Português: trilhas e tramas, volume 2



Baixar 8.62 Mb.
Página58/546
Encontro13.08.2021
Tamanho8.62 Mb.
1   ...   54   55   56   57   58   59   60   61   ...   546
Farsa de Inês Pereira

Gil Vicente

[...]


InêsRenego deste lavrar
costurar, bordar
E do primeiro que o usou;
O diabo qu’eu o eu dou,
Que tão mao he d’aturar.
de aturar
Oh Jesu! que enfadamento,
tédio, fadiga
E que raiva e que tormento,
Que cegueira e que canseira!
Eu hei-de buscar maneira
D’algum outro aviamento.
expediente, trabalho

Coitada, assi hei-de estar


Encerrada nesta casa
Como panela sem asa,
Que sempre está num lugar?
E assi hão-de ser logrados
Dous dias amargurados,
Que eu possa durar viva?
E assim hei-de estar cativa
Em poder de desfiados?
costura em travesseiros

Comendo-me eu logo ó demo


S’eu mais lavro nem pontada;
que nem mais um ponto (de bordado) faço
Já tenho a vida cansada
De jazer sempre d’hum cabo.
permanecer sempre no mesmo lugar
Todas folgão, e eu não,
Todas vem e todas vão
Onde querem, senão eu.
menos eu
Hui! e que peccado he o meu,
Ou que dor de coração?

Esta vida he mais que morta.


Sam eu coruja ou corujo,
Ou Sam algum caramujo
Que não sae senão à porta?
E quando me dão algum dia

Daniel Lourenço


Página 37

Licença, como a bugia,


feminino de bugio, macaca
Que possa estar à janela,
He já mais que a Madanela
forma popular de Madalena
Quando achou a alleluïa.

Vem a Mãe e diz:



Mãe – Logo eu adivinhei
na missa onde eu estava,
Como a minha Ines lavrava
A tarefa que lh’eu dei.
Acaba esse travesseiro!
Hui! Nasceu-te algum unheiro?
inflamação debaixo da unha
Ou cuidas que he dia sancto?



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   54   55   56   57   58   59   60   61   ...   546


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal