Pnld2021 Humanitasdoc vainfas V3 001a256 pr 001. pdf


A N ATUREZA E AS PE RS PE CT I VA S



Baixar 50.75 Mb.
Pdf preview
Página51/334
Encontro11.07.2022
Tamanho50.75 Mb.
#24207
1   ...   47   48   49   50   51   52   53   54   ...   334
Humanitas.doc - Volume 3
A N ATUREZA E AS PE RS PE CT I VA S 
N ÃO OCID ENTAIS
Para além de questionar a dicotomia natureza/cultura no interior da sociedade 
ocidental, a Antropologia propôs maneiras de apresentar formas de ordenamento 
do mundo não dicotômicas elaboradas por sociedades não ocidentais. Um exem-
plo é o conceito de perspectivismo ameríndio, desenvolvido pelos antropólogos 
e etnólogos brasileiros Eduardo Viveiros de Castro (1951-) e Tânia Stolze Lima. 
Essa forma de pensamento está presente, de diferentes maneiras, em socie-
dades indígenas de todo o continente americano. Ela parte do pressuposto de 
que os diferentes seres vivem a cultura da mesma maneira que os humanos. 
Ou seja, o que seria universal a todos os seres é a cultura, é o ser gente: comer 
peixe, seguir as regras de casamento, etc. O que mudaria de observador para 
observador é justamente aquilo que os ocidentais consideram universal: a natu-
reza. As coisas mudam segundo a perspectiva de quem as vê. Viveiros de Castro 
relata que, segundo essas cosmologias:
Para o urubu, os vermes no corpo em decomposição são peixe assado. 
Para nós, são vermes. Não há uma terceira posição, superior e fundadora 
das outras duas. Ao passarmos de um observador a outro, para que a 
cultura permaneça a mesma, toda a natureza em volta precisa mudar.
Onde a onça bebe 
água
VIVEIROS DE
CASTRO, Eduardo; 
STIGGER, Verônica; 
VILELA, Fernando. 
São Paulo: Cosac 
Naify, 2012.
O garoto Joaci vai ao 
rio beber água, mas 
acaba deparando com 
uma onça tirando um 
cochilo na rede. O 
encontro faz o menino 
pensar em como a 
onça vê o mundo. Essa 
divertida história ajuda 
a entender o que é o 
perspectivismo.
FIC
A
A
DIC
A
VIVEIROS DE CASTRO, 
Eduardo apud CARIELLO, 
Rafael. O antropólogo 
contra o Estado. Piauí, Rio 
de Janeiro, n. 88, jan. 2014. 
Disponível em: https://piaui.
folha.uol.com.br/materia/o-
antropologo-contra-o-
estado/. Acesso em:
15 ago. 2020.
Essa visão, diferente da ocidental-moderna, tem consequências práticas e 
conceituais que interferem na maneira de compreender e experimentar o mun-
do. A essência dos seres humanos e não humanos nas visões ameríndias é mui-
to mais maleável que para os ocidentais. Enquanto os ocidentais enxergam os 
humanos quase separados da natureza, como “ex-animais”, os índios enxergam 
os animais (e também os espíritos) como “ex-humanos”, ou seja, a humanidade 
seria o plano de fundo comum de todos os seres. 
Esses exemplos nos revelam que a distinção e as definições de natureza e 
cultura não são unívocas nem universais. Essa questão, presente em quase toda 
a história da filosofia ocidental, foi pensada de maneiras diversas em diferentes 
tempos e lugares e segue em transformação conforme outras vozes passam a 
ser ouvidas no debate público.
Denilson Baniw
a/Acerv
o do ar
tista
33
V3_CIE_HUM_Vainfas_g21Sa_Cap1_018a035_LA.indd 33
9/27/20 12:57 PM



Baixar 50.75 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   47   48   49   50   51   52   53   54   ...   334




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal