Organizadora s



Baixar 18.73 Mb.
Pdf preview
Página15/102
Encontro22.07.2022
Tamanho18.73 Mb.
#24328
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   102
Documento Curricular do Estado do RN Educacao Infantil ebook final 2018(1)
CAÇA PREDATORIA
APROFUNDANDO O TEMA


28
A PRIMEIRA INFÂNCIA
Concepções de Infâncias
Considera-se que é a partir da Sociologia da Infância que se consolida a 
ideia de que a criança é um ator social com direitos, impulsionando des-
sa forma o seu reconhecimento como cidadão ativo com lugar nas esferas 
social, política e científica. Esse percurso abre renovadas possibilidades de 
considerar as crianças, bem como as relações e as práticas sociais desenvol-
vidas com elas, no sentido de contestar o entendimento das crianças como 
objetos passivos das políticas e das práticas adultas, cuja cidadania é vista 
como um potencial e um estatuto a ser alcançado no futuro (CUNHA, 2016).
As crianças são vistas como cidadãos com direitos, membros de um gru-
po social, agentes de suas próprias vidas (embora não agentes livres) e 
como co-construtores do conhecimento, identidade e cultura. “A criança 
como forte, competente, inteligente, um pedagogo poderoso, capaz de 
produzir teorias interessantes e desafiadoras, compreensões, perguntas 
– e desde o nascimento, não em uma idade avançada quando ficaram 
prontos” (MOSS, 2005, p. 242). Nesse sentindo, concebe-se neste docu-
mento, a criança como:
• 
Sujeito histórico, social e cultural – cuja singularidade vai se construin-
do nas condições de vida concreta que lhes são possibilitadas – em sua 
história de vida social e pessoal;
• 
Pessoa que aprende e se desenvolve mediante condições de interação 
e mediação social e simbólica – mediante participação do(s) outro(s) e 
da(s) linguagem(s);
• 
Ser concreto e contemporâneo (do tempo presente): já é uma pessoa, 
cuja identidade/subjetividade está em processo de constituição inicial;
• 
Sujeito de direitos, dentre eles, à educação (que envolve cuidado) como 
condição para que possa desenvolver suas potencialidades humanas.
Uma criança com uma voz para ser ouvida, mas compreendendo que ouvir 
é um processo interpretativo e que as crianças podem se fazer ouvir de 
muitas formas (conhecidamente expresso em As Cem Linguagens da In-
fância, de Malaguzzi). (MOSS, 2005). Nesse sentido, a partir do interesse da 
criança, a consideração da sua participação implica que a sua voz seja in-
tegrada nos processos de tomada de decisão nos assuntos que lhe dizem 
respeito, de forma a ultrapassar a ideia apresentada por Qvortrup (1999, 
p.9) de que “(…) os adultos afirmam que as crianças devem ser ouvidas, 
mas na maioria das vezes são tomadas decisões, que vão ter consequên-
cias nas suas vidas, sem que as mesmas sejam levadas em conta”.
Considera-se aqui, que as crianças são as melhores informantes sobre as 


29
A PRIMEIRA INFÂNCIA
Especificidades da Criança
questões que lhe dizem respeito. E, portanto, são legitimadas como ato-
res sociais, em condições de explicitarem sua compreensão sobre algo, 
pelo descortinamento de seus modos de ser e estar no mundo, não só 
pela fala, mas por múltiplas outras formas de comunicação que pos-
suem. (CUNHA, 2016). Nessa compreensão, as crianças de cada contexto 
do estado do Rio Grande do Norte, são pessoas singulares que se consti-
tuem nas relações, interações e práticas culturais, com seus modos pró-
prios de aprender, investigar e se desenvolver. Para tanto, precisam ser 
observadas, ouvidas e consideradas no planejamento e desenvolvimen-
to de currículos e práticas pedagógicas em instituições educativas.
Desse modo, como produção de sua história de vida, cada criança tem 
suas singularidades, características que as constituem como pessoa e 
lhe conferem uma contemporaneidade enquanto sujeito histórico e so-
cial. No entanto, é possível falar de especificidades que diferenciam as 
crianças pequenas em relação aos seres humanos de outros ciclos de 
vida, no que se refere aos modos de se relacionar com o mundo, de com-
preendê-lo e de agir nele/sobre ele, de viver, sentir, olhar, falar, aprender, 
simbolizar, movimentar-se e produzir culturas infantis vinculadas, princi-
palmente, à ludicidade. 

Baixar 18.73 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   102




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal