Português: trilhas e tramas, volume 2



Baixar 8.62 Mb.
Página236/546
Encontro13.08.2021
Tamanho8.62 Mb.
1   ...   232   233   234   235   236   237   238   239   ...   546
a) pássaros, aves.

b) insetos.

c) árvores, plantas, frutos.
Página 151

Na bagagem

• Que outras personagens além de Iracema e Martim representaram a fusão entre o povo português e o povo indígena nos romances do Romantismo?



Nas trilhas do texto

As personagens Ceci e Peri, do romance O guarani, de José de Alencar, também representam essa fusão e são considerados símbolos do amor romântico no Brasil.

Leia um trecho da primeira parte do romance, intitulada “Os aventureiros”, no qual se descreve o cenário onde as ações se passam.

O guarani

José de Alencar

Os aventureiros

I – Cenário

De um dos cabeços da Serra dos Órgãos desliza um fio de água que se dirige para o norte, e engrossado com os mananciais, que recebe no seu curso de dez léguas, torna-se rio caudal.

É o Paquequer: saltando de cascata em cascata, enroscando-se como uma serpente, vai depois se espreguiçar na várzea e embeber no Paraíba, que rola majestosamente em seu vasto leito.

Dir-se-ia que, vassalo e tributário desse rei das águas, o pequeno rio, altivo e sobranceiro contra os rochedos, curva-se humildemente aos pés do suserano. Perde então a beleza selvática; suas ondas são calmas e serenas como as de um lago, e não se revoltam contra os barcos e as canoas que resvalam sobre elas: escravo submisso sofre o látego do senhor.

Não é neste lugar que ele deve ser visto; sim três ou quatro léguas acima de sua foz, onde é livre ainda, como o filho indômito desta pátria da liberdade.

Ai, o Paquequer lança-se rápido sobre seu leito, e atravessa as florestas como o tapir, espumando, deixando o pelo esparso pelas pontas do rochedo, e enchendo a solidão com o estampido de



Maria Helena Bastos


Página 152

sua carreira. De repente, falta-lhe o espaço, foge-lhe a terra; o soberbo rio recua um momento para concentrar as suas forças, e precipita-se de um só arremesso, como o tigre sobre a presa.

Depois, fatigado do esforço supremo, se estende sobre a terra, e adormece numa linda bacia que a natureza formou, e onde o recebe como em um leito de noiva, sob as cortinas de trepadeiras e flores agrestes.

A vegetação nestas paragens ostentava outrora todo o seu luxo e vigor; florestas virgens se estendiam ao longo das margens do rio, que corria no meio das arcarias de verduras e dos capitéis formados pelos leques das palmeiras. [...]

Aí, ainda a indústria do homem tinha aproveitado habilmente da natureza para criar meios de segurança e defesa.

De um e outro lado da escada seguiam dois renques de árvores, que, alargando gradualmente, iam fechar como dois braços o seio do rio; entre o tronco dessas árvores, uma alta cerca de espinheiros tornava aquele vale impenetrável.

ALENCAR, José de. O guarani. 17. ed. São Paulo: Ática, 1992. p. 15-6.



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   232   233   234   235   236   237   238   239   ...   546


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal