O ensino de filosofia no ensino médio: tecnologias digitais e práticas pedagógicas inovadoras centro Universitário Internacional Uninter



Baixar 5.01 Kb.
Encontro18.03.2020
Tamanho5.01 Kb.

O ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO: TECNOLOGIAS DIGITAIS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS

Centro Universitário Internacional Uninter

Ademir Aparecido Pinhelli Mendes

Arthur Silva Araújo

Eliane Blaszkowski Champaoski

Investiga as contribuições das tecnologias digitais para o ensino de filosofia no ensino médio.

Objetivo

Analisar a viabilidade da aprendizagem filosófica no ensino médio mediada pelas tecnologias digitais.



Encaminhamentos metodológicos

Observações das aulas de um professor de filosofia no Ensino Médio, de uma escola pública estadual do município de Curitiba-PR.

Escolher um filósofo moderno ou contemporâneo e estudar o tema da ética e da política.

Construir um mapa conceitual utilizando o aplicativo Cmaptools e produzir um vídeo explicando os seguintes pontos: contexto histórico do filósofo, concepção ética e política, vida e obra.



Recursos tecnológicos utilizados

Vídeo (YouTube, que é uma plataforma de compartilhamento de vídeos)

Sway (aplicativo que permite a criação de apresentações para a web, evolução do PowerPoint)

Cmaptools (ferramenta para criar mapas conceituais)



Ilustração 1 - Entre Platão e Pokemon Go e o Uso do Youtube no Ensino de Filosofia

Fonte: KREFER, Milene (2016)

Ilustração 2 - Sway e os Debates da Ética e Política

Fonte: MENDES. Ademir Aparecido Pinhelli (2017)

Fonte: Alexandre Cosechen, Lucas Santos (2017)

Ilustração 3 - Vida e Obra de Adam Smith usando o Cmaptools

Resultados

Evidenciam que o ensino de filosofia no ensino médio pode ser potencializado pelos aparatos tecnológicos envolvendo os sujeitos do processo de ensino e aprendizagem dos temas filosóficos.

ABREU, C.N.; EISENSTEIN, E.; ESTEFENON, S. G. B. Vivendo esse mundo digital: impactos na saúde, na educação e nos comportamentos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2013.

ALMEIDA, M. E. ProInfo: Informática e Formação de Professores – Vol. 1; Brasília: MEC/ Secretaria de Educação à Distância, 2000.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. D. O. U., Brasília, 31 jan. 2012, Seção 1, p. 20.

COLL, C.; MONEREO, C. Psicologia da educação virtual. Porto Alegre: Artmed, 2010.

D’AMBRÓSIO, U. Educação Matemática: da Teoria a Prática. Campinas: Papirus, 2001.

LITWIN, E. Tecnologia Educacional: política, história e propostas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MOORE, M. & KEARSLEY, G. Distance Education – A Systems View. Belmont: Wadsworth, 1996.

MORAN, J. Como utilizar a Internet na educação. Ciência da Informação. V. 25, n. 02, 1997.

SILVA, J. C. Informática e Cultura Profissional: o laboratório de informática da escola como espaço de formação. In: FONSECA, S. G. Currículos, Saberes e Culturas Escolar. Campinas, Editora Alínea. 2007.

TAJRA, S.F. Informática na Educação: novas ferramentas pedagógicas para o professor da atualidade. 3 ed. São Paulo: Érica, 2001.



Referências

Obrigado pela atenção!

Ademir Aparecido Pinhelli Mendes ademir.m@uninter.com

Arthur Silva Araújo

arthur_40@hotmail.com.br



Eliane Blaszkowski Champaoski lilikaj@hotmail.com


Compartilhe com seus amigos:


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal