Oficina de história: volume 1


Sim. Porque à medida que foi sendo constituído foi incorporando elementos culturais e religiosos dos povos convertidos. Engenho e Arte



Baixar 10.24 Mb.
Página478/556
Encontro08.10.2019
Tamanho10.24 Mb.
1   ...   474   475   476   477   478   479   480   481   ...   556
5. Sim. Porque à medida que foi sendo constituído foi incorporando elementos culturais e religiosos dos povos convertidos.

Engenho e Arte

Leitura complementar

a) Refere-se ao confronto entre patrícios e plebeus.

b) A vida selvagem aparece como algo a ser superado. Viver na cidade seria um estilo de vida superior com práticas e atitudes lícitas. Remo, o selvagem desregrado, transforma-se em obstáculo para Rômulo, que almeja a vida urbana, associada a civilidade.

Mãos à Obra

1. a) A forma tradicional de produção de riqueza no mundo romano estava associada à propriedade da terra. Os patrícios eram grandes proprietários de terra e, em virtude disso, ocupavam importantes cargos públicos, tanto na burocracia quanto no Senado. Os plebeus, que constituíam a maioria dos cidadãos, eram pequenos proprietários de terra com menor poder político.
Página 343

b) O julgamento de Cícero expressa uma mudança ocorrida com a expansão territorial durante a República Romana. Se a propriedade da terra até então era fonte principal de riqueza, com a expansão territorial, o comércio torna-se uma nova fonte de enriquecimento.



2. Quando Cícero afirmou “Somos servos da lei para podermos ser livres”, estava se referindo à força do Senado romano e das leis que se impunham a todos os cidadãos fossem eles governantes ou plebeus, e que tentar desobedecê-las significaria a ruína do regime republicano que garantiria as liberdades dos cidadãos. Quando Ulpiano afirmou “O que apraz ao príncipe tem força de lei”, se referia a um momento histórico marcado pela força do imperador, considerado divino e acima das leis.

3. a) Há um casal reclinado sobre uma espécie de divã que era utilizado para se fazer as refeições. A mulher aparece à frente, encostada no corpo do marido que passa seu braço sobre os ombros da esposa. Ela usa alguma espécie de lenço ou chapéu. Quatro tranças de seus cabelos estão à frente. As mãos parecem indicar algum movimento. O esposo, atrás, aparece com o braço recostado sobre o ombro da mulher. Ele usa barba e cabelos compridos. O braço esquerdo parece estar apoiado em uma almofada.

b) Povo oriundo do norte da Península Itálica que contribuiu fortemente para o desenvolvimento das estruturas sociais das cidades itálicas e, em particular, de Roma.

c) A estrutura de sociedade etrusca (nobreza e população em posição subalterna e sem direitos de cidadania) contribuiu na formação de patrícios (detentores da “nobreza de sangue”) e plebeus.

d) Entre os etruscos a mulher tinha papel relevante com grande participação social. A posição da mulher, à frente do marido, pode ser interpretada como um símbolo das relações de gênero no mundo etrusco.

e) Enquanto na Grécia as mulheres eram socialmente marginalizadas, as mulheres romanas participavam ativamente das atividades sociais. Tomavam parte de banquetes e eram representadas com destaque na pintura e na escultura.

4. a) A educação valorizava a guerra, o aprendizado militar e o respeito à hierarquia, estando o exército presente na vida política e cultural romana de forma marcante.

b) O sistema educacional, ao garantir a formação de soldados e comandantes, formava um exército forte para o processo das conquistas.



5. a) Horácio escreveu esse verso no momento em que o Império Romano se constituía. O poeta expressa com clareza o paradoxo de um império que conquistou militarmente os gregos, mas que culturalmente foi marcado demais pela cultura helênica. A conquista não foi uma via de mão única.

b) Podemos citar:

A influência da língua grega no latim.

A arte romana era influenciada pela cultura grega, haja vista a quantidade de cópias de esculturas gregas que encontramos entre os romanos. A presença da filosofia e teatro grego.

Havia o culto a deuses de origem grega, aculturados pelos romanos.

6. a) Nas suas origens, o cristianismo surge como uma nova seita oriental que penetra na porção ocidental do Império e, até sua associação com o poder político a partir do século IV, caracteriza-se pela inexistência de uma ortodoxia e de um clero oficial. Sua penetração foi maior nas camadas mais baixas, pois justificava o sofrimento como via para a “salvação eterna”. As assembleias eram as reuniões de conversos que discutiam os ensinamentos de Cristo, transmitidos oralmente ou por textos; era comum a participação ativa das mulheres, o que funcionou como importante elemento de conversão. Os cristãos enterravam seus mortos em cemitérios secretos, as catacumbas.

b) Nessa fase inicial, como posteriormente, os cristãos – monoteístas – não aceitavam a ideologia imperial que dizia ser o imperador uma divindade (augustus) em vida, sendo perseguidos por “subversão”. Além disso, eram antiescravistas e pacifistas, o que os colocava em oposição direta aos valores militaristas e escravocratas dos romanos – daí a necessidade de eliminá-los.



7. a) Teriam conspirado para restaurar a dinastia dos Tarquínios. O pai, por sua função pública, mandou matá-los.

b) Em nome da República, o pai mata os filhos. A sociedade romana estaria acima da família de Brutus.

Pode ser interessante narrar para o aluno que o pintor executou a obra pouco antes da Revolução Francesa de 1789, momento de crítica ao absolutismo pelos desmandos dos governantes que eram vistos como figuras que colocavam seus interesses pessoais acima dos interesses franceses. Nosso olhar sobre a República romana é fortemente marcado pelos valores da Revolução Francesa.

c) O pai, em primeiro plano, aparenta meditação e discrição ante o que mandara fazer. As mulheres, juntas à direita do quadro, se abraçam em desespero pela morte dos rapazes.






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   474   475   476   477   478   479   480   481   ...   556


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal