Portugues ling int vol3 pnld2018 capa al pr indd



Baixar 39.74 Mb.
Pdf preview
Página153/273
Encontro07.02.2022
Tamanho39.74 Mb.
#21486
1   ...   149   150   151   152   153   154   155   156   ...   273
Linguagem Interacao 3 MP 0019P18013 PNLD2018
depuração:

 purificação.

Linguagem_Interacao_LP_V3_PNLD2018_213a247_U3_C6_K.indd   229

26/05/16   10:20



230

CAPÍTULO 6  CARTA PESSOAL

20

  No título do poema, há duas figuras de linguagem. Identifique ambas e expli-



que-as no caderno.

21

 Na primeira estrofe, a palavra tempo é empregada três vezes, constituindo 



uma figura de linguagem: repetição ou reduplicação. No caderno, explique 

seu uso no poema, levando em conta o momento histórico no Brasil e no 

mundo por ocasião da publicação de Sentimento do mundo (1940), livro em 

que o poema foi lançado.



20. Há uma hipérbole e uma 

metonímia. A hipérbole con-

siste no exagero proposital 

de fatos, atribuindo-lhes pro-

porções fora do normal. No 

caso, os ombros não podem 

suportar o mundo. A metoní-

mia está presente também 

em  ombros, que substituem 

pessoas, baseando-se numa 

relação de parte (ombros) pelo 

todo (pessoas).



21. Essa repetição tem a fina-

lidade de reforçar uma ideia, 

chamando atenção para o 

próprio tempo, a própria épo-

ca como sinal de alerta. O 

mundo enfrentava a Segunda 

Guerra Mundial e suas conse-

quências, e o Brasil era gover-

nado por Getúlio Vargas.

22

  Observe a estrutura do seguinte trecho do poema:



E os olhos não choram.

E as mãos tecem apenas o rude trabalho.

E o coração está seco.

 (versos 6-8)

a) 

O que há em comum, em termos morfológicos e sintáticos, entre os versos 



e que sentido isso confere a eles?

b) 


Como esse elemento em comum aos três versos influencia na interpreta-

ção do período em relação ao sentido dos adjetivos?

23

  O eu lírico utiliza muitos advérbios de negação. Identifique-os e explique a 



função deles para o sentido integral do poema, levando em conta o momento 

histórico em que foi escrito.

Vinícius de Morais

Vinícius de Morais também surgiu na segunda fase do Modernismo. Contra-

riando as preferências dos modernistas da primeira fase, na obra de Vinícius de 

Morais os sonetos são a forma de expressão por excelência e constituem uma 

das melhores partes de sua produção. Leia, a seguir, um de seus sonetos mais 

conhecidos.



22. a) A presença da conjun-

ção coordenada aditiva e, que 

tem a finalidade estilística de 

reforçar a ideia de adição. Essa 

conjunção é acompanhada de 

frases de estrutura similar: um 

órgão do corpo humano (olhos, 

mãos, coração) que não execu-

ta uma de suas funções (cho-

rar, trabalhar, amar).

Os adjetivos rude e seco se 

associam, concomitantemen-

te, ao trabalho e ao coração.

23. 1

o

 verso: não (se diz); 3



o

 

verso: não (se diz); 6



o

 verso: 


não (choram); 9

o

 verso: não 



(abrirás); 12

o

 verso: não (sa-



bes); 13

o

 verso: nada (espe-



ras); 16

o

 verso: não (pesa); 23



o

 

verso: não (adianta morrer). 



A repetição dos advérbios de 

negação cria um clima de ne-

gatividade, bastante adequa-

do ao momento histórico da 

Segunda Guerra Mundial e de 

ditadura no Brasil.

Getúlio Vargas (1882- 

-1954), político gaúcho, 

foi presidente do Brasil 

em dois períodos: de 

1930 a 1945 e de 1951 

a 1954.


Refugiados da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), na França, em 1941. 

Arqui


v

o do jornal 

O Estado de S. P

aulo


/Agência Estado

Hulton Arc

hi

ve/K


eystone/Get

ty 


Images

Linguagem_Interacao_LP_V3_PNLD2018_213a247_U3_C6_K.indd   230

26/05/16   10:20



231

UNIDADE 3  MUNDO DO TRABALHO (I)

TEXTO 8

Soneto de fidelidade

Vinícius de Morais

De tudo ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento

E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama.

Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, 




Baixar 39.74 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   149   150   151   152   153   154   155   156   ...   273




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal