v

Situação no Amapá

 Custo Variável Médio: R$ 633.224,31

 Custo Fixo Médio: R$ 131.333,44

 Custo Total Médio: R$ 764.557,75

 Investimento Total: R$ 426.175,16

 Receita Total Média: R$ 1.037.095,79

 Lucro líquido Médio (Receita Total Média – Custo Total Médio): R$ 263.290,56

 Margem de Lucro Média (Lucro Líquido Médio/Receita Total Média): 25,91%

 Rentabilidade (Lucro Líquido Médio/Investimento Total): 61,78%

 Ponto de Nivelamento (quantidade mínima que a empresa deve produzir para a

receita igualar-se à despesa): 33,24%

 Taxa Interna de Retorno (custo de oportunidade do capital comparado a qualquer

outra aplicação financeira): 61,08%

 Tempo de retorno do capital: 1,91 anos

 Valor Presente Líquido (considerando um custo de oportunidade do mercado finan-

ceiro de 19% ao ano): R$ 930.020,22

 Áreas Propícias para Investimentos: Macapá, Santana.

F

ICHA


 T

ÉCNICA



1

2 - C


ARACTERIZAÇÃO

 

DO



 P

RODUTO


Sumário

Sumário


1 - INTRODUÇÃO ............................................................................................ 01

2 - CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO ............................................................ 03

2.1 - Descrição do Produto ................................................................................ 03

2.2 - Situação Atual ........................................................................................... 05

2.3 - Área de Concentração............................................................................... 06

2.4 - Principais Problemas .................................................................................. 06

3 - POTENCIALIDADES DE MERCADO ............................................................. 11

4 - ASPECTOS TÉCNICOS................................................................................. 13

4.1 - Plantio Comercial Para O Cultivo Do Açaí ................................................. 13

4.2 - Manejo de Açaizal Nativo (E. Oleracea)

                 Para Produção de Frutos (Região do Estuário Amazônico) ............................ 15

4.3 - Agroindústria do Açaí ............................................................................... 16

5 - ÁREAS POTENCIAIS PARA INVESTIMENTO................................................. 18

5.1 - Áreas Propícias .......................................................................................... 18

5.2 - Vantagens Locacionais .............................................................................. 23

6 - INDICADORES DE VIABILIDADE ECONÔMICA ........................................... 34

6.1-Plantio Comercial do Açaí ........................................................................... 34

6.2-Agroindústria de Polpa de Açaí ................................................................... 44

7 – BIBLIOGRAFIA CONSULTADA..................................................................... 57



2

2 - C


ARACTERIZAÇÃO

 

DO



 P

RODUTO


1

Introdução

O açaizeiro (Euterpe oleracea) é uma palmeira típica da Amazônia. Ocorre espontanea-

mente nos estados do Pará, Amapá, Maranhão e leste do Amazonas. Esta é a espécie utilizada

para a produção do tradicional “vinho” do açaí, e também para produção de palmito, retira-

do da porção terminal do estipe (caule). Ocorre abundantemente na região do estuário do

Rio Amazonas, onde enseja importantes atividades econômicas, envolvendo populações tra-

dicionais e empresas locais.

A principal característica dessa espécie é a abundante emissão de perfilho (brotações

que surgem na base da planta), o que possibilita a sua exploração permanente, desde que

racionalmente manejada. É planta que pode ser cultivada em áreas de várzeas sujeitas à inun-

dações periódicas, constituindo-se em alternativa para utilização dos solos úmidos que

margeiam igarapés, rios e lagos da região, podendo também ser explorada em áreas de terra-

firme. Na Amazônia central e ocidental ocorre comumente uma outra espécie do gênero -

Euterpe precatória - que é unicaule, não apresentando perfilhamento. A espécie considerada

neste estudo, para fins de plantio, é a Euterpe oleracea.

O açaí foi explorado até recentemente, no estuário amazônico, principalmente para a

extração do palmito e, em grande parte, de forma predatória. No início da década de 90, tal

fato chegou a representar uma ameaça de desequilíbrio ecológico, com reflexo na atividade

econômica.

Alertadas por tal situação, as autoridades ligadas à questão do meio ambiente tomaram

providências, inclusive de caráter legal e normativo, que provocaram uma diminuição desse

tipo de exploração danosa. Atualmente nota-se nessa região crescente adoção de métodos

de manejo dos açaizeiros, orientados por instituições técnico-científicas, o que vem contribuir

para a consolidação da exploração do açaí como atividade econômica sustentável. Observa-

se também um maior interesse das populações locais pela coleta dos frutos, em detrimento da

extração do palmito. Isto decorre da melhor remuneração obtida pelos coletores em conseqü-

ência do aumento do mercado para a polpa de açaí, principalmente com a introdução e acei-

tação do produto no sudeste do Brasil.

Neste estudo será analisada a viabilidade econômica do plantio comercial de açaí nos

estados do Amazonas, Rondônia e Acre, e da agroindústria de polpa congelada de açaí nestes

estados e no Estado do Amapá. Não se estudou o plantio no Amapá, devido a enorme abun-

dância de açaizais nativos e a existência de tecnologia, gerada pela EMBRAPA, para explora-

ção racional destes açaizais, configurando para este Estado uma situação privilegiada  quanto

a oferta de matéria-prima e o conseqüente enfoque somente no segmento agroindustrial.



3

2 - C


ARACTERIZAÇÃO

 

DO



 P

RODUTO


2

Caracterização do Produto

2.1. Descrição do Produto

O açaizeiro é uma palmeira delgada que pode atingir acima de 25m de altura. Apresen-

ta-se em forma de touceiras. No estuário do Amazonas cada touceira possui em torno de 20

estipes, dos quais pelo menos três em produção. De cada estipe nascem 6 a 8 cachos anual-

mente com cerca de 2.5 kg de frutos cada um.

O sistema radicular é superficial e bastante longo, podendo atingir 6 m ou mais de raio.

A radiação solar tem grande influência na produção e na qualidade dos frutos. Para uma boa

produtividade o açaizeiro requer abundância de luminosidade. Havendo deficiência o

florescimento pode ser retardado.

Os tipos mais encontrados são o açaí preto, cujos frutos maduros têm polpa arroxeada,

e o açaí branco, com frutos de coloração verde, mesmo quando maduras. O açaí preto é a

variedade preferencial devido à sua maior abundância e por ser também mais resistente ao

ataque de brocas.

Os frutos são globosos, medindo de 1,1 a 1,5 cm de diâmetro. Possuem uma única

semente, envolta por um tecido fibroso e coberta por uma camada de polpa fina e seca,

porém levemente oleosa.

O produto aqui considerado é a polpa extraída dos frutos do açaí, por processo que

garante sua qualidade em termos de higiene e características organolépticas, e posteriormen-

te congelada.

Em termos nutricionais o açaí apresenta a composição demonstrada pela tabela seguinte:

Tabela 1

Teores nutricionais da polpa de açaí




4

2 - C


ARACTERIZAÇÃO

 

DO



 P

RODUTO


O Ministério da Agricultura, através da instrução normativa n º 01 de 7 de Janeiro de

2000, estabelece os padrões de identidade e as características mínimas de qualidade para a

polpa de açaí. Desse dispositivo legal podem-se destacar os seguintes pontos:

Definição: polpa de açaí e o açaí são produtos extraídos da parte comestível do fruto do

açaizeiro (Euterpe oleracea, Mart.) após amolecimento através de processos tecnológicos ade-

quados.


Classificação: de acordo com a adição ou não de água e seus quantitativos, o produto

será classificado em:

Polpa de açaí: é a polpa extraída do açaí, sem adição de água, por meios mecânicos e

sem filtração, podendo ser submetido a processo físico de conservação.

Açaí grosso ou especial (tipo A): é a polpa extraída com adição de água e filtração,

apresentando acima de 14% de sólidos totais e uma aparência muito densa.

Açaí médio ou regular (tipo B): é a polpa extraída com adição de água e filtração, apre-

sentando, acima de 11 a 14% de sólidos totais e uma aparência densa.

Açaí fino ou popular (tipo C): é a polpa extraída com adição de água e filtração, apre-

sentando de 8 a 11% de sólidos totais e uma aparência pouco densa.

Ingredientes básicos: a popa de açaí e o açaí serão obtidos de polpas frescas sãs, madu-

ras atendendo às respectivas especificações, desprovidas de terra, sujidade, parasitas e

microorganismos que possam tornar o produto impróprio para o consumo.

Características físicas e químicas: a polpa de açaí deverá obedecer às seguintes carac-

terísticas físicas e químicas:

Características organolépticas: a polpa do açaí deverá obedecer às seguintes caracte-

rísticas organolépticas:

Aspecto físico: pastoso, apresentando pontos escuros acentuados, provenientes da casca

que envolve a polpa do fruto.

Cor: roxo violáceo próprio para a polpa de açaí roxo e verde claro própria para polpa de

açaí verde.

Sabor: não adocicado e não azedo.

Cheiro: característico.

Aditivos: a polpa de açaí e o açaí destinados ao consumo direto em embalagem comer-

cial de no máximo 1 kg deverão ser conservados através de processo físico, proibido o uso de

conservantes químicos ou de corantes, com exceção do corante obtido do próprio fruto do

açaí.

Rotulagem: deverão ser obedecidas as normas de rotulagem estabelecidas na legisla-



ção sobre bebidas.


5

2 - C


ARACTERIZAÇÃO

 

DO



 P

RODUTO


A classificação do açaí, prevista do item 3 dessa norma, deverá ser declarada no rótulo

principal da polpa de açaí integral e do açaí, de forma legível e visível, em dimensões gráficas

não inferiores à denominação do produto.

A safra do açaí varia de acordo com a região. No estuário amazônico o pico da safra

ocorre no período de julho/agosto. Já no Amazonas o período de maior produção estende-se

de novembro a maio, e no Acre há referências de produção durante o ano todo já que quan-

do se encerra a produção de terra-firme – janeiro a junho – inicia-se a de várzea que vai de

agosto a dezembro.

2.2 Situação atual

A exploração do açaí nos Estados consi-

derados neste estudo, é predominantemente

extrativa. Ocorre em áreas de concentração de

duas espécies – E.oleracea e E. precatoria – de

acordo com a região. O cultivo do açaí, para a

produção de frutos, está sendo agora objeto

de maior interesse por parte dos produtores

rurais, tendo em vista o aumento da demanda

causado pela abertura de novos mercados em

anos recentes, principalmente o do sudeste do

país (Figura 1).

Dados do instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Amazonas – IDAM, registram

para o ano de 1998 uma área plantada de 1.700 ha no Estado, com predominância para os

Municípios de Codajás, Itacoatiara e Careiro, cujas áreas somadas perfazem 55% desse total.

Esta mesma fonte informa ainda a produção, nesse ano, de 140.000 cachos no Estado, o que

representa 350t de frutos se se considerar 2,5kg de frutos por cacho.

O documento “13 anos das Safras Agrícolas, de Extração Vegetal e Silvicultura no Esta-

do do Acre”, elaborado pela SEPLAN/AC, registra em 1988 uma produção de 387 t de frutos

de açaí no Estado, concentrada na região do Juruá, onde se destaca o município de Cruzeiro

do Sul, com 65% da produção total. Toda esta produção é de plantas nativas já que não

existem áreas de cultivo significativas. Nos anos de 1999 e 2000 foram plantados apenas

59,8 ha de açaí no Estado, com financiamento do Banco da Amazônia, demonstrando que a

cultura até então não havia despertado maior interesse econômico pelos produtores de açaí.

Informações mais recentes, no entanto, dão conta de grande procura de sementes de E. oleracea

para produção de mudas, deixando entrever

que esta situação, de aparente desinteresse pe-

los produtores, está se modificando.

Em Rondônia a produção é total-

mente extrativa, existindo entretanto

uma área de aproximadamente 130 ha

de açaí cultivado (Figura 2). Metade des-

ta área deverá entrar em produção a

partir de 2003.

O IBGE (Produção e Extração Vegetal e

Figura 1 - Açaizeiro Cultivado

Figura 2 - Açaizeiro Cultivado em Sistema Agroflorestal



6

2 - C


ARACTERIZAÇÃO

 

DO



 P

RODUTO


da Silvicultura – 1999) registra a seguinte quantidade produzida (fruto) para os Estados da

Região Norte:

Tabela 2

Quantidade produzida de frutos do Açaí nos Estados da

Região Norte em 1998 e 1999

Dos Estados em análise, o Amapá é o mais bem dotado desse recurso natural, uma vez que

concentra imensas áreas de açaizais nativos, na região estuarina. A EMBRAPA – Amapá, em parceria

com o Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá-IEPA, está conduzindo um

projeto de pesquisa com o objetivo de desenvolver tecnologias de manejo sustentável de açaizais

nativos, cultivo racional em sistema agroflorestais e processamento da polpa do fruto, visando melho-

rar o desempenho da cadeia produtiva do açaí.

Nos demais Estados, existem igualmente esforços de pesquisa da EMBRAPA, principalmente no

sentido de viabilizar o cultivo da espécie E. oleracea, com boa produtividade e qualidade dos frutos.

2.3. Área de Concentração

O açaí, seja extrativo seja cultivado, apresenta maior concentração nos seguintes muni-

cípios:


Amazonas (cultivado): Codajás, Itacoatiara, Careiro, Urucará, Parintins e Maués.

(extrativo): Tefé, Coari, Codajás e Manaquiri (Figura 3);

Amapá (extrativo): Mazagão, Serra do Navio, Pedra Branca, Santana, Macapá (Figura 4);

Acre (extrativo): Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto do Acre

e Rodrigues Alves (Figura 5);

Rondônia (cultivado): Porto Velho (Figura 6).

2.4. Principais problemas

Custos de insumos elevados (RO)

Alta perecibilidade do fruto

Inexistência de estrutura de armazenamento frigorificado nos Municípios

Distância dos grandes centros de consumo (açaí nativo)

Processamento deficiente no que diz respeito a higiene e qualidade da água utilizada

Assistência técnica pouco eficaz.



7

2 - C


ARACTERIZAÇÃO

 

DO



 P

RODUTO


Figura 3 – Amazonas. Área de Concentração da Produção de Açaí

1   2   3   4


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal