Portugues ling int vol3 pnld2018 capa al pr indd


sopesa  descobre que nele há algo suspeitoso: que seu peso não é o das pedras, inanimado, frio,  goro



Baixar 39.74 Mb.
Pdf preview
Página169/273
Encontro07.02.2022
Tamanho39.74 Mb.
#21486
1   ...   165   166   167   168   169   170   171   172   ...   273
Linguagem Interacao 3 MP 0019P18013 PNLD2018
sopesa

 descobre

que nele há algo suspeitoso:

que seu peso não é o das pedras,

inanimado, frio, 

goro

;

que o seu é um peso morno, 



túmido

,

um peso que é vivo e não morto.



goro:

 choco; 


podre.

seixo:

 

cascalho.



sopesar:

 

calcular com a 



mão o peso de 

alguma coisa.



túmido:

 

dilatado; 



intumescido.

II

O ovo revela o acabamento



a toda mão que o acaricia,

daquelas coisas torneadas

num trabalho de toda a vida.

E que se encontra também noutras

que entretanto mão não fabrica:

nos corais, nos 



seixos

 rolados


e em tantas coisas esculpidas

cujas formas simples são obra

de mil inacabáveis lixas

usadas por mãos escultoras

escondidas na água, na brisa.

No entretanto, o ovo, e apesar

da pura forma concluída,

não se situa no final:

está no ponto de partida.

[...]


5

10

15



20

25

30



MELO NETO, João Cabral de. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1994. p. 302-303. © by Herdeiros de João Cabral de Melo Neto.

Linguagem_Interacao_LP_V3_PNLD2018_258a284_U4_C7.indd   265

26/05/16   10:19



266

CAPÍTULO 7  CORRESPONDÊNCIA FORMAL ARGUMENTATIVA

João Cabral de Melo Neto

 (1920-1999) foi um dos mais re-

presentativos poetas brasileiros do século XX. Nascido em 

Recife, tornou-se nacionalmente conhecido a partir de 1956, 

com sua obra Morte e vida severina. Obras de João Cabral 

de Melo Neto: Pedra do sono (1942), O engenheiro (1945), 



Psicologia da composição (1947), O cão sem plumas (1950), 

Morte e vida severina (1956), Paisagem com figuras (1956), 

Uma faca só lâmina (1956), A educação pela pedra (1966), Mu-

seu de tudo (1975), Auto do frade (1984), Agrestes (1985), Crime 

na Calle Relator (1987).

Hom


ero Sé

rgio/Folhapress

1  

  O poeta escolheu como motivo de seu poema um elemento do mundo físico: 



o ovo de galinha. Que aspectos desse elemento mais impressionam o eu poé-

tico? Responda no caderno.

2  

 Sopesar o ovo leva a sentir nele um “peso vivo”. Como você entendeu essa 



característica do objeto descrito?

3  


  A palavra acabamento remete à ideia de objeto concluído. Indique no cader-

no que metáforas do poema designam:

a) 

o agente desse acabamento;



b) 

a ferramenta utilizada por esse agente;

c) 

a contradição que o eu poético identifica nesse acabamento.



4  

  Como você entendeu a contradição exposta pelo eu poético na estrutura do ovo?

5  

  Pense nos cinco sentidos humanos. Na descrição do ovo, quais desses senti-



dos são privilegiados?

6  


 Esse poema é constituído de cinco partes, das quais transcrevemos duas. A 

estrutura de cada uma delas é idêntica: são dezesseis versos distribuídos em 

quatro estrofes. Logo, cada estrofe tem quatro versos. Esse tipo de preocu-

pação formal é bem diferente da que predominou entre os modernistas da 

primeira fase. Explique essa afirmativa em seu caderno.

Autor de uma poesia considerada “racional”, “objetiva”, João Cabral de Melo 

Neto só se tornou conhecido do grande público quando o compositor e escritor 

Chico Buarque musicou seu auto de Natal Morte e vida severina (1956), montado 

pela primeira vez em 1966.

A seguir, leia a transcrição de um trecho de Morte e vida severina, que relata 

a caminhada do retirante Severino do sertão até a zona litorânea, em busca de 

condições para sobreviver à seca.

No excerto selecionado, Severino trava um diálogo com uma mulher que en-

contra em sua caminhada. Leia com atenção e observe o uso da argumentação 

e da contra-argumentação na fala dos dois interlocutores.

O acabamento perfeito e o peso.



2.   Aceite as respostas coe-

rentes. No poema, o peso é 

classificado  como “morno”, 

“túmido”. Comente com os alu-

nos que o eu poético exempli-

fica cada característica que 

percebe no objeto descrito. A 

exemplificação é um recurso 

utilizado sobretudo para con-

vencer o leitor.

“[...] mãos escultoras/escondidas na 

água, na brisa.” (versos 27-28)

“[...] mil inacabáveis lixas” (verso 26)

3. c) “No entretanto, o ovo, 

e apesar / da pura forma con-

cluída, / não se situa no final: / 

está no ponto de partida” (ver-

sos 29-32)

 As ideias de partida e acaba-

mento são antitéticas.

4. Ovos encerram matrizes de 

novas vidas; são, por isso, pon-

to de partida, não de chegada, 

embora sua forma pareça já 

concluída, esculpida.

 Ajude os alunos a concluírem 

que o poeta reflete mais sobre 

o conceito de ovo do que so-

bre um ovo específico, já que 

todo e qualquer ovo apresenta 

as características e a contradi-

ção apontadas.

O tato e a visão.

A liberdade formal foi a reivindicação fundamental dos modernistas da primeira fase.

Linguagem_Interacao_LP_V3_PNLD2018_258a284_U4_C7.indd   266

26/05/16   10:19




267

UNIDADE 4  MUNDO DO TRABALHO (II)

TEXTO 3

Morte e vida severina

João Cabral de Melo Neto

[...]


Dirige-se à mulher na janela, que depois descobre 

tratar-se de quem se saberá

— Muito bom dia senhora,

que nessa janela está;

sabe dizer se é possível

algum trabalho encontrar?

— Trabalho aqui nunca falta

a quem sabe trabalhar;

o que fazia o compadre

na sua terra de lá?

— Pois fui sempre lavrador,

lavrador de terra má;

não há espécie de terra

que eu não possa cultivar.

— Isso aqui de nada adianta,

pouco existe o que lavrar;

mas diga-me, retirante,

o que mais fazia por lá?

— Também lá na minha terra

de terra mesmo pouco há;

mas até a 

calva

 da pedra

sinto-me capaz de arar.

— Também de pouco adianta,

nem pedra há aqui que amassar;

diga-me ainda, compadre,

que mais fazias por lá?

— Conheço todas as roças

que nesta 


Baixar 39.74 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   165   166   167   168   169   170   171   172   ...   273




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal