Os Contos indd 1 08/11/18 10: 17


Lygia Fagundes Telles



Baixar 152 Kb.
Pdf preview
Página7/17
Encontro01.04.2021
Tamanho152 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   17
24

Lygia Fagundes Telles

Encarei-o. Quando ele sorria ficava menino outra vez. Seus 

olhos tinham o mesmo brilho úmido das uvas.

— Que coisa?

— Mas se eu já disse que é surpresa! Mostro depois. 

Não insisti. Conhecia de sobra aquela antiga expressão com 

que vinha me anunciar que tinha algo escondido no bolso ou de-

baixo do travesseiro. Acabava sempre por me oferecer seu tesouro: 

a maçã, o cigarro, a revistinha pornográfica, o pacote de suspiros, 

mas antes ficava algum tempo me rondando com aquele ar de se-

creto deslumbramento.

— Vou fazer um café — anunciei.

— Só se for para você, tomei há pouco na esquina.

Era mentira. O bar da esquina era imundo e para ele o café 

fazia parte de um ritual nobre, limpo. Dizia isso para me poupar, 

estava sempre querendo me poupar.

— Na esquina?

— Quando comprei as uvas…

Meu irmão. O cabelo louro, a pele bronzeada de sol, as mãos 

de estátua. E aquela cor nas pupilas.

— Mamãe achava que seus olhos eram cor de violeta.

— Cor de violeta?

— Foi o que ela disse à Tia Débora, meu filho Eduardo tem os 

olhos cor de violeta.

Ele tirou o paletó. Afrouxou a gravata.

— Como é que são olhos cor de violeta?

— Cor de violeta — eu respondi abrindo o fogareiro. 

Ele riu apalpando os bolsos do paletó até encontrar o cigarro.

— Meu Deus, tinha um canteiro de violetas no jardim de casa… 

Não eram violetas, Rodolfo?

— Eram violetas.

— E uma parreira, lembra? Nunca conseguimos um cacho 

maduro daquela parreira — disse amarfanhando com um gesto 

afetuoso o papel das uvas. — Até hoje não sei se eram doces. Eram 

doces?

— Também não sei, você não esperava amadurecer.



Vagarosamente ele tirou as abotoaduras e foi dobrando a 

manga da camisa com aquela arte toda especial que tinha de dobrá-

-la sem fazer rugas, na exata medida do punho. Os braços muscu-

losos de nadador. Os pelos dourados. Fiquei a olhar as abotoaduras 

que tinham sido do meu pai.

— A Ofélia quer que você almoce domingo com a gente. Ela 

releu seu romance e ficou no maior entusiasmo, gostou ainda mais 

14555 - Os Contos.indd   24

08/11/18   10:17


1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   17


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal