Pesquisa incluída no fim de cada capítulo: assistir, ouvir, ler, contemplar e percorrer os sites indicados, sem limitações à curiosidade. Entretanto, é na página Ação



Baixar 4.71 Mb.
Pdf preview
Página111/353
Encontro16.07.2022
Tamanho4.71 Mb.
#24280
1   ...   107   108   109   110   111   112   113   114   ...   353
Arte - Volume único
subjetividade: realidade psíquica, emocional 
e cognitiva (que envolve o processo de 
conhecimento) do ser humano, que pode 
se manifestar ao mesmo tempo nos planos 
individual e coletivo.
O Neoclassicismo e a Revolução
A Revolução Francesa consistiu numa série 
de acontecimentos políticos que culminaram em 
1789 e nasceram do descontentamento da popu-
lação da França com o governo do rei Luís XVI. A 
agitação política se transformou num movimento 
de massas que destituiu a monarquia francesa e 
levou à proclamação da República e à elaboração 
de uma Constituição. Os líderes dessa revolução 
se inspiravam principalmente nos ideais republi-
camos que haviam guiado a sociedade romana 
antes do período imperial (Capítulo 7).
O pintor francês Jacques-Louis David (1748-
-1825), que dominou o cenário artístico durante 
a Revolução Francesa, produziu uma série de 
pinturas que louvavam os valores republicanos 
da Roma antiga. 
Ao mesmo tempo em que a Revolução France-
sa reacendeu o interesse por temas heroicos e pela 
pintura histórica, os artistas do final do século XVIII, 
impulsionados pelo espírito iluminista, se sentiram 
livres para escolher seus temas, que podiam retra-
tar tanto cenas transcorridas no ambiente cotidia-
no como episódios da história recente, desde que o 
tema despertasse o interesse do público.
The Bridgeman 
Ar
t Library/K
eystone
Arte_vu_PNLD2015_U2C14_176a189.indd 179
6/17/13 11:04 AM


180
TEMAS INTERDISCIPLINARES
ARTE E FILOSOFIA
.. 
O Iluminismo
As mudanças políticas, econômicas e sociais que vinham ocor-
rendo na França e na América foram consequências de uma 
revolução filosófica, à qual se deu o nome de Iluminismo. 
Os pensadores iluministas estabeleceram a ideia de pro-
gresso, pois consideravam que a humanidade e suas insti-
tuições, apesar de imperfeitas, podiam ser reformadas. De-
fendiam que as atividades humanas deveriam ser norteadas 
pela razão, buscando-se sempre o bem comum. Rejeitando 
noções de que a humanidade está no mundo para servir a 
Deus ou ao monarca, os filósofos iluministas frisavam que 
o homem nasceu para servir a si mesmo e para buscar sua 
própria felicidade. 
Essa nova filosofia gerou o lema da Revolução Francesa – “Li-
berdade, igualdade, fraternidade” – e influenciou movimentos 
sociais como a independência das colônias inglesas na Amé-
rica do Norte e a Inconfidência Mineira, em 1789, no Brasil.
O artista francês Jean-Antoine Houdon (1741-1828) convi-
veu com os pensadores iluministas e esculpiu bustos de 
Voltaire, Rousseau e Diderot, entre outros. 
Houdon. Voltaire
Bronze, 1778. Museu 
do Louvre, Paris.
Para Voltaire (1694-1778), os governos 
deveriam se inspirar pela razão e buscar 
o progresso. 
Houdon. 
Rousseau, 1778.
Terracota. Museu 
Lambinet, Versalhes, 
França.
Para Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), 
os homens nascem livres e os cidadãos 
devem ter direitos iguais. 
Houdon. Diderot
1771. Terracota. 
Museu do Louvre, 
Paris, França.
Denis Diderot (1713-1784) foi o criador 
da Enciclopédia, que tinha como finalida-
de apresentar conhecimentos dispersos 
de forma sistematizada. 
Jacques-Louis David. O juramento dos 
Horácios, 1784, óleo sobre tela, 330 cm x
425 cm, Museu do Louvre, Paris, França.
Nesta tela, David realiza o que pode 
ser considerado um manifesto es-
tético da austeridade. Num ambien-
te desprovido de qualquer orna-
mentação, transcorre um episódio 
da Antiguidade que evoca heroísmo 
e virtudes cívicas: o velho Horácio 
entrega as armas a seus filhos, que 
juram arriscar a vida para defender 
sua aldeia. Entre as mulheres que 
se desesperam, estão a filha e a 
mulher de Horácio e a nora descen-
dente da tribo rival.
R
eprodução/Museu do L
ouvre, P
aris, F
rança. 
J
ean Antoine 
Houdon/Get
ty 
Images/Museu Lambinet, 
V
er
salhes, F
rança.
Gérard Blot/RMN/Other Images/
Museu do L
ouvre, P
aris, F
rança.
J
ean-Gilles Berizzi/RMN/Other Images/
Museu do L
ouvre, P
aris, F
rança.
Arte_vu_PNLD2015_U2C14_176a189.indd 180
6/17/13 11:04 AM


| CApÍtulo 14 | NeoClAssiCismo e RomANtismo |
181
O espírito romântico
Os artistas românticos exaltavam não só a liberdade, mas 
também o amor e a emoção. Eles queriam expressar a perso-
nalidade, aquilo que há de mais pessoal em cada um de nós.
Um dos pintores que vivenciou as contradições de sua 
época – a fidelidade à tradição barroca, a atração pelas ideias 
iluministas e a expressão do espírito romântico – foi o espa-
nhol Francisco de Goya y Lucientes (1746-1828). 
Francisco de Goya y Lucientes. O sono da razão produz monstros. Gravura em água-forte e 
água-tinta, 21,6 cm x 15,2 cm, 1799.
Esta gravura faz parte da série “Os caprichos”, em que Goya faz uma crítica social. 
Embora à primeira vista pareça representar apenas um pesadelo fantástico, o títu-
lo da estampa conduz a um significado mais profundo: quando a razão adormece, 
quem governa são monstros como a insensatez, o terror e o despotismo.
A Espanha havia perdido para a Inglaterra a 
posição de maior potência marítima do mundo, 
o que acarretou empobrecimento e desequilíbrio 
social no país no final do século XVIII. A obra de 
Goya sintetiza esse estado de coisas. O artista foi 
um importante pintor da corte espanhola, mas ao 
mesmo tempo, em seus desenhos e gravuras, foi 
um eloquente crítico, revelando os vícios da so-
ciedade de seu tempo. Ao longo do tempo, a obra 
de Goya desenvolveu características românticas 
e o artista passou a abordar temas cada vez mais 
dramáticos.
Em 1808, Napoleão invadiu a Espanha. Assim 
como muitos espanhóis, Goya acreditava que os 
conquistadores trariam as reformas liberais e os 
avanços da Revolução Francesa, tão desejados. 
Mas a violência e a selvageria das tropas invaso-
ras logo mostraram o contrário. A decepção de 
Goya se reflete com crueza em uma pintura que 
rememora a revolta ocorrida em Madri naquele 
ano. A imagem, que retrata o conflito a partir do 
ponto de vista das vítimas, inaugura uma nova vi-
são de mundo, em que as batalhas deixam de ser 
representadas como atos de heroísmo.
Museu do P
rado, Madri, Espanha.
R
eprodução/Arqui
v
o da editora
Goya. Três de maio de 1808. Óleo sobre tela, 268 cm x 
347 cm, 1814, Museu do Prado, Madri.
A tela retrata a execução de um grupo de espa-
nhóis por soldados franceses, numa colina próxi-
ma de Madri. Os soldados de costas formam uma 
parede sem rosto, desumana. A figura principal, 
de braços para o alto, esperando as balas, evoca 
a figura de Cristo crucificado. A luz, a composição 
e os personagens fazem parte de um arranjo que 
visa denunciar a opressão e a violência. Quando 
questionado por que havia pintado uma cena tão 
brutal, Goya respondeu: “Para alertar os homens 
para que nunca mais façam isso”.
Arte_vu_PNLD2015_U2C14_176a189.indd 181
6/17/13 11:04 AM


182
O Romantismo se expressou principalmente 
na pintura, na poesia e na música. Nesse movi-
mento intelectual e artístico, o “eu” – a percepção 
subjetiva da vida – tornou-se o grande tema. Os 
artistas românticos, porém, não se limitavam a re-
presentar o sentimento, o estado da alma –, mas 
também olhavam o mundo para além da socieda-
de em que viviam. Por isso, se interessaram pelo 
exótico, pelo Oriente e pelas tradições populares. 
Na pintura, a busca por temas emocionais 
pode ser vista na obra de Eugène Delacroix (1798- 
-1863), que se interessava pela representação do 
movimento e o uso de uma paleta de cores fortes, 
contrastantes.
Delacroix foi convidado a acompanhar uma 
missão diplomática ao Marrocos, em 1832, logo 
após a conquista da Argélia pela França. Ali, fi-
cou maravilhado com a luz, as cores, as roupas 
e as cenas de rua, que representou em desenhos, 
guaches e aquarelas.
Eugène Delacroix. A liberdade guiando o 
povo. Óleo sobre tela, 1830, 260 cm x 
325 cm, Museu do Louvre, Paris, França.
Nesta que é uma de suas obras mais 
conhecidas, Delacroix representou 
a liberdade como uma mulher do 
povo, forte, destemida, com seios 
desnudos e carregando a bandeira 
francesa. Inspirado numa revolta 
ocorrida nas ruas de Paris em 1830, 
Delacroix sintetizou visualmente o 
que significava a liberdade nas pri-
meiras décadas do século XIX.
Música clássica e romântica
O que conhecemos como música clássica 
consiste predominantemente da música instru-
mental na forma sonata, concebida na segunda 
metade do século XVIII, na Europa. Três tipos de 
composição caracterizam essa forma musical: a 
sonata, composição para um ou dois instrumen-
tos; a sinfonia, música composta para orquestra, 
e o concerto, composição para um instrumento 
solista, com acompanhamento de orquestra.
Os compositores clássicos desenvolveram te-
mas musicais em construções e andamentos va-
riados. No século XIX, os românticos privilegia-
ram as emoções e a liberdade criativa, utilizando a 
multiplicidade de timbres e a variação de intensi-
dade sonora no intuito de evocar imagens em suas 
composições.
Uma orquestra é composta por quatro famí-
lias de instrumentos: cordas, madeiras, metais e 
percussão. Durante o século XVIII, a orquestra 
se organizou da forma que conhecemos hoje. No 
século XIX, o aperfeiçoamento dos instrumen-
tos de sopro, em especial os de metal, permitiu 
maior extensão melódica e tornou-os mais fáceis 
de tocar. Alguns compositores do período foram 
R
eprodução/Museu do L
ouvre, P
aris, F
rança.
Arte_vu_PNLD2015_U2C14_176a189.indd 182
6/17/13 11:04 AM


| CApÍtulo 14 | NeoClAssiCismo e RomANtismo |
183
Marc F
er
rez/Acerv
o Instituto Moreira S
alles
reconhecidamente músicos virtuoses, ou seja, de 
talento e grande habilidade. O violinista e compo-
sitor Niccolò Paganini (1782-1840), conside rado 
um dos melhores violinistas de todos os tempos
criou um estilo próprio, de grande agilidade. 
Frédéric Chopin (1810-1849) é outro exemplo 
de instrumentista virtuose. Senso rítmico apura-
do faz deste pianista e compositor polonês um 
dos nomes mais aclamados da música europeia.
A academia francesa no Brasil
Cenário histórico
No início do século XIX, o imperador francês Napoleão I, 
depois de conquistar a Espanha, invadiu Portugal. 
O príncipe regente Dom João VI e a rainha Dona Maria I, 
acompanhados de mais de 15 mil pessoas da Corte, se vi-
ram obrigados a fugir para o Brasil. 
Ao se estabelecer no Rio de Janeiro em 1808, a Coroa 
portuguesa providenciou melhorias urbanas e culturais 
para a então capital da colônia. A cidade do Rio de Janeiro, 
onde os valores estéticos ainda eram os do barroco, viu-
-se subitamente confrontada com os padrões neoclássi-
cos da aristocracia portuguesa.
A Missão Artística Francesa
Para atender as necessidades dos novos morado-
res da cidade do Rio de Janeiro, a Corte portuguesa 
providenciou um plano que incluía a criação de insti-
tuições, fábricas, bancos e até mesmo um jardim bo-
tânico. O projeto de transformar uma cidade colonial 
em capital de um império culminou com a contrata-
ção de um grupo de artistas franceses que foram en-
carregados de fundar uma Academia de Belas-Artes, 
a fim de formar, de acordo com o modelo francês, os 
futuros artistas brasileiros.
Esse grupo, que mais tarde ficou conhecido como 
Missão Artística Francesa, incluía, entre outros, o 
pintor Jean-Baptiste Debret (1768-1848) e o arquiteto 
Grandjean de Montigny (1776-1850).
Há controvérsias quanto ao real motivo da vinda 
desses artistas. Tudo indica que estivessem fugindo 
para o Brasil por serem simpatizantes de Napoleão, 
que acabara de perder o poder na França. No entan-
to, o fato de que essa comitiva artística fosse bona-
Baixar 4.71 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   107   108   109   110   111   112   113   114   ...   353




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal