Os Padres Apologistas



Baixar 22.87 Kb.
Página1/3
Encontro25.06.2021
Tamanho22.87 Kb.
#16205
  1   2   3


Os Padres Apologistas
Se o fim dos Padres Apostólicos era aquele de guiar e edificar os fiéis nos primeiros tempos do cristianismo, já no II séc., aquele dos Padres Apologistas gregos, a literatura da Igreja assume contato com o mundo externo, isto é com aquele da cultura e da ciência. É o caráter apologético que torna distintivo os escritos do II séc.: por causa das calúnias grosseiras ao cristianismo. O fato foi a circulação de idéias falsas em relação ao cristianismo. O Estado considerava a adesão ao cristianismo como um delito capital contra o culto oficial e a majestade do Imperador.

Os escritos dos apologistas refletiram o encontro do cristianísmo com o mundo pagão e com judaísmo. "Os judeus diz o Autor A Diogneto a propósito dos cristãos: fazem a eles guerra como a raça estrangeira e os gregos os perseguem; mas aqueles que os odeiam não sabem dizer o motivo de seu ódio"1.

Assim o Cristianísmo lutou no seu primeiro expandir-se como organização religiosa, contra o estado pagão, como religião monoteísta contra o politeísmo, como religião do Messias, contra o Judaísmo, como verdade revelada, contra a filosofia pagã.

- A reação do mundo pagão: O estado pagão reagiu contra a sociedade religiosa cristã com uma precisa acusação: Crimen religionis, Crimen maiestatis: Crime da religião, crime da majestade. O fato foi a não sujeição ao Imperador porque tudo isso implicou a sua adoração. Deve-se dizer que unto aos povos clássicos estado e religião eram unidos, este crime comprometia um segundo, pelo qual a tradição aplicou sempre como pena de morte; o crimen religionis ou sacrilegii, impiedade: sacrilegii et maiestatis convenimur2. Outra coisa: o culto ao imperador iniciou no Oriente com Alexandre Magno. Em Roma, veio tributado a partir de César(post mortem). Com Domiciano começou o culto ao Imperador ainda em vida: dominus et deus noster. No Imperador manifestava-se o divino. Quem não participava do culto era tido como um perturbador da vida e da ordem social. O Estado e a religião andavam juntos: O culto que se realizava era em favor da cidade; pedia-se a proteção dos deuses sobre a cidade. Recusar o culto, ou recusar-se de adorar o Imperador, significava para a autoridade e ao povo, falta de lealdade, pública demonstração de rejeição do poder constituído.

O povo reagia semeando ódio contra os cristãos com acusações infamantes: canibalismo, incesto, ateísmo. Com o tempo surgiram escritores, que se tornavam adversários do Cristianismo. As opiniões destes “doutos”, viam na nova religião uma ameaça incessante para o domínio de Roma sobre o universo. Lembramos o autor satírico Luciano de Samosata que no “De Morte Peregrini”, escrito em 170, colocava como ridículo o amor fraterno e o desprezo da morte. Mas o mais importante de todos foi o platônico Celso que contra o cristianismo publicou em 178 “O Discurso Verdadeiro” Αληθης Λoγoς. Ele via no cristianismo um conglomerado de superstições e de fanatismo. Origenes o confutou em cinco livros. É evidente que o cristianismo ganhava sempre mais adeptos também no nível da cultura, fazendo os ultrajes serem sempre mais freqüentes e tudo isto não poderia ficar sem uma resposta.

- Cristianísmo e Judaísmo: Outro adversário o cristianísmo o teve no judaísmo, um adversário difícil; não se podiam romper os pontos doutrinais com a religião mãe; de outro o cristianísmo é continuação mas é sobretudo cumprimento das promessas proclamadas. Cristo Jesus sofreu muito nas suas sinagogas de modo que a sinagoga, já desde o início havia manifestado a sua oposição: (At 8 13,14). "As sinagogas dos judeus foram fonte de perseguição para os cristãos", disse Tertuliano3. O Martyrium de São Policarpo referia que os mais zelosos a preparar a fogueira foram como de costume os judeus, os quais instigaram o governador a não conceder aos cristãos o corpo do mártir"4.

Em três aspectos os apologistas se fixaram:

a)- Eles confutavam as calúnias correntes e em particular, respondiam a aqueles que acusavam a Igreja de ser um perigo para o Estado. Por isto eles confutavam as acusas; seja de delitos legais(crimina sacrilegii et maiestatis, seja aquelas infamantes que giravam entre o povo. Para isto eles sublinhavam a honestidade, a integridade, a castidade, a honorabilidade´o amor dos seus correligionários.

b)- Expunham a absurdidade e imoralidade do paganismo, dos seus mitos e das suas divindades. Estabeleciam que somente o cristão possuía uma idéia correta de Deus e do universo. Em conseqüência defendiam os dogmas relativos à unidade de Deus, ao monoteísmo, à divindade de Cristo e à ressurreição da carne.

c)- Colocavam o cristianismo como superior à filosofia grega, já que na realidade é uma filosofia divina. O Cristianismo possui a verdade absoluta, o Logos, o Cristo que se tornou carne para a salvação de todos.


O que são os Padres Apologistas?- São os Padres que procuraram defender o cristianísmo diante do mundo pagão e do judaísmo.

Eles confutavam as acusas de canibalismo, incesto, ateísmo.

Características: Eles eram pagãos convertidos ao Cristianísmo que sentiram a necessidade de participar a outros a sua experiência religiosa, de clarificar as idéias das autoridades e do povo respeito aos cristãos, de comunicar esta luz que brilhou aos seus olhos e defender uma sociedade de homens tanto admiráveis e tanto mal conhecidos. Os seus escritos são cheios de vida e de entusiasmo, muitas vezes são escritos de batalha. Na polêmica contra a religião pagã, os apologistas tinham numerosos exemplares na literatura pagã e judaica e sobre isto eles tinham um conhecimento aprofundado. A exposição da doutrina cristã era para eles uma novidade: deviam adaptar-se à mentalidade pagã e limitar-se a algum aspecto do pensamento cristão: unidade de Deus, imortalidade da alma, a vida futura e outras verdades demonstráveis com a razão.


Eles foram os primeiros teólogos da Igreja, porque eles lançaram os primeiros fundamentos da ciência e de Deus. Eles são os primeiros teólogos que operaram a inculturação do evangelho na civilização do seu tempo. Trata-se dos inícios de um estudo formal da doutrina teológica.



Baixar 22.87 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal