Oficina de história: volume 1


Tá ligado?! (b) Verificação de leitura • 3



Baixar 10.24 Mb.
Página526/556
Encontro08.10.2019
Tamanho10.24 Mb.
1   ...   522   523   524   525   526   527   528   529   ...   556
Tá ligado?! (b)

Verificação de leitura • 3

1. A Coroa portuguesa estava voltada para o lucrativo comércio oriental de especiarias, que a América estava longe de poder oferecer.

2. Os portugueses só demonstraram maior interesse pela América com a retração das atividades comerciais no Oriente provocada pela concorrência de mercadores turcos, venezianos e ingleses, e pela queda dos preços das especiarias.

3. Para garantir a colonização era necessário estabelecer uma política de povoamento e uma atividade lucrativa que fixasse os portugueses na América. A solução encontrada foi o desenvolvimento da agroindústria canavieira, já experimentada com sucesso nas ilhas atlânticas.

4. As capitanias hereditárias representavam uma forma descentralizada de colonização através da delegação de poderes militares, administrativos, jurídicos e econômicos a particulares, que deveriam promover e investir na colonização da América portuguesa. O governo-geral representava uma tentativa de centralizar a política de exploração dos domínios coloniais, limitando o poder dos capitães-donatários e submetendo-os ao governador-geral, que retomava, em nome da Coroa, as incumbências de garantir a defesa militar, implementar a Justiça, arrecadar tributos, fundar vilas e povoados, e estimular as atividades econômicas.

5. As ações dos governos-gerais foram cercadas de resistências por parte dos capitães donatários e fazendeiros. Como forma de compensação, ao mesmo tempo que alguns poderes eram centralizados pelos governadores, eram criados órgãos e instituições, como as câmaras municipais para que os capitães donatários e os fazendeiros participassem da administração colonial. Estabelecia-se uma difícil costura entre as tentativas centralizadoras da metrópole e os interesses dos poderosos estabelecidos na América.

6. A desonra que cercava o trabalho manual levava os conquistadores da América a utilizar com certa “naturalidade” os serviços dos nativos, estimulando a disseminação das relações sociais escravistas.
Página 364

7. Apesar de a justificativa da conquista estar assentada na expansão da fé cristã sobre o Novo Mundo, os portugueses que cruzavam o Atlântico eram atraídos pelas práticas sexuais das tribos indígenas, muito menos restritivas que aquela estabelecida pela moral cristã. Por outro lado, os conflitos entre os conquistadores eram resolvidos pela lei do mais forte, mesmo depois de estabelecida a Justiça colonial. Por fim, as dificuldades em montar um aparelho administrativo em nome da Coroa portuguesa e em centralizar o processo de colonização não garantiam o controle dos súditos portugueses. Apesar de pejorativamente atribuírem aos nativos a ausência de Fé, Lei e Rei, eram os conquistadores que de fato se ressentiam dessas limitações.

8. a) Instituição responsável pelos interesses metropolitanos na colônia. Era encarregada de controlar os negócios e o trânsito de mercadorias e pessoas entre a Espanha e a colônia.

b) Tribunal de justiça e responsável pela nomeação dos altos cargos públicos.

c) Divisão administrativa e territorial na colônia organizada pela Coroa espanhola que era administrada por um governador.

d) Encarregadas da administração da justiça e que também assumiam funções de governo.






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   522   523   524   525   526   527   528   529   ...   556


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal