Oficina de história: volume 1



Baixar 10.24 Mb.
Página553/556
Encontro08.10.2019
Tamanho10.24 Mb.
1   ...   548   549   550   551   552   553   554   555   556
Mãos à Obra

1. No mundo medieval destacavam-se o poder universal exercido pela Igreja e o poder local exercido pelos nobres. Na passagem da Idade Média para a Idade Moderna ocorre a centralização política em torno do rei com a adaptação da nobreza e do clero à nova estrutura política.

2. O Absolutismo atingiu seu apogeu com estes governantes através da submissão da Igreja aos interesses do Estado, com a criação da Igreja anglicana por Henrique VIII, e com a bem-sucedida política mercantilista de Elizabeth I, com o desenvolvimento das manufaturas e a política de colonização da América.

3. Na mão direita o rei carrega a espada, na perspectiva hobbesiana símbolo da necessidade do uso da força na manutenção da ordem. Na mão esquerda, o cetro, um dos símbolos da monarquia que, em conjunto com a coroa, compõem a ideia da hereditariedade. O corpo do rei ocupa lugar central e aparece enorme em relação à cidadela que está abaixo: elementos de seu poder de Leviatã. Por fim, seu corpo é constituído pelo de diversos homens, o que pode ser interpretado como um poder que emanaria do povo: a ideia do direito natural.

4. a) A grande tradição cultural incluía a tradição clássica (greco-romana), a filosofia escolástica, a teologia medieval e movimentos intelectuais como a Renascença, a Revolução Científica do século XVII e a Ilustração, elementos difundidos nas escolas e universidades europeias.

b) A pequena tradição cultural envolvia canções e contos populares, imagens devotas, mobiliários decorados, peças teatrais populares, folhetos e livros de baladas e as festividades dos dias santos, do Carnaval, Natal, ano-novo, primeiro de maio e solstício de verão.

c) É interessante que o aluno consiga apresentar a elite culta como bicultural, no sentido de que participava da grande tradição e da pequena tradição, e bilíngue, dominando o latim ou as formas literárias das línguas vernáculas e os dialetos regionais.

d) Sim. No Brasil, por exemplo, a elite participa de festas populares, como o Carnaval, consome músicas populares, vibra com o futebol, se emociona com rituais e procissões religiosas e se diverte aos domingos com programas de auditório na televisão.

e) No Brasil, o acesso à literatura, às artes, à música erudita e aos conhecimentos científicos é, via de regra, exclusivo da elite e uma das marcas de seu privilégio social. As informações oferecidas por veículos impressos e órgãos de imprensa internacional também lhes são praticamente exclusivas. O uso de computadores e da rede mundial (internet), apesar de intensa proliferação, ainda é privilégio de poucos. A destreza com idiomas estrangeiros, principalmente o inglês, ainda diferencia a elite dos grupos subalternos.

5. A tela mostra a sagração de cavaleiros, o que retoma a simbologia dos rituais de vassalagem, na Idade Média, expressando a hierarquia entre suserano e vassalos por meio dos gestos, da posição e dos trajes de cada um.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   548   549   550   551   552   553   554   555   556


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal