Pesquisa incluída no fim de cada capítulo: assistir, ouvir, ler, contemplar e percorrer os sites indicados, sem limitações à curiosidade. Entretanto, é na página Ação



Baixar 87 Mb.
Pdf preview
Página47/353
Encontro16.07.2022
Tamanho87 Mb.
#24280
1   ...   43   44   45   46   47   48   49   50   ...   353
Arte - Volume único
O Minotauro
De acordo com a lenda grega, o Minotauro, metade touro, metade homem, filho da esposa 
do rei Minos com um touro, vivia num labirinto em Creta. O rei Minos obrigava a cidade de 
Atenas, por ele dominada, a enviar anualmente quatorze jovens para satisfazer o apetite do 
Minotauro por carne humana e apaziguá-lo. 
Teseu, filho do rei Egeu, de Atenas, prometeu matar o monstro e libertar seu povo desse ter-
rível encargo. Partiu então para Creta com os jovens atenienses condenados, prometendo ao 
pai que na viagem de volta trocaria as velas pretas de seu navio por velas brancas, 
como sinal de vitória. Teseu conquistou a princesa de Creta, Ariadne, que lhe for-
neceu uma espada para matar o Minotauro e um novelo de linha para que o herói 
marcasse seu trajeto no labirinto. Teseu derrotou o monstro e, seguindo a linha, 
escapou do labirinto. Na pressa de chegar em casa, porém, esqueceu-se de erguer 
as velas brancas. Quando o rei Egeu viu aproximar-se o navio com velas pretas, 
afogou-se no mar que hoje leva seu nome. 
Vaso ritual em forma de cabeça de touro, 
Cnossos, Creta. 1550 a.C.-1450 a.C.
Peça usada em rituais em que óleo, 
vinho, leite ou sangue eram vertidos 
em oferendas para divindades. 
AFP/Other Images/
Museu Heraklion, Creta, Grécia.
Ruínas da cidade de Micenas. 
Micenas
foi construída entre 1600 a.C. e 1200 a.C. e possuía um pa-
lácio que funcionava como centro administrativo de toda a região.
Guido 
Alber
to R
ossi/T
ips/Other Images
Arte_vu_PNLD2015_U1C6_072a085.indd 75
6/17/13 10:17 AM


76
TEMAS INTERDISCIPLINARES
ARTE E LITERATURA
.. 
A guerra de Troia
As histórias narradas em dois longos poemas épicos gregos 
– Ilíada e Odisseia – podem referir-se a fatos ocorridos na civi-
lização micênica. Essas histórias foram passadas oralmente de 
geração para geração durante séculos, em forma de cânticos. 
Consta que por volta de 700 a.C. foram escritas por Homero, 
poeta cuja existência não é comprovada. 
Ilíada descreve os últimos dias de uma guerra, em que os exér-
citos gregos sitiaram a cidade de Troia, na região da atual Turquia, 
para trazer de volta Helena, esposa do rei de Esparta, que fugira 
com um troiano. Nesse cenário, guerreiros como Ulisses, Aquiles 
e Ajax se envolvem em uma série de conflitos.
Odisseia, por sua vez, conta as peripécias vividas por Ulisses
(Odisseu)em sua longa viagem de retorno para casa, na ilha 
de Ítaca. 
Fingindo desistir do cerco à Troia, Ulisses mandou construir 
um enorme cavalo de madeira com o pretexto de presentear 
a deusa Atena. Os troianos, lisonjeados, trouxeram a estrutura 
para dentro das muralhas. 
Durante a noite, guerreiros gregos que se escondiam no cavalo 
saíram e abriram os portões para seus companheiros, que 
massacraram os troianos. 
Os gregos ou helenos
Os aqueus, os jônicos e os dóricos, originários 
de povos invasores vindos do norte, conquista-
ram o Peloponeso e a ilha de Creta, levando ao 
desenvolvimento de uma nova civilização nessa 
região da Europa mediterrânea. 
Por volta de 900 a.C., a língua grega estava dis-
seminada por toda a região. Os gregos se orga-
nizavam em cidades-Estado independentes, que 
chamavam de pólis, mas viam-se como um povo 
que tinha a mesma ancestralidade.
A intensa rivalidade entre essas cidades-Esta-
do por poder e riqueza estimulou o desenvolvi-
mento das ideias e instituições, embora algumas 
dessas instituições fossem pan-helênicas, ou 
seja, compartilhadas por todos os gregos.
A mais importante delas era os Jogos 
Olímpicos, festival atlético realizado na cida-
de de Olímpia de quatro em quatro anos, desde 
776 a.C., em homenagem a Zeus, rei dos deu-
ses. Alguns santuários, como o Oráculo, que 
ficava em 
Delfos
, também eram visitados 
por todos os gregos. Nesse templo dedicado 
a Apolo, o deus do Sol, questões sobre o fu-
turo eram respondidas através de pronuncia-
mentos por vezes obscuros feitos por sacer-
dotisas: as pitonisas. 
Templo de Atena Pronaia, construído na 
área inferior do santuário de Apolo,
século IV a.C. Ilha de Delfos.
O culto a Apolo representava para os 
gregos a construção dos valores da ci-
vilização. Os lemas “Nada em excesso” 
e “Conhece-te a ti mesmo”, gravados 
na entrada do templo, apontavam os 
valores morais associados a esse deus. 
Durante os meses do inverno, as está-
tuas de Apolo eram substituídas pelas 
de Dioníso, que os gregos cultuavam 
como deus do vinho, da festa, da ale-
gria e da abundância.
Emi Cristea/Shut
ter
stoc
k/Glow Images
Arte_vu_PNLD2015_U1C6_072a085.indd 76
6/17/13 10:17 AM


| CApÍtulo 6 | GRÉCIA |
77
Ânfora de Dipylon, urna funerária. Cerca de 750 a.C.-735 a.C. 155 cm de altura. 
À direita, detalhe da ânfora.
Os vasos decorados podiam ter funções funerárias, cerimoniais ou de culto. Este vaso 
monumental foi encontrado na tumba de uma mulher em Atenas. Acima e abaixo da 
cena com figuras humanas, que provavelmente representam uma procissão ou um la-
mento em torno do corpo morto, o vaso é decorado com padrões geométricos repeti-
dos, organizados em frisos. 

kouros de Volomandra, cerca de 530 a.C. Mármore, 194 cm. Museu Nacional de Arqueologia, 
Atenas, Grécia.
As esculturas do período arcaico tinham escala humana e eram fortemente influenciadas 
pela arte egípcia (Capítulo 3). As figuras masculinas, de jovens nus, com um dos pés impe-
lindo ao movimento, são hoje denominadas 
kouros. As figuras femininas, mais estáticas, de 
jovens vestidas, recebem o nome de 
korés.
As cidades-Estado também podiam se asso-
ciar para defenderem-se de outros povos, como 
aconteceu nas guerras travadas contra os persas.
Os historiadores distinguem três grandes pe-
ríodos na história da sociedade grega: o período 
arcaico, o clássico e o helênico.
O período da Grécia arcaica começa em finais 
do século VIII a.C. Típica da arte deste período é 
a decoração geométrica das cerâmicas, que nas 
peças mais antigas consiste em padrões muito 
simples, baseados na repetição de círculos con-
cêntricos e outras formas básicas. Mais tarde os 
padrões formaram frisos com linhas espiraladas 
repetidas, que hoje são chamadas “gregas”.
A partir do século VII a.C., surgem as primeiras esculturas em 
mármore representando o corpo humano em tamanho natural. Es-
sas esculturas votivas podiam ser usadas como monumentos fune-
rários, mas não representavam nem deuses nem o falecido. Eram 
imagens idealizadas que evocavam valores como a virilidade, a fer-
tilidade e a vitória.
AFP/Other Images/Museu Nacional de 
Arqueologia, Atenas, 
Grécia.
L
eemage/Diomedia/Museu Nacional de 
Arqueologia, 
Atenas, Grécia.
AFP/Other Images/Museu Nacional de Arqueologia, Atenas, Grécia.

Baixar 87 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   43   44   45   46   47   48   49   50   ...   353




©historiapt.info 2023
enviar mensagem

    Página principal