O guarani e Iracema



Baixar 381.31 Kb.
Página19/19
Encontro17.03.2020
Tamanho381.31 Kb.
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   19

Abstract



Author: Agáta Gažarová

Institution: Department of Romance Language, Portuguese Philology, Faculty of Arts, Palacký University, Olomouc

Title: The represetation of Indians in the Indianist novels O Guarani and Iracema

Supervisor: PhDr. Zuzana Burianová, Ph.D.

Number of characters:85 875 (no spaces)

Number of sources used in the thesis: 22

Number of appendices: 0

Keywords: José de Alencar, Romanticism, Indian, O Guarani, Iracema

Abstract: This thesis deals with the theme of the representation of Indian in romances of José de Alencar, the main writer of Brazilian romantic prose. The analysis will focus on the Indian novels of Alencar, formed by the novels O Guarani and Iracema. Its objective is to present a comparison of different portrayals of the Indian, presented in these two works.


1 RAMOS, Pinto Ivana. Ubirajara: ficção e fricções alencarianas. Dissertação de mestrado elaborada junto ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários - Área de concentração: Literatura Brasileira - Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. P. 1. Consultado a 10.08.2017. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/ALDR-6WDRYC/texto_dissertacao_ivana_pinto_ramos_pdf.pdf?sequence=1

2ALENCAR José, “Os Sonhos d´Ouro”, versão para ebook, digitado por Maria Fernanda Amado Morillo de Andrade, p. 20. Consultado online a 10.09.2017 e disponível em http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/sonhosdoro.pdf

3 ALENCAR José, ibidem, p. 19.

4 VAINSHENCHER, Semira Adler. Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco, "José de Alencar" consultado a 11.12.2017 em http://semiraadlervainsencher.blogspot.cz/2009/05/iose-de-alencar.html

5 ALENCAR, José. Cartas sobre a Confederação dos Tamoyos : publicadas no diário, Página 25. Consultado a 11.08.2017. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/242822

6 VAINSHENCHER, Semira Adler. Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco, "José de Alencar" consultado a 11.12.2017 em http://semiraadlervainsencher.blogspot.cz/2009/05/iose-de-alencar.html

7 Genealogia pernambucana. Descendência de Joaquim Pereira de Alencar, consultado a 11.12.2017 http://www.arauio.eti.br/descend.asp?numPessoa=6198&dir=genxdir/

8 https://pt.wikipedia.org/wild/Jos%C3910A9 de Alencar

9 Trindade, Joyce Nathália de Sousa. "José de Alencar e a escravidão: necessidade nacional e benfeitoria senhorial". Dissertação de mestrado, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de São Paulo, consultada on-line a 11.12.2017 em:http.//www2.unifesp.br/ciencias sociais/dissertacoes-defendidas-versao-final/ioyce-nathalia-de-souza-trindade


10 BROCA, Brito. Ensaios da mão canhestra: Cervantes, Goethe, Dostoievski, Alencar, Coelho Neto, Pompéia. São Paulo: Polis: Brasília: INL, 1981. P. 164. Consultado a 11.12.2017. Disponível parcialmente em: https://www.scribd.com/document/72162985/Alencar-Vida-Obra-e-Milagre

11 BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira, ibidem., página 134, nota de rodapé n.º 104

12 ALENCAR, José. "Como e porque sou romancista", p. 18. Consultado a 11.12.2017. Disponível em: http://www.dominlopublico.gov.br/download/texto/bv000311.pdf

13 MOISÉS, Massaud. História da literatura brasileira. Vol. 2, Romantismo. 3ª Ed. São Paulo: Cultrix, 1995 p. 88

14 MOISÉS, ibidem, p. 88 e 89

15 RODRIGUES, Antonio Edmilson Martins. José de Alencar: o poeta armado do século XIX, p. 137, consultado a 11.08.2017. Disponível em: https://books.google.cz/books?id=1E_30-BT_ocC&pg=PA137&lpg=PA137&dq=Antonio+Edmilson+Martins+Rodrigues+%C3%8Dndios+do+Jaguaribe&source=bl&ots=iSzUaOo3-w&sig=ADYmIaWbx_kXIew4U7IgwTnybIA&hl=pt-PT&sa=X&ved=0ahUKEwjhjNKLs_DXAhWOfFAKHZbkBT0Q6AEIOzAG#v=onepage&q&f=false

16 BROCA, Brito. Ensaios da mão canhestraob. cit., p. 162

17 BROCA, ibidem, p. 170

18 BROCA, ibidem, p. 162

19BARREIROS, António José. "História da Literatura Portuguesa" volume 2, séculos XIX-XX, 15° Edição, revista e atualizada, Bezerra Editora, p. 9

20 MOISÉS, Massaud. História da literatura brasileiraop. cit.p. 15 e 16

21 https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_VI_de_Portugal

22 CÂNDIDO, António. O romantismo no Brasil. São Paulo: Humanitas, 2002. p. 19. Consultado a 12.06.2017. Disponível em: http://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/Autores/Candido,%20Antonio/O%20Romantismo%20no%20Brasil%20-%20Antonio%20Candido.pdf

23 RIBEIRO, Maria Aparecida. Literatura brasileira. Lisboa: Universidade Aberta, 1994., p. 121

24 MARTINS, Wilson. História da inteligência brasileira. Volume III (1855-1877). 2a ed. São Paulo: T. A. Queiroz, Editor, Ltda., 2001, p.31

25 BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira, ibidem., p. 99

26 ALENCAR, José. Cartas sobre a Confederação dos Tamoyos: publicadas no diário, p.25. Consultado a 11.08.2017. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/242822

27 ARARIPE, Tristão de Alencar Júnior. Carta sobre a literatura brazilica, Rio de Janeiro : Typ. da Escola de Serafim J. A. dos Santos Cardoso, p. 15 e 16. Consultado a 11.19.2017. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/5215/1/001041_COMPLETO.pdf

28 RAMOS, Pinto Ivana. Ubirajara: ficção e fricções alencarianas. Dissertação de mestrado elaborada junto ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários - Área de concentração: Literatura Brasileira - Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. op. cit.p. 4

29 GUERRA F. Rogério. "O índio brasileiro e a Revolução Francesa", Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, v.42, n. 1 e 2, P. 251, abril e outubro de 2008. Consultado a 11.15.2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/viewFile/14585/1334

30 GUERRA, ibidem, p. 252

31GAMA, José Basílio da. Urugai. P. 5 Consultado a 6.09.2017. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bn00094a.pdf

32 BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira, 41ª ed. Sao Paulo: Cultrix, 1994, página 67

33 tradução minha: Essa natureza é tão favorável ao desenvolvimento do génio

34 DENIS, Fernand-Jean. Résumé de l'histoire littéraire du Portugal: suivi du Résumé de l'histoire Littéraire Du Brésil., Paris, Lecointe Et Durey, Libraires, Qua i Des Augustins, n2 49, 1832, p 517. Consultado a 1.18.2017. Disponível em: https://books.google.cz/books?id=w3IOAAAAQAAJ&pg=PA290&lpg=PA290&dq=Denis,+Fernand-Jean.+R%C3%A9sum%C3%A9+de+l%27histoire+litt%C3%A9raire+du+Portugal&source=bl&ots=Bb1WZJKjg4&sig=6YAs69l7ui18hmCpO_f1ec-yu6I&hl=pt-PT&sa=X&ved=0ahUKEwjJ_r-nxfPXAhWJIOwKHU48CxkQ6AEIODAC#v=onepage&q=Denis%2C%20Fernand-Jean.%20R%C3%A9sum%C3%A9%20de%20l'histoire%20litt%C3%A9raire%20du%20Portugal&f=false tradução minha: O maravilhoso, tão necessário para a poesia, será encontrado nos antigos costumes dessas pessoas, como na força incompreensível de uma natureza variando continuamente seus fenômenos: se essa natureza da América tem mais esplendor do que a da Europa, O que eles são então inferiores aos heróis dos tempos fabulosos da Grécia, esses homens.

35 DENIS, ibidem p. 527 – tradução minha: A América, brilhante na juventude, deve ter pensamentos novos e enérgicos como ela mesma; nossa glória literária nem sempre pode iluminá-la com aquilo que é enfraquecido atravessando os mares, e que deve desaparecer com as inspirações primitivas de uma nação cheia de energia. Nessas belas terras tão favorecidas pela natureza, o pensamento deve ser ampliado como o espetáculo que lhe foi oferecido; Agradecimentos majestosos às obras-primas antigas, deve permanecer independente e buscar seu guia apenas na observação. A América enfim deve ser entregue à sua poesia como ao seu governo ...”

36 http://www.jodorecantodasletras.prosaeverso.net/visualizar.php?idt=3847309

37 CÂNDIDO, António. Obr cit p. 21

38 MAGALHÃES, Gonçalves. Nitheroy, revista brasiliense, sciencias, letras e artes , Tomo I, Paris, Dauvin et Fontaine, Libraires, Passage des Panoramas, n 35, 1836, p 139. Consultado a 11.18.2017. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/6859/1/45000033223_Tomo%20primeiro%2C%20n%C3%BAmero%201.o.pdf

39 MAGALHÃES, ibidem, p. 139-140

40 MAGALHÃES, ibidem, p. 141

41 MAGALHÃES, ibidem, p. 144

42 MAGALHÃES, ibidem, p. 144

43 Ibidem

44 MAGALHÃES, Gonçalves. Nitheroy, revista brasiliense, obr cit p. 155

45 CÂNDIDO, António, op. cit. p. 30

46 CÂNDIDO, António, op. cit. p. 31

47 ALENCAR, José. O Guarani. Romance Brasileiro. Rio de Janeiro: Empreza Nacional do Diario. 1857. p.181 Consultado a 12.10.2017. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/4655

48 ALENCAR, José. O Guarani. 20ª ed., São Paulo: Ática, 1996 (Bom Livro) p. 14. Consultado a 11.19.2017. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000135.pdf

49 ALENCAR, ibidem, p. 14.

50 Ibidem

51 Ibidem

52 ALENCAR, ibidem, p. 14 e 15.

53 ALENCAR, ibidem, p. 16

54 RIBEIRO, Maria Aparecida, Op. cit. p. 132 e 133

55 RIBEIRO, Maria Aparecida, Op. cit. p. 133

56 Ibidem

57 ALENCAR, José. O Guarani. 20ª ed., São Paulo: Ática, 1996 (Bom Livro), op. cit. p. 56

58 ALENCAR, ibidem, p. 214

59 ALENCAR, ibidem, p. 252

60ALENCAR, José. Como e porque sou Romancista, op cit. p. 15 http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000311.pdf

61 ALENCAR, José. O Guarani. 20ª ed., São Paulo: Ática, 1996 (Bom Livro), op cit. p. 102

62 Ibidem

63 ARARIPE Júnior, Tristão de Alencar. Carta sobre a literatura brazilica, Rio de Janeiro: Typ. da Escola de Serafim J. A. dos Santos Cardoso, p. 22. Consultado a 11.19.2017. Disponível em: https://digital.bbm.usp.bitstream/bbm /5215/1/001041_COMPLETO.pdf

64 ARARIPE Júnior, ibidem

65 ALENCAR, José. O Guarani. 20ª ed., São Paulo: Ática, 1996 (Bom Livro), op cit.p. 93.

66 ALENCAR, ibidem, p. 40

67 ALENCAR, ibidem, p. 36

68 ALENCAR, ibidem, p. 209

69 ALENCAR, ibidem, p. 212

70 ALENCAR, ibidem, p. 231 e 232

71 ALENCAR, ibidem, p. 58

72 ALENCAR, ibidem, p. 156

73 ALENCAR, ibidem, p. 168

74 ALENCAR, ibidem, p. 189

75 ALENCAR, ibidem, p. 81

76 ALENCAR, ibidem

77 ALENCAR, ibidem, p. 57

78 ALENCAR, ibidem, p. 83

79 ALENCAR, ibidem, p. 107

80 ALENCAR, ibidem, p. 8

81 https://www.priberam.pt/dlpo/prejuízo

82 ALENCAR, José. O Guarani. 20ª ed., São Paulo: Ática, 1996 (Bom Livro), op. cit. p. 20

83 ALENCAR, ibidem, p. 20

84 ALENCAR, ibidem, p. 21

85 ALENCAR, ibidem, p. 22

86 ALENCAR, ibidem, p. 29

87 ALENCAR, ibidem, p. 121

88 ALENCAR, ibidem, p. 122

89 ALENCAR, ibidem, p. 27

90 ALENCAR, ibidem, p. 120

91 ALENCAR, ibidem, p. 121

92 ALENCAR, ibidem

93 ALENCAR, ibidem, p. 174

94 ALENCAR, ibidem, p. 185

95 ALENCAR, ibidem

96 ALENCAR, ibidem, p. 222

97 ALENCAR, ibidem, p. 226

98 MARTINS, Wilson. História da inteligência brasileira. Volume III (1855-1877). 2a ed. São Paulo: T. A. QUEIROZ, EDITOR, LTDA, 2001, p.67

99 ALENCAR, José de. Iracema. Lenda do Ceará. Rio de Janeiro : Typ. de Viana & Filhos,1865. p. 164. Consultado on-line a 12.10.2017. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/4660/1/001783_COMPLETO.pdf

100 CÁSSIO Silveira. “Iracema e a graciosa Ará: as metáforas e comparações entre personagens e natureza em Iracema”, Dissertação apresentada à Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Literatura Brasileira. São Paulo, 2009. Consultado a 10.09.2017 e disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8149/tde-23032010-103036/pt-br.php p 9

101 ALENCAR, José de. Iracema. 24. ed. São Paulo: Ática, 1991. (Bom Livro) P.7. Consultado a 10.02.2017 e disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000136.pdf

102 ALENCAR, ibidem, p. 59

103 ALENCAR, ibidem, p. 13

104 ALENCAR, ibidem, p. 11

105 ALENCAR, ibidem, p. 15

106 ALENCAR, ibidem

107 ALENCAR, ibidem

108 BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira, 41ª ed. Sao Paulo: Cultrix, 1994, página 138

109 ALENCAR, José de. Iracema. 24. ed. São Paulo: Ática, 1991. (Bom Livro) op. cit. p 7

110 ALENCAR, ibidem, p. 25

111ALENCAR, ibidem, p. 13

112 https://www.priberam.pt/dlpo/gar%C3%A7a

113 ALENCAR, ibidem, p. 43

114 ALENCAR, ibidem, p. 19

115 ALENCAR, ibidem, p. 9

116 ALENCAR, ibidem, p. 15

117 ALENCAR, ibidem, p. 29

118 CÁSSIO Silveira. “Iracema e a graciosa Ará: as metáforas e comparações entre personagens e natureza em Iracema”, Dissertação apresentada à Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Literatura Brasileira. São Paulo, 2009. Consultado a 10.09.2017. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8149/tde-23032010-103036/pt-br.php p. 58 e 59


119ALENCAR, José de. Iracema. 24. ed. São Paulo: Ática, 1991. (Bom Livro) op. cit. P 15

120ALENCAR, ibidem, p.30

121ALENCAR, ibidem, p.11

122 ALENCAR, ibidem, p.51

123 ALENCAR, ibidem, p.56

124 ALENCAR, ibidem, p. 51

125 ALENCAR, ibidem, p. 54

126 ALENCAR, ibidem, p. 25

127 ALENCAR, ibidem

128 ALENCAR, ibidem, p. 23

129 ALENCAR, ibidem, p. 45

130 ALENCAR, ibidem, p. 45

131 ALENCAR, ibidem, p. 59

132 ALENCAR, ibidem

133 ALENCAR, ibidem

134 ALENCAR, ibidem, p. 41

135 ALENCAR, ibidem

136 ALENCAR, ibidem, p. 41

137 ALENCAR, ibidem

138 ALENCAR, José de. Iracema. Lenda do Ceará. Rio de Janeiro : Typ. de Viana & Filhos,1865. p. 170. Consultado a 12.10.2017. Disponível https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/4660/1/001783_COMPLETO.pdf

139 ALENCAR, José de. Iracema. 24. ed. São Paulo: Ática, 1991. (Bom Livro) op. cit. p.10

140 ALENCAR, ibidem, p.10

141 ALENCAR, José de. Iracema. Lenda do Ceará. Rio de Janeiro : Typ. de Viana & Filhos,1865. op. cit. p. 168,

142 ALENCAR, José de. Iracema. 24. ed. São Paulo: Ática, 1991. (Bom Livro) op. cit. p. 13

143 ALENCAR, ibidem, p. 10

144 ALENCAR, ibidem, p. 13

145 ALENCAR, ibidem, p. 19

146 ALENCAR, ibidem, p. 21

147 ALENCAR, ibidem, p. 13

148 OLIVEIRA, Maria Edith Maroca de Avelar Rivelli de. Letras de memória [manuscrito]: o indígena como cronótopo da narrativa do passado no período imperial, dos estudos históricos ao romance indianista de José de Alencar (1820-1870) – 2011. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em História, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em História., p. 73 e p. 80. Consultado a 06.07.2017. Disponível em: http://www.repositorio.ufop.br/bitstream/123456789/2951/1/DISSERTA%C3%87%C3%83O_LetrasMem%C3%B3riaInd%C3%ADgena.pdf

149ALENCAR, José de. Iracema. 24. ed. São Paulo: Ática, 1991. (Bom Livro) op. cit. p. 43

150 CÁSSIO Silveira. “Iracema e a graciosa Ará: as metáforas e comparações entre personagens e natureza em Iracema” obr cit. p. 66 e ss

151 ALENCAR, José de. Iracema. 24ª ed. São Paulo: Ática, 1991. (Bom Livro) op. cit. p. 35

152 ALENCAR, José de. O Guarani. 20ª ed., São Paulo: Ática, 1996 (Bom Livro), op. cit. p. 57

153 ALENCAR, ibidem, p. 51

154 ALENCAR, ibidem, p. 30

155 ALENCAR, ibidem, p. 156

156 ALENCAR, ibidem, p. 23

157 ALENCAR, José de. Iracema. 24. ed. São Paulo: Ática, 1991. (Bom Livro) op. cit. p. 9

158 ALENCAR, José de. O Guarani. 20ª ed., São Paulo: Ática, 1996 (Bom Livro), op. cit. p. 83

159 ALENCAR José, “Os Sonhos d´Ouro”, versão para ebook, digitado por Maria Fernanda Amado Morillo de Andrade, op. cit. p. 20

160 ALENCAR, ibidem

161 MOISÉS, Massaud. História da literatura brasileira. Vol. 2, Romantismo. 3ª Ed. São Paulo: Cultrix, 1995, op. cit. p. 94


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   19


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal