Masarykova univerzita



Baixar 275.91 Kb.
Página12/21
Encontro17.03.2020
Tamanho275.91 Kb.
1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   ...   21

O sentido do clima


O clima é um elemento muito importante para os habitantes insulares porque influencia as vidas deles. Os indígenas sobrevivem maioritariamente dos produtos do mar e da terra. Se as condições climáticas não são favoráveis, as vidas deles ficam em perigo. A referência ao clima está sempre presente na obra de Albertino Bragança. Autor menciona a profusão das frutas e plantas exóticas em « Reencontro »: « O caminho por onde seguiam era estreito, ladeado por enormes quimes2 e por uma ou outra jaqueira3 de frutos ressequidos » (Idem, p. 28) ou faz alusões ao gravanas – designação dada à estação seca em São Tomé e Príncipe. No conto « Reencontro », a estação de gravana é ligada com um acontecimento triste do protagonista Mé Péma – a desaparcimento da sua mulher Milinda.

Todavia, o clima não representa só um factor externo nas vidas dos indígenas. Ele é intimamente ligado com o mundo interior deles, como se o tempo actual expressasse os sentimentos das personagens, como se espelhasse o ambiente reinante na sociedade descrita. Assim, em Rosa do Riboque e outros contos, como se a lama omnipresente assinalasse a posição dos riboquenses exprimindo a pobreza e a impotência deles. Este facto é bem visível no conto « Rosa do Riboque » no exemplo seguinte: « De facto, a lama e as poças de água da chuva dominavam de forma alucinante todo o bairro, transmitindo uma sensação de angústia e de mal-estar, até mesmo às gentes que impotentes, com elas coabitavam desde que viram a luz do dia. » (Idem, pp.33-34) Para amplificar esta impotência do povo diante do clima, nas regiões equatoriais é típica a alternação das estações secas com as de chuva. Umas causam, pois, o calor abafado e a falta da água e outras ocasionam a lama nos caminhos. Como disse Beto Vicente falando à defunta Rosa Adrina « a guerra contra a lama dos caminhos terminou-se. » (Idem, p.58) mas reverzou-se com a gravana. De uma forma ou de outra, como se não existisse a possibilidade de se libertar deste sentido da desesperança causada pela incapacidade de lhe enfrentar.




      1. Compartilhe com seus amigos:
1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   ...   21


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal