Pnld2021 Humanitasdoc vainfas V3 001a256 pr 001. pdf



Baixar 50.75 Mb.
Pdf preview
Página253/334
Encontro11.07.2022
Tamanho50.75 Mb.
#24207
1   ...   249   250   251   252   253   254   255   256   ...   334
Humanitas.doc - Volume 3
Natureza e cultura
O trabalho com a BNCC neste 
capítulo
A BNCC neste capítulo
Competências gerais 
da Educação Básica
1, 5, 7 e 9.
Competências 
específicas de Ciências 
Humanas e Sociais 
Aplicadas
1, 2, 3 e 6.
Habilidades de 
Ciências Humanas e 
Sociais Aplicadas
EM13CHS101, EM13CHS102, 
EM13CHS104, EM13CHS105, 
EM13CHS202, EM13CHS203, 
EM13CHS302, EM13CHS501, 
EM13CHS504 e EM13CHS601.
Competências 
específicas de outras 
áreas
Ciências da Natureza e suas
Tecnologias: 2. 
Habilidades de outras 
áreas
EM13CNT201.
Temas 
Contemporâneos 
Transversais
Multiculturalismo – Diversidade 
cultural; Ciência e Tecnologia; 
Meio ambiente – Educação
ambiental.
P4_V3_CIE_HUM_Vainfas_g21Sa_MP_193a256.indd 193
29/09/2020 19:44


194
O capítulo trata da relação entre cultura e natureza 
por meio de diversas abordagens históricas e espaciais
incluindo perspectivas não ocidentais. A abertura do 
capítulo traz a fala do pensador Ailton Krenak, do gru-
po indígena Krenak, sobre a visão romantizada que os 
ocidentais têm sobre a relação dos indígenas com a na-
tureza, classificando-a como sempre bonita ou poética. 
As variadas nações indígenas não vivem todas em uma 
união perfeita com a natureza. Porém, em sua crítica, 
Krenak coloca que tratar a Terra como “nossa mãe” sig-
nifica que as intervenções humanas destrutivas contra 
a natureza desorganizariam o mundo indígena de modo 
bastante concreto. E que as populações ameríndias tam-
bém transformam o ambiente em que vivem, não po-
dendo, dessa forma, ser reduzidas a sujeitos passivos 
diante de uma natureza intocada. O que ocorre é uma 
diferença de concepção que se reflete no grau dessa in-
tervenção nos elementos da natureza. Veja o exemplo 
do uso do mel entre as populações indígenas no Brasil 
Colonial descrita pelo historiador Sérgio Buarque
de Holanda.
Acompanhando com os olhos atentos a pequenina abe-
lha silvestre, tão pequena às vezes como um pequeno mos-
quito, o índio encontra muitas vezes os favos cobiçados, 
depois de buscá-los pelos atalhos da floresta. [...] Cera e 
mel foram sempre na América portuguesa, como na espa-
nhola, produtos típicos de povoações nascentes ou situa-
das nas fronteiras de um mundo agreste, pois os índios 
não se cansavam de assolar e desbaratar as colmeias onde 
as encontrassem. Muitos, como os mongoiós [um grupo 
indígena brasileiro, subgrupo dos camacãs, que, no século 
XX, se fundiu com os antigos pataxós hã hã hães] da capi-
tania de Ilhéus, só sabiam crestar [queimar(-se) de leve, 
superficialmente; tostar(-se)] o mel arruinando as abelhei-
ras. Estes apanhavam desordenadamente a cera, o samo-
rá [saburá: resíduo amarelo e amargo, proveniente do pó-
len das abelhas; borá] e ainda as abelhas que estivessem 
em casa com suas crias. [...] Se a atitude dos índios com 
relação às colmeias é frequentemente dissipadora e con-
tribui para despovoar de abelhas as florestas, cumpre lem-
brar que essa regra não se aplica a todos os casos. Dos 
cainguás, por exemplo, sabe-se que não só costumavam 
ter a cautela de deixar sempre um pouco de mel e parte 
das crias nas abelheiras, como até, terminada a colheita, 
de fechar com pedaços de madeira a abertura feita. Dessa 
forma poderão as abelhas prosseguir em sua faina [traba-
lho de que participa a tripulação de um navio; figurado 
qualquer trabalho árduo que se estende por muito tempo]. 
É pouco provável que tal precaução fosse aprendida dos 
brancos. Em um caso pelo menos ela se prenderia antes a 
certas representações mitológicas ou religiosas, como en-
tre os guaranis da margem ocidental do Paraná, parentes 
próximos dos cainguás, que usam crestar o mel sem fazer 
dano às colmeias para não ofenderem com isso a memória 
sagrada de seu antepassado Derekey, que as abelhas 
mandaçaias [abelha social brasileira da subfamília dos 
meliponíneos] alimentaram durante a infância. 
HOLANDA, Sérgio Buarque de. A cera e o mel. 
Caminhos e fronteiras
São Paulo: Companhia das Letras, 1994. p. 43-46. 
A partir desse exemplo, pode-se concluir não só que 
as populações ameríndias não são passivas diante da na-
tureza, como também que há diversas relações até mes-
mo de atitudes danosas, apesar de os indígenas usufruí-
rem da natureza de forma direta.
O capítulo também aborda a história ocidental da 
filosofia e da ciência, com atenção especial à definição 
(e ao uso) da natureza como sendo necessária a um ideal 
histórico de progresso, justificando-se, assim, grandes 
devastações do meio ambiente nos últimos séculos. O 
capítulo trata de outras ideias e definições de nature-
za com discursos e explicações não somente científi-
cos, como cosmologias míticas e religiosas. Assim, os 
estudantes podem refletir sobre o pensamento dos 
filósofos pré-socráticos e sua proximidade com o mito 
grego. Esse é o ponto de partida para compreender 
que a filosofia e a religião nem sempre estão em cam-
pos opostos, existindo diversos filósofos que eram tam-
bém religiosos. A junção entre filosofia e religião ocor-
re também com a expansão do cristianismo no 
mundo romano, período de supremacia da concepção 
criacionista do mundo e da natureza. O criacionismo 
foi contestado somente no Renascimento e na Revo-
lução Científica da Idade Moderna, num processo que 
começou no século XIII, com as traduções árabes dos 
textos da Antiguidade, no contato realizado nas
Cruzadas e na Reconquista Ibérica.
A oposição entre Natureza e Sociedade se acentuou 
na Idade Moderna, com a Revolução Científica. A Natu-
reza passou a ser vista como objeto de estudo e a sepa-
ração entre o ser humano e ambiente ainda mais. Ao 
reler a história da ciência e da filosofia sob essa chave, o 
capítulo recorre aos conhecimentos historicamente cons-
truídos a respeito de processos naturais e sociais para 
explicar a postura destrutiva das sociedades ocidentais 
diante da natureza. Ter consciência dessa postura e mu-
dá-la é fundamental para a construção de uma socieda-
de mais inclusiva.
As atividades que lançam mão de pesquisa, debate 
e apresentação oral, como as do Analisar e refletir sobre 
o heliocentrismo e as da seção Questões em foco sobre 
a relação entre ciência e religiosidade, permitem o de-
senvolvimento das competências gerais 5 e 7 na medida 
em que solicitam a pesquisa em fontes de informações 
confiáveis, a argumentação com base nessas informa-
ções e o registro e divulgação por meio de tecnologias 
de informação e comunicação.
P4_V3_CIE_HUM_Vainfas_g21Sa_MP_193a256.indd 194
29/09/2020 19:44



Baixar 50.75 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   249   250   251   252   253   254   255   256   ...   334




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal