Olá Estudante, seja muito bem-vindo(a)!


ATIVIDADES 1 – (UFRN) (Adaptada) -



Baixar 27.67 Mb.
Pdf preview
Página172/332
Encontro10.08.2021
Tamanho27.67 Mb.
1   ...   168   169   170   171   172   173   174   175   ...   332
ATIVIDADES
1 – (UFRN) (Adaptada) - Vinicius de Moraes, inspirado em acontecimentos ocorridos em meados do 
século XX, escreveu o seguinte poema:
Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas só não se esqueçam
Da rosa, da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor, sem perfume
Sem rosa, sem nada.
MORAES, Vinicius de. Rosa de Hiroshima. In: Secos & molhados. São Paulo: Continental, 1973. 1 CD. Faixa 9. (Série Dois Momentos).
Identifique o fato histórico que inspirou o poeta e explique a relação desse fato com a Segunda Guerra 
Mundial.


175
2 – (ENEM/2015) A participação da África na Segunda Guerra Mundial deve ser apreciada sob a ótica 
da escolha entre vários demônios. O seu engajamento não foi um processo de colaboração com o 
imperialismo, mas uma luta contra uma forma de hegemonia ainda mais perigosa.
MAZRUI, A. Procurai primeiramente o reino do político [...]. In: MAZRUI, A.; WONDJI, C. (Org). História geral da África: África desde 1925. 
Brasília: UNESCO, 2010.
Para o autor, a “forma de hegemonia” e uma de suas características que explicam o engajamento dos 
africanos no processo analisado foram:
a)  Comunismo / rejeição da democracia liberal.
b)  Capitalismo / devastação do ambiente natural.
c)  Fascismo / adoção do determinismo biológico.
d)  Socialismo / planificação da economia nacional.
e)  Colonialismo / imposição da missão civilizatória.
3 – O expediente que ambos os governantes totalitários (Hitler e Stálin) utilizaram para transformar suas 
respectivas ideologias em armas, com as quais cada um dos seus governados podia obrigar-se a entrar 
em harmonia com o movimento do terror, era enganadoramente simples e imperceptível: levavam-nas 
mortalmente a sério e orgulhavam-se, um, do seu supremo dom de “raciocínio frio como o gelo” (Hitler), 
e o outro da impiedade da sua dialética, e passaram a levar as implicações ideológicas aos extremos 
da coerência lógica que, para o observador, pareciam despropositadamente “primitivos” e absurdos: a 
“classe agonizante” consistia em pessoas condenadas à morte; as raças “indignas de viver” eram pessoas 
que iriam ser exterminadas. Quem concordasse com a existência de classes agonizantes e não chegasse 
a consequência de matar os seus membros, ou com o fato de que o direito de viver tinha algo ver com 
a raça e não deduzisse que era necessário matar as “raças incapazes”, evidentemente era ou estúpido 
ou covarde. Essa lógica persuasiva como guia da ação impregna toda a estrutura dos movimentos e 
governos totalitários. Deve-se exclusivamente a Hitler e a Stálin, que, embora não acrescentassem 
um único pensamento novo às ideias e aos slogans de propaganda dos seus movimentos, só por isso 
merecem ser considerados ideólogos da maior importância. 
ARENDT, Hannah. As Origens do Totalitarismo: anti-semitismo, instrumento de poder. Rio de Janeiro: Ed. Documentário, 1975. p.351 
O texto faz referência ao totalitarismo, evidenciando 
a)  as propagandas como instrumento democrático na divulgação das ações educativas.
b)  os projetos de expansão da doutrina comunista pela Europa após a Revolução Russa.
c)  as estratégias inovadoras aplicadas pelos nazistas no intuito de conter a crise política.
d)  as teorias científicas contemporâneas que comprovaram a superioridade da raça ariana. 
e)  os mecanismos ideológicos utilizados pelos líderes fascistas para manipular a população.


176


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   168   169   170   171   172   173   174   175   ...   332


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal