Oficina de história: volume 1


Tá ligado?! Faça em seu caderno



Baixar 10.24 Mb.
Página168/556
Encontro08.10.2019
Tamanho10.24 Mb.
1   ...   164   165   166   167   168   169   170   171   ...   556
Tá ligado?! Faça em seu caderno

(FGV-SP) "Mas as inimizades nem sempre se mantêm implacáveis; com efeito, até o homicídio se pode remir por um número determinado de cabeças de gado, e a família inteira recebe assim uma satisfação..."

TÁCITO. A Germânia. Trad. Lisboa: Inquérito, p. 35.

Tal relato feito por um historiador latino do século I refere-se a uma característica do direito germânico completamente diferente dos princípios romanos, conhecida como o "preço do sangue". Essa prática indenizatória era denominada:

a) Lei de Talião

b) Código de Hamurabi

c)Torá


d) Wergeld

e) Rechter Winkel

→ DL/H1/H12

→ conforme tabelas das páginas 8 e 9.



Resposta d

Isso pode ser observado num pequeno trecho da Lei Sálica, uma lei do reino franco datada do século V:



"Por ter arrancado a outrem uma mão, um pé, um olho, o nariz: 100 soldos; mas se a mão tiver ficado pendente do pulso, apenas 63; por um polegar, 50 soldos; se ele tiver ficado pendente, apenas 30; pelo indicador (o dedo serve para disparar o arco): 45 soldos; outros dedos, 30 soldos; dois dedos ao mesmo tempo, 35 soldos; três dedos ao mesmo tempo, 50 soldos."

Apud LE GOFF, J. A civilização do Ocidente medieval. Lisboa: Estampa, 1983. v. 1. p. 59-60.

As leis germânicas passaram a ser redigidas em latim no século V, no processo de constituição desses reinos e sob forte influência da cultura romana. Enquanto o Direito Romano havia se constituído como norma válida para todo o território imperial, no caso germânico prevaleceu o critério da personalidade das leis. Cada um era julgado segundo as leis de seu povo, e não pelas leis vigentes num determinado reino.

A partir do século V, a tendência na Europa ocidental apontava para o desaparecimento das referências do Direito Romano e a afirmação do direito germânico. Apesar de escritas, tais normas eram aplicadas a partir da tradição oral e costumeira. O latim tornavase cada vez menos compreensível à população, exceto a um grupo de letrados que se reduzia gradativamente, mas ganhava cada vez mais importância na política europeia.

A Igreja de Roma e a conversão dos germânicos

Para administrar os territórios conquistados, os povos germânicos também tiveram de aproveitar os funcionários do Império e o latim, sua língua administrativa. De todas as instituições romanas, a única que se manteve articulada e centralizada foi a Igreja. Dotada de um grupo de funcionários (bispos e padres) disciplinados pelos valores cristãos e letrados (latim), a Igreja tornou-se fundamental para os reis germânicos estabelecerem seus domínios.

Originalmente a religião germânica era politeísta. Entre os seus deuses mais importantes figuravam Odin, deus-chefe e pai de uma série de deuses: Thor (família, lei), Tiwaz (justiça) e Ull (caça). Havia também outras inúmeras divindades: Frey (fertilidade), Freya (amor), Norns (três deusas do destino) e Frigga (uma das esposas de Odin e a deusa mais poderosa). Grande parte dos deuses vivia numa mansão (Asgard), mas havia também uma espécie de paraíso (Valhala) para onde eram levados os guerreiros valorosos mortos em combate.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   164   165   166   167   168   169   170   171   ...   556


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal