Pnld2021 Humanitasdoc vainfas V3 001a256 pr 001. pdf


Orientações para o trabalho em



Baixar 50.75 Mb.
Pdf preview
Página255/334
Encontro11.07.2022
Tamanho50.75 Mb.
#24207
1   ...   251   252   253   254   255   256   257   258   ...   334
Humanitas.doc - Volume 3
Orientações para o trabalho em 
sala de aula
Sua experiência pessoal 
p. 18 e 19
Resposta pessoal. Espera-se que os estudantes respondam que 
sim, de forma que a humanidade modifica a natureza e, por 
sua vez, é modificada por ela. Alguns podem responder sob a 
perspectiva religiosa e negar essa inserção. Procure organizar 
um debate sobre o tema, respeitando o ponto de vista dos es-
tudantes, que certamente será variado, conforme formação, 
crenças e conhecimentos. Se os estudantes negarem a discus-
são tendo como base argumentos teológicos, diga a eles que 
tais argumentos são possíveis, como os seres humanos fazerem 
parte da criação de Deus e, portanto, estarem associados des-
de o ato criador com o restante da criação, ou seja, todo o 
mundo e os seres vivos. 
Estimule os estudantes a recuperar aspectos da his-
tória relacionados aos povos nativos do atual território 
brasileiro, aos povos pré-colombianos e às sociedades 
africanas antes da chegada dos europeus, relembrando 
conteúdos aprendidos na disciplina de História durante 
o 6º e o 7º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais. 
Esse resgate da história indígena ou africana pré-coloni-
zação e de seus saberes introduz os estudantes na pro-
blematização contida no texto de abertura do capítulo, 
que apresenta o líder indígena e escritor Ailton Krenak 
e fala sobre como os povos indígenas se relacionam com 
a natureza. O texto cita o desastre ambiental de Maria-
na, que afetou a terra indígena dos Krenak e milhares de 
pessoas que viviam nos arredores da cidade. Nesse sen
-
tido, é possível relembrar à turma diversas situações en-
volvendo desastres ambientais, como as mencionadas 
no texto a seguir.
Quase três séculos se passaram desde a Revolução In-
dustrial, porém a questão ambiental começou a ser levan-
tada somente no final da década de 1960 e início da de 
1970. Anteriormente, alguns episódios demonstravam a 
influência do crescimento desordenado na vida da popu-
lação e na saúde do meio ambiente, tidos como mal neces-
sário para o progresso (Goldemberg; Barbosa, 2004). Hogan 
(2007) descreve alguns eventos de poluição atmosférica, 
como o que ocorreu no Vale do Meuse, na Bélgica, em 1930, 
provocando a morte de 60 pessoas; em 1952, o smog em 
Londres, conhecido como “A Névoa Matadora”, que ocasio-
nou mais de quatro mil mortes, sendo o primeiro a pro-
mover a movimentação das autoridades de saúde e a aten-
ção quanto à qualidade do ar. Esse mesmo autor ainda 
comenta sobre alguns casos de contaminação de água, 
como o da Baía de Minamata no Japão, em 1956, que até 
dezembro de 1974 registrou 107 mortes oficiais e quase 
três mil casos em verificações. 
POTT, Crisla Maciel. ESTRELA, Carina Costa. Histórico ambiental: 
desastres ambientais e o despertar de um novo pensamento. 
Revista do Instituto de Estudos Avançados da USP, v. 31, n. 89, 2017. 
Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v31n89/0103- 
4014-ea-31-89-0271.pdf. Acesso em: 17 set. 2020.
Avance no mapeamento dos conhecimentos prévios 
dos estudantes, questionando-os sobre o que eles enten-
dem por “natureza”/ “natural”, “cultura”/ “cultural” e “am-
biente”, e verificando suas respostas. É importante, já nes-
se momento, perceber se os estudantes têm noção e 
P4_V3_CIE_HUM_Vainfas_g21Sa_MP_193a256.indd 195
29/09/2020 19:44


196
conseguem distinguir a aplicação dos conceitos, que se-
rão construídos e aprofundados ao longo do capítulo. 
Explique a eles que há uma relação de mútua dependên-
cia entre natureza e cultura, natureza e ser humano. Se 
julgar conveniente, o debate pode caminhar na direção 
de outros questionamentos, como: “Nós somos seres na-
turais ou artificiais?”, ou ainda: “Qual é a importância das 
coisas produzidas e criadas pelo ser humano, como a cul-
tura, as cidades, as tecnologias? Como produzimos ou 
criamos essas coisas?”. Se a resposta for “produzimos as 
coisas usando a natureza como fonte”, pergunte, então: 
“Esse processo de extrair elementos da natureza indica 
dependência?”. A resposta deve ser positiva, evidencian-
do que os estudantes compreendem que natureza e cul-
tura, natureza e ser humano, estão sempre interligados. 
O debate pode prosseguir por outro caminho, por exem-
plo, como a natureza afeta a nossa saúde, discutindo os 
impactos das queimadas ou dos carros na fabricação da 
poluição. É interessante apresentar alguma notícia que 
evidencie as consequências negativas do descaso com a 
natureza para saúde das pessoas, como esta sobre as mor-
tes relacionadas à poluição do ar no continente africano:
África é o continente mais pobre do mundo – mais de 
um terço da população vive abaixo da linha da pobreza, com 
menos de US$ 2 por dia. Mas outro vilão tem sido mais mor-
tal que a falta de comida ou de acesso à água potável: a po-
luição do ar. Pesquisadores da Organização para Cooperação 
e Desenvolvimento Econômico (OECD) calcularam os im-
pactos da poluição atmosférica na região. Descobriram que 
nada mata mais do que o ar: são 712 mil mortes por ano, 
causadas por doenças e infecções ligadas à poluição. O pro-
blema é pior nos países que mais se desenvolveram nas úl-
timas décadas – Egito, África do Sul, Etiópia e Nigéria. Se-
gundo o estudo, carros e caminhões velhos, importados de 
outros países, são os principais culpados pela qualidade 
ruim do ar. 
FLORESTI, Felipe. Na África, a poluição mata mais do que 
subnutrição e água não tratada. Revista Galileu, 12 dez. 2016. 
Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Revista/
noticia/2016/12/na-africa-poluicao-mata-mais-do-que-
subnutricao-e-agua-nao-tratada.html. Acesso em: 17 set. 2020.
A negação ou a não discussão acerca da dependência 
humana da natureza pode levar à negligência política da 
questão ambiental, ocasionando o agravamento das con-
dições do ar respirado por todos, no caso da poluição, ou 
ainda à escassez de água potável, no caso da contaminação 
da água pelo lixo e por detritos lançados nos rios ou em so-
los que afetam os lençóis freáticos. O reconhecimento des-
sa dependência direta contribui para a formação de uma 
atitude cidadã diante da questão ambiental no que diz res-
peito ao posicionamento político quanto à busca de formas 
de reduzir drasticamente a poluição ou mesmo ao uso de 
uma energia totalmente limpa, que não degrade o meio 
ambiente. Se considerar interessante, trabalhe com a turma 
a notícia a seguir, que trata do lançamento de uma nova 
tecnologia para a geração de energia.
Trata-se de uma técnica que, embora tenha recebido 
ampla atenção da comunidade internacional nos últimos 
60 anos, ainda não conseguiu mostrar sua viabilidade em 
larga escala. Um dos principais objetivos do Iter [Reator In-
ternacional Termonuclear Experimental, sigla em inglês] é 
justamente identificar se a fusão nuclear pode ser uma al-
ternativa viável para a geração de energia limpa e com um 
combustível abundante e barato: o hidrogênio. A energia 
nuclear tradicional (pense em Chernobyl) é gerada através 
da fissão, num processo mais ou menos oposto. Em vez de 
juntar vários núcleos de átomos leves, a fissão “quebra” áto-
mos grandes. Já a fusão do reator na França tem a vantagem 
de não precisar de um combustível caro, como o urânio en-
riquecido, e produzir bem menos resíduos nucleares. Em 
seu discurso na inauguração da obra, o presidente da Fran-
ça, Emmanuel Macron, mostrou entusiasmo com a ideia: 
“Imaginem se este experimento for conclusivo e se as apli-
cações industriais surgirem logo em seguida. Nós teremos 
desenvolvido uma nova forma de energia que é não poluen-
te, que não emite carbono, que é segura e que praticamen-
te não produz resíduos. Uma energia que responderá às ne-
cessidades de populações em várias partes do mundo, que 
atende aos desafios das mudanças climáticas e que preser-
va recursos naturais”, afirmou.
MIRANDA, Giuliana, Maior reator de fusão nuclear do mundo 
começa a ser construído na França. Folha de S. Paulo. Disponível em: 
https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2020/08/maior-reator-de-
fusao-nuclear-do-mundo-comeca-a-ser-construido-na-franca.
shtml. Acesso em: 17 set. 2020.
A natureza, uma criação humana 
p. 20

Baixar 50.75 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   251   252   253   254   255   256   257   258   ...   334




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal