Laudo técnico n º 32/2017 Ref: ic



Baixar 2.02 Mb.
Página4/7
Encontro20.06.2021
Tamanho2.02 Mb.
1   2   3   4   5   6   7
Análise Técnica:

O imóvel localizado na rua Bonfim nº 287 foi inventariado pelo município em março de 2009 e a proteção proposta foi o inventário. Consta na ficha que naquela época o imóvel encontrava-se em bom estado de conservação externamente. Apresentava iluminação e ventilação precárias, sujidades e desgaste na pintura, danos no reboco, manchas de umidade nas alvenarias, desgaste dos materiais devido às intempéries.

Insere-se na esquina da rua Bonfim, um dos mais antigos eixos de ocupação da cidade, e na lateral da Praça da Igreja Matriz Nossa Senhora do Carmo, compondo a ambiência desta. Implanta-se na Área 1 - Sede - Seção A, conforme classificado no Plano de Inventário do município, que é o núcleo urbano inicial da cidade, região de maior riqueza em termos de conjuntos arquitetônicos ainda remanescentes do final do Séc. XVIII e início do Séc. XIX. Seu crescimento relaciona-se as fases de construção da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo e a Igreja Nossa Senhora do Rosário.
As habitações surgiam no eixo entre as duas igrejas e ainda hoje se encontram muitos exemplares da arquitetura colonial do final do séc.XIX, paredes de pau-a-pique, plantas retangulares, janelas retangulares e grandes aberturas, com madeira fazendo o travamento das aberturas. A ocupação do terreno não apresenta afastamento frontal da testada do lote, apenas as mais recentes, e o afastamento lateral mínimo para passagem de pedestres. As ruas, em sua maioria, receberam asfalto e outras ainda apresentam o calçamento de blocos sextavados que são posteriores à fundação da cidade. Predominam na região edificações de apenas 1 pavimento, antigamente a maioria residencial, hoje se observa uma ocupação dessas edificações para serviços, comércio, etc.
A cidade tem passado por mudanças significativas na sua paisagem, com substituição das antigas edificações por prédios contemporâneos, desprovidos de história e significância cultural, comprometendo o acervo cultural do município. Segundo o plano de inventário, grande parte das edificações inventariadas encontra-se em precário estado de conservação.
Este Setor Técnico realizou vistoria no imóvel no dia 07/11/2017 no período da manhã. O imóvel construído originalmente para fins residenciais encontra-se sem uso e está a venda10.
De partido retangular e características do estilo colonial, implanta-se no alinhamento frontal do terreno. O sistema construtivo é estrutura autoportante de madeira, cobertura em quatro águas com engradamento de madeira e vedação em telhas francesas e esquadrias de madeira. Preserva as mesmas características descritas na ficha de inventário.
Não foi possível o acesso ao interior do imóvel. Externamente constatamos patologias decorrentes do seu uso e da falta de ações permanentes de manutenção e conservação: manchas de umidade junto a base da edificação, desgaste e trechos faltantes nos elementos de madeira, vidros quebrados, telhas deslocadas, trincas nas alvenarias, descolamento do reboco em alguns trechos. A edificação vizinha foi construída bem próxima ao imóvel em análise, prejudicando a iluminação e a ventilação.

Constatou-se na data da vistoria que o imóvel está exposto às ações de vandalismo, tendo em vista que a porta de acesso lateral esta aberta. Através dela foi possível constatar que o piso tabuado apresenta peças faltantes.


Apesar do estado de abandono, não apresenta danos aparentes que demonstrem o seu comprometimento estrutural. Constatou-se, na área externa da edificação, a presença de alguns elementos de madeira, provavelmente pertencentes à edificação em análise, que foram removidos e encontram-se expostos às intempéries.






Figura 04 – Fachada frontal.

Figura 05 – Fachada lateral com a igreja matriz no entorno.





Figura 06 – Fachadas frontal e lateral.

Figura 07 – Telhas deslocadas e vidros quebrados.





Figuras 08 e 09 – Danos nas alvenarias e madeiras expostas ao tempo.





Figura 10 – Proximidade da edificação vizinha e manchas de umidade junto a base.

Figura 11 – Escada de pedras tipicas da região existente na calçada do imóvel.







  1. Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal